Archive for outubro \31\UTC 2009

::Dica pra passar pra frente::

31/10/2009

Minha querida amiga Cecília Palmer, a ilustradora do meu livro, brasileira de Santos-SP, acaba de abrir uma lojinha virtual na Dawanda. Recomendo e sugiro os produtos dela, também como presente de Natal! Vale a pena visitar, pois tem cada coisa mais fofa lá! É só clicar aqui ou na página dela aqui. Boa sorte e boas vendas, Ceci!!! 🙂

Anúncios

::E o frio vem chegando…::

27/10/2009

O horário de verão se foi no domingo passado e naquele dia “ganhamos” uma hora. Assim pudemos dormir uma hora a mais no final de semana. Isso significa que a partir de agora os dias ficarão cada vez mais curtos, cinzas, frios, chuvosos como hoje. Que a noite ficará cada vez mais escura. Sim, as noites do inverno são muitíssimo mais “pretas” do que as do verão. E que teremos mais tempo pra passar dentro de casa, ler, tomar chá, ver filme, passar as tardes com os amigos no quentinho das nossas casas, aquecidas artificialmente. Esta é a época do ano em que mais pessoas se suicidam. Aqui onde moro o modo mais escolhido é pular na frente do trem. A neblina é tanta que não dá pra ver o lago mais e a beleza da natureza tem que ficar registrada na memória, pois ela é muito mais difícil de se ver nos dias de neblina. Esta é uma época de introspecção, que pode parecer sombria, mas que também pode fazer bem. Tudo depende do nosso ponto de vista, ver em um copo meio cheio um copo meio vazio continua sendo nossa opção. Que cada um se decida cada vez mais pelo meio copo cheio! Boa semana pra todos!

::Ai que vontade de ir!…::

25/10/2009

Leia mais sobre o festival de cinema brasileiro aqui. Ele estará acontecendo em Colônia de 11 a 15 de novembro de 2009 e em Stuttgart de 08 a 13 de novembro de 2009.

::Novo ponto de venda do “Mineirinha n’Alemanha”: Goethe-Institut em São Paulo::

22/10/2009

A partir de hoje o livro “Mineirinha n’Alemanha” está sendo vendido no Goethe-Institut de São Paulo, mais precisamente na livraria “Buchladen“, que fica do lado da lanchonete. Este é um ponto de venda permanente para o “Mineirinha” em São Paulo! O livro chegou a tempo de ser exposto na Feira “Estudar e Pesquisar na Alemanha“, a ser realizada no próximo dia 24/10/2009 neste instituto. Obrigada Lílian! Obrigada Lucinéia! Obrigada, Marcio Weichert! 🙂

::Concurso de Desenho Infantil “Brasileirinhos no Exterior”::

20/10/2009

Foi lançado, por ocasião da II Conferência “Brasileiros no Mundo” (Rio de Janeiro, 15 e 16 de outubro), o concurso de desenho infantil “Brasileirinhos no Mundo” para crianças brasileiras entre 6 e 11 anos de idade residentes no exterior.

Com o tema “O meu Brasil”, o concurso visa a promover e conservar vínculos culturais e de identidade das novas gerações de brasileiros no exterior com seu país de origem.

Os dez melhores desenhos, escolhidos por Comissão Julgadora, receberão o “Prêmio Itamaraty de Desenho Infantil Brasileirinhos no Mundo”. Os trabalhos deverão ser enviados pelos candidatos até 15.01.2010 aos postos consulares mais próximos no seu país de residência.

A Comissão Julgadora reunir-se-á até 15 de março de 2010 para selecionar os premiados e divulgar os resultados finais. Os dez primeiros colocados serão agraciados no exterior pelos postos no país de residência, recebendo kits de livros infantis sobre o Brasil e literatura.

Veja aqui o edital do concurso de desenho infantil “Brasileirinhos no Mundo”.

::Os perigos da tal pandemia::

19/10/2009

Uma reportagem da revista “Der Spiegel” (O Espelho) de hoje comenta o fato de que a vacina contra a gripe suína, comprada pelo governo para a população alemã (marca Pandremix), parece não estar liberada nos EUA nem na Inglaterra, não é recomendada para grávidas, crianças abaixo de 3 anos e vários médicos alemães acreditam que ela não foi testada o suficiente, podendo trazer “mais efeitos negativos do que positivos”. Estranhamente, o governo alemão está comprando outro tipo de vacina para os políticos e funcionários públicos (marca Celvapan), deixando essas outras marcas de vacina dubiosa para o restante da população. O artigo cita que especialistas da área de saúde consideram que isso pode ser visto como um verdadeiro escândalo, já que cidadãos europeus (exceto os grupos acima citados) podem estar servindo de cobaias para experimentos das grandes indústrias farmacêuticas mundiais, que foram sem dúvida as que mais ganharam até agora com essa história de pandemia e pretendem. lógico, continuar ganhando. Leia aqui (em inglês) a bula das três marcas de vacina a serem usadas na Europa. A bula cita que as marcas da vacina foram liberadas sob circunstâncias excepcionais, já que não foi possível até agora obter informações suficientes sobre ela. Em uma pesquisa feita pela revista, no momento 86% dos entrevistados não demonstram interesse pela vacinação a ser iniciada pelo governo no dia 26 de outubro próximo.

Alarmante para mim foi ainda a informação de que se as vacinas não forem completamente usadas aqui na Alemanha, elas serão doadas para países em desenvolvimento. Cuidado, Brasil! Se eu puder evitar, ninguém aqui em casa será vacinado contra a gripe suína, pelo menos no momento!!!

Fonte: Revista “Der Spiegel” de 19.10.2009

::E como foi na Feira de Livros em Frankfurt?::

18/10/2009

Foi muito por acaso que escolhi a maneira como iria à Feira de Livros de Frankfurt (Frankfurter Buchmesse). Uma livraria da minha cidade mudou-se para uma localização bem melhor, aumentou tremendamente sua loja e depois da facilidade e comodidade de poder escolher livros pra “espiar” e ainda poder tomar um café de graça, confortavelmente instalada em poltronas no final da livraria, eu virei cliente assídua da livraria, já que fui lá umas 5 vezes nas últimas duas semanas, tendo comprado vários livros.

Na primeira visita à livraria descobri que ela estava organizando uma viagem à Feira de Livros de Frankfurt e logicamente me interessei direto pela viagem. Animei minhas amigas, as designers Ceci e Lais, para viajarem comigo, mas mal podíamos imaginar que esta viagem seria tão prazerosa, apesar de super-hiper cansativa, pois Frankfurt fica a 5 horas daqui de casa e a feira fica em uma área de 170.000 m2, abrigando cerca de 7.000 expositores de 100 países. Dá pra imaginar o quanto andamos por lá, não é?

Mas a oportunidade de termos ido à feira através de uma viagem organizada por uma livraria (ainda mais com o dono aposentado, com muito conhecimento na área e que já foi mais de 50 vezes a esta feira!), foi realmente ímpar. Primeiro ele distribuiu café, “Brezel” e maçãs para todos as 70 participantes da viagem. Depois contou muito da feira, explicou como ela funciona, onde iríamos achar o que e nos ofereceu uma bolsa com vales para apresentar em editoras com as quais trabalha, dentre outros presentinhos. A Ceci também tinha feito uma bolsinha com comidinhas para a viagem, e eu me senti muito bem cuidada (minha barriga também, que digeriu tudo, agradecida) 🙂 Eu ainda tive a oportunidade de falar diretamente com o dono da livraria e ele teve a bondade de fazer um levantamento rápido de quais seriam as editoras que poderiam se interessar pelo meu tema e que deveria visitar na feira. Suas sugestões “bateram” em grande parte com a pesquisa que tinha feito anteriormente na internet. Munidas de informações e muita disposição pra andar, lá fomos nos passear pela feira.

Visitamos todas as editoras sugeridas pelo dono da livraria, além de livrarias portuguesas, espanholas e até brasileiras, em busca também de uma distribuidora no Brasil para meu livro. Deixei 7 livros da Mineirinha por lá e um pequeno resumo do tema do livro. Apresentamos também os vales que tínhamos ganhado de presente e qual não foi nossa surpresa quando começamos a receber vários livros, dentre outros presentes! Isso nos deixou muito felizes, mas ao mesmo o peso dos livros tornava a continuação do passeio bem mais difícil… No meio do caminho pagamos para guardar nossas bolsas, que já continham vários tesouros, mas tinham realmente ficado pesadas demais. Tiramos uma foto no estande do Livro do Guiness entre o homem maior e o menor do mundo, que devo poder acessar na segunda-feira e vou colocar aqui. Paramos em um estande muito atrativo de um diário super lindinho, em muitas cores. Este produto pretende incentivar pessoas que sempre deixam de continuar a descrever seus dias através de um diário (e/ou de um blog!) com perguntas engraçadas e inusitadas. Eu, que sou alucinada por papel e adorei a ideia do produto, tive uma ideia meio doida: resolvi perguntar se queriam trocar um livro meu por um diário desses, que era de uma empresa dos EUA de Los Angeles, e para minha felicidade aceitaram!!! Nesta feira não é possível comprar livros e a troca era a única maneira de levar um diário comigo. Ontem mesmo preenchi a primeira página do diário, onde vou juntar dias felizes como o de ontem! Ainda fui com minhas amigas, que são designers e ilustradoras, a vários estandes de artes e ilustração, e elas logicamente ficaram fascinadas com tanta cores, estilos e a diversidade da oferta em sua área de atuação. No finalzinho do dia ainda tivemos tempo de visitar os estandes internacionais de vários países, dente eles China (o país convidado deste ano), Japão e muitos países de língua portuguesa e espanhola. O país convidado do ano que vem será a Argentina.

No caminho de volta o dono da livraria ainda nos contou um pouco da história da feira, o que me enriqueceu muito: a feira existe praticamente desde a época do descobrimento do Brasil! Aqui a foto de um catálogo da feira de 1573. Dá pra imaginar? Segundo o dono da livraria, antigamente os donos de livrarias eram também ediores e iam às feiras levando cestos em suas costas, feito aqueles usados na colheita de uvas, contendo os livros que tinham lançado, e trocavam então seus livros com outras livrarias. Hoje a feira serve para fazer contatos, vender e comprar livros no atacado (pessoas físicas, como eu disse anteriormente, não podem comprar livros lá!), para negociar direitos autorais (70% dos direitos autorais mundiais são negociados por lá) e apresenta ainda várias atividades adjacentes, tais como uma feira de antiguidades, de jogos, brinquedos, um fórum para tradutores, agentes literários, dentre outros. Muitos autores estão presentes na feira, lêem uma pequena parte de seus livros (o que é chamado em alemão de “Lesung“) e conversam com o público, discutindo e respondendo perguntas que este lhes coloquem no momento. A feira é palco para discussão de temas atuais e inspira jogos, filmes e outras demonstrações de arte. Ela é retratada na mídia através de jornalistas de mais de 100 países e muitos programas de televisão alemães fazem entrevistas com autores famosos, que podem ser seguidas ao vivo durante a feira. Há também um concurso para quem gosta de jogos e “comics”, e disso surgiu o movimento “ComGame”, que é constituído de jovens que saem de toda a Alemanha para participar da feira com suas fantasias altamente originais e diferentes, do concurso de fantasias e contribuem para que a feira fique ainda mais colorida, inusitada e interessante.

Nosso saldo foi muito positivo! Fizemos contatos, levamos informações, inspiração e muitos, muitos livros! É a dica que deixo então pra vocês: se quiserem visitar a Feira de Livros de Frankfurt nos próximos anos, façam a viagem com a livraria mas próxima de sua cidade!

Veja minhas fotos da Feira de Livros de Frankfurt no Flickr! 🙂

Quem quiser ler sobre a feira sob a perspectiva de um tradutor, através de um relato muito interessante, visite o blog do Fábio, o Fidus Interpres (artigo em inglês).

Fonte sobre dados da Feira de Frankfurt: Wikipédia.

::Frankfurter Buchmesse::

16/10/2009

Eu e a Ceci, além da nossa amiga Lais, estamos de saída para a Frankfurter Buchmesse (Feira de Livros de Frankfurt), a maior feira de livros do mundo. Vamos pra fazer contatos por lá, levando nossos livros (sim, a Ceci também tem um lindo, o Milchcafé, a ser publicado) e a Ceci oferece também seus trabalhos de designer e ilustradora. Os textos que produzimos para um flyer conjunto em alemão estão aí abaixo. Obrigada, Paulo! 🙂

Até breve!

::Mineirinha n’Alemanha: eine interkulturelle Reise zwischen Brasilien und Deutschland::

16/10/2009

Das Buch ist ein Ausdruck des Lebens zwischen zwei Kulturen. Das Buch zeigt auf, wie eine integrationsbemühte Migrantin Deutschland (und andere Migranten) erlebt, ihr eigenes Land aus der Ferne betrachtet und welche Probleme und Lösungen sie findet, auch im alltäglichen Leben. Sandra Santos verarbeitet somit die deutsche Kultur und ihre Traditionen, beschreibt das Leben und Arbeiten in Deutschland und lädt zum Nachdenken über das Leben fern der Heimat auf.

Die Zielgruppe des Buches sind integrationsinteressierte Migranten (aus aller Welt) und Deutsche, die ihr Land aus einem anderen Blickwinkel betrachten und sich in die Situation und in die Gefühlswelt von integrationswilligen Migranten hinein versetzen wollen. Für Migranten ist das Buch ebenso hilfreich, denn je mehr sie die Feinheiten der deutschen Kultur verstehen, umso besser können sie sich in Deutschland integrieren.

Das die Autorin Brasilianerin ist, ist für das Ziel des Buches reiner Zufall. Das Werk macht kulturelle Unterschiede sichtbar und zeigt Hindernisse auf dem Weg zur Integration in einer fremden Kultur auf. Denn selbst für denjenigen, der sich um Integration bemüht, bieten gerade die vielen kulturelle Unterschiede viele Hindernisse.
Das Buch ist im Dezember 2008 in Brasilien veröffentlicht worden. Eine deutsche Übersetzung wird aktuell angefertigt. Die Autorin sucht einen Verlag in Deutschland.

Kurzbiographie: Sandra Santos lebt seit 1993 in Deutschland. Sie arbeitet als Human Resources Managerin und als freiberufliche Autorin am Bodensee, ist verheiratet und hat zwei Kinder. Sie lebte 23 Jahre in Brasilien, bevor sie Deutschland als neue Heimat wählte.

Manuskriptanfragen und Kontakt mit der Autorin: hinterlassen Sie einfach einen Kommentar.

Illustrationen / Buchumschlag:
Cecília Palmer
http://www.ceciliapalmer.com

::Milchcafé – die Mischung macht’s!::

16/10/2009

»Kulturunterschiede kennen und akzeptieren, schafft ein fruchtbares Zusammenleben«

Milch und Café (Kaffee) sind zwei völlig unterschiedliche Sachen, die sich aber perfekt mischen lassen. Man kann sie getrennt genießen, aber wenn sie zusammen sind, sind sie stärker und es schmeckt besser! So sind auch Deutsche und Brasilianer: Sie haben völlig unterschiedliche Kulturen und Mentalitäten, aber wenn sie sich vermischen, sind sie viel stärker.

Illustration mit Herz und Verstand: brasilianische Farbvielfalt und deutsche Verlässlichkeit
»Milchcafé« ist das Buch, das die Kommunikationsdesignerin Cecília Dannibale Palmer als Abschlussarbeit entwarf. Es handelt sich um eine Untersuchung und illustratorische Auseinandersetzung zugleich. Es veranschaulicht Kulturunterschiede zwischen Deutschland und Brasilien.

Die Ziele von »Milchcafé« treffen den Puls der Zeit: Besseres Zusammenleben und Integration durch das Verständnis von fremden Kulturen. Unterstützung bei der Reisevorbereitung (sowohl privat als auch geschäftlich) nach Deutschland und/oder Brasilien.

Das Buch entstand durch intensive Recherche mit Deutschen, Brasilianern und das Lesen der vorhandenen Fachliteratur. Daraus entstand ein Werk, das die Integration fördert und Menschen unterschiedlicher Herkunft einander näher bringt. Die Autorin sucht einen Verlag: http://www.milchcafe.net

Cecília Dannibale Palmer ist freiberufliche Kommunikationsdesignerin und Illustratorin. Im Bereich Illustration arbeitet sie mit zärtlichen und sensiblen Figuren, mit viel Farbe und Leichtigkeit. Cecília Dannibale Palmer ist gebürtige Brasilianerin und interessiert sich besonders für den Bereich der interkulturellen Unterschiede und für Integration. Für das Buch von Sandra Santos, »Mineirinha n’Alemanha – eine interkulturelle Reise zwischen Brasilien und Deutschland«, entwarf sie mehrere Illustrationen und auch den Buchumschlag, mit expressiven Elementen und mit stetiger Engelsgeduld. Das Resultat lässt sich sehen! Kontaktieren Sie Frau Palmer. Sie freut sich auf Ihre Nachricht!
http://www.ceciliapalmer.com
http://www.milchcafe.net
Flickr: http://www.flickr.com/pontadapraia/


%d blogueiros gostam disto: