::O Brasil visto de fora – a luta do absurdo contra a normalidade::

Tendo ido à amada terrinha entre o Natal e o Ano Novo deste ano, voltei de novo de lá cheia de vitamina D, histórias pra contar e impressões de mais uma viagem à minha pátria, o lugar onde nasci e a que devo muito do que sou hoje e do que passo para meus filhos.

Aquela impressão que mais salta aos olhos é que o povo brasileiro precisa urgentemente de sair do modus operandi do fantástico, de achar que o absurdo pode e deve fazer parte da realidade, e do contrário deve se unir para lutar contra a corrupção, a violência (e não só a ausência ou limitação dela na mídia), em prol de uma vida digna, de direitos de cidadãos, dentre eles o de educação e acesso ao saber, limpeza, transporte público de qualidade, o simples direito de ir e vir (a qualquer hora do dia e da noite) que todos devem e podem exigir.

O povo nunca esteve tão acomodado, tão conformado, tão condizente com aquilo que não anda bem, aproveitando, por certo, daquilo que anda bem: o Brasil tem o menor índice de pobreza dos últimos 20 anos, nunca se viu tanto brasileiro viajando dentro e fora do país, o povo brasileiro continua hospitaleiro, alegre, solidário. As pessoas reclamam da vida, mas no final tudo termina num churrasquinho com cerveja gelada, e lá se vai mais um dia.

O povo de boa índole precisa ir às ruas. Precisa começar a perguntar por que não é possível ter ruas limpas. Por que ainda se joga tanto lixo no chão ou pelas janelas dos automóveis. Por que se queimam as matas, não se respeita o patrimônio público, por que não há planejamento para melhorar substancialmente o trânsito nas grandes cidades e eliminar problemas que voltam todos os anos nas mesmas épocas. E assim por diante.

O povo precisa começar a exigir seus direitos amplos de consumidor. Se a TAM, por exemplo, oferece voos, em parte, deploráveis, também deve ser porque o consumidor os compra sem reclamar, ou sem reclamar de uma forma que a empresa sofra com suas consequências. No exterior, a TAM nem sequer se digna a responder a uma reclamação feita por escrito, e com isto perdeu uma consumidora.

O povo precisa continuar a mostrar tudo o que dá certo neste país, como base de estímulo pra muitas outras iniciativas que ainda vão dar certo. É preciso mostrar e exaltar os bons professores, as boas associações de bairro, as pessoas de boa fé que fazem um trabalho bonito pela sociedade e pelo ser humano ao ser redor, os bons empresários, os (poucos) bons políticos. Mas o povo precisa também denunciar, botar a boca no trombone mesmo, em alto e bom som. Denunciar como povo, como grupo, sem medo de ser atingido por ser geral demais, por ser grande demais.

A Copa está chegando. Que tipo de país queremos apresentar ao mundo? Nossos filhos estão crescendo. Em que tipo de país queremos que eles vivam, quais são os valores que queremos passar para eles? Para os brasileiros que moram fora: que tipo de associações você espera que sejam feitas com nosso país? Não podemos cruzar os braços e afirmar que “sempre foi assim e assim será”, porque a perda de jovens numa boate, os assassinatos de tantos civis por policiais e uma sociedade que se julga no direito de “eliminar” pessoas que não funcionam segundo suas expectativas está doente. Por outro lado, a doença é sinal de que o processo pode ser alterado, o rumo pode ser mudado, nem tudo está perdido, um impeachment já mudou a cara do nosso Brasil, os colarinhos brancos do Mensalão foram condenados, o que mostra que a própria sociedade é podre, mas também é bela. Dentro da sociedade brasileira há tudo o que ela precisa para se renovar. Comecemos agora!

Anúncios

Tags: , , ,

13 Respostas to “::O Brasil visto de fora – a luta do absurdo contra a normalidade::”

  1. Beatriz Says:

    Adorei sua crítica ou melhor teu ” grito ” para que os brasileiros acordem para esta inércia que infelizmente domina muiiitttttasss pessoas !!!

    • Sandra Santos Says:

      Oi Beatriz,
      Reconheceu meu texto do jeito certo, é GRITO mesmo. Desejo muito que seja criado um meio anônimo de denúncias, pois há muita gente do bem que se uniria sem receio se nao fosse paralizada pelo medo individual. Aqui na Alemanha um ministro, quase-candidato à Presidência, caiu, perdeu seu posto, perdeu seu título de doutor e saiu da política depois de terem criado na internet uma página que analisou anonimamente sua tese de doutorado e provou que grande parte da mesma tinha falhas graves, por nao ter citado corretamente as fontes do trabalho. Deu até filme na tevê! Acredito na internet como forma de forca para o movimento cívico popular!
      Um beijo,
      Sandra

  2. Rafaela Says:

    Oi Sandra,
    Texto perfeito! Penso como você, esta’ na hora do povo brasileiro reclamar pelou seus diretos e parar de aceitar as tragedias como ” obra do destino ”
    Bjs
    Rafaela

  3. Eny M. Santos Says:

    Ah, minha querida! Não estamos de braços cruzados, não.
    No mês passado participamos de um abaixo assinado com 1.600.000 assinaturas com o objetivo de retirar os maus políticos do Congresso, intitulada: “Fora Renan”. O Brasil merece políticos mais decentes!
    A ficha limpa também foi resultado da atuação de todos nós e, agora, estamos pressionando o Supremo para votar uma representação que está tramitando, contra esse Senhor Renan.
    Como vc pode ver estamos tentando fazer a parte que nos toca!

  4. Tatiana Souza Says:

    Bem, Sandra…

    Nem sei por onde começar! Então começo pela base: a família.
    A família brasileira acha normal crianças de 2 anos dançando funk até o chão, jovens de 13 anos sem estudo e grávidas, filhos que roubam para manter as aparências, matar mulheres ou agredí-las…

    Isso tudo passa “batido” pela escola, pois a professora acha que ganha pouco e faz muito em escrever no quadro negro e que “educação” vem de casa! Retiraram as aulas de Moral e Cívica, Literatura e ensino de Língua Portuguesa (gramática) dos currículos escolares.

    A polícia segue como meio repressor da sociedade, mas atualmente para “impor respeito” não basta agredir, abusar da autoridade e chantagear… eles agora matam!

    O governo por sua vez deita e rola, pois a população não reclama de nada, afinal, nem sabe os seus direitos! Os políticos fazem o que querem e quando querem, inclusive mudam a legislação em seu próprio favor (na maior parte das vezes aumentando os salários ou reduzindo os anos de trabalho para aposentadoria).

    E quanto a condenação dos mensaleiros… bem, o Sr Fernando Collor de Melo (aquele que foi deposto por nós?)chefia a Comissão de Relações Exteriores do Senado, os srs João Paulo Cunha e José Genoino (mensaleiros) estão na Comissão de Constituição e Justiça e o que falar do pastor racista e homofóbico que preside a Comissão de Direitos Humanos e Minorias?

    As pessoas não sabe mais o que é certo e errado. Não cobram nada do governo pq nem todos os cidadãos como eu, vc e e alguns outros sabem que fora do Brasil reina a limpeza das ruas, os impostos justos, a educação digna e de qualidade, os transportes que funcionam, etc!

    O que tem que mudar é a mentalidade de quem pode mudar o país: TODOS! Mas por onde começar? Pra mim ainda é uma pergunta sem resposta…

  5. luma rosa Says:

    Não posso falar por todos, mas estamos agindo, Sandra!! Não estamos de braços cruzados…

    Se você foi para Minas Gerais e dependendo da cidade, teve ter ficado decepcionada! Foi o que aconteceu comigo quando fui visitar a minha cidade natal, que por duas vezes consecutivas teve administração petista. Eles estão dilapidando o país. Os ideais do passado estão na lama e o nosso maior combate é contra a ignorância, a manipulação das informações… precisamos de um povo mais politizado e para isso ele precisa de mais cultura, disso concordo com você.

    Vim lhe fazer um convite:

    Você já participou do BookCrossing Blogueiro e por isso venho te chamar para o 6º BookCrossing Blogueiro que acontecerá do dia 16 ao dia 23 de Abril.

    Ficarei feliz com a sua presença, participando ou ajudando a divulgar!

    “Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo e esquecer os caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia; e se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.” (Fernando Teixeira de Andrade)

    Feliz páscoa!!
    Beijus,

  6. alebatalha Says:

    muito bom. E infelizmente é uma verdade.Temos tanto a aprender!
    Abracos!

  7. Flavio campos Says:

    Gostaria de entrar em contato com vc !

  8. suanii Says:

    19/06/2013 nao é preciso dizer mais nadaaa!!!!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: