::Participe! Pesquisa de opinião::

Bom dia!

Estou fazendo uma pesquisa e também juntando idéias para os próximos textos, e para isto tenho algumas perguntas para vocês, brasileiros morando na Alemanha:

Quais são / foram suas maiores dificuldades aqui (questões práticas e do dia-a-dia, tirando o idioma)?

Que tipo de ajuda vocês gostariam de encontrar / de ter encontrado (principalmente assim que chegaram aqui)?

O que facilitaria a vida de vocês durante sua permanência aqui?

Sei que cada um terá sua opinião super pessoal, mas é ouvindo vocês que vou juntando as peças do meu quebra-cabeças! Aguardo várias opiniões!!! Obrigada! 😉

Anúncios

Tags: , , , , , ,

16 Respostas to “::Participe! Pesquisa de opinião::”

  1. arlete sofiatti Says:

    Sandra,
    Creio que os maiores problemas que enfrentamos quando chegamos foram derivados do desconhecimento da lingua, somados ao frio, pois chegamos em janeiro, e ao jeito rude de ser dos alemaes, principalmente na prestacao de servicos. Tive cada situacao cabeluda e muitas vezes ainda passo por algumas. Talvez se tivesse dominio do idioma, fosse mais facil lidar com elas. Aqui em Bonn, apesar de ser ex-capital e a maioria das pessoas falar ingles, ser estrangeiro e nao falar direito a lingua ‘e um problema e muitas vezes tiram proveito disso ou nos tratam com uma certa agressividade.

    Quanto a necessidade de ajuda. Tivemos o apoio de uma agente de recolocacao contratada pela empresa do meu marido. Ela nos ajudou a encontrar o apartamento onde moramos, assinar contrato, instalar telefone, obter as documentacoes necessarias junto a prefeitura para nos estabelecermos. Depois, aos poucos fomos conhecendo alguns brasileiros e portugueses que nos assessoraram em questoes legais, bem como alemaes que falavam ingles. De novo, a lingua como maior barreira.

    A nossa vida por aqui ‘e tranquila, mas talvez o que facilitaria um pouco mais seria ter a possibilidade de fazer cursos a noite, ou as sextas e sabados. Aqui em Bonn, nao tem nenhuma escola de linguas, curso universitario ou de pos que funcione nesses periodos.
    Meu marido gostaria de fazer um curso de pos-graduacao numa faculdade do outro lado do rio, pertinho aqui de casa, mas o curso dura dois anos em periodo integral. Ou seja, quem trabalha nao tem condicoes de cursa-lo.
    Por isso e outros fatores, entra a questao que voce citou de nao ter alemaes qualificados para determinadas atividades, fazendo-se necessaria a contratacao de estrangeiros para suprir essa falta. Este foi o caso do meu marido e das centenas de empregados da DHL e do Deutsche Post, bem como de outras empresas, como posso perceber no meu curso de alemao e no Book Club do qual faco parte.

    Pra mim, os alemaes deveriam ser mais flexiveis. Eles podem estar em recessao ou em dificuldades financeiras ao ponto de terem que fechar o negocio, mas nao deixam de ter seus periodos de descanso em plena semana. Tem lojas no meu bairro que nao trabalham das 12h as 14h30 ( talvez porque so o dono toma conta, em vez de contratar pessoal) e nao abrem as quartas a tarde e fecham a 1hora no sabado. Os medicos tambem tem horarios reduzidos de atendimento, mas no caso deles, imagino que atendam em outros locais.
    As vezes, ‘e o proprio dono que presta o servico e, se voce chega faltando 5 minutos para fechar a loja, eles dizem que nao da pra atender porque estao fechando. No caso de empregados que nao ganham comissao, da ate pra entender, mas ai fica a pergunta: por que eles nao pensam que se atenderem bem o cliente, fecharem uma compra e cativarem o cliente para proximas compras, o patrao vende mais e o emprego deles esta teoricamente garantido?
    Ai no sul ‘e a mesma coisa?

    • Sandra Santos Says:

      Oi Arlete,
      Sim, isso que vc comentou de lojas ou repartimentos públicos que fecham de 5-15 minutos antes do horário estipulado é comum na Alemanha toda!
      Um abraco,
      Sandra

  2. arlete sofiatti Says:

    Eu disse que nao tem escola que funcione a noite. Na verdade, cursos de linguas tem exceto as sextas. Esqueci que eu mesma tenho aulas a noite, tambem, faz tempo que nao vou. Operacao da Lara, ferias de pascoa, ida para o Brasil, mas falto do que vou.
    bjs

    • Sandra Santos Says:

      Oi Arlete,
      Vc já olhou as possibilidades de estudar à distancia e os cursos locais da VHS (Volkshochschule)? Eu mesma já fiz um curso de especializacao à distancia e já fiz muitos cursos na VHS.
      Um beijo,
      Sandra

  3. Maira Says:

    Oi Sandra! Concordo com os ptos citados pela Arlete. Acho importante também sempre sabermos em que situacao uma pessoa veio para cá, pois já percebi que as impressoes variam muito de acordo com a situacao em que a pessoa veio e também de acordo com as condicoes de vida da pessoa no Brasil antes de vir pra cá. Acho que vale a pena incluir essa pergunta nessa pesquisa. Com isso dá até pra escrever uma tese…hehehe… Bjks!

  4. Dona Says:

    Ah… tantas coisas bobas… eu me perdi em coisas bobas, como ir ao banco depositar dinheiro e descobrir que tinha que trazer cartão ou se fosse depositar para outra pessoa teria que pagar 7 euros de taxa. O mesmo para pagar os tais “Rechnungen”. Como preencher declaração de imposto de renda, o que deduzir…
    Outro dia foi engraçado ver que existe um curso em Luxemburgo chamado “Luxembourg – Inside & Out” e lá eles ensinam coisas práticas, bobas, mas que quem chega a um novo país não sabe: quantos beijos você dá ao encontrar alguém? Quanto você precisa deixar de gorjeta? Quais são os passatempos favoritos do povo? Quais são os feriados?Como começar um negócio? Onde buscar informações governamentais, etc, etc, etc…
    Eu já me perguntei várias vezes “Onde é o Procon alemão” e “O que seria o Sebrae alemão”? Até descobrir que não existem… segundo meu marido, claro! [:D]
    Parabéns pelo seu blog e pelo seu livro!!

  5. Liza Says:

    Acho que a grande maioria de brasileiros que moram aqui na Alemanha partilham de pontos muito parecidos e a maioria das dificuldades acabam surgindo por causa do idioma.
    Uma coisa que percebo também eh que muitas pessoas saem do Brasil cheios de “pré-conceitos”. Qualquer pessoa que saia do seu país vai encontrar uma cultura muito diferente, enfrentará algumas dificuldades para se adaptar, terá que lidar com um clima diferente e principalmente terá que lidar com sentimentos muito fortes, principalmente com a saudade. Olhar somente o lado negativo das coisas, viver lamentando essas diferencas pode tornar a vida aqui na Alemanha frustrante.
    Tenho encontrado alguns brasileiros pelo caminho e percebo que alguns esperam que a Alemanha se encaixe a eles e nao o contrario. As pessoas nao aceitam que temos que nos adaptar a um lugar novo e aprender a lidar com as diferencas. Nao aceitam que diferencas culturais existem em qualquer lugar, inclusive no Brasil que eh um pais tao grande e diversificado.
    Quando cheguei aqui encontrei ajuda de outros estudantes, já que moro numa cidade universitária e acabei conhecendo uma portuguesa e uma brasileira que me ajudaram um pouco. Também apareceram muitos alemaes sempre dispostos a ajudar no que precisavamos. Se eu viesse para Alemanha hoje gostaria de ter lido o seu livro antes. Sério, acho que vim para cá sem saber direito o que me esperava e ler um pouco da Alemanha através do olhar de uma pessoa que passou pelas mesmas coisas seria um alívio.
    Vou continuar pensando sobre essas questoes e logo volto para escrever mais. Ah, obrigada pelo seu comentario la no blog. E por causa do comentario me lembrei que o Alberto ainda nao escreveu o depoimento. Que vergonha! Puro esquecimento, viu? Já puxei a orelha dele e ele prometeu escrever esse fim de semana. Ah, eh so marcar que vamos pra ai encontrar voce e curtir uma tarde no lago. Eh tao pertinho, ne?
    Beijos,
    Liza

  6. Juliane Says:

    Sandra, moro aqui na Alemanha ha 3 anos e concordo plenamente com a Maira e com a Liza.Acho que tudo depende muito da situacao de cada uma das pessoas e motivo pelo qual elas vieram morar na Alemanha.Conheci meu marido no Brasil e ele me chamou para vir morar aqui.Tinha uma vida muito boa lá, fiz universidade, trabalhava, mas decidi abrir mao e vir morar na Alemanha.E tive muita sorte, porque a ” Alemanha” me recebeu muito bem, talvez porque tivesse ao meu lado um cidadao alemao para me ajudar e me apoiar.Comecei a estudar a lingua depois de 4 dias no país e ate hoje nao falo muito bem, mas nao parei, continuo estudando muito.
    Como a Liza falou, as pessoas costumam vir morar aqui e querer que o país se adapte a elas e nao o contrario, o que dificulta a adaptacao dessas pessoas no pais, sem contar o clima, que é muito diferente e tem influencia no jeito das pessoas.
    Ás vezes esse jeito “frio” delas machucam a gente sim, mas precisamos aprender a lidar com isso e ver que nem todos os alemaes sao frios ou agressivos ou preconceituosos.Acho que se todos parassem de generalizar as coisas, tudo seria mais facil.
    Por exemplo, estavamos no aeroporto do Rio de Janeiro em novembro de 2009 e o meu marido pediu uma informacao, o atendente foi muito mal educado e no mesmo aeroporto, em uma lanchonete, a atendente me tratou com muita ignorancia e isso é Brasil e nem por isso posso dizer que todos os brasileiros sao mal educados.O que quero dizer é que essa poderia ser uma pessima impressao para o meu marido e ele poderia achar que o povo brasileiro é mal educado.
    Como no Brasil, aqui na Alemanha também existe muita gente com coracao bom, mas eles sao duros, firmes, nao tem o jeitinho do Brasileiro e é isso aí, quem quiser viver aqui, tem que acostumar e dar tempo ao tempo que tudo melhora.Com esse jeito do alemao, podemos também aprender muito, muito mesmo.
    Quanto a facilitar a estadia aqui, para falar a verdade,eu acho muito complicado alguem vir morar aqui sem ter um objetivo de estudo, trabalho ou com quem contar.

    Sandra, nao pude responder diretamentes às suas perguntas, mas deixo aqui a minha opiniao sobre o assunto.
    Obrigada,
    Juliane

  7. Silvia Says:

    Poxa, Sandra… agora me senti excluida, snif, snif… rsrsrs

  8. L&S Says:

    Oi querida!!! Demorei mas cheguei! hehehe
    Bom acho que as dificuldades que tive (além da lingua) foram coisas simples como pedir pro zelador arrumar o meu nome na caixa de correio, descobrir qual era o sal de cozinha normal no mercado!! hahaha
    O clima eu não achei tão desesperador, afinal você sabe que vai vir pra ca e passar frio..não é nenhuma surpresa!
    Quanto ao povo acho que são melhores do que eu esperava! Algumas raras vezes me deparo com alguns “velhos” chatos, mas nada que me faça ter uma crise.
    Acho que no geral eu tive muita sorte de descobrir blogs como o seu e o da Maira que me ajudaram muito a descobrir como era a Alemanha antes de chegar aqui, pra descobrir como me adaptar. E o que realmente ajudaria seriam blogs, ou livros como o seu, que ajudam as pessoas a aprenderem a lidar com a nova cultura, afinal, quem tem que aprender a lidar com eles somos nós!!! E claro, uma professora pra te ensinar a ir no banco, reclamar de alguma coisa, etc..sempre é bom!

    • Sandra Santos Says:

      Ei! Bem-vinda ou bom retorno, hihihi… Que bom que vc comecou a comentar por aqui. Agora é só ficar continuar e ficar viciada, vc se acostuma… 🙂 Um beijo pra vc, seu marido e todo o grupo de Stuttgart,
      Sandra

  9. leandro pereira Says:

    oi eu sou leandro ,casado,tenho 27 anos e moro aq no brasil em sao paulo….
    gostaria de uma ajuda,sou cabeleireiro e tenho ouvido muintas coizas a respeito de viver na alemanha…
    aq no brasil economicamente nao ta facil,dizem q ai na alemnha pra quem quer trabalhar a vida pode ser melhor doque aqui
    ???? gostaria de saber oq vcs pensao
    ..se puder me responder por email ficaria grato sem mais obrigado

    • Sandra Santos Says:

      Oi Leandro,
      A crise aqui também nao está fácil, conseguir montar a vida aqui significa enfrentar muitos desafios. Se quiser ler mais sobre a vida e trabalho na Alemanha, pode adquirir meu livro “Mineirinha n’Alemanha”.
      Um abraco e boa sorte,
      Sandra

  10. S.L Says:

    Olá a todos! estou na Alemanha a 1 ano e a única dificuldade é o idioma. Só isso, pois as pessoas chegam e querem conversar comigo, seja no supermercado,na rua… as senhorinhas sao as campeas, srsrsr entao com muito jeitinho eu explico que falo pouco alemao, eu fico sem jeito. Estou estudando alemao a pouco tempo, passei esse tempo correndo atras da papelada com ajuda de um advogado, casei, meu marido alemao fala fluentemente portugues e sempre me ajuda, me apoia. No curso de integracao estou no Basis 2 e com minhas colegas de sala, ao todo 19 mulheres sendo a maioria polonesas e russas nao tenho nenhum problema, sao divertidas e tento explicar a elas que Brasil nao é só praia e carnaval, rsrsrs. Olha a unica coisa que lamento foi nao ter estudado alemao antes no Brasil, gostaria de ter vindo mais preparada nesse quesito, só isso me incomoda. Quanto ao jeito supostamente frio das pessoas a meu ver é até legal pois nao invadem sua privacidade, nao fazem fofocas. Cada um cuida de sua vida por aqui, sao muito profissionais em tudo que fazem. Admiro o respeito aos idosos, o transito sem stress e sem buzinas, a seguranca, a pontualidade, limpeza, simplicidade desse povo. Olha nao tenho o que reclamar! Ich liebe Deuschland aber ich liebe auch Brasil…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: