::Quanto uma mulher vale no mercado de trabalho?::

Outro dia estava lendo um post da Embaixada Alemã no Brasil sobre salários na Alemanha e me deparei com um comentário mencionando que há diferenças salariais entre homens e mulheres aqui. Repare: esse tipo de diferença não é permitido por lei para empresas com mais de 50 funcionários! Trabalho igual, salário igual. Mas daí a pessoa completou com um comentário neste sentido:

“Após uma rodada de entrevistas meu marido se “chocou” pelas mulheres que tinham o mesmo currículo dos homens e pediram um salário inferior aos deles.  Elas sempre respondiam que queriam um salário x, que era invariavelmente abaixo do dos homens que estavam sendo entrevistados. Eu disse ao meu marido que nós nos “desvalorizamos” porque talvez pensemos que uma gravidez e posteriormente um período de licença e achamos que a empresa irá nos descartar de imediato, então compensamos esse fato com um salário menor…“

Mas… se não nos dermos valor, quem nos dará? Depois de contratadas, não teremos muitas vezes a oportunidade de voltar a negociar nosso salário, então é importante nos informarmos quanto podemos ganhar, quanto o mercado está pagando para determinada categoria, e mencionar um valor dentro desse padrão na entrevista!

Entrevistei muitas pessoas, tanto do sexo masculino quanto feminino, tanto na Alemanha quanto na Suíça e percebi o mesmo, que as mulheres tendiam a pedir um salário inferior aos dos homens. Com o tempo, aprendi que a) só ganhamos aquilo que nos permitimos e b) se eu não me der valor, ninguém me dará.

Além das minhas próprias observações, há fatos. Como profissional de Recursos Humanos, eu já vi salários de várias empresas e em nenhuma vez percebi diferenças salariais grandes entre homens e mulheres. Se não há a tendência de promover a diferença salarial por parte das empresas, por que haveríamos de querer promover a discriminação da nossa parte? Isso seria muito contra produtivo, não é mesmo?

Lembro de ter lido no livro da Sheryl Sandberg, o „Lean In”, que em algumas vezes em sua trajetória ela presenciou mulheres que não lutavam pelo crescimento de suas carreiras exatamente por essa matemática pessoal, já contando que em tantos anos se casariam, em tantos anos teriam filhos… e daí elas consideravam que não valia a pena lutar por uma promoção se mais tarde ficariam, em parte, fora do mercado de trabalho. Mas… o ponto é que você está sendo questionada sobre sua pretensão salarial HOJE, sobre a nova posição HOJE!!! Já parou pra pensar nisso?!?

E, afinal, existem diferenças salariais? Todos sabemos que sim, em torno de 16% na Europa e dependendo do tipo de cálculo entre 2-22% na Alemanha. Mas esse cálculo é muito complexo. A questão é que muitas profissões consideradas femininas têm salários menores, além do mais, o número de mulheres que trabalham em período parcial na Alemanha é maior do que o grupo masculino. O trabalho no campo da educação, cuidados com idosos ou na área de saúde tende realmente a ser menos bem pago do que o trabalho técnico, por exemplo.

O trabalho mais próximo do ser humano, de cuidar e tomar conta, acompanhar, tratar, acaba tendo menos valor na sociedade e isso precisa ser mudado. Essa discussão já existe atualmente na Alemanha, mesmo porque há interesse de tornar essas profissões na área humana também interessantes para homens, já que há falta de mão de obra, e uma das maneiras de se alcançar isso é avaliando a questão salarial.

Além do mais, ainda tem que ser levada em conta a divisão de trabalho fora do ambiente empresarial, de todo o trabalho investido na casa, no cuidado dos filhos e dos parentes. Esse trabalho deve cada vez mais ser dividido igualitariamente entre homens e mulheres, além de práticas governamentais tais como o apoio ligado p.ex. a escolas em tempo integral e creches, para proporcionar às mulheres a possibilidade de se garantirem no âmbito profissional, crescerem em suas carreiras e poderem trabalhar mais horas por semana, caso assim o desejarem.

É importante lembrar e colocar em perspectiva dados que deveriam ser considerados quando uma mulher pensa em sua trajetória profissional, já que os riscos de ficar dependente financeiramente do marido podem pesar em várias fases de sua vida, tanto com relação a uma eventual separação, quanto com relação ao risco de elas mesmas perderem seus postos de trabalho ou sua capacidade empregatícia, a uma eventual morte do marido antes da aposentadoria, como também com relação à sua própria aposentadoria na velhice. Das mulheres casadas aqui na Alemanha, 19% não têm rendimento próprio e 63% têm um salário menor do que mil euros. Somente 6% das mulheres ganham acima de 2.000 euros! Quanto menor o salário, naturalmente menor será a contribuição para o sistema social e menor será a aposentadoria! Em 2016, na ex-Alemanha Ocidental, os homens receberam em média 1.078 euros de aposentadoria e as mulheres somente 606 euros. Na ex-Alemanha Oriental, os homens receberam 1.171 e as mulheres 894 euros. Isso demonstra a maior participação das mulheres no mercado de trabalho do lado oriental, além de ressaltar a diferença gritante da aposentadoria entre os sexos.

Esse e muitos outros assuntos que dizem respeito ao lugar da mulher no campo profissional, além de estratégias de crescimento (e reinvenção) profissional são tratados no meu segundo livro (Re)descobrindo quem é você, que pode ser encontrado na Amazon. A hora da mulher lutar por seu lugar ao sol e por seu reconhecimento profissional é AGORA.

P.S.-O livro pode ser encontrado em todas as páginas do Amazon espalhadas pelo mundo, em versão ebook ou impressa.

Fonte: artigo „Wie hoch ist der Gender Pay Gap wirklich?“ de 18.03.19, Tageschau.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: