Archive for fevereiro \27\UTC 2010

::Denglisch, Schwänglisch e os políticos da Alemanha::

27/02/2010

Vocês que moram aqui na Alemanha já devem conhecer há muito o “Denglisch“, inglês misturado com alemão, e devem ter percebido há muito o fato do idioma alemão estar perdendo território para o inglês, que vai se infiltrando no dia-a-dia daqui a passos largos, principalmente no caso dos jovens.

Mas será que todos vocês conhecem uma sub-versão do “Denglisch“, o “Schwänglisch” (Schwäbisch + Englisch) do principal político daqui de Baden-Württemberg, Comissário da Alemanha para a União Europeia, o Günther Öttinger? Ei-lo:

Outro político alemão, o Guido Westerwelle, que tem sido atacado nos últimos dias por suas frases ofensivas direcionadas aos menos favorecidos na Alemanha, não deixa por menos. Ele é ministro das relações exteriores, mas não aceita falar inglês. Será que ele tem medo de virar um “Öttinger 2.0”? Ele prefere passar um sabão no repórter que coloca pra ele uma pergunta em inglês, lembrando-o de que na Alemanha se fala alemão, assim como na Inglaterra se fala inglês… Em seguida, uma aulinha de inglês “for beginners“:

Anúncios

::Ying e Yang::

27/02/2010

Outro artigo interessante da “Der Spiegel” aponta que uma em cada 5 crianças cresce na Alemanha com um só membro da família, que é em 85% dos casos a mãe. Isso acaba sendo um problema principalmente para os meninos, pela falta da figura masculina em casa. A maioria das crianças de pais separados acabam perdendo o contato com o pai e reclama de tê-lo muito pouco em suas vidas.

O artigo aponta que filhos que crescem sem a figura masculina têm uma tendência duas vezes maior para a depressão, advinda da tensão do dia-a-dia da mãe, que por sua vez tem que assumir todas as responsabilidades sozinha e da tendência dos meninos de ter que assumir o papel do “marido” em casa enquanto crianças. Outro problema, já citado no texto abaixo, é que a escola é formada em sua grande maioria de mulheres e os meninos ficam com dificuldade de encontrar modelos masculinos a seguir e de se refletir enquanto homens, quando tomam atitudes (com outra lógica) como homens.

Eu noto tudo isso na sociedade alemã. Noto que muitos homens aqui por estas bandas não conseguem separar em suas cabeças o papel de ex-marido e de desvinculá-lo ao de pai, que é algo eterno e intocável, sagrado e mágico, como Papai Noel! Noto que a figura masculina faz falta em muitas casas, mesmo no caso de meninas filhas de mães separadas, que tendem a ter um relacionamento complicado com a mãe. E a figura masculina faz falta também na escola. Este problema reflete aquilo que gosto de pensar: que só somos mesmo bons, homens e mulheres, como ying-yang, parte de um todo, funcionando em conjunto.

“Männer sind auf dieser Welt einfach unersetzlich”

“Neste mundo, os homens são insubstituíveis”
Herbert Grönemeyer, música “Männer” (Homens)

Na parte de discussão da “Der Spiegel” sobre o artigo acima achei o seguinte comentário:

22.02.2010, 16:09, User Panasonic
Tja Papa,

Du Arsch, so sieht es aus. Vielen Dank auch, wo immer und wer immer Du auch bist.

Ich musste 28 Jahre alt werden um zu merken, dass in meinem Leben etwas ganz Wesentliches fehlt. Was kann schon aus einem Mann werden, der mit feministischer Mutter und zwei Schwestern aufwächst?

Argh 😦

***

Pois é papai,

Seu filho da puta, é isso mesmo. Muito obrigado também, quem quer que você seja e onde quer que esteja.

Eu tive que fazer 28 anos pra entender que algo essencial falta na minha vida. O que é que um homem pode virar se cresce com uma mãe feminista e duas irmãs?

Merda. 😦
***
Os comentários a seguir nesse forum levantam a questão de que a sociedade está se deteriorizando, que os contatos diminuem cada vez mais, pois as pessoas vão se separando, quebram contatos, vivem em cápsulas de suas próprias vidas, 100% individualizadas. Há tantas maneiras para nos comunicarmos hoje em dia e um dos meios mais escolhidos é simplesmente um: a ausência da comunicação, pois o outro é um x%$&?y… Acho que esta tendência não deve ser característica só da Alemanha, não é mesmo?

::Feminino e masculino::

26/02/2010

Semana passada li um artigo na revista alemã “Der Spiegel” argumentando que as mulheres já chegaram longe demais em suas conquistas e que hoje em dia os homens estão em desvantagem em todos os sentidos, fugindo da realidade sempre que podem, com dificuldade de encontrar seu papel, que antes era de “sustentar a família”, enquanto a mulher ficava em casa cuidando dos filhos. Não concordo em 100% com esta argumentação, vez que acho que nós mulheres já avançamos em muitos pontos, mas o caminho até a igualdade de chances e oportunidades para ambos os sexos ainda não foi atingido. O único ponto que concordo é a questão escolar. A escola tal como é hoje em dia é feminina, ela é comandada em sua grande maioria por mulheres, as meninas se adaptam mais ao sistema e se saem melhor, tiram melhores notas, e aqui na Alemanha a participação feminina nas universidades já e maior do que a masculina. É provado que com tudo isso os meninos acabam ficando em desvantagem dentro do sistema escolar. Por outro lado, sei que no campo do trabalho, as mulheres aqui recebem em média menos do que os homens, prestando o mesmo serviço. Qual é a opinião de vocês quanto à questão da igualdade de direitos? Quais são as maiores diferenças para vocês em relação ao Brasil e à Alemanha? Seria a questão do machismo?

Para ilustrar esta discussão, aqui um poema que acabo de receber de minha mãe por e-mail. Obrigada, mamãe!:

Meu nome é MULHER!

Eu era a Eva
Criada para a felicidade de Adão
Mais tarde fui Maria
Dando à luz aquele
Que traria a salvação
Mas isso não bastaria
Para eu encontrar perdão.
Passei a ser Amélia
A mulher de verdade
Para a sociedade
Não tinha a menor vaidade
Mas sonhava com a igualdade.
Muito tempo depois decidi:
Não dá mais!
Quero minha dignidade
Tenho meus ideais!
Hoje não sou só esposa ou filha
Sou pai, mãe, arrimo de família
Sou caminhoneira, taxista,
Piloto de avião, policial feminina,
Operária em construção…
Ao mundo peço licença
Para atuar onde quiser
Meu sobrenome é COMPETÊNCIA
E meu nome é MULHER..!!!!
(O Autor é desconhecido, mas um verdadeiro sábio…)

::Meio aqui e meio lá::

25/02/2010

Estou aqui, mas minha alma já está se preparando pra ir de férias pro Brasil. Nem comprei as passagens ainda, mas sei que vou passar o mês de agosto deste ano na terrinha.

Caso conheçam ou tenham contato com:
– livrarias;
– escolas de idioma;
– ou cidades com forte imigração alemã
que possam vir a ter interesse em fazer um evento de divulgação do meu livro, é só entrar em contato! Será um prazer. 🙂

::O “Mineirinha” faz parte do “IX10: Top 100 International and Experience Blogs”::

25/02/2010

IX10 - Top 100 Exchange and Experience Blogs 2010

Novidade: meu blog foi escolhido como um dos “Top 100 International Exchange & Experience Blogs 2010“!!!! E ficou no 28° lugar. 🙂 Obrigada para cada um de vocês que votou em mim, sou imensamente grata. E fico muito honrada com o carinho, obrigada de coração! O que seria do escritor sem o leitor? O que escrevo só toma forma na cabeça de quem lê.


Abaixo o e-mail avisando do resultado:

Dear Blogger,
The results are now in for the Top 100 International Exchange and Experience Blogs 2010 and we have some great news – you and your blog made the Top 100 list!
Congratulations from the team at bab.la and Lexiophiles! We had more votes for this competition than we have ever had before – over 19,000 – so you should be really proud of yourself for pleasing so many readers!
We have published the entire list of blogs and how they ranked after the voting on our bab.la site. There you can also find a nice map showing where the top 100 bloggers are located around the world. It’s possible to add the map to your website by coping and pasting the code available next to it.
We have also created an “IX 10 Top 100” button for you to put onto your blog. Please e-mail me and I’ll send you the button code.
We enjoyed this competition a lot and really hope did too. Keep your eyes on bab.la and Lexiophiles for the next one!
Kind regards,
Priscila
On behalf of the bab.la and Lexiophiles team

::Diversidade, amizade e outros “ades”::

21/02/2010

Eu tenho uma amiga que me achou na internet. Já não é a primeira vez que isso me acontece. Uma vez fiz uma boa amizade com alguém que entrou na internet no Brasil e colocou uma só palavra no Google: Alemanha. Não é doido? Pois a Zahira Herter me achou no site de relacionamentos Xing e nós nos vimos duas vezes em Munique. Ela é uma flor, muito linda mesmo, por dentro e por fora. Semana passada eu ganhei dela o seguinte poema, de sua autoria, que fala de diversidade e aceitação. Adorei e gostaria de dividir com vocês (Nota: meu francês está bastante enferrujado, quem quiser sugerir uma tradução mais apropriada para algum ponto do poema, eu agradeço!):

Cores…. além das cores…

Eu amo o amarelo e a cor turquesa
Às vezes eu me movimento
No meu vestido vermelho
Quando estou com este rei
Que se chama Flamenco
E me parece estar em branco
Então…o Flamenco
Acabou de se diminuir um pouco
A chama que sabe bem seduzir
No negro, onde eu me quedo acordada
E acima de tudo…
Fortemente maravilhada
Por estas cores douradas
Por estas florestas belas
De todo o universo
Onde eu também amo o verde 🙂
Quanto às outras cores
É suficiente misturá-las
Com fineza, com ternura,
Com doçura
E cada nova cor
É uma generosidade
Para toda a humanidade
Ela está aí
Nem cedo, nem tarde
Somente… na hora certa

Eu te mando um abraço e fico feliz
sempre que te vejo no Xing
você já mergulhou há muito no meu coração
e quando você chega à superfície, o sol brilha, simplesmente o sol 😉
E quando o sol brilha, todos os rostos se iluminam e as outras
flores sorriem também…
E quando as outras flores ficam felizes, a Terra onde moramos
também fica feliz
E enquanto vivermos, iremos doar, e enquanto estivermos doando,
Receberemos de volta da natureza…

Como você vê, Sandra querida, meu coração fala e conversa
com seu espírito, quer você esteja aqui, quer esteja viajando,
Meu coração está conversando constantemente comigo e eu, eu o ouço com atenção 😉
Beijos para sua família, amigos, conhecidos e
desconhecidos, para todos juntos.
Zahira Herter

***

Couleurs….au delà des couleurs…

J’aime le jaune et le turquoise
Quelque fois, je bouge
Dans ma robe rouge
Quand je suis avec ce roi
Qui s’apelle Flamenco
Et s’il m’arrive d’être en blanco
Après…….le Flamenco
C’est juste pour un peu réduire
La flamme qui sait bien séduire
Dans le noir où je reste éveillée
Et surtout….
Fort emerveillée
Par ces couleurs dorées
Par ces belles forêts
De tout l’univers
Où j’aime aussi le vert 🙂
Quant aux autres couleurs
Il suffit de mélanger
Avec finesse, avec tendresse
Avec douceur
Et chaque nouvelle couleur
Est une générosité
Pour toute l’humanité
Elle est là
ni tôt ni tard
Juste……à l’heure

Ich umarme Dich und freue mich,
immer wenn Du in Xing auftauchst,
in meinem Herzen bist du schon längst tief eingetaucht
und wenn Du hoch kommst, scheint die Sonne, einfach die Sonne 😉
Und wenn die Sonne scheint, scheinen alle Gesichter und die anderen
Blumen freuen sich….
Und wenn die anderen Blumen sich freuen, freut sich die Erde auf der
wir leben
Und so lange wir leben, werden wir geben und solange wie geben,
gibt uns die Natur immer zurück….

Du siehst, liebe Sandra, mein Herz spricht und bespricht Deinen
Geist, ob Du hier bist oder vereist,
Mein Herz spricht immer und ich höre, höre ihm aufmerksam zu 😉
Meine lieben Grüße an Deine Familie, Freunde und Bekannte und
Unbekannte, alle zusammen.
Zahira Herter

::”Diversidade cultural no ambiente de trabalho – busca de participantes para uma pesquisa online::

20/02/2010

Você é multicultural também no escritório? Quando é que estrangeiros se empenham mais com ideias e sugestões no ambiente de trabalho? Qual é a relação entre este empenho e a satisfação pessoal do trabalhador? Qual é o papel p.ex. do chefe? Esta e outras questões estão sendo analisadas através da pesquisa de conclusão de curso universitário de Majula Haber, para a qual ela está em busca de participantes. A condição para participação é que tenha crescido convivendo com duas culturas, trabalhe na Alemanha e tenha conhecimentos médios da língua alemã.

Aqui você pode acessar o questionário (duração de 25 minutos). Participe!

***
“Kulturelle Vielfalt in der Arbeitnehmerschaft“ – Teilnehmer/Teilnehmerinnen für Onlinebefragung gesucht!

Multikulti auch im Büro? Wann und wie bringen Menschen mit Migrationshintergrund sich an ihrer Arbeitsstelle besonders mit Ideen und Vorschlägen ein? Wie hängt diese Einbringung mit der Arbeitszufriedenheit zusammen? Welche Rolle spielt hier z.B. der Führungsstil des Vorgesetzten? Diese und weitere Fragen werden in einer Diplomarbeit von Majula Haber, für die sie Teilnehmer/Teilnehmerinnen mit Migrationshintergrund sucht. Voraussetzung ist, mit zwei Kulturen groß geworden zu sein, Arbeitnehmerstatus in Deutschland, sowie mittlere bis gute Deutschkenntnisse.

Hier geht’s zum Fragebogen (Dauer etwa 25min).

::Os anjos dos expatriados e um acidente de bicicleta::

19/02/2010

Lendo um post lindo e motivante da Eve, me lembrei do meu primeiro dia na Alemanha, quando não teria conseguido mesmo dar os primeiros passos sem o auxílio deles – dos anjos dos expatriados.

Quando a gente menos espera, lá estão eles, quebrando vários galhos e nos impulsionando pra frente. Eu não sabia usar os carrinhos do aeroporto de Frankfurt, que se movem quando você põe uma moedinha nele E empurra o lugar que se põe as mãos (“Griff“, como se chama isso em português?) pra baixo. E lá estava eu, com tudo no carrinho, moedinha no lugar, mas não conseguia mover o carrinho. Alguém chegou e me ajudou. E muitos outros “alguéns” foram aparecendo naquele dia, pra comprar a passagem de trem na máquina, pra descer com as pesadíssimas malas pra plataforma de embarque… Viva os anjinhos dos expatriados! Quando foi a última vez que eles aparecem para você?

Pra mim foi hoje de manhã mesmo. A Taísa me ligou, alguns minutos depois de ter saído de casa, aos prantos, avisando que tinha caído da bicicleta e perguntando se podia voltar pra casa. Um segundo depois eu já estava ligando pro meu trabalho pra avisar que chegaria mais tarde pois iria com ela pro hospital, e também liguei pra escola dela avisando que ela tinha tido um acidente. Ao vê-la e dar uma espiada no joelho, cujo sangue tinha vazado para a calça jeans ralada, vi que o machucado não era grande e prestei-lhe primeiros socorros, como boa Ersthelferin (prestadora de primeiros socorros) que sou. Queria levá-la para o hospital para ter certeza que o osso do joelho estava intacto, mas na hora ela não quis ir. Indo pro trabalho, pensei na diferença entre o “ist vom Fahrrad gestürzt” e o nosso “caiu da bicicleta” (e não “ist vom Fahrrad gefallen“) e agradeci por não ter acontecido nada sério com ela. Ela caiu num lugar que estava cheio de sal, que é usado para proteger o chão da neve e na realidade com o propósito de tornar o caminho mais seguro, mas no caso dela funcionou ao contrário.

À tarde ela me ligou falando que o joelho continuava doendo e que queria ir ao médico. Marquei consulta e pedi pro Matthias ir com ela, pois já tinha outro compromisso no mesmo horário, junto do Daniel. Eles chegaram com boas notícias: o médico disse que o joelho dela está intacto, que ela tem um “joelho-modelo” e que – o que ela não gostou muito – o joelho dela está quase chegando no tamanho adulto. Ele disse que ela pode crescer ainda uns 6 cm, pois há vários locais no corpo que indicam o crescimento de uma pessoa. Disso ela gostou!

Importante: se você sofrer um acidente no caminho para a escola ou para o trabalho (ou de lá no caminho pra casa) na Alemanha, não se esqueça de comentar este fato com o médico que te atender. Ele vai repassar a informação para a Berufsgenossenschaft (corporação profissional responsável pelo seguro de acidentes obrigatório), que vai cobrir toda e qualquer consequência advinda do acidente. Se a pessoa ficar impossibilitada de trabalhar, p.ex., ela pode vir a receber uma indenização deste seguro.

::Crise e oportunidade::

17/02/2010

“Crises sempre trazem oportunidades. Alguns choram, outros vendem lenços. Sempre será assim. Então vamos vender lenços. As crises são momentos que devemos aproveitar para refletir, mudar se necessário e aproveitar as oportunidades que surgem a cada dia.”
Gilson Cândido – PB
Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios, matéria sobre Marketing Criativo

::Feliz pelo dia-a-dia::

17/02/2010

Hoje foi tão engraçado e interessante: fui fazer uma entrevista em uma empresa onde conheço as pessoas muito bem, onde me identifico com a empresa e seu propósito. Não rolou: o papo foi ótimo, mas percebi que não era aquilo que quero pra mim, pois não estaria satisfeita. Saí de lá um pouco decepcionada, mas também mais certa do caminho a seguir.

Eu e o Daniel lavamos o meu carro e depois fomos fazer compras. Ele saiu do supermercado com a caixa das compras (só umas coisinhas no meio da semana) nas mãos, querendo carregar tudo sozinho. Como um pequeno-homem, uma gracinha!

De ontem pra hoje acolhi uma pessoa em casa que procura no momento por uma nova moradia e não tinha onde dormir. Ao mesmo tempo que temos o impulso de querer ajudar, de fazer mais do que o necessário no momento, senti que era preciso “dosar” meu amor ao próximo. Engraçado e importante constatar que é preciso deixar (muito) espaço para o crescimento e desenvolvimento pessoal. Ele envolve dificuldades, que são necessárias e devem ser transpostas pela própria pessoa. Afinal, como em todo relacionamento humano!

Chegando em casa, uma boa surpresa: com a ajuda de uma coachee, que eu tinha a pouco ajudado a dar um salto em sua carreira, consegui economizar 360 € de imposto de renda. 🙂 Ah, e por falar em imposto de renda: eu já não gosto de fazer o meu, mas tive que fazer o do meu sogro semana passada, que chegou aqui em casa com uma caixa enoooorrrme de documentos, pedindo ajuda. Depois de duas noites, os formulários estavam preenchidos e mais uma etapa tinha sido vencida! Ufa! Mas como papelada dá trabalho, né?

Tinha outra surpresa na caixa de correios: recebi como troca por um livro meu o livro da Andréa Sebben, “Intercâmbio Cultural”. Já dei uma folheada e adorei. Depois comento mais. Obrigada, Andrea!

No final da tarde eu e Matthias cozinhamos juntos, batendo papo na cozinha. Por um momento, fazendo coisas que eu fiz tantas vezes no meu cotidiano, eu me senti verdadeiramente feliz por minha família e por nosso dia-a-dia.

P.S.- Esqueci de comentar que no final de semana passada acordei no meio da madrugada determinada a dar andamento à tradução do meu livro em alemão. Pude organizar o material e passei a ter uma visão de conjunto do projeto. Já passei a muito da metade do que há para ser traduzido, graças à ajuda de um leitor aplicado (obrigada, Paulo!) e estou confiante de que agora vai!


%d blogueiros gostam disto: