Archive for the ‘Dicas’ Category

::Entrevista em inglês::

04/03/2022

Dei uma entrevista em inglês para este site aqui, leia lá e comente aqui o que achou!

Enquanto isso, a guerra na Ucrânia tem me deixado muito pensativa…. Enquanto penso, sofro calada, teço crochê ou palavras. NADA justifica a guerra. Eu não entendo como algo assim pode estar acontecendo… O serumaninho não evolui… muitos são guiados pelo ego, e os cidadãos que não podem influenciar em nada o jogo político, é quem paga a conta…

::Dois anos de pandemia – e por onde anda a fé na humanidade?::

21/02/2022

Já estamos metidos nesta lenga-lenga há dois anos, e a capacidade comercial e mercantilista do ser humano o fez capaz de criar máscaras de luxo, perceber que oferecer testes de COVID dá dinheiro… O ser humano capitalista sempre acha um novo método de como fazer dinheiro. 

Enquanto isso, as tragédias não querem cessar, enquanto a natureza continua avisando que a estamos destruindo e ela joga fogo, ar (ventos fortes, furacões), água, todos os elementos nos são devolvidos, um após o outro, para que talvez consigamos perceber que CHEGA, que temos que implementar medidas imediatas para nos salvar, para salvar nosso planeta, se quisermos que ele continue a ser a casa das próximas gerações. 

A mesquinhez do ser humano potente e louco pelo poder não deixa por menos e coloca o mundo mais uma vez à beira de uma guerra imbecil, inútil, desnecessária. Cá estamos nós, em pleno fevereiro de 2022, como se nunca tivéssemos passado por tanta tragédia, discutindo sai dia, entra dia, sobre o perigo eminente de uma guerra entre o ocidente e a Rússia ante uma possível invasão da Ucrânia. Me poupem, eu quero descer!… Por outro lado, vemos a mesquinhez individual correr também solta nos exemplos do Tinder Swindler e da Anna russo-alemã que passou a perna em toda a high society de Manhattan enquanto eles tinham como objetivo mera e simplesmente aumentar sua própria riqueza e campo de influência. 

Mas enquanto tudo parece mais o fim de um mundo que talvez não nos mereça, eu busco luz. Luz nos encontros possíveis do dia a dia. Luz nas trocas dignas de irmãs que vêem o massacre nu e cru de um Brasil machista e desigual, mas não o aceitam. Mesmo tendo ficado boquiaberta com um estudo da Universidade de Brasília sobre grupos masculinos durante a pandemia, sobre quais mensagens muitos homens brasileiros trocaram durante meses na pandemia, eu passo pela nojeira do artigo, ainda que necessário, e me vejo discutindo com mulheres que querem crescer e ajudar outras a crescer, a ocupar seus espaços, a se abraçar enquanto pessoas, com todas as suas partes e verdades que elas levam consigo: gorduras, rugas, cabelos brancos, celulites, tudo e mais um pouco com o que elas se preocupam, levando em conta também que muitas outras estão lutando lutas bem mais duras como a da pobreza, da doença, da saúde física e mental debilitadas. Elas buscam por qualidade de vida, e se voltam para si – interessante quando vejo em um grupo de homens o movimento inverso, que não se voltam para si, mas contra as mulheres. Parece que ainda vale a pena atacá-las, então?

Parece que sim, vale sim. Ainda que cumpramos muito mal o nosso papel de nos representar, de nos solidarizar, de manter nossa bandeira bem no alto, mas ainda assim incomodamos, ainda mais durante a pandemia. Mesmo que durante a pandemia tenhamos conseguido dar muitos passos para trás, porque a pobreza da mulher aumentou, muitas mulheres estão pedindo para reduzir seu horário de trabalho para dar conta dos afazeres pandêmicos que incluem casa e filhos estudando em casa, e enquanto muitas meninas não voltam para as escolas simplesmente porque enquanto estavam em casa durante a pandemia foram casadas por seus pais, e agora se ausentarão para sempre das aulas. Tarde demais para elas, infelizmente. 

No meio desta lama, continuamente à procura de luz, eis que anuncio três ou quatro possibilidades encontradas com muita dificuldade durante a pandemia, umas por acaso, outras fruto de muita pesquisa e planejamento, outras por investimento puro e simples, o de respirar e fechar os olhos. Vejamos:

  1. Fechar os olhos, respirar e buscar o meu mundo interior foi uma das melhores atividades até agora durante a pandemia. Ainda que eu reconheça que o simples ato descrito anteriormente nem sempre – ou quase nunca – faça com que eu consiga visitar meu mundo interior, pelo menos – e que maravilha poder dizer isso! – agora eu tenho um, só meu. Lá sempre faz sol! Já o visitei com riqueza de detalhes. Mas continuo explorando, sempre quando minha inquietude deixa. 
  2. Viajar nunca foi tão essencial quanto é agora. Dar aos olhos o presente de ver coisas diferentes, respirar outros ares e encher a memória de outra coisa que não seja os detalhes das nossas quatro paredes se tornou algo essencial, ainda que muito mais caro, capitalismo, pandemia e inflação que o diga! Ainda assim, repito. Essencial!
  3. Ter fé também é imperativo. Tento intercalar a avalanche de notícias ruins com coisas, conversas, exemplos, livros bons! Um deles, indico em alto e bom som, o documentário 2040 na Netflix. Que todos, principalmente os mais jovens o vejam, pois o mundo precisa de mais fé e esperança, não só no que pode vir, mas acima de tudo naquilo que já existe e está sendo feito HOJE de bom no mundo.
  4. Completando um ano de lançamento do meu último livro, o HERstory, continuo na reflexão de como nós mulheres não conhecemos a nossa própria HERstória, como muitas de nós tem vergonha de dizer que sim, somos feministas, não porque somos contra os homens, mas sim porque queremos andar lado a lado com eles na construção de um muito mais justo, solidário e igualitário para ambos. Neste sentido, indico um documentário que acabei de achar por acaso também no Netflix, durante o qual aprendi muito e, munida do gás que ele me deu, escrevi estas linhas – deixei passar muito tempo sem escrever!… Se você, homem ou mulher, jovem ou velho, não importa quem seja, se estiver com tempo e não tiver nada urgente para fazer na próxima hora que segue, sugiro: largue tudo, aperte o botão e assista este documentário histórico das lutas femininas que é o Feministinnen: was haben sie sich gedacht? (Feministas: o que elas estavam pensando?). Da cineasta independente americana Johanna Demetrakas. O documentário é de 2018, mas é como se tivesse sido feito ontem. No meio do documentário aliás uma mulher se pergunta por que ainda tem que ir às ruas para protestar pelas mesmas coisas sobre as quais já tinha protestado há anos junto de sua mãe.
  5. A lista poderia ser interminável e é por isso que eu peço as suas dicas para se manter lúcido e vivo. Obrigada pelos comentários!

P.S.-Se houver algo que você goste muito de fazer como no meu caso com relação à escrita, não fique meses a fio sem praticar. Isso desconecta neurônios… Passei pelo menos o mesmo tempo escrevendo quanto procurando uma maneira de acessar meu blog. Enfim…

::Sugestão de vídeo sobre a Alemanha!::

30/09/2021

Tem um vídeo super interessante sobre a História alemã e como os alemães a vêem aqui (em inglês com subtítulo em alemão)! Depois me contem o que acharam dele!

::Frio no Brasil e inundações na Alemanha::

16/07/2021

Para quem ainda continua achando que não há mudanças climáticas acontecendo por aí, temos no momento dois bons exemplos aqui na Alemanha e também no Brasil.

No momento temos visita de parentes da Espanha que disseram nunca terem presenciado tanta chuva em toda a sua vida! E devido às mudanças climáticas as frentes frias não têm se movimentado como antes, com isso se chove muito, a precipitação é maior no mesmo local.

Ontem vi as cenas de inundações que aconteceram nos últimos dias em diversas cidades do centro-oeste da Alemanha. Casas literalmente desapareceram ou foram bastante danificadas, carros foram levados pela água como se fossem de papel, estradas e pontes foram destruídas. E o pior: até agora mais de 80 pessoas (!) morreram, muitas outras estão desabrigadas, além de centenas desaparecidas. Estas cenas foram ainda mais impactantes porque para mim isso era impossível, pois as casas aqui têm uma construção muito forte. Essa coisa de casa destruída por ação de mudanças climáticas para mim era algo que acontecia nos EUA onde as casas são muito mais frágeis. Erro meu.

O número de mortos ainda pode aumentar muito, pois muitos não são localizados no momento porque a comunicação por celulares está interrompida. Em algumas regiões afetadas não há energia, a água potável foi contaminada e/ou está sendo racionada. Um cenário que levará bastante tempo para voltar ao normal. Mais um trauma coletivo no meio da pandemia, mas onde muitos estão presenciando solidariedade em um momento de dor. Que essas pessoas tenham muita força e fé!

E no Brasil a questão é a do frio. Minha mãe me contou que nunca passou tanto frio como no inverno atual. Menos de 10 graus sem calefação e sem roupas apropriadas, por um grande espaço de tempo, não é brincadeira!…

Pra ajudar vocês quanto ao frio: vistam muitas camadas finas de roupa. Protejam principalmente as extremidades: pés, orelha, cabeça, mão (no meu caso pescoço tbém). Não deixem o frio “pegar” em nenhuma parte do corpo. Uma vez fui numa feira e o frio pegou atrás do meu joelho. Essa era a primeira parte do corpo que doía quando esfriava nos outros anos.

Ah sim, sapatos: quando cheguei aqui não acreditava nisso, mas bons sapatos no inverno são imprescindíveis. Tive que perder o ônibus e ter quase os dedos do pé congelando e sentir muita dor para aprender. A gente costuma aprender ou por experiência dos outros ou por dor própria. Naquela época escolhi o caminho mais difícil.

E como está o tempo aí onde você mora? Tem mais uma dica quanto ao frio?

::Sempre aprendendo!::

15/06/2021

Aprendendo com a Chimamanda, agora através da entrevista dela no Roda Viva.
“Quando os direitos forem iguais para ambos os gêneros, não precisaremos mais do feminismo. “

Aprenda, como eu aprendi, mais sobre História, justiça social, o perigo das histórias únicas, a importância de símbolos/modelos/exemplos e por que todos deveríamos ser feministas. Uma mulher (homem/pessoa) pode se interessar pelo que ela quiser! E também ser o que ela quiser!
Bem notado pela autora: “Quando mulheres atacam mulheres, quem acaba tendo vantagens são os homens.”

E… ao final da entrevista, se quiser continuar refletindo sobre o tema, leia livros dela e também o meu novo livro HERstory – escreva a sua história!

::Mineirinha goes international::

02/06/2021

Amanhã farei pela primeira vez uma apresentação em inglês do meu novo livro, o HERstory – escreva a sua história! Ela será através da plataforma Internations e acontecerá junto de duas outras escritoras, Amanda dos EUA e a arte-psicoterapeuta Isa, que aliás enfeita a capa do meu livro com uma de suas pinturas, intitulada “Women’s Resurrection” (Ressureição Feminina).

Uma nova experiência, já antecipando a tradução do livro para a língua inglesa!

::Salário igual para trabalho igual: avaliação de discriminação salarial garantida por lei na Alemanha::

23/02/2021

Uma corte alemã decidiu que se uma mulher entra na justiça para requisitar a avaliação do seu salário em comparação a colegas do sexo masculino, e for constatada uma diferença para menor de seu salário comparado à média dos salários de colegas do sexo masculino para o mesmo tipo de trabalho, que este fator marca uma presunção de que a desvantagem salarial está relacionada ao gênero. Neste caso, o empregador será obrigado a provar o contrário e se não lhe for possível, a mulher poderá receber a diferença paga entre os gêneros. (BAG, decisão de 21/01/21 – 8 AZR 488/19 – PM 1/21).

Leis importantes na Alemanha com relação a direitos trabalhistas:

Entgelttransparenzgesetz (EntgTranspG) – lei de transparência salarial, que garante salário igual para trabalho igual, de 06/07/17;

Allgemeines Gleichbehandlungsgesetz (AGG) – lei de tratamento igualitário.

::Por que vale a pena escrever?::

13/02/2021

Saiu uma reportagem sobre esta pergunta e sobre os meus escritos no blog Tabacaria. Muito obrigada pelo convite, Sidnei! A publicação veio com dois presentes:

– o Sidnei incluiu uma pintura de Van Gogh pra ilustrar meu texto, e “por acaso” adoro este pintor!

– o dia da publicação, 12/02, é o dia do aniversário de uma pessoa especial, meu irmão!

Se você também gosta de escrever e ler, pode ser que fique curioso com as razões que me levaram às duas atividades. Se não gosta, talvez encontre algum argumento bom por lá!

::A sexta-feira 13 e o coronavírus::

15/03/2020

Ontem foi um dia doido, não é mesmo? Em termos de ansiedade quanto à evolução da doença aqui na Europa, líamos novas notícias praticamente a cada segundo que éramos bombardeados pelos meios de comunicação. E olha que eu adoro sexta-feira 13 e não estava com nenhum pressentimento ruim quanto a este dia!…

Dentre tantas outras notícias, esse foi o dia em que o coronavírus chegou na cidade onde moro… E que anunciaram que no estado onde moro, Baden-Württemberg, as aulas estão interrompidas até as férias de Páscoa a partir da terça que vem. A partir da semana que vem estaremos os três em casa: meu marido e eu trabalhando em home office e meu filho sem aulas, mas provavelmente em contato frequente com sua professora e com os colegas. Bendita tecnologia!

Confesso que tive dores na barriga de tanta apreensão, ao mesmo tempo em que me acalmava e pensava que tenho boa saúde, tenho familiares saudáveis e que vivo em um país cujo sistema de saúde pode ser considerado como um dos melhores do mundo. Felizmente não estou nos EUA, onde um teste pode chegar a custar algumas centenas de dólares, sem falar no tratamento. Aqui ninguém precisa de ter medo de não receber tratamento por não conseguir pagar a conta do hospital. A não ser que a doença evolua rápido demais… nesse caso, não há sistema de saúde que comporte tantos casos graves necessitando de tratamento intensivo.

É por essas e por outras que saí ontem à noite para comprar medicamento e ir ao supermercado com o entendimento de que a partir de agora estou entrando em quarentena voluntária.

Pensando hoje no assunto, acho que uma quarentena voluntária é recebida de uma forma totalmente diferente de uma imposta pelo governo. Por um lado, não estou doente e por outro eu mesma tomei a decisão de ficar em casa para contribuir para que a propagação da doença aconteça de forma mais lenta. Li um livro, tomei sol na varanda, fiz ioga, cozinhei, me informei… Passei o dia tranquila. Felizmente, as dores na barriga já tinham sumido quando acordei.

Hoje temos perto de 3.800 casos registrados na Alemanha e 8 mortes enquanto a Itália conta com 17.700 casos e perto de 1.300 mortos. No total, temos pouco mais de 156.000 casos de coronavírus no mundo e pouco mais de 5.800 mortos. Depois que entendi que estamos a uma semana do quadro italiano, minha percepção sobre essa doença mudou completamente. Quanto mais ficarmos em casa, melhor será para todos. Esse artigo aqui explica isso direitinho.

Tenho observado uma divisão da sociedade em cinco grupos: 


a) os que querem ignorar a pandemia tapando o sol com a peneira;


b) os que já entenderam que a situação é crítica mas não querem mudar seus hábitos, querem continuar tendo contato social, ignorar as medidas sugeridas, etc;


c) os que já entenderam que a situação é critica e que cada um tem que dar sua parcela de contribuição, praticando a higiene e reduzindo seus contatos aos mínimo necessário;

d) pelo menos parte desse grupo dos que já entenderam que a situação é crítica, vem se preparando há alguns meses ou semanas para o pior, comprando estrategicamente comida e água e se precavendo para caso a situação se agrave, mas sem alarde. São os chamados “preppers“;

e) tem também o grupo dos que adoram propagar pânico, enviando p.ex. fotos em mídias sociais de partes de supermercados com suas prateleiras vazias e repassando fake news ou memes, em parte atiçando o pânico, em parte ridicularizando ou minimizando a pandemia. São pessoas que estranhamente adoram desinformação e confusão. Pode até ser que alguma(s) outra(s) força(s) esteja(m) aí por trás também!

Espero que a Alemanha tenha mais pessoas pertencentes ao 3-4. grupos porque a diferença da evolução da doença entre países que adotam medidas severas a tempo (Taiwan) e outros que adotam essas medidas mais tarde é enorme: a mortalidade varia de 0,5 a 4% do total dos infectados!

P.S.-Alguém pode me explicar por que pessoas que chegam do exterior só têm que ficar sete (!) dias em quarentena, sendo que o período de incubação é de 14 dias?!?

Agradeço a leitura atenta do meu fiel leitor André de Schröder de Berlim, que contribuiu para a expansão dos grupos da pandemia de três para cinco, incluindo os preppers e os que adoram um pânico e espalhar desinformação. Obrigada, André!

Fonte: página na internet do Robert Koch Institut, consultada no dia 14/03/20.

::Quanto uma mulher vale no mercado de trabalho?::

14/03/2020

Outro dia estava lendo um post da Embaixada Alemã no Brasil sobre salários na Alemanha e me deparei com um comentário mencionando que há diferenças salariais entre homens e mulheres aqui. Repare: esse tipo de diferença não é permitido por lei para empresas com mais de 50 funcionários! Trabalho igual, salário igual. Mas daí a pessoa completou com um comentário neste sentido:

“Após uma rodada de entrevistas meu marido se “chocou” pelas mulheres que tinham o mesmo currículo dos homens e pediram um salário inferior aos deles.  Elas sempre respondiam que queriam um salário x, que era invariavelmente abaixo do dos homens que estavam sendo entrevistados. Eu disse ao meu marido que nós nos “desvalorizamos” porque talvez pensemos que uma gravidez e posteriormente um período de licença e achamos que a empresa irá nos descartar de imediato, então compensamos esse fato com um salário menor…“

Mas… se não nos dermos valor, quem nos dará? Depois de contratadas, não teremos muitas vezes a oportunidade de voltar a negociar nosso salário, então é importante nos informarmos quanto podemos ganhar, quanto o mercado está pagando para determinada categoria, e mencionar um valor dentro desse padrão na entrevista!

Entrevistei muitas pessoas, tanto do sexo masculino quanto feminino, tanto na Alemanha quanto na Suíça e percebi o mesmo, que as mulheres tendiam a pedir um salário inferior aos dos homens. Com o tempo, aprendi que a) só ganhamos aquilo que nos permitimos e b) se eu não me der valor, ninguém me dará.

Além das minhas próprias observações, há fatos. Como profissional de Recursos Humanos, eu já vi salários de várias empresas e em nenhuma vez percebi diferenças salariais grandes entre homens e mulheres. Se não há a tendência de promover a diferença salarial por parte das empresas, por que haveríamos de querer promover a discriminação da nossa parte? Isso seria muito contra produtivo, não é mesmo?

Lembro de ter lido no livro da Sheryl Sandberg, o „Lean In”, que em algumas vezes em sua trajetória ela presenciou mulheres que não lutavam pelo crescimento de suas carreiras exatamente por essa matemática pessoal, já contando que em tantos anos se casariam, em tantos anos teriam filhos… e daí elas consideravam que não valia a pena lutar por uma promoção se mais tarde ficariam, em parte, fora do mercado de trabalho. Mas… o ponto é que você está sendo questionada sobre sua pretensão salarial HOJE, sobre a nova posição HOJE!!! Já parou pra pensar nisso?!?

E, afinal, existem diferenças salariais? Todos sabemos que sim, em torno de 16% na Europa e dependendo do tipo de cálculo entre 2-22% na Alemanha. Mas esse cálculo é muito complexo. A questão é que muitas profissões consideradas femininas têm salários menores, além do mais, o número de mulheres que trabalham em período parcial na Alemanha é maior do que o grupo masculino. O trabalho no campo da educação, cuidados com idosos ou na área de saúde tende realmente a ser menos bem pago do que o trabalho técnico, por exemplo.

O trabalho mais próximo do ser humano, de cuidar e tomar conta, acompanhar, tratar, acaba tendo menos valor na sociedade e isso precisa ser mudado. Essa discussão já existe atualmente na Alemanha, mesmo porque há interesse de tornar essas profissões na área humana também interessantes para homens, já que há falta de mão de obra, e uma das maneiras de se alcançar isso é avaliando a questão salarial.

Além do mais, ainda tem que ser levada em conta a divisão de trabalho fora do ambiente empresarial, de todo o trabalho investido na casa, no cuidado dos filhos e dos parentes. Esse trabalho deve cada vez mais ser dividido igualitariamente entre homens e mulheres, além de práticas governamentais tais como o apoio ligado p.ex. a escolas em tempo integral e creches, para proporcionar às mulheres a possibilidade de se garantirem no âmbito profissional, crescerem em suas carreiras e poderem trabalhar mais horas por semana, caso assim o desejarem.

É importante lembrar e colocar em perspectiva dados que deveriam ser considerados quando uma mulher pensa em sua trajetória profissional, já que os riscos de ficar dependente financeiramente do marido podem pesar em várias fases de sua vida, tanto com relação a uma eventual separação, quanto com relação ao risco de elas mesmas perderem seus postos de trabalho ou sua capacidade empregatícia, a uma eventual morte do marido antes da aposentadoria, como também com relação à sua própria aposentadoria na velhice. Das mulheres casadas aqui na Alemanha, 19% não têm rendimento próprio e 63% têm um salário menor do que mil euros. Somente 6% das mulheres ganham acima de 2.000 euros! Quanto menor o salário, naturalmente menor será a contribuição para o sistema social e menor será a aposentadoria! Em 2016, na ex-Alemanha Ocidental, os homens receberam em média 1.078 euros de aposentadoria e as mulheres somente 606 euros. Na ex-Alemanha Oriental, os homens receberam 1.171 e as mulheres 894 euros. Isso demonstra a maior participação das mulheres no mercado de trabalho do lado oriental, além de ressaltar a diferença gritante da aposentadoria entre os sexos.

Esse e muitos outros assuntos que dizem respeito ao lugar da mulher no campo profissional, além de estratégias de crescimento (e reinvenção) profissional são tratados no meu segundo livro (Re)descobrindo quem é você, que pode ser encontrado na Amazon. A hora da mulher lutar por seu lugar ao sol e por seu reconhecimento profissional é AGORA.

P.S.-O livro pode ser encontrado em todas as páginas do Amazon espalhadas pelo mundo, em versão ebook ou impressa.

Fonte: artigo „Wie hoch ist der Gender Pay Gap wirklich?“ de 18.03.19, Tageschau.


%d blogueiros gostam disto: