Archive for the ‘Cinema’ Category

::Morre uma estrela::

21/06/2016

Quando me separei do meu ex-marido, finalmente me vi livre e voltei a ser dona da minha própria vida novamente, recuperando aos poucos minha auto-estima, meu nome, minha identidade… Foi, dentre outros, no livro desta grande escritora que descansei minha alma e juntei forças para continuar acreditando no amor, apesar de tudo. Por acaso fiquei sabendo que ela morreu ontem. E gostaria de prestar uma singela homenagem, apesar de não concordar com parte do que ela defendia. Não sou adepta nem do aborto e muito menos da eutanásia. Mas quem disse que tenho que concordar com tudo para considerar uma outra pessoa digna de respeito e admiração?

Fazendo uma pequena pesquisa na internet, descobri que há um filme baseado em um de seus maiores sucessos: Sal sobre a nossa pele, que tenho que ver! Alguém o conhece? Parece que quando esse livro foi lançado, em alemão Salz auf unserer Haut, em 1988, ele foi um escândalo e tanto!…

Que ela, Benoîte Groult, possa descansar em paz. Alguns de seus pensamentos, que devem servir para nós de lembrança de que a vida de muitas mulheres já foi muito, muito mais desigual que a nossa, mas estamos longe de atingir a sociedade egualitária que nos é de direito:

I was a Latin teacher, but being born a woman, I was considered incapable. Of course, I lived most of my married life before contraception and experienced the dark ages of illegal abortion. I had to ask my husband’s authorization to open a bank account to put in the money I had earned by my own work. And many other incapacities.

Eu era uma professora de latim, mas por ser mulher, era considerada incapaz. Claro que me casei antes da pílula anticoncepcional e experimentei a era negra do aborto ilegal. Tive que pedir licença ao meu marido para abrir uma conta de banco para guardar o dinheiro que eu recebia com o esforço do meu próprio trabalho. Além de muitas outras incapacidades.

Letzten Endes kommt es einzig darauf an, dass man seine Kinder liebt. Doch wenn man zu Hause eingesperrt ist, fängt man irgendwann an, die Kinder zu hassen. Ich hätte jeden Job angenommen, um nicht 24 Stunden am Tag auf mein Muttersein beschränkt zu sein.

No final das contas o mais importante é que amemos nossos filhos. Pois quando estamos presas às nossas casas, podemos começar a odiar nossas crianças. Eu teria aceitado qualquer tipo de trabalho para não ficar presa às atividades maternais durante 24 horas por dia.

Als ich 25 war und als Journalistin arbeitete, hatte ich immer noch kein Wahlrecht! In Deutschland konnten Frauen schon in den zwanziger Jahren wählen, das Wahlrecht für Frauen wurde in Frankreich erst 1944 eingeführt. 

Quando eu tinha 25 anos de idade e trabalhava como jornalista, não tinha o direito de voto! Na Alemanha as mulheres já tinham conquistado esse direito nos anos vinte, enquanto o direito ao voto feminino na França só foi institucionalizado em 1944.

Vermutlich muss man geraume Zeit in der Haut eines Menschen verbringen, der einem nicht ähnelt, ehe man zu dem wird, der man ist. Oder vielleicht hat man auch all diese vielfältigen Figuren in sich und muss von einer befreien, ehe man zur nächsten werden kann.

Talvez seja necessário viver a vida de outra pessoa por determinado tempo, para que possamos nos tornar quem somos. Ou talvez todas essas figuras vivam dentro de nós e temos que nos libertar de uma, para que a outra se torne realidade.

 

Groult era uma das feministas mais conhecidas da França. Enquanto François Mitterand estava no poder, ela liderou uma comissão que buscava denominações femininas para profissões até então só masculinas. Ela lutou pelo direito do aborto, da pílula anticoncepcional e mais tarde pelo direito à eutanásia.

Segundo ela mesma, Groult se tornou feminista contra sua própria vontade, porque teve muita dificuldade de ser feminina. Ela continuou como feminista, porque as mulheres alcançaram muitos avanços no âmbito privado, mas muito poucos no campo político. No começo dos anos 90 ela reconheceu que o movimento feminino estava perdendo forças. Em 1992, em Paris, ela declarou ao jornal “Stuttgarter Nachrichten” (Notícias de Estugarda), que o “feminismo estava fora de moda e o poder tinha voltado às mãos dos homens como há 20 anos atrás”.

A autora foi casada três vezes, teve um amante durante cinco décadas e no anel de seu último casamento tinha gravado, a pedido do marido que propôs um relacionamento aberto, “liberdade, igualdade e fidelidade”. Eles consideravam ser possível ter uma vida independente, inclusive sexualmente, enquanto demonstravam fidelidade em outros níveis e respeito um ao outro.

Groult morreu aos 96 anos na noite de terça-feira, 20 de junho de 2016, enquanto dormia. Como desejou, segundo informações de sua filha, sem dores. Do contrário, ela teria optado pela eutanásia, pois achava que a vida só valia a pena se pudesse ser vivida de maneira digna.

Que ela sirva de exemplo e inspiração para nós, para que não constatemos como ela, daqui a 20 anos, que não houve avanço nenhum para as mulheres. Pois, se não prestarmos atenção ao andar da carruagem, até corremos o risco de perder o que já alcançamos. Que saibamos agir nesse mundo de mídia social, onde é tão fácil aprender, elogiar e ofender, evitando toda e qualquer oportunidade onde a mulher é vendida como um produto de decoração, um ornamento bonito, um ser impensante mas bonitinho que esta ali, parado, sem voz, quieto no seu lugar, ou, no máximo, dançando como nas tardes de domingo da tevê brasileira. No dia a dia, temos que nos unir evitando piadinhas de mau gosto que denigrem a loira, logicamente burra, a dona de casa, com mãos pequenas para alcançar todo e qualquer cantinho, e tantas outras funções femininas. Dou graças a Deus por não ter vindo ao mundo na época em que uma mulher não tinha direitos que hoje são considerados óbvios, tampouco queria ter visto uma sociedade como a de Muhammad Ali, onde um negro não tinha o direito de pedir um café num bar da cidade, mas se olharmos bem para a nossa atualidade, veremos que ainda há muitas, insuportáveis aberrações, o mundo anda louco, e o machismo impera, calado e senhor de si, certo de seu poder.

P.S.: Se alguém quiser usar esta plataforma para homenagear alguma mulher, favor deixar um comentário abaixo. Eu e muitas outras leitoras, com certeza também leitores, agradecemos!

P.S.2-Por acaso, hoje, depois de 2.769 anos, uma mulher tomou o poder de Roma e será prefeita da cidade. Os nossos parabéns pra ela!

Fontes: página da autora no Facebook, reportagem da revista Spiegel e Brigitte Woman, página da Wikipedia.

::Dia Internacional da Mulher::

07/03/2016

Amanhã é o Dia Internacional da Mulher e muitos dirão que uma data comemorativa como essa já está ultrapassada, mas é aí que muitos se enganam.

IMG_6915

Talvez digamos isso porque não temos consciência completa de que só existe data comemorativa para minorias, e somos claramente uma delas. Apesar de já representarmos na atualidade mais da metade das pessoas que frequentam uma universidade, seja em curso de bacharelado, mestrado ou doutorado, não formamos nem 15% do grupo de liderança das empresas, mesmo que vários estudos já tenham provado e todos saibam que empresas diversas, com mais de 30% de mulheres ocupando cargos de liderança, tendem a ter mais sucesso.

Eu era contras as quotas de toda e qualquer espécie, contra as quotas que foram adotadas no Brasil para a entrada na universidade, e apesar de adotar uma posição feminista, também era contra as quotas que estão sendo discutidas e adotadas aqui na Europa com relação à mulher em cargo de liderança para empresas de capital aberto. Isso porque eu busco Justiça, trabalho na área de recrutamento e seleção e sempre fui a favor de que o melhor candidato ocupe uma vaga em aberto, seja ele homem ou mulher. Esta foi a minha postura até o dia em que troquei ideias com um colega de trabalho, que já acompanha há 30 anos as discussões acerca da mulher no mundo dos negócios e diz que já está cansado de presenciar tanta discussão e tão pouca ação. Ele é a favor das quotas por um determinado período de tempo, pois só uma medida drástica como essa poderá modificar o cenário existente onde as mulheres são responsáveis por 70% das decisões de compra, mas ocupam a maioria dos cargos com menor poder de decisão e chegam a ganhar menos pelo mesmo trabalho desempenhado por um homem. Enquanto nos esforçamos em ser boas funcionárias e em agradar a chefia, admitindo honestamente o que sabemos e o que não sabemos numa entrevista de emprego, muitos homens estão ocupados se catapultando ou se mantendo no auge do poder, mantendo o estatus quo que tão bem conhecemos.

the-intern-200x300Nós, mulheres, temos ainda um defeito horrível de procurar sempre em nós a culpa para tudo o que não anda bem. Como no caso da personagem Jules Ostin do filme “Um Senhor Estagiário” (The Intern), que apesar de ter sucesso como CEO de uma start-up de moda e driblar seus dias entre o sono, escritório, trabalho em casa e os papeis de profissional, esposa e mãe, se dá toda a culpa e começa a buscar um sucessor, propondo-se a se desligar em parte de seu grande sonho e do sucesso empresarial conquistado, quando descobre que o marido a está traindo. Sugiro que o filme seja visto pelo maior número possível de mulheres, pois precisamos de mulheres neste mundo que admitam ter sonhos e que lutem por eles, que não se escondam atrás deles ou o escondam debaixo dos cobertores, se fazendo menores do que são. Precisamos de investir um tempo revendo o que já conquistamos nas últimas décadas mas também precisamos de coragem pra abrir a boca quando algo não vai bem, dentro ou fora do ambiente de trabalho. O preconceito, as tramas do poder, os comentários maliciosos, as “chegadas pra lá” não são uma exceção e não vão parar de existir só porque nós as ignorarmos. E, acima de tudo, temos que admitir que não somos nenhuma Mulher Maravilha, mas sim pessoas de carne e osso com muitos erros e limitações. Não podemos querer ser perfeitas e nos cobrar o impossível como mães, mulheres e profissionais, pois isso só nos levará à amargura. Precisamos dividir os fardos e os prazeres dentro e fora de casa. Que saibamos comemorar o Dia Internacional da Mulher e esperemos que um dia não exista razão para uma data comemorativa como essa, pois a mulher terá alcançado o espaço que lhe é de direito. Que tenhamos coragem pra sonhar… como eu sonhei, por exemplo, em um dia poder ver a Madonna, o Papa Francisco ou a Angela Merkel ao vivo e a cores, e que tenhamos fé, persistência e resiliência pra acreditar que nossos sonhos podem se tornar realidade. Eu, ainda que tenha que admitir que seja um tanto quanto teimosa e fora do normal, vi os três e quero continuar a sonhar.

P.S. – Dicas de mulher pra mulher:

MAKERS – The largest video collection of women´s histories

20 Inspiring TED Talks every woman should watch

Male Champions of Change

Se tiver dicas, deixe-as por favor nos comentários. Eu e as outras mulheres agradecemos!

P.S. 2 – Leia também aqui “Os direitos da mulher” e aqui “A Alemanha é uma sociedade machista?”

::Hitler e a crise dos refugiados::

07/10/2015

O jornal alemão Tagesspiegel cometeu ontem um faux-pas com relação ao tema mais atual da Alemanha: a crise dos refugiados. Hoje tiveram que pedir desculpas por terem misturado na primeira página uma foto de um ator alemão, que ocupa o papel principal na sátira sobre Hitler chamada “Er ist wieder da” (Ele está de volta), mostrando ao lado da foto do ator a frase “Der schon wieder” (Ele de novo…) e logo abaixo a notícia sobre a crise dos refugiados de que Angela Merkel decidiu tomar a liderança sobre esse assunto e retirá-lo da alçada do Ministro da Defesa de Maizière. Explicaram que intencionavam colocar outra notícia abaixo do artigo sobre o filme, mas em último minuto ela foi alterada pela novidade com relação à crise dos refugiados… e pediram desculpas pelo mau gosto.

Os comentários explodiram na internet, rádios e demais meios de comunicação e foram implacáveis: “exemplo de péssimo layout”, “que estagiário fez a capa do jornal desta vez?”, “Infelizmente, muito engraçado”, “o Tagesspiegel teria merecido melhor liderança durante a escolha do melhor layout para o jornal de ontem”…

Fonte: artigo do Tagesspiegel de 07/10/15.

::Fase de descobertas::

27/02/2015

Estou passando por uma fase de descobertas. Bastante introspectiva para quem gosta de escrever. Mas estou trabalhando – sempre que posso e tenho inspiração – em três novos projetos, que serão anunciados aqui quando chegar a hora.

Fiz uma atualização na Connex Consulting com relação a referências do meu trabalho de consultoria, relatando quem já contratou meu trabalho e que resultado foi alcançado. Caso tenha ficado curioso(a), confira aqui.

Tenho lido muito, visto filmes e documentários que me levam a pensar muito sobre a vida, o aqui e o lá, as possibilidades do ser humano e de uma vida ética, democrática, livre, saudável, plena. Alguns dos filmes: Die andere Heimat (A outra Pátria, sobre a emigração de alemães para o Brasil, bem difícil de entender devido ao dialeto, beeeemmm longo mas também muito interessante), Never Sorry do Ai Weiwei (imperdível!!!!) e neste momento estou assistindo uma documentação sobre o Stephen Hawking. Muito admirável a vida deste homem!

Desejo a todos um excelente final de semana e ótimas descobertas!

::Lovesick – filme brasileiro/alemão é nomeado para o festival de Cannes::

05/01/2015


Este menino que vai longe é um leitor do Mineirinha, o Dago Schelin. Quando ele comprou meu livro, disse que lia à noite com sua esposa, e lia devagar pra evitar que acabasse logo!… Depois que a leitura do meu livro chegou ao fim, ganhei dele de presente dois CDs com músicas feitas por ele. Fiquei apaixonada! Outro dia eu tinha um tanto de brinquedo do Daniel pra passar pra frente… e quem levou foi a Bella, a filha dele. Tantas vidas que eu acompanho de longe, meio-perto ou de pertinho, tantas amizades que fiz a partir do livro. Um grande presente, o presente mais inesperado que uma produção independente poderia ter dado ao seu autor. Será que ainda vou ter o prazer de conhecê-lo, e sua família, pessoalmente? E que coelho será que vai sair do mato do Dago nos próximos tempos?!? 😉 Páginas ainda não escritas… nem na minha vida, nem na dele…

E fico toda orgulhosa de ver os leitores, e alguns que acabam fazendo consultoria comigo, fazendo sucesso por aqui! Mas o Dago não está fazendo sucesso por aqui… o sucesso dele é internacional, Brasil, Alemanha, Itália, Romênia, Malta, França… Agora em Cannes com o curta metragem “Lovesick”. E ele merece. Prestem atenção no que digo: este menino vai longe! Guardem este nome: Dago Schelin, músico e diretor de cinema. E vejam alguns de seus trabalhos, conheçam um pouco desse cara cheio de talento e do que estão falando sobre ele aqui, e aqui, e aqui, e aqui… Indico a leitura da entrevista feita com ele aqui, onde ele toca no assunto do chamado de Deus, de criar, de seguir sua voz interior e fazer outros brilharem através da sua lente. Por “coincidência”, o texto que já tinha escrito sobre ele anteriormente aqui no blog foi intitulado “Da arte de acreditarmos em nós mesmos“. Sucesso, Dago! Estou muito orgulhosa de você! 🙂

::Amizade sem brigas::

26/07/2014

Você tem um amigo com quem nunca brigou?

Eu tenho uma amiga assim, e ela tem 68 anos. É a única amiga de idade alemã, ex-colega de trabalho, com quem dividi o mesmo escritório de 1998 até o ano de 2000.

Os anos se passaram, e nossa amizade continuou. E eu nunca tinha percebido que nunca tinha brigado com ela. Ursula me chamou atenção para este fato da última vez que a visitei. Como não poderia deixar de ser, eu faço tudo errado, e ela me ama mesmo assim. Ela desculpa o fato de que eu marco um horário e não consigo chegar no horário combinado na casa dela. Chego de mãos vazias, apressada de um lugar pro outro, no meio da correria da vida de segunda a sexta, suando com o sol europeu, com o qual muitos do Brasil acreditariam que não seria suficiente para suar. Chego de mãos abanando e sou recepcionada com um sorriso, com um café, com a melhor porcelana, com biscoitinhos e carinhos. Ela nasceu no mesmo dia do meu marido e de um ex-namorado meu. Coincidência? Eu sempre fui rodeada de leões, o signo, iso é o que quero dizer. E apesar de ser leonina, durona, decidida, orgulhosa, de opinião inabalável e muito senhora de si, ela gosta de mim e eu dela. Amor gratuito. Simples assim.

Foi dela que recebi a oferta do “du”, o tu em português, que tem um significado tão especial de aceitação e respeito, de abertura de portas e escancaramento de janelas psicológicas, logo no primeiro dia de trabalho. O comentário veio acompanhado de um sorriso:

Mädel, du gefählst mir, du darfst mich duzen. (Menina, gostei de você, pode me chamar de Ursula).

Com esta oferta, para a qual nem soube dar tanto valor há tantos anos atrás, eu ganhei uma amiga para sempre. Ela tem me acompanhado nos sobes e deces da vida nesses 16 anos que nos conhecemos e nunca deixou de acreditar em mim. Quando eu faltava ao trabalho, por motivo de doença, minha ou da Taísa, ou por passar férias em algum canto, voltava ao escritório e minha mesa estava limpa, ela tinha feito todo o trabalho. Um grande exemplo de solidariedade que levei para a vida. A única vez que veio me visitar em casa foi quando o Daniel veio ao mundo, em 2005. E eu não sou a melhor amiga do mundo no que diz respeito a ligar sempre, acompanhar a vida do outro, portanto passamos alguns anos sem muito contato, mas a chama da amizade nunca apagou.

Há alguns anos atrás tive um trabalho perto da casa dela. Passei a ir lá com mais frequência, falávamos do passado, do hoje, dos filhos, do meu trabalho, de quando ela trabalhava, do nosso mínimo passado comum. Na mesa dela, a foto do marido morto que eu nunca conheci. Eu poderia ser filha dela. Ela tem uma filha única da mesma idade que eu, que só conheco por foto. Um dia ela me perguntou se poderia cortar um cachinho meu pra mostrar pra filha dela. Lógico que concordei. Se estou lá e ela atende o telefone, altera a fala do alemão padrão para o dialeto, que eu por sorte também entendo, e comenta que está recebendo visita de uma amiga querida que vem do Brasil.

Da última vez saí da casa dela com vários presentinhos: um vidrinho de marmelada, ervas do seu jardim, amor embalado pra levar pra casa. Da próxima vez vou lhe trazer uns potinhos de flores pra enfeitar sua entrada, nem de todo voada eu sou. Mas o carinho gratuito dela me deixa feliz e perplexa, pois amor gratuito e sem interesse é algo difícl de se achar neste mundo de cão.

Fonte de inspiração: texto escrito logo após de assistir o filme “Das Labyrinth der Wörter” (em português “Minhas tardes com Margheritte), que também fala de uma bela amizade entre gerações diferentes, cujo livro também li, indico por ser muito lindo e bem escrito. Ele é de autoria de Marie-Sabine Roger.

::Rio 2::

20/04/2014

Fomos hoje assistir ao filme Rio 2 em 3D e gostamos muito. As cores, os detalhes, a música, tudo é muito fofo e passa uma imagem positiva do Brasil. Acho que o filme é mais legal pra quem já viu o primeiro filme da série. Sobrou até uma pontinha pra Ouro Preto! Nós, mineiros, também estamos presentes no filme! 🙂 Aqui a página oficial do filme. E eis aqui o trailer em alemão:

::Eu Maior – entrevista com Rubem Alves::

08/02/2014

Vocês já conhecem o documentário Eu Maior? Descobri-lo hoje de manhã e assisti a alguns vídeos no YouTube, partes das 30 entrevistas de que ele é composto. Aqui um deles, uma entrevista com o escritor Rubem Alves:

::Agora::

26/01/2014

Até ter visto o filme Agora (“Alexandria” no Brasil) me era desconhecido o fato de que mulheres tinham o direito de pensar na Antigüidade. Com o filme, conheci a história real da filósofa, professora, matemática e astrônoma grega Hypatia, que viveu de 355 a 415 D.C. na Alexandria e foi morta por não ter concordado se converter ao Cristianismo, acusada de ateísmo e bruxaria, vítima de um golpe político onde não era a peça principal.

A quantas mulheres ao longo da História foi tirado o direito de pensar? Por quantos anos a mulher teve que se reduzir na sociedade até atingir novamente voz ativa? Qual é o verdadeiro papel feminino na História? Em inglês, uma colega de trabalho me disse que a História oficialmente contada encobre a parte feminina por se tratar de HIStory e não de HERstory.

Se eu tivesse que fingir ser homem como na história do livro “A Papisa” ou se tivesse que dar minha vida pela liberdade do pensamento, como no caso da Hypatia, eu daria. Felizmente nasci num século onde este não é o caso. Em que lugar da Bíblia constam as partes que descrevem o suposto papel de coadjuvante da mulher no Cristianismo?

20140126-005400.jpg

::Sinais de velhice e de alguma sabedoria::

25/12/2013

Você percebe que está ficando velha quando descobre, sem aviso prévio, mais um cabelo branco na cabeça. Quando reclama sobre isso com suas amigas, muito decepcionada como o fato, percebe que na realidade você deveria agradecer por ter tão poucos deles e por não precisar pintar suas mechas, enquanto todas elas já pintam há anos…

Você percebe que está ficando velha, mas acima de tudo agradece por isso, porque sua filha começa a te sugerir bons filmes e livros. E o lado bom da coisa é que você sabe que ela te conhece muito bem, sabe aquilo que te interessa e as dicas acertam mesmo em cheio! Desta vez foi a vez do filme THE HELP, boa pedida pra todo mundo que gosta de filmes instigantes e que te fazem pensar em desigualdades, muitas vezes consideradas naturais, infelizmente ainda nos dias de hoje.

Bonito também, e já meio nostálgico, foi o fato de ter acompanhado praticamente o último ano em que meu filho ainda acredita no Papai Noel. Ele, binacional e filho de expatriada, foi esperto e duplicou as crenças, fazendo um pedido pro Christkind, o menino cristão que é quem traz presentes pros alemães, juntando a um pedido para o Papai Noel, assegurado por preces ao Papai do Céu pra ter certeza absoluta mesmo de que algo iria ser ouvido, onde quer que o velhinho estivesse. Este ano também foi talvez o último que meu filho andou de carrossel, pois ano que vem pode ser mesmo que a vergonha seja tão grande que ele não se atreva a andar de novo. Enquanto ele andava no brinquedo, meus olhos sorriam e meu coração se enchia de amor…

Os anos passam… e com eles novas alegrias e muitas vivências. Mas acima de tudo, bem acima de tudo, muita coisa para agradecer. Agradeço por tanto… E quero continuar a caminhada espalhando, sempre que possível, paz e amor, ou pelo menos se não for correspondido, pelo menos respeito pelo ser humano, que muitas vezes me surpreende com todas as suas facetas, tanto as mais nobres, quanto como com as mais podres. Uma meia frase, ou mesmo algumas palavras, te reportam pra algum cantinho que julgava estar superado e sepultado na sua memória, e feridas antigas correm o risco de voltar à tona. Se voltam, tem que ser trabalhadas de novo, tem-se que fazer de novo a paz com o passado e também com os desafios do presente. Bom assim, também algo por agradecer, pois do contrário eu seria uma morta-viva. Se pensamos direitinho, até em coisas ruins há algo bom. As histórias de nossas vidas estão aí pra ser analisadas e contadas, e cada um analisa e conta aquilo que quer – ou que consegue, ou quer, entender.

Escrito no Natal de 2013 – enquanto ouvia um super CD pela internet, o “Frank and Back to Black” da Amy Winehouse.


%d blogueiros gostam disto: