::Discriminação nas universidades alemãs::

Estou lendo um artigo praticamente inacreditável com relação ao racismo, à discriminação e à solidão, além de dificuldades com a burocracia que os estudantes estrangeiros sofrem aqui na Alemanha. Parei no meio para vir comentar aqui. Isso me deixou muito triste, pois como o próprio artigo diz, a Alemanha depende de estudantes estrangeiros não somente pelo interesse de promover o melhor entendimento entre as culturas ou para que exista uma troca internacional nas universidades, mas acima de tudo por interesses próprios, para que os estudantes talvez se decidam ficar por aqui e trabalhar na Alemanha, pois o país precisa urgente de pessoal qualificado em várias ramificações da engenharia, dentre outras áreas. Um estudante negro teve que ir à justiça para ter direito de entrar numa discoteca de sua cidade que tinha colocado um aviso na entrada “Proibida a entrada de estrangeiros”. A tal discoteca teve que pagar 500 euros de multa pelo ato de racismo ao estudante. Outra estudante chinesa foi xingada no meio da universidade por um estudante alemão, mandando ela voltar para o país de onde veio. O mesmo estudante africano apresentou um excelente trabalho e recebeu como pergunta: “Que alemão o ajudou a fazer o seu trabalho?”. O texto, da revista alemãUniSpiegel” comenta, com razão, que o ambiente universitário é um espelho da sociedade onde está inserido e que o número de estudantes estrangeiros vem decaindo na Alemanha desde 2003.

Thiago Guimarães, 30 anos, Brasil, está cursando o curso de mestrado em Planejamento de Cidades na Universidade HafenCity de Hamburgo.

Por fim, o caso de um brasileiro, Thiago Guimarães, que veio para estudar em Hamburgo:

“Se eu pudesse decidir novamente, não teria vindo estudar em Hamburgo. Sete dias antes do início do semestre ninguém da universidade sabia me informar se eu tinha conseguido a vaga ou não. Eles nem entenderam como é difícil um estudo no exterior: visto, organização da viagem de avião, despedida de casa. Eu tive que escrever muitos E-Mails até que a confirmação da vaga na universidade chegasse. Na Alemanha fui recepcionado por uma funcionária da universidade com as seguintes palavras: “Você então é o brasileiro que nos deu tanto trabalho”.

***

Eu particularmente tive poucos problemas na universidade. Claro que uma vez ou outra notei não ser bem quista por uma ou outra pessoa, mas atribuí esses problemas a dificuldades normais de relacionamento e não perdi tempo “batendo como água em pedra dura”, sempre busquei relacionamentos frutíferos, independentemente da nacionalidade das pessoas. Quanto à burocracia e solidão eu concordo com o que foi colocado, mas os sinais de racismo e discriminação aberta me deixaram perplexa!

Anúncios

Tags: , , , , , ,

11 Respostas to “::Discriminação nas universidades alemãs::”

  1. Ciça Says:

    Sandra eu acredito que a sua atitude é o melhor caminho para se resolver esse problema. Quem é racista ou tem atitudes racistas uma hora acabará se isolando pois a tentendeia mundial é essa mistura entre povos e raca. Hoje se ouve um “quem foi o alemao que te ajudou?” com trabalho e dicacao no futuro se ouvira “tanto empenho so poderia ser de um estrangeiro”. A gente precisa batalhar mais sim, entao vamos a luta. Chover no molhado nao vai adiantar MESMO

  2. Sandra Says:

    Falou e disse, Ciça! 🙂

  3. Mi Says:

    caramba, que casos! eu, gracas a deus, nunca senti nenhuma discriminacao na uni e nao conheco nenhum caso por aqui. ao contrario, varios profs me ofereceram escrever os trabalhos ou provas em ingles e os outros estudantes me perguntavam se eu tinha pego a materia da aula direito, senao eu podia copiar deles. fiquei ate surpresa com a prontidao, que geralmente vc nao acha na rua, mas na uni os estudantes eram bem diferente. Claro que as vezes depende da materia, como em direito ou economia, onde a concorrencia é maior as pessoas tb nao sao tao receptivas. mas fiquei agora ate triste em ler sobre esse assunto, pq pra mim era o contrario. bjs!

  4. Camila Says:

    Eu frequento o LL.M para juristas estrangeiros em Frankfurt e estou absolutamente decepcionada com o curso, com a faculdade, com os colegas. Somos um grupo pequeno, 13 alunos, todos estrangeiros, mas existe um clima de rixa horroroso, é um tal de sonegar informacao, tirar sarro de sotaque/erros de alemao, fofoca, o horror. (O pior é que nao há motivo para concorrência, já que cada um tem seu orientador, assiste a aulas diferentes, cada um vai se especializar em uma área diferente!)
    Sem contar que a universidade é caótica, cada coisa que eu preciso descobrir é uma maratona. Professores que nao demonstram um mínimo de compreensao com as dificuldades dos estrangeiros. Até o website da faculdade é confuso… Eu li essa matéria da Uni Spiegel, fiquei muito triste. Nao merecemos isso!

  5. Sandra Santos Says:

    Que pena, heim Camila? Esses estudantes vao descobrir mais tarde que perderam um precioso tempo ao se privar da companhia de colegas do mesmo curso!
    Um abraco,
    Sandra

  6. CRISTIANE Says:

    GENTE, ESTOU IMPRESSIONADA COM A DISCRIMAÇÃO DE UM PROFESSOR DE ALEMÃO !
    ESTOU NA ESPANHA FAZENDO AULAS DE ALEMÃO, COM UM PROFESSOR VINDO DE HAMBURGO…

    DENTRE TODOS OS ESPANHOIS, EU FUI A QUE MAIS ME DESTAQUEI, SEMPRE CHEGANDO CEDO E ATINGINDO OS OBJTIVOS ESTIPULADOS PELA ESCOLA…

    MAS, NA PROVA FINAL, EU HAVIA ACERTADO EXATAMENTE TUDO !
    A PROVA ERA ESCRITA , DIFICIL… MAS QUANDO EU RECEBI A PROVA, ELE HAVIA PRATICAMENTE ME DESQUALIFICADO PORQUE O MESMO ME DISSE QUE NÃO SABIA ESCREVER ! ISSO PORQUE ESCREVO COM LETRAS DE FORMA… ISSO SEMPRE FOI ASSIM E NUNCA TIVE PROBLEMAS NA MINHA VIDA !

    ISSO ACONTECEU PORQUE SOU BRASILEIRA ! PRA ELES SOMOS DO SUB_MUNDO… NUNCA QUE UMA BRASILEIRA PODERIA SE SOBRESSAIR PERANTE OS OUTROS DA SALA…É O FIM…

    GENTE, ESTOU MAL !

    • Sandra Santos Says:

      Oi Cristiane,
      Uma prova 100% correta, estando ela em letra de forma ou nao, deve ganhar a pontuacao máxima. Sugiro que entre em contato com a diretoria da escola, mas que se atenha aos fatos, mais do que às suposicoes. Nenhum professor tem o direito de diminuir a nota pela forma com que uma pessoa escreve.
      Te desejo boa sorte na resolucao do seu problema.
      Um abraco,
      Sandra

  7. Silvia Says:

    Mineirinha…

    Me mudei da Holanda pra Alemanha e me sinto como se tivesse saído do céu para o inferno…
    Não dei sorte ou então as pessoas aqui são assim mesmo…preconceituosas.No meu curso de alemão o funcionário gritou comigo pois me perdi e cheguei atrasada e disse que era problema meu.Tipo, eu não esperava que eles seriam como nós brasileiros um povo solicito e amigavel, mas isso realmente me decepcionou muiiito mesmo.
    Meu marido é holandês e ambos estamos sentindo preconceito na pele e vamos sair da Alemanha o mais rapido possível.Odiei muito esse lugar!

    • Sandra Santos Says:

      Oi Silvia,
      Há sim pessoas preconceituosas, mas onde elas nao estao? Há também pessoas ótimas e amigas, na realidade há de tudo. O que nao significa que temos que levar desaforo pra casa, claro. No comeco eu também achava que a reacao das pessoas era preconceito, mas olhei mais a fundo e vi que determinadas pessoas sempre reagiam da mesma maneira, nao importando com quem quer que fosse que estivessem lidando. Com o tempo fui aprendendo a lidar com a cultura e com o povo alemao. Hoje tenho bons amigos daqui. Desejo que vc encontre alguns também! Enquanto vive aqui, se tiver interesse em entender um pouco mais da cultura alema, pode ler meu livro. Fica a sugestao.
      Um beijo,
      Sandra

  8. Tammy Says:

    Estive pensando em ir para a Alemanha,acho que posso me dar bem lá,por ser uma pessoa fechada e estressada,hahaha,acho que não vou ter grandes dificuldades…
    A verdade é que o ser humano tem que se adaptar a várias situaçoes por mais dificil e estranhas que sejam,é dificil pensar em um lugar onde as pessoas mantenham a “cara fechada” mas pow,é apenas o jeito deles msm.
    Ainda não desisti de ir para a Alemanha,meu maior medo são aqueles grupos nazi que são radicalmente xenofobicos.Disto eu tenho medo.
    Já do “humor” alemão eu não tenho medo,eu acabo me integrando a sociedade,acabo sendo como eles,quem sabe uma deles.

    Queria saber as regioes com maior incidencia de xenofobia,pois são estas regioes que eu não quero visitar,nem chegar perto,enfim,nem habitar.(tenho medo mesmo)
    Mas acho que se a pessoa for direita,não se meter onde não é chamanda,for sempre correta…não devem haver mtos problemas.

    • Sandra Santos Says:

      Oi Tammy,
      Vou ficar te devendo esta resposta. Poderia responder que é na ex-Alemanha oriental, mas nao me sentiria bem em excluir a ex-Alemanha ocidental do xenofobismo. No final é como vc disse mesmo: se souber se portar, e selecionar seus amigos e com quem anda, tudo deverá correr bem.
      Indico a leitura do meu livro, o “Mineirinha n’Alemanha”. De uma olhada nos links à direita do blog “Opinioes dos leitores” e “Sobre o livro”.
      Um abraco e tudo de bom,
      Sandra

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: