Archive for the ‘Pessoal’ Category

::A sexta-feira 13 e o coronavírus::

15/03/2020

Ontem foi um dia doido, não é mesmo? Em termos de ansiedade quanto à evolução da doença aqui na Europa, líamos novas notícias praticamente a cada segundo que éramos bombardeados pelos meios de comunicação. E olha que eu adoro sexta-feira 13 e não estava com nenhum pressentimento ruim quanto a este dia!…

Dentre tantas outras notícias, esse foi o dia em que o coronavírus chegou na cidade onde moro… E que anunciaram que no estado onde moro, Baden-Württemberg, as aulas estão interrompidas até as férias de Páscoa a partir da terça que vem. A partir da semana que vem estaremos os três em casa: meu marido e eu trabalhando em home office e meu filho sem aulas, mas provavelmente em contato frequente com sua professora e com os colegas. Bendita tecnologia!

Confesso que tive dores na barriga de tanta apreensão, ao mesmo tempo em que me acalmava e pensava que tenho boa saúde, tenho familiares saudáveis e que vivo em um país cujo sistema de saúde pode ser considerado como um dos melhores do mundo. Felizmente não estou nos EUA, onde um teste pode chegar a custar algumas centenas de dólares, sem falar no tratamento. Aqui ninguém precisa de ter medo de não receber tratamento por não conseguir pagar a conta do hospital. A não ser que a doença evolua rápido demais… nesse caso, não há sistema de saúde que comporte tantos casos graves necessitando de tratamento intensivo.

É por essas e por outras que saí ontem à noite para comprar medicamento e ir ao supermercado com o entendimento de que a partir de agora estou entrando em quarentena voluntária.

Pensando hoje no assunto, acho que uma quarentena voluntária é recebida de uma forma totalmente diferente de uma imposta pelo governo. Por um lado, não estou doente e por outro eu mesma tomei a decisão de ficar em casa para contribuir para que a propagação da doença aconteça de forma mais lenta. Li um livro, tomei sol na varanda, fiz ioga, cozinhei, me informei… Passei o dia tranquila. Felizmente, as dores na barriga já tinham sumido quando acordei.

Hoje temos perto de 3.800 casos registrados na Alemanha e 8 mortes enquanto a Itália conta com 17.700 casos e perto de 1.300 mortos. No total, temos pouco mais de 156.000 casos de coronavírus no mundo e pouco mais de 5.800 mortos. Depois que entendi que estamos a uma semana do quadro italiano, minha percepção sobre essa doença mudou completamente. Quanto mais ficarmos em casa, melhor será para todos. Esse artigo aqui explica isso direitinho.

Tenho observado uma divisão da sociedade em cinco grupos: 


a) os que querem ignorar a pandemia tapando o sol com a peneira;


b) os que já entenderam que a situação é crítica mas não querem mudar seus hábitos, querem continuar tendo contato social, ignorar as medidas sugeridas, etc;


c) os que já entenderam que a situação é critica e que cada um tem que dar sua parcela de contribuição, praticando a higiene e reduzindo seus contatos aos mínimo necessário;

d) pelo menos parte desse grupo dos que já entenderam que a situação é crítica, vem se preparando há alguns meses ou semanas para o pior, comprando estrategicamente comida e água e se precavendo para caso a situação se agrave, mas sem alarde. São os chamados “preppers“;

e) tem também o grupo dos que adoram propagar pânico, enviando p.ex. fotos em mídias sociais de partes de supermercados com suas prateleiras vazias e repassando fake news ou memes, em parte atiçando o pânico, em parte ridicularizando ou minimizando a pandemia. São pessoas que estranhamente adoram desinformação e confusão. Pode até ser que alguma(s) outra(s) força(s) esteja(m) aí por trás também!

Espero que a Alemanha tenha mais pessoas pertencentes ao 3-4. grupos porque a diferença da evolução da doença entre países que adotam medidas severas a tempo (Taiwan) e outros que adotam essas medidas mais tarde é enorme: a mortalidade varia de 0,5 a 4% do total dos infectados!

P.S.-Alguém pode me explicar por que pessoas que chegam do exterior só têm que ficar sete (!) dias em quarentena, sendo que o período de incubação é de 14 dias?!?

Agradeço a leitura atenta do meu fiel leitor André de Schröder de Berlim, que contribuiu para a expansão dos grupos da pandemia de três para cinco, incluindo os preppers e os que adoram um pânico e espalhar desinformação. Obrigada, André!

Fonte: página na internet do Robert Koch Institut, consultada no dia 14/03/20.

::Quanto uma mulher vale no mercado de trabalho?::

14/03/2020

Outro dia estava lendo um post da Embaixada Alemã no Brasil sobre salários na Alemanha e me deparei com um comentário mencionando que há diferenças salariais entre homens e mulheres aqui. Repare: esse tipo de diferença não é permitido por lei para empresas com mais de 50 funcionários! Trabalho igual, salário igual. Mas daí a pessoa completou com um comentário neste sentido:

“Após uma rodada de entrevistas meu marido se “chocou” pelas mulheres que tinham o mesmo currículo dos homens e pediram um salário inferior aos deles.  Elas sempre respondiam que queriam um salário x, que era invariavelmente abaixo do dos homens que estavam sendo entrevistados. Eu disse ao meu marido que nós nos “desvalorizamos” porque talvez pensemos que uma gravidez e posteriormente um período de licença e achamos que a empresa irá nos descartar de imediato, então compensamos esse fato com um salário menor…“

Mas… se não nos dermos valor, quem nos dará? Depois de contratadas, não teremos muitas vezes a oportunidade de voltar a negociar nosso salário, então é importante nos informarmos quanto podemos ganhar, quanto o mercado está pagando para determinada categoria, e mencionar um valor dentro desse padrão na entrevista!

Entrevistei muitas pessoas, tanto do sexo masculino quanto feminino, tanto na Alemanha quanto na Suíça e percebi o mesmo, que as mulheres tendiam a pedir um salário inferior aos dos homens. Com o tempo, aprendi que a) só ganhamos aquilo que nos permitimos e b) se eu não me der valor, ninguém me dará.

Além das minhas próprias observações, há fatos. Como profissional de Recursos Humanos, eu já vi salários de várias empresas e em nenhuma vez percebi diferenças salariais grandes entre homens e mulheres. Se não há a tendência de promover a diferença salarial por parte das empresas, por que haveríamos de querer promover a discriminação da nossa parte? Isso seria muito contra produtivo, não é mesmo?

Lembro de ter lido no livro da Sheryl Sandberg, o „Lean In”, que em algumas vezes em sua trajetória ela presenciou mulheres que não lutavam pelo crescimento de suas carreiras exatamente por essa matemática pessoal, já contando que em tantos anos se casariam, em tantos anos teriam filhos… e daí elas consideravam que não valia a pena lutar por uma promoção se mais tarde ficariam, em parte, fora do mercado de trabalho. Mas… o ponto é que você está sendo questionada sobre sua pretensão salarial HOJE, sobre a nova posição HOJE!!! Já parou pra pensar nisso?!?

E, afinal, existem diferenças salariais? Todos sabemos que sim, em torno de 16% na Europa e dependendo do tipo de cálculo entre 2-22% na Alemanha. Mas esse cálculo é muito complexo. A questão é que muitas profissões consideradas femininas têm salários menores, além do mais, o número de mulheres que trabalham em período parcial na Alemanha é maior do que o grupo masculino. O trabalho no campo da educação, cuidados com idosos ou na área de saúde tende realmente a ser menos bem pago do que o trabalho técnico, por exemplo.

O trabalho mais próximo do ser humano, de cuidar e tomar conta, acompanhar, tratar, acaba tendo menos valor na sociedade e isso precisa ser mudado. Essa discussão já existe atualmente na Alemanha, mesmo porque há interesse de tornar essas profissões na área humana também interessantes para homens, já que há falta de mão de obra, e uma das maneiras de se alcançar isso é avaliando a questão salarial.

Além do mais, ainda tem que ser levada em conta a divisão de trabalho fora do ambiente empresarial, de todo o trabalho investido na casa, no cuidado dos filhos e dos parentes. Esse trabalho deve cada vez mais ser dividido igualitariamente entre homens e mulheres, além de práticas governamentais tais como o apoio ligado p.ex. a escolas em tempo integral e creches, para proporcionar às mulheres a possibilidade de se garantirem no âmbito profissional, crescerem em suas carreiras e poderem trabalhar mais horas por semana, caso assim o desejarem.

É importante lembrar e colocar em perspectiva dados que deveriam ser considerados quando uma mulher pensa em sua trajetória profissional, já que os riscos de ficar dependente financeiramente do marido podem pesar em várias fases de sua vida, tanto com relação a uma eventual separação, quanto com relação ao risco de elas mesmas perderem seus postos de trabalho ou sua capacidade empregatícia, a uma eventual morte do marido antes da aposentadoria, como também com relação à sua própria aposentadoria na velhice. Das mulheres casadas aqui na Alemanha, 19% não têm rendimento próprio e 63% têm um salário menor do que mil euros. Somente 6% das mulheres ganham acima de 2.000 euros! Quanto menor o salário, naturalmente menor será a contribuição para o sistema social e menor será a aposentadoria! Em 2016, na ex-Alemanha Ocidental, os homens receberam em média 1.078 euros de aposentadoria e as mulheres somente 606 euros. Na ex-Alemanha Oriental, os homens receberam 1.171 e as mulheres 894 euros. Isso demonstra a maior participação das mulheres no mercado de trabalho do lado oriental, além de ressaltar a diferença gritante da aposentadoria entre os sexos.

Esse e muitos outros assuntos que dizem respeito ao lugar da mulher no campo profissional, além de estratégias de crescimento (e reinvenção) profissional são tratados no meu segundo livro (Re)descobrindo quem é você, que pode ser encontrado na Amazon. A hora da mulher lutar por seu lugar ao sol e por seu reconhecimento profissional é AGORA.

P.S.-O livro pode ser encontrado em todas as páginas do Amazon espalhadas pelo mundo, em versão ebook ou impressa.

Fonte: artigo „Wie hoch ist der Gender Pay Gap wirklich?“ de 18.03.19, Tageschau.

::A nossa mesquinhez de cada dia nos dai hoje::

04/03/2020

Hoje estive pensando sobre o assunto do momento: claro, sobre o coronavírus. Pensei quais são os maiores inimigos da doença: o medo, o capitalismo e o lado mau do ser humano. Explico.

O medo, porque é fácil ter medo de algo invisível e desconhecido. É fácil desenvolver ansiedade e até dores físicas através delas. Nada melhor do que ser uma pessoa bem informada, porém sensível, que além do mais tenta imaginar cenários do futuro e se baseia em fatos. Eu mesma caí como um patinho naqueles primeiros vídeos que foram enviados da China, mostrando gente caída por todos os lados, sendo levadas às pressas para hospitais que às vezes eram cabanas de abrigo de quase-mortos. Mesmo tendo ficada altamente assustada naquele dia, praticamente não repassei os vídeos. Fiz pesquisas, li sobre o assunto, conversei com pessoas que prezo et voilà: a maioria deles não era atual, era de crises e épocas passadas.

O capitalismo, porque seria tão fácil se todos os locais afetados pudessem mesmo enviar seus cidadãos para uma quarentena de 14 dias em casa! Se os afetados não tivessem medo de perder seus empregos, de serem estigmatizados. E olha que aqui na Alemanha praticamente ninguém fica em casa sem pagamento: se a quarentena tiver sido imposta, a pessoa pode pedir ressarcimento dos dias não-trabalhados ao Estado. Se a pessoa estiver doente, pode ficar até 6 semanas em casa com pagamento de seu salário garantido por lei, para todo e qualquer empregado no país (Lohnfortzahlung im Krankheitsfall). Mas acabo de ler que nos EUA os funcionários do Wallmart têm medo de faltar ao emprego, porque podem perder seu bônus e até mesmo perder o próprio emprego com a falta. E olha que isso acontece no país que foi considerado como o mais bem preparado para lidar com uma epidemia, heim?!? Não há como negar: o dinheiro rege o mundo – e na atual situação isso não é nada, nada bom!…

E o lado mau do ser humano? Ah, esse ganha de todos, né? Gente saudável, rica e jovem comprando mil e uma máscaras para estocar em casa, que provavelmente não serão usadas, enquanto profissionais da saúde e velhinhos ficam a ver navios sem proteção!… Gananciosos que colocam 500 ml de desinfetante como oferta de troca por um iPhone(!) e gente que não pensa duas vezes em provocar nervosismo na população fazendo fotos e vídeos de prateleiras vazias nos supermercados alemães, sendo que no momento só máscaras, lenços desinfetantes e álcool gel é que faltam de verdade!

A partir de hoje está proibida a exportação de máscaras faciais daqui da Alemanha, a não ser para casos oficiais de ajuda humanitária. A intenção é de atender o mercado interno e contribuir para que as máscaras cheguem a quem delas realmente necessita no momento. Talvez a ação do governo ajude a cobrir alguns desses problemas, políticos alemães e médicos vêm apelando neste sentido. Esperemos o melhor!

Fonte: artigos variados da atualidade, dentre eles este da revista Der Spiegel de hoje, 04/03/20 e este da página Fast Company de 03/03/20.

::Onde você estava durante as últimas epidemias?::

02/03/2020

Eu mesma já andava pensando sobre o assunto: não me lembro de ter gastado tanta massa mental com uma epidemia como com a atual. Semana passada meu marido me disse mais ou menos a mesma coisa… e isso me colocou pra pensar ainda mais sobre isso. Portanto, aqui vai a pergunta – onde você estava, que lembranças tem e como se ocupou com as crises a seguir:

– 1999: vírus de Nipah (Malásia)

– 2002: SARS (China)

– 2003: gripe aviária H5N1 (China)

– 2009: gripe suína H1N1 (EUA/México)

– 2012: MERS (Arábia Saudita)

– 2013: gripe aviária H7N9 (China)

– 2014: Ebola (Congo)

Não me considero avessa às notícias do mundo, mas não tenho nenhuma recordação pessoal ligada a essas epidemias… Do contrário, no caso do coronavírus (COVID-19), sinto como se estivesse à beira de um tsunami, percebo como ele tomou os noticiários, nossas mentes e fomenta a cada dia que passa mais ainda o medo, além do preconceito, entre as pessoas.

Creio que a epidemia atual tem várias facetas a serem analisadas, a saber:

– Saúde Pública: é algo desconhecido e não estudado, que se alastra rapidamente e causa mortes que não se atém a pessoas com doenças prévias nem a uma certa idade. Parece que incide mais em homens acima de 60 anos e que não ataca as crianças, mas ainda não se sabe por quê. Não se tem certeza do período exato de incubação. Se uma pessoa ficar 6 semanas doente, ela pode propagar o vírus durante todo esse tempo. Uma pessoa que não percebe que tem o vírus, se sente saudável, pode propagar o vírus. Não existe vacina nem remédio para a doença. O interesse de retardar a propagação do vírus está ligado à necessidade de cuidar de pessoas realmente debilitadas por causa dele e dar mais tempo para a busca de remédios e/ou uma vacina.

– Econômica: uma razão pela qual as últimas epidemias não nos interessaram é que não houve consequência econômica para o mundo. No caso atual, já são notórias as consequências econômicas da epidemia. As bolsas de valores estão caindo, produtos deixam de ser produzidos e transportados, e com isso o consumo diminui, o PIB de cada país irá cair e a recessão deve se instalar. O supply chain de muitos produtos globalizados vai ser exposto à dependência da China, já que muitas empresas desconhecem sua real dependência de fornecedores ou subfornecedores vindos da China. Quanto ao que ando lendo por aí, o argumento de que se as pessoas não vão as ruas, elas não irão consumir, acho que hoje em dia não é tão fácil afirmar algo assim. Hoje em dia, dentro das nossas quatro paredes, com um computador na mão, podemos comprar o mundo… O turismo, esse sim, irá sofrer, já que praticamente 20% da renda desse setor vem da China, na atualidade. Hoje já li que a primeira empresa de cruzeiros no Japão já declarou falência, outras a seguir… Resumindo, a pandemia incomoda tanto porque ataca países em várias fases de desenvolvimento econômico e pode levar a economia mundial a uma recessão sem precedentes.

– Social: com o aumento do medo e da recomendação de manter 1m de distância das pessoas, e não encostar nelas nem para um aperto de mão, a tendência será que os contatos sociais diminuam drasticamente. Em alguns lugares já foi ou irá ser imposta a quarentena, que acarretará uma convivência com as quatro paredes e a convivência mínima em termos de trocas sociais. Mesmo que vivamos em um mundo globalizado, conectado e de certa forma aberto, os seres humanos têm medos intrínsecos que nem sempre podem ser solucionados pela racionalidade. Li que estudantes universitários alemães estavam tendo preconceito quanto a estudantes chineses ou asiáticos, mesmo sabendo que parte deles nasceu aqui na Alemanha ou vive aqui há anos sem ter viajado há pouco tempo atrás para a Ásia…. E agora, com a chegada do coronavírus à Alemanha, a situação do preconceito deve estar ainda muito pior. Em casos extremos, deve se reduzir ao extremo do „eu contra o mundo“… Uma jovem que foi à Itália e repassou o vírus aqui na Alemanha foi tratada mal e atacada em seu meio social, como se fosse uma pecadora, uma vilã. Pessoas que vêm de determinados países passam a ter dificuldade de conseguir vistos para viajar, o direito de ir e vir fica limitado. Uma curiosidade: quem saberia a tradução da palavra Aussätzige em português? Li que poderia ser leproso, mas a tradução não está correta no caso atual, claro.

– Midiática: no mundo globalizado em que vivemos, e com tantas formas de comunicação existentes, uma epidemia como a atual chega a ser, por si só, altamente estressante. As notícias se alteram a cada segundo e não há constância no que é retratado, ainda há muitas suposições e dúvidas. Um prato cheio para as fake News! Os memes no Brasil continuam firmes e fortes, pelo menos até a doença se instalar de vez por lá!…

Mesmo tendo entendido racionalmente que a doença é menos forte do que o vírus da Influenza e que mata menos do que ela, pessoalmente fico tentando imaginar o futuro próximo, a semana que vem. Se ontem tínhamos aqui na Alemanha 100 pessoas contaminadas e hoje anunciaram que já são 150, demostrando o crescimento exponencial, pode ser que teremos mais de dois ou quatro mil doentes no final da semana, haverão mortos?!? No mundo, neste momento que escrevo estas linhas, já são mais de 80 mil casos da doença e mais de 3 mil mortos. Em 2019 foi avaliada mundialmente a capacidade de cada país de lidar com uma epidemia através da criação do index GHI (Global Health Index), onde 195 países foram analisados. A Alemanha ficou em 14. lugar. Menos mal, mas se o pessoal médico não tiver acesso a máscaras e roupa de proteção, que atualmente já falta em vários países da Europa e do mundo, quem tomará conta dos enfermos?

Conte abaixo os seus temores e pensamentos, vamos trocando figurinhas daqui pra frente…

P.S.-Por curiosidade, você tem lido ou assistido programas de ficção ligados ao tema? Um amigo me colocou nas mãos o consagrado livro do José Saramago, Ensaio sobre a Cegueira. Recomendo! Estou lendo o livro e depois vou assistir o filme (Blindness), que foi dirigido por Fernando Meirelles.

::Dica de canal no YouTube pra aumentar seus conhecimentos e melhorar seu alemão::

07/02/2020

O YouTube só serve pra perder-se tempo, certo? Bom, depende do que você fica fazendo quando se perde por lá. Meu filho descobriu um canal no YouTube que é tudo de bom! Ele é feito pela universidade de Munique, é bem didático e aumenta muito, muito os seus conhecimentos! Um exemplo? Dê uma olhada nesse aqui.

::A falta que o segundo livro faz::

04/02/2020

Depois de lançar meu terceiro livro, percebi que muitas pessoas pensavam que aquele era minha segunda obra. Assim, entendi que fiz muito pouca propaganda do segundo livro, que também tem uma temática super importante, que é a da (re)descoberta da vocação e reflexão sobre o espaço da mulher na sociedade, livro este escrito para o público feminino.

Na época em que escrevi o livro “(Re)descobrindo quem é você – guia feminino da (re)descoberta da sua vocação” (disponível na página da Amazon de vários países), estava lendo muito e me informando bastante sobre o papel da mulher na sociedade, no campo do trabalho, no mundo. Estava entendendo o quanto já conquistamos mas também o quanto ainda temos para conquistar, o quanto o mundo ainda é desigual no campo do gênero e o quanto é importante que a mulher procure sim crescer como pessoa, mãe e esposa, e que, na medida do possível, ela deve também procurar buscar crescer como profissional. Vi como é importante entender o feminismo como busca de parceria entre os sexos, mas também de saber se dar valor enquanto mulher, como por exemplo em busca de um lugar ao sol independente, enquanto indivíduos pensante que somos.

Tinha também vivido uma experiência de uma funcionária da empresa onde eu trabalhava, que perdeu o marido inesperadamente, bem antes dele atingir a idade da aposentadoria. A vi passando por dificuldades de conseguir continuar levando a vida sem a garantia financeira que o marido lhe proporcionava, e vi como um projeto de vida pensado a dois pode desmoronar, mesmo sem a ajuda de uma das partes. Isso muito além de todas as intempéries que já tinha visto e conhecido na própria pele. E estava também reflexiva com relação a tantos relacionamentos abusivos, tantos relacionamentos onde a mulher não quer ficar, mas também não tem para onde ir, porque depende na área financeira, emocional e praticamente em tudo do marido. Tenho para mim que a independência financeira é a porta para a liberdade pessoal.

Um pouco mais sobre o livro:

Este livro é para mulheres, principalmente aquelas em busca delas mesmas e de uma ocupação profissional que faça a diferença em suas vidas.

Simples, concisa, de leitura rápida, mas intensa, o objetivo da obra é que a leitora faça um mergulho profundo dentro de si mesma, voltando à superfície com reflexões importantes para sua vida.

A ideia do livro surgiu da minha experiência de expatriada, vez que já acompanhei vários casos de mulheres que tiveram que se reinventar profissionalmente no exterior, muitas vezes por estarem impossibilitadas de seguir o caminho profissional de seus países de origem. O livro também serve de termômetro para quem está entre uma e outra fase da vida, para se repensar, se recalibrar, e continuar seu caminho, onde quer que ela esteja no mundo. O meu desejo é que possa contribuir na caminhada dessas mulheres para se tornarem quem são de verdade.

Sobre a autora:

Sandra Santos nasceu em 1970, é mineira de Belo Horizonte-MG e mora na Alemanha desde 1993. Desde então já trabalhou em diversas empresas de médio e grande porte na Alemanha e na Suíça, entre 2005-18 na área de Recursos Humanos. Ela também é Business Coach, consultora, escritora, blogueira e fundadora da Connex Consulting. Em 2008, ela lançou seu primeiro livro, o Mineirinha n’Alemanha. Em 2017, veio o “(Re)descobrindo quem é você” e em 2019 o livro de “Poesias da Mineirinha n’Alemanha”.

“Minha realização é trabalhar como uma ponte, unindo e intermediando pessoas, culturas e informações. Meu objetivo maior é contribuir para soluções do tipo win-win, onde ambas as partes saem ganhando”.

::Ops, they did it again!…

09/10/2019

Tinha muito tempo que não conversavam comigo daquele jeito. A primeira vez tinha sido nos meus primeiros anos de Alemanha, quando uma vizinha desceu pra avisar que iria fazer esporte no apartamento acima do meu e que ela esperava que não fosse incomodar. Gentil, se não tivesse sido o fato dela usar, literalmente, caras e bocas, isto é, muitos gestos e um alemão bem quebrado pra se comunicar comigo. Fiquei estupefata e não consegui reagir.

A segunda vez foi quando eu estava numa feira pública em busca de Schalotte, um tipo especial de cebola que eu nunca tinha visto antes. Perguntei pra feirista se aquele era o tipo de cebola que eu buscava e ela começou a responder algo como „não, isso não ser Schalotte, isso ser…“ ao que eu respondi que ela podia conversar normalmente comigo, porque a entendia perfeitamente, mas só não conhecia o tipo de cebola que estava buscando… Desta vez, quem ficou estupefata foi ela.

Os anos se passaram e depois de mais de 26 anos de Alemanha, essas lembranças ficaram presas ao passado.

Eis que hoje de manhã um senhor, com quem espero ônibus no mesmo ponto, me pára no meio do caminho para o trem dizendo e gesticulando „ônibus, aqui, parar“ e eu não  tive outra reação a não ser chamar à memória os casos que contei acima e conversar com ele normalmente. Depois de 2-3 frases ele descobriu que eu falo alemão e mudou seu alemão de um “alemão para estrangeiros” para um “alemão padrão“. A rua por onde passava nosso ônibus estava em reforma e ele teimou comigo que o ônibus passaria por ali daqui a alguns minutos, que ele morava de frente para o ponto e tinha visto o ônibus do horário anterior passar, que ele tinha certeza e eu podia ficar ali com ele.

Fiquei lá, mas eis que… o ônibus não passou. Esperei 3-4 minutos de um atraso ainda aceitável (porque o ônibus passa às 7:27 h e já eram 7:31 h), e em seguida liguei pro meu marido, falando em português perto desse senhor (e provavelmente confirmando a impressão dele de que eu era estrangeira). Pedi pro meu marido, que estava saindo de carro para ir ao trabalho, para vir me pegar e me levar no centro da cidade. Ofereci, em seguida, pr‘aquele senhor ir conosco, porque senão ele ia ficar preso no bairro onde moramos, com dificuldade de ir para o trabalho. Dentro do carro, falamos os três em alemão.

Três casos parecidos, três reações diferentes. E pra quem acha que tudo na Alemanha é pontual, ledo engano: pra variar, o meu trem, que peguei em seguida ao chegar no centro da cidade, se atrasou por quase 10 minutos, enquanto o anúncio oficial na plataforma era de que ele se atrasaria por 5 minutos, mas na internet já se podia ler a verdade do atraso mais longo… A companhia ferroviária alemã, a Deutsche Bahn, não tem tido boa fama pontualidade hoje em dia!…

E quanto a você, quando foi que lhe trataram diferente no exterior, por suporem que você é estrangeiro?

::E-Bike com salsicha::

11/08/2019

No ano passado experimentei meu primeiro passeio com uma bicicleta elétrica alugada, feito junto da minha família e por ocasião da visita da Raquel (www.canalbackpackingalone.com), que aliás já está me devendo outra visita em breve!

Em seguida, meu marido comprou uma bicicleta elétrica, que ele usa para ir ao trabalho e com a qual já andou mais de mil quilômetros, meu filho usa sua bicicleta normal para ir para a escola, faça chuva, neve ou faça sol, e eu continuava não motorizada, aguardando uma boa oferta ou oportunidade de comprar a minha tão sonhada bicicleta elétrica.

Quando a oportunidade apareceu, eu pensava que era só ir numa loja, dizer o que queria, experimentar dois, três modelos e sair dali guiando minha bicicleta pra casa. Ledo engano! Eu sou baixinha, não há muitos modelos no meu tamanho, há muitos detalhes a serem considerados e acabei saindo da primeira loja sem bicicleta, um tanto quanto frustrada.

Nova tentativa, várias bicicletas testadas, uma bicicleta na oferta e finalmente encontrei minha nova companheira de aventuras! Ela me pôs muito mais em contato com a natureza, me deu mais liberdade, diminuiu as distâncias e fez com que o ir e vir ficasse ainda mais gostoso! Recomendo! Foi definitivamente a melhor compra deste ano!Em alguns meses, já andei mais de 250 km com ela, apesar de que já tenha colecionado dois acidentes, que já deram à minha bicicleta um aspecto de bicicleta usada e com algumas boas marcas de uso. Antes ela do que eu!

No primeiro acidente, um ciclista profissional em alta velocidade me cortou numa curva. Se meu marido não tivesse me avisado, eu teria sido atingida em cheio! Dei um freada de forma um tanto quanto brusca e caí pro lado. A bateria, que não estava colocada de forma correta no seu suporte, se soltou da bicicleta e fez um voo próprio. Voltou ao seu lugar cheia de pequenas e médias marcas. Eu saí ilesa, como que por milagre. Antes ela do que eu!

No dia do segundo acidente, chovia o tempo todo. Quando parou de chover, tivemos a ideia de ir visitar minha cunhada. Numa rampa só de ciclistas, fui desafiada pelo meu filho pela pergunta de „quem chega lá no alto primeiro”, coloquei uma marcha muito leve e aumentei a potência elétrica da bicicleta, e acabei dando uma boa escorregada na curva. Quebrei o suporte da iluminação fronteira da bicicleta, estraguei um pouco um dos pedais, girei o guidon e… esfolei ambos os joelhos, que incharam e ardiam aos montes. Chegando na minha cunhada, expliquei o que tinha acontecido e pedi gelo. Ela me disse que não tinha. Eu pedi então uma bolsinha de gel (Kühlpack), que toda mãe ou avó tem em seu refrigerador para pequenos acidentes domésticos. Ela me disse que não tinha nenhum. Eu pedi pra ela qualquer coisa gelada, pois precisava de tentar diminuir o inchaço dos dois joelhos. Eis que ela tirou do refrigerador uma salsicha típica alemã (Bratwurst), guardada dentro de uma bolsa de plástico. Foi com ela que eu prestei os Primeiros Socorros ao meu corpo, e devido à sua forma de sorriso, ela se acoplou perfeitamente ao meu joelho inchado… Depois de um tempo em uso, ela já estava pronta para ir para a panela. Bom, antes ela, do que eu!…

silhouette of person riding on commuter bike

Foto por Flo Maderebner em Pexels.com

 

::Odisséia Apollo::

09/08/2019

cropped-mineirinha_capa

Seguir meu instinto nem sempre é fácil quando se trata de viver na Alemanha…

Sou cliente da ótica Apollo tem mais de 20 anos e na realidade nunca tinha saído insatisfeita de lá. Há pouco tempo percebi que não estava mais vendo lá tão bem com meus óculos e decidi dar uma passada lá pra fazer um teste e mandar fazer óculos novos. Mal sabia eu que uma odisséia estava por começar…

Fui três vezes à ótica e voltei de lá com três resultados diferentes, também diferentes do grau dos óculos que uso no momento. A funcionária me perguntou se eu tinha dormido direito, se tomava remédio, se tinha diabetes… Me pediu pra ir ao oftalmologista.

Liguei pro médico e queriam me dar um horário pra daqui a alguns meses… Perguntei quando era o horário do atendimento de emergência: segunda, quarta e sexta de onze aom meio dia. Era uma segunda, umas 10h da manhã. Disse que não podia esperar tanto, tinha dores de cabeça e estava preocupada com tantos resultados diferentes, precisava de novos óculos. Iria naquela segunda mesmo. Ouvi umas tentativas da atendente de se livrar de mim. Repeti que iria estar lá às 11h. Cheguei no horário e fui atendida ao meio dia. De lá fui direto pra ótica, recebendo a confirmação de que agora poderia fazer os novos óculos. Ufa! Só que o computador deles não estava funcionando e deveria voltar outro dia.

Nesse meio tempo fui à minha médica e ela pediu um exame de sangue detalhado. O resultado saiu alguns dias depois: não tenho diabetes. Ainda assim não descobri por que os meus exames de vista estavam tão contraditórios… O oftalmologista tampouco detectou alguma doença nos meus olhos, além do fato de eu precisar de correção ótica.

Voltei outro dia na loja e fiz o pedido de três óculos, um bifocal, um pro trabalho, pra trabalhar no computador, e um de sol bifocal. Envelhecer não é balela!… Mais alguns dias se passaram, os óculos chegaram e fui lá buscá-los. De uma hora pra outra o valor do pedido mudou, e depois de argumentar um pouco, desisti de gastar meu tempo com uma conversa tão desagradável, paguei o valor do pedido e fui pra casa, insatisfeita.

A partir daí voltei lá mais algumas vezes porque os óculos escorregavam, mas o pior foram os óculos pra usar no trabalho, que me davam dor de cabeça e com os quais não conseguia ver além de um metro de distância. Queriam me fazer acreditar que o problema era meu, meu problema de visão tinha piorado e agora teria que ficar trocando de óculos o dia todo quando me levantasse da mesa do escritório… Tentei falar com funcionárias diferentes em horários diferentes, mas elas continuavam irredutíveis. Eu já usava óculos assim antes, que eram bem mais confortáveis, e a resposta que elas me davam não me convencia.

Na enésima vez que voltei na loja, pra mim a décima, decidi que ou fariam óculos novos, ou eu os iria devolver e iria mudar de ótica. Finalmente revi a pessoa que tinha me vendido os óculos. Por sorte, encontrei uma amiga, a Chris, que também me contou que o rapaz era o gerente daquela filial. Era a minha chance! Primeiro disse que era cliente há 20 anos e estava pensando em ir visitar o concorrente porque não estava satisfeita, e que os funcionários queriam me fazer acreditar que o problema era meu, sendo que eu estava ficando com dores de cabeça ao tentar usar os óculos do trabalho. Finalmente ele fez um novo teste de vista, ouviu minhas necessidades e disse que faria novas lentes, com as quais eu iria ver quatro metros ao meu redor. Depois eu reclamei do valor dos óculos, dizendo que acabei pagando um valor superior ao acordado. Ele me devolveu o dinheiro, em espécie. Depois reclamei dos óculos que continuavam escorregando. Ele mudou a borrachinha que apóia os óculos no nariz e desde então sou feliz dona de óculos que praticamente não escorregam mais.

A odisséia Apollo chegou ao fim! Quando quase já estava desistindo de resolver a situação, o reencontro com o gerente fez com que tudo chegasse a um resultado satisfatório. Dessa vez a Apollo não me satisfez 100%, porque não foi fácil receber o que pretendia…. Nem sempre o cliente tem razão, nem mesmo na Alemanha, mas seguir meu instinto foi o mais importante pra chegar ao fim desse impasse.

::Seu voo da/para a Europa atrasou? Veja como conseguir sua indenização aqui!::

28/07/2019

anzeigetafeln.muct1_

Época de férias é época de atraso em voos, não é mesmo? Mas todo atraso tem um limite, ainda mais porque temos nosso direitos garantidos por lei. Ao todo, temos direito de reclamar quanto a cancelamentos, atrasos, alteração nas condições de voo em uma classe inferior à contratada, danos à bagagem e desrespeito ao acordo de transporte com relação a passageiros com deficiência e com mobilidade limitada.

Há alguns anos atrás estava voltando do Brasil para casa junto dos meus filhos, quando meu voo atrasou e assim perdi a conexão de Lisboa para Zurique com a TAP, que sairia pela manhã. O voo foi reagendado para o mesmo dia à noite, mas tive que passar o dia todo esperando no aeroporto e ainda tive que voar de Lisboa para Munique e de lá para Zurique, para poder finalmente chegar em casa!… Daquela vez, enquanto estava lá no aeroporto, tive muito tempo para me informar sobre meus direitos como passageira de voo saindo ou chegando da Europa, e como meu atraso tinha sido imenso, decidi enviar uma reclamação, pedindo que fizessem o ressarcimento de três passagens e pagassem o maior valor previsto para atrasos, no caso 3 x 600, o que daria 1.800 €. Depois de passado alguns meses sem que a TAP tivesse reagido, descobri que ainda há um Ombudsan para cuidar dos nossos interesses, e assim recebi o valor requisitado, sem ter tido que pagar nada pelo serviço prestado de apoio ao consumidor. O atraso foi grande mas aquela viagem ficou na memória por ter saído quase de graça para mim!

Aqui estão os detalhes dos seus direitos enquanto passageiro saindo ou chegando da/na Europa. Aqui os detalhes do Centro Europeu  de Defesa do Consumidor e aqui do Ombusman/Schlichtungsstelle. Como os casos são variados, terá que expor o seu, enviar a documentação necessária, informar seus dados da conta e aguardar o retorno da companhia aérea ou do órgão de proteção ao consumidor. Aqui uma checklist de como proceder, já que a reclamação tem que ser feita primeiro junta à companhia áerea e só dois meses depois é que ela poderá ser enviada ao órgão de apoio ao consumidor.

Boa sorte e boas férias!


%d blogueiros gostam disto: