Archive for the ‘Atualidades’ Category

::Frio no Brasil e inundações na Alemanha::

16/07/2021

Para quem ainda continua achando que não há mudanças climáticas acontecendo por aí, temos no momento dois bons exemplos aqui na Alemanha e também no Brasil.

No momento temos visita de parentes da Espanha que disseram nunca terem presenciado tanta chuva em toda a sua vida! E devido às mudanças climáticas as frentes frias não têm se movimentado como antes, com isso se chove muito, a precipitação é maior no mesmo local.

Ontem vi as cenas de inundações que aconteceram nos últimos dias em diversas cidades do centro-oeste da Alemanha. Casas literalmente desapareceram ou foram bastante danificadas, carros foram levados pela água como se fossem de papel, estradas e pontes foram destruídas. E o pior: até agora mais de 80 pessoas (!) morreram, muitas outras estão desabrigadas, além de centenas desaparecidas. Estas cenas foram ainda mais impactantes porque para mim isso era impossível, pois as casas aqui têm uma construção muito forte. Essa coisa de casa destruída por ação de mudanças climáticas para mim era algo que acontecia nos EUA onde as casas são muito mais frágeis. Erro meu.

O número de mortos ainda pode aumentar muito, pois muitos não são localizados no momento porque a comunicação por celulares está interrompida. Em algumas regiões afetadas não há energia, a água potável foi contaminada e/ou está sendo racionada. Um cenário que levará bastante tempo para voltar ao normal. Mais um trauma coletivo no meio da pandemia, mas onde muitos estão presenciando solidariedade em um momento de dor. Que essas pessoas tenham muita força e fé!

E no Brasil a questão é a do frio. Minha mãe me contou que nunca passou tanto frio como no inverno atual. Menos de 10 graus sem calefação e sem roupas apropriadas, por um grande espaço de tempo, não é brincadeira!…

Pra ajudar vocês quanto ao frio: vistam muitas camadas finas de roupa. Protejam principalmente as extremidades: pés, orelha, cabeça, mão (no meu caso pescoço tbém). Não deixem o frio “pegar” em nenhuma parte do corpo. Uma vez fui numa feira e o frio pegou atrás do meu joelho. Essa era a primeira parte do corpo que doía quando esfriava nos outros anos.

Ah sim, sapatos: quando cheguei aqui não acreditava nisso, mas bons sapatos no inverno são imprescindíveis. Tive que perder o ônibus e ter quase os dedos do pé congelando e sentir muita dor para aprender. A gente costuma aprender ou por experiência dos outros ou por dor própria. Naquela época escolhi o caminho mais difícil.

E como está o tempo aí onde você mora? Tem mais uma dica quanto ao frio?

::Alguém conhece alguém?::

12/07/2021

PROCURO HISTÓRIAS DE MULHERES QUE FORAM AS PRIMEIRAS DA FAMÍLIA A FAZER FACULDADE A PARTIR DAS POLÍTICAS DE ESTADO CRIADAS NA ÚLTIMA DÉCADA.

A cineasta Ana Muylaert, diretora do filme Que horas ela volta? busca histórias reais de meninas que acessaram o ensino superior através dos programas de acesso que transformaram as universidades brasileiras na última década para a realização do documentário JÉSSICAS.

Aconteceu com você?
Conhece alguma amiga que conseguiu romper o ciclo histórico de poucas oportunidades de estudo e ingressou no ensino superior pelo PROUNI, COTAS ou FIES ?

Valem histórias de profissionais já formadas que estão no mercado nacional ou já ganharam o mundo e priorizo mulheres fora do eixo RJ-SP

OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: Por já ter encontrado muitas profissionais de humanas, priorizamos também histórias de profissionais de Ciências Exatas e Biológicas (medicina, tecnologia, engenharias, pessoal do mundo digital, da aeronáutica, computação… etc).

Envie um inbox contando sua história para a repórter Flávia Martinrlli ttps://www.facebook.com/flavia.martinelli.10
ou
na página:
https://www.facebook.com/jessicasofilme

OBRIGADA!!!!

::Sempre aprendendo!::

15/06/2021

Aprendendo com a Chimamanda, agora através da entrevista dela no Roda Viva.
“Quando os direitos forem iguais para ambos os gêneros, não precisaremos mais do feminismo. “

Aprenda, como eu aprendi, mais sobre História, justiça social, o perigo das histórias únicas, a importância de símbolos/modelos/exemplos e por que todos deveríamos ser feministas. Uma mulher (homem/pessoa) pode se interessar pelo que ela quiser! E também ser o que ela quiser!
Bem notado pela autora: “Quando mulheres atacam mulheres, quem acaba tendo vantagens são os homens.”

E… ao final da entrevista, se quiser continuar refletindo sobre o tema, leia livros dela e também o meu novo livro HERstory – escreva a sua história!

::O Brasil como não quero ver::

07/04/2021

Mais de 4 mil mortos

Ligo pra minha mãe

Que tenta me acalmar

Nunca irá cair uma palha

Sem o desejo de Deus

O povo colhe o que planta

Não vamos nos enlouquecer

Há tanta coisa para agradecer

E muita gente pra ajudar

Solidariedade

Focar no bom e no positivo

Sentir gratidão e ir em frente

Um dia a curva chega na estrada

Numa manhã o sol há de nascer

E a chuva (de mortes) vai parar de descer

Sandra Santos – 08/04/21 – mais de um ano de pandemia aqui e lá

::Fugir::

18/03/2021
Fugir
Pra bem longe
Outro lugar
Talvez Marte, não sei

Lá onde não há corona
Sistemas pra entrar
Dificuldades pra transpor
Onde é possível respirar

Ar puro, simples necessidade humana
Ao fechar os olhos
Registro os pássaros lá fora
E o ar livre nos meus pulmões

Amém!
Que ele fique por lá
Assim como os pássaros
A embelezar, a acalmar

18/03/21 – Sandra Santos, Mineirinha n‘Alemanha 

(Na Alemanha: estamos à beira da terceira onda, trabalhando em casa há praticamente um ano, as mutações se espalham, as discussões sobre o próximo lockdown voltaram à tona. 

No Brasil: ontem morreram 2.648 pessoas, começam a “diluir” os medicamentos necessários para a intubação, que em breve podem estar em falta nos hospitais. Há um ano morria no território brasileiro a primeira pessoa de COVID. Lembro-me que chorei naquele dia…)

::Salário igual para trabalho igual: avaliação de discriminação salarial garantida por lei na Alemanha::

23/02/2021

Uma corte alemã decidiu que se uma mulher entra na justiça para requisitar a avaliação do seu salário em comparação a colegas do sexo masculino, e for constatada uma diferença para menor de seu salário comparado à média dos salários de colegas do sexo masculino para o mesmo tipo de trabalho, que este fator marca uma presunção de que a desvantagem salarial está relacionada ao gênero. Neste caso, o empregador será obrigado a provar o contrário e se não lhe for possível, a mulher poderá receber a diferença paga entre os gêneros. (BAG, decisão de 21/01/21 – 8 AZR 488/19 – PM 1/21).

Leis importantes na Alemanha com relação a direitos trabalhistas:

Entgelttransparenzgesetz (EntgTranspG) – lei de transparência salarial, que garante salário igual para trabalho igual, de 06/07/17;

Allgemeines Gleichbehandlungsgesetz (AGG) – lei de tratamento igualitário.

::A sexta-feira 13 e o coronavírus::

15/03/2020

Ontem foi um dia doido, não é mesmo? Em termos de ansiedade quanto à evolução da doença aqui na Europa, líamos novas notícias praticamente a cada segundo que éramos bombardeados pelos meios de comunicação. E olha que eu adoro sexta-feira 13 e não estava com nenhum pressentimento ruim quanto a este dia!…

Dentre tantas outras notícias, esse foi o dia em que o coronavírus chegou na cidade onde moro… E que anunciaram que no estado onde moro, Baden-Württemberg, as aulas estão interrompidas até as férias de Páscoa a partir da terça que vem. A partir da semana que vem estaremos os três em casa: meu marido e eu trabalhando em home office e meu filho sem aulas, mas provavelmente em contato frequente com sua professora e com os colegas. Bendita tecnologia!

Confesso que tive dores na barriga de tanta apreensão, ao mesmo tempo em que me acalmava e pensava que tenho boa saúde, tenho familiares saudáveis e que vivo em um país cujo sistema de saúde pode ser considerado como um dos melhores do mundo. Felizmente não estou nos EUA, onde um teste pode chegar a custar algumas centenas de dólares, sem falar no tratamento. Aqui ninguém precisa de ter medo de não receber tratamento por não conseguir pagar a conta do hospital. A não ser que a doença evolua rápido demais… nesse caso, não há sistema de saúde que comporte tantos casos graves necessitando de tratamento intensivo.

É por essas e por outras que saí ontem à noite para comprar medicamento e ir ao supermercado com o entendimento de que a partir de agora estou entrando em quarentena voluntária.

Pensando hoje no assunto, acho que uma quarentena voluntária é recebida de uma forma totalmente diferente de uma imposta pelo governo. Por um lado, não estou doente e por outro eu mesma tomei a decisão de ficar em casa para contribuir para que a propagação da doença aconteça de forma mais lenta. Li um livro, tomei sol na varanda, fiz ioga, cozinhei, me informei… Passei o dia tranquila. Felizmente, as dores na barriga já tinham sumido quando acordei.

Hoje temos perto de 3.800 casos registrados na Alemanha e 8 mortes enquanto a Itália conta com 17.700 casos e perto de 1.300 mortos. No total, temos pouco mais de 156.000 casos de coronavírus no mundo e pouco mais de 5.800 mortos. Depois que entendi que estamos a uma semana do quadro italiano, minha percepção sobre essa doença mudou completamente. Quanto mais ficarmos em casa, melhor será para todos. Esse artigo aqui explica isso direitinho.

Tenho observado uma divisão da sociedade em cinco grupos: 


a) os que querem ignorar a pandemia tapando o sol com a peneira;


b) os que já entenderam que a situação é crítica mas não querem mudar seus hábitos, querem continuar tendo contato social, ignorar as medidas sugeridas, etc;


c) os que já entenderam que a situação é critica e que cada um tem que dar sua parcela de contribuição, praticando a higiene e reduzindo seus contatos aos mínimo necessário;

d) pelo menos parte desse grupo dos que já entenderam que a situação é crítica, vem se preparando há alguns meses ou semanas para o pior, comprando estrategicamente comida e água e se precavendo para caso a situação se agrave, mas sem alarde. São os chamados “preppers“;

e) tem também o grupo dos que adoram propagar pânico, enviando p.ex. fotos em mídias sociais de partes de supermercados com suas prateleiras vazias e repassando fake news ou memes, em parte atiçando o pânico, em parte ridicularizando ou minimizando a pandemia. São pessoas que estranhamente adoram desinformação e confusão. Pode até ser que alguma(s) outra(s) força(s) esteja(m) aí por trás também!

Espero que a Alemanha tenha mais pessoas pertencentes ao 3-4. grupos porque a diferença da evolução da doença entre países que adotam medidas severas a tempo (Taiwan) e outros que adotam essas medidas mais tarde é enorme: a mortalidade varia de 0,5 a 4% do total dos infectados!

P.S.-Alguém pode me explicar por que pessoas que chegam do exterior só têm que ficar sete (!) dias em quarentena, sendo que o período de incubação é de 14 dias?!?

Agradeço a leitura atenta do meu fiel leitor André de Schröder de Berlim, que contribuiu para a expansão dos grupos da pandemia de três para cinco, incluindo os preppers e os que adoram um pânico e espalhar desinformação. Obrigada, André!

Fonte: página na internet do Robert Koch Institut, consultada no dia 14/03/20.

::Quanto uma mulher vale no mercado de trabalho?::

14/03/2020

Outro dia estava lendo um post da Embaixada Alemã no Brasil sobre salários na Alemanha e me deparei com um comentário mencionando que há diferenças salariais entre homens e mulheres aqui. Repare: esse tipo de diferença não é permitido por lei para empresas com mais de 50 funcionários! Trabalho igual, salário igual. Mas daí a pessoa completou com um comentário neste sentido:

“Após uma rodada de entrevistas meu marido se “chocou” pelas mulheres que tinham o mesmo currículo dos homens e pediram um salário inferior aos deles.  Elas sempre respondiam que queriam um salário x, que era invariavelmente abaixo do dos homens que estavam sendo entrevistados. Eu disse ao meu marido que nós nos “desvalorizamos” porque talvez pensemos que uma gravidez e posteriormente um período de licença e achamos que a empresa irá nos descartar de imediato, então compensamos esse fato com um salário menor…“

Mas… se não nos dermos valor, quem nos dará? Depois de contratadas, não teremos muitas vezes a oportunidade de voltar a negociar nosso salário, então é importante nos informarmos quanto podemos ganhar, quanto o mercado está pagando para determinada categoria, e mencionar um valor dentro desse padrão na entrevista!

Entrevistei muitas pessoas, tanto do sexo masculino quanto feminino, tanto na Alemanha quanto na Suíça e percebi o mesmo, que as mulheres tendiam a pedir um salário inferior aos dos homens. Com o tempo, aprendi que a) só ganhamos aquilo que nos permitimos e b) se eu não me der valor, ninguém me dará.

Além das minhas próprias observações, há fatos. Como profissional de Recursos Humanos, eu já vi salários de várias empresas e em nenhuma vez percebi diferenças salariais grandes entre homens e mulheres. Se não há a tendência de promover a diferença salarial por parte das empresas, por que haveríamos de querer promover a discriminação da nossa parte? Isso seria muito contra produtivo, não é mesmo?

Lembro de ter lido no livro da Sheryl Sandberg, o „Lean In”, que em algumas vezes em sua trajetória ela presenciou mulheres que não lutavam pelo crescimento de suas carreiras exatamente por essa matemática pessoal, já contando que em tantos anos se casariam, em tantos anos teriam filhos… e daí elas consideravam que não valia a pena lutar por uma promoção se mais tarde ficariam, em parte, fora do mercado de trabalho. Mas… o ponto é que você está sendo questionada sobre sua pretensão salarial HOJE, sobre a nova posição HOJE!!! Já parou pra pensar nisso?!?

E, afinal, existem diferenças salariais? Todos sabemos que sim, em torno de 16% na Europa e dependendo do tipo de cálculo entre 2-22% na Alemanha. Mas esse cálculo é muito complexo. A questão é que muitas profissões consideradas femininas têm salários menores, além do mais, o número de mulheres que trabalham em período parcial na Alemanha é maior do que o grupo masculino. O trabalho no campo da educação, cuidados com idosos ou na área de saúde tende realmente a ser menos bem pago do que o trabalho técnico, por exemplo.

O trabalho mais próximo do ser humano, de cuidar e tomar conta, acompanhar, tratar, acaba tendo menos valor na sociedade e isso precisa ser mudado. Essa discussão já existe atualmente na Alemanha, mesmo porque há interesse de tornar essas profissões na área humana também interessantes para homens, já que há falta de mão de obra, e uma das maneiras de se alcançar isso é avaliando a questão salarial.

Além do mais, ainda tem que ser levada em conta a divisão de trabalho fora do ambiente empresarial, de todo o trabalho investido na casa, no cuidado dos filhos e dos parentes. Esse trabalho deve cada vez mais ser dividido igualitariamente entre homens e mulheres, além de práticas governamentais tais como o apoio ligado p.ex. a escolas em tempo integral e creches, para proporcionar às mulheres a possibilidade de se garantirem no âmbito profissional, crescerem em suas carreiras e poderem trabalhar mais horas por semana, caso assim o desejarem.

É importante lembrar e colocar em perspectiva dados que deveriam ser considerados quando uma mulher pensa em sua trajetória profissional, já que os riscos de ficar dependente financeiramente do marido podem pesar em várias fases de sua vida, tanto com relação a uma eventual separação, quanto com relação ao risco de elas mesmas perderem seus postos de trabalho ou sua capacidade empregatícia, a uma eventual morte do marido antes da aposentadoria, como também com relação à sua própria aposentadoria na velhice. Das mulheres casadas aqui na Alemanha, 19% não têm rendimento próprio e 63% têm um salário menor do que mil euros. Somente 6% das mulheres ganham acima de 2.000 euros! Quanto menor o salário, naturalmente menor será a contribuição para o sistema social e menor será a aposentadoria! Em 2016, na ex-Alemanha Ocidental, os homens receberam em média 1.078 euros de aposentadoria e as mulheres somente 606 euros. Na ex-Alemanha Oriental, os homens receberam 1.171 e as mulheres 894 euros. Isso demonstra a maior participação das mulheres no mercado de trabalho do lado oriental, além de ressaltar a diferença gritante da aposentadoria entre os sexos.

Esse e muitos outros assuntos que dizem respeito ao lugar da mulher no campo profissional, além de estratégias de crescimento (e reinvenção) profissional são tratados no meu segundo livro (Re)descobrindo quem é você, que pode ser encontrado na Amazon. A hora da mulher lutar por seu lugar ao sol e por seu reconhecimento profissional é AGORA.

P.S.-O livro pode ser encontrado em todas as páginas do Amazon espalhadas pelo mundo, em versão ebook ou impressa.

Fonte: artigo „Wie hoch ist der Gender Pay Gap wirklich?“ de 18.03.19, Tageschau.

::A nossa mesquinhez de cada dia nos dai hoje::

04/03/2020

Hoje estive pensando sobre o assunto do momento: claro, sobre o coronavírus. Pensei quais são os maiores inimigos da doença: o medo, o capitalismo e o lado mau do ser humano. Explico.

O medo, porque é fácil ter medo de algo invisível e desconhecido. É fácil desenvolver ansiedade e até dores físicas através delas. Nada melhor do que ser uma pessoa bem informada, porém sensível, que além do mais tenta imaginar cenários do futuro e se baseia em fatos. Eu mesma caí como um patinho naqueles primeiros vídeos que foram enviados da China, mostrando gente caída por todos os lados, sendo levadas às pressas para hospitais que às vezes eram cabanas de abrigo de quase-mortos. Mesmo tendo ficada altamente assustada naquele dia, praticamente não repassei os vídeos. Fiz pesquisas, li sobre o assunto, conversei com pessoas que prezo et voilà: a maioria deles não era atual, era de crises e épocas passadas.

O capitalismo, porque seria tão fácil se todos os locais afetados pudessem mesmo enviar seus cidadãos para uma quarentena de 14 dias em casa! Se os afetados não tivessem medo de perder seus empregos, de serem estigmatizados. E olha que aqui na Alemanha praticamente ninguém fica em casa sem pagamento: se a quarentena tiver sido imposta, a pessoa pode pedir ressarcimento dos dias não-trabalhados ao Estado. Se a pessoa estiver doente, pode ficar até 6 semanas em casa com pagamento de seu salário garantido por lei, para todo e qualquer empregado no país (Lohnfortzahlung im Krankheitsfall). Mas acabo de ler que nos EUA os funcionários do Wallmart têm medo de faltar ao emprego, porque podem perder seu bônus e até mesmo perder o próprio emprego com a falta. E olha que isso acontece no país que foi considerado como o mais bem preparado para lidar com uma epidemia, heim?!? Não há como negar: o dinheiro rege o mundo – e na atual situação isso não é nada, nada bom!…

E o lado mau do ser humano? Ah, esse ganha de todos, né? Gente saudável, rica e jovem comprando mil e uma máscaras para estocar em casa, que provavelmente não serão usadas, enquanto profissionais da saúde e velhinhos ficam a ver navios sem proteção!… Gananciosos que colocam 500 ml de desinfetante como oferta de troca por um iPhone(!) e gente que não pensa duas vezes em provocar nervosismo na população fazendo fotos e vídeos de prateleiras vazias nos supermercados alemães, sendo que no momento só máscaras, lenços desinfetantes e álcool gel é que faltam de verdade!

A partir de hoje está proibida a exportação de máscaras faciais daqui da Alemanha, a não ser para casos oficiais de ajuda humanitária. A intenção é de atender o mercado interno e contribuir para que as máscaras cheguem a quem delas realmente necessita no momento. Talvez a ação do governo ajude a cobrir alguns desses problemas, políticos alemães e médicos vêm apelando neste sentido. Esperemos o melhor!

Fonte: artigos variados da atualidade, dentre eles este da revista Der Spiegel de hoje, 04/03/20 e este da página Fast Company de 03/03/20.

::O cinza paira no céu 2020::

03/03/2020

Achei aqui um poema em italiano sobre a atualidade e vou tentar traduzi-lo. Traduz o sentimento do momento! Agradeço as correções!

O cinza paira no céu 2020

Há no ar

O medo

O equívoco

Que o respiro esteja infectado

O terror

De se infectar

Para depois ter que se prender

Se esconder

Se isolar

Nós humanos chegamos a este ponto

Os perfeitos

Os invencíveis

Os racistas e os mais fortes com as armas

E vejo

Crianças pequenas a caminhar

Entre sujeiras e muros

Para escapar

Entre uma fronteira e outra sem paz nem objetivo


%d blogueiros gostam disto: