Posts Tagged ‘Alemanha’

::Loucuras do corona::

02/08/2020

Sinceramente eu achava que esse tipo de manifestação aqui na Alemanha não pudesse existir, mas ontem em Berlim e em outras cidades por aqui ela aconteceu: 20.000 pessoas protestando contra o governo e contra as medidas tomadas com respeito ao combate contra o coronavírus…

A jornalista alemã Dunja Hayali da rede ZDF teve que parar de filmar o que acontecia em Berlim por terem começado a atacar tudo e qualquer coisa: ela mesma, a imprensa, a polícia e qualquer instituição que pudesse parecer oficial… Está na página dela do Instagram pra qualquer um ver…

Um velhinho em especial me chamou a atenção: na boca ele carregava um tampão (se protegendo por via das dúvidas?!?) com os dizeres: parem com essa loucura. E nas mãos ele carregava o seguinte panfleto, dizendo que o coronavírus é melhor do que veneno e barulho de carros, mortos e feridos por acidentes de carros, e, e, e….

Panfleto durante o protesto de 01/08 em Berlim

Alguém entendeu o que ele quer dizer exatamente? Está incentivando o genocídio mas protege a própria boca e o nariz, por via das dúvidas! Vivo em uma democracia social onde todos podem e devem manifestar sua opinião, mas como a Dunja Hayali comentou, as pessoas parecem ficarem felizes quando SUAS verdades (e só elas!) são noticiadas…

E assim constatei que a Alemanha não está um milímetro além dos EUA no momento quanto a tantas questões (racismo, desinformação, disposição ao genocídio coletivo e tantas outras…). Quero acreditar que ali estavam „só“ pessoas dos movimentos de extrema-direita como a PEGIDA e a AfD…

É na discussão aberta entre várias posições que aprendemos e crescemos juntos. Todos os que se agarram a uma versão dos fatos e passam a defendê-la fervorosamente perderam a capacidade de trocar ideias e aprender. Isso pra mim é fanatismo.

::Tem novo livro vindo por aí!…::

20/07/2020
Não percam o lançamento! No livro, conto a história de superação do meu marido, Matthias. 🥰
Invitation for the launch of the new anthology where I tell my husband’s overcoming story. ❤️

Clique aqui para acessar o link do lançamento no Zoom.

::Encontro do Mulherio das Letras Paraná – Dia 1::

18/07/2020

O primeiro dia do encontro do Mulherio das Letras organizado pelo Mulherio das Letras Paraná já deixou marcas e boas lembranças.

Tivemos a Samantha Abreu falando sobre O Lugar do Poeta. Ela nos deu uma ideia de quantas escritoras, prosistas e poetisas brasileiras foram esquecidas e atacadas durante a História, que permitiu que poucas delas se sobressaíssem no cenário literário nacional, pois houve muitas vezes a tentativa de calar suas vozes, atacá-las diretamente ou sua família.

A Samantha nos ensinou que houveram até agora cinco ondas da literatura brasileira, a saber:

  • 1a. onda: 1830-1870 – educação básica, alfabetização da mulher, direito a ler e escrever;
  • 2a. onda: 1870-1920 – direito ao voto (sufragistas, jornalistas, militantes)
  • 3a. onda: 1920-1970 – sexualidade, desejo, literatura com temas femininos
  • 4a. onda: 1970-2020 – resistência e questionamento ao Golpe Militar e à Ditadura. Foi quando o movimento Mulherio que deu origem ao atual Mulherio das Letras foi fundado, em 1981 através da Fundação Carlos Chagas;
  • 5a. onda: começando em 2020, o período atual mostra um repuxe na História, onde a repressão impera de novo e tenta-se mais uma vez calar a voz da mulher e, muitas vezes, lhe negar o lugar de fala. A consequência tende a ser um tsunami ainda maior e mais forte, influenciando a produção feminina e feminista atual. Continuemos escrevendo e nos comunicando, apoiando umas às outras, em plena sororidade e reconhecimento de que nós temos e devemos falar sobre temas que estão diretamente ligados a nós.

A Samantha falou sobre várias escritoras brasileiras desconhecidas e perguntou, acertadamente, por que elas desapareceram da História e dos livros escolares.

A minha Roda de Conversa (disponível a partir de amanhã no YouTube) que tive o prazer de moderar a convite da Marilia Kubota, com a participação de Leida Reis (MG), Jeovânia Pinheiro (RN) e Vanessa Ratton (SP) tocou nos temas da expressão conjunta de coletâneas femininas. Falamos sobre com o encontro, a troca e a diversidade da expressão feminina é importante, discutimos o preconceito contra este tipo de literatura e por que ele não é (ainda) considerado para prêmios literários. Constatamos que desde 2017, o selo Mulherio das Letras já lançou várias coletâneas, algumas das quais tive o prazer de participar tanto como escritora e poetisa quando como curadora. Nós, como curadoras de coletâneas, levantamos a importância desse meio de expressão, lembrando que as trocas ficam ainda mais fortes quando saem do virtual para o real e que juntas, somos sempre mais fortes! Falamos sobre a literatura infantil, a literatura que dá visibilidade a mulheres (também negras) e da importância de incentivar a produção literária desde a tenra infância. Fomos unânimes em coro quando afirmamos que devemos apoiar as lideranças femininas e, através de nossos projetos, apoiar a arte e o trabalho feminino também no campo da correção, diagramação, produção, edição, impressão e distribuição de nossos livros, em um grande campo de sororidade que reverbera para todas e para o mundo. Comentamos também que o Mulherio das Letras tem conseguido se expressar também no exterior, já tendo contado por exemplo com coletâneas já produzidas na Alemanha e em Portugal. Falei bem rapidinho do meu projeto atual de livro, o HERstory – escreva a sua história!, informando que busco também a sugestão de temas e do que a mulher quer ler em um livro que quer empoderar mulheres para que elas vivam as vidas que elas queiram viver.

O terceiro bloco que assisti foi sobre a Violência Doméstica e Felinicídio, tema apresentado por Daniella Rech e um grupo de peso que vive e atua no Paraná. Ficou claro que o feminicídio tem aumentado e que temos que, juntas, combatê-lo pela raiz, que (ainda) faz parte da cultura machista brasileira. Até então eu não tinha noção do quão agressivos os atos de feminicídio no Brasil são, pois geralmente a mulher é atacada no pescoço, rosto e coração, em regra por parceiros e ex-parceiros que desfiguram a mulher, destroem seus rostos na ideia de posse, ódio e no entendimento de que se não podem tê-las como seus objetos de uso pessoal, irão destruí-las também para outros… Ficou claro que ainda há muitas mulheres que têm medo de denunciar a violência que lhes acomete, que não é claramente só física, mas também psicológica, e acontece de várias formas tais como p.ex. coerção, manipulação, retirada de participação e de expressão, desconsideração no ambiente familiar e na educação dos filhos, assédio, etc., culminando com a violência visível física e, muitas vezes, com a morte.

O código penal brasileiro, através do artigo 139, que foi escrito em 1940, ainda limita muito a definição do que é a violência contra a mulher e temos que ficar constantemente alertas, denunciar casos e fazer valer a nossa voz através do voto e da participação política para ir, aos poucos, mudando esse quadro alarmante onde o Brasil aparece como líder em mortes por feminicídio e também de pessoas trans. Portanto, as punições deveriam ser ainda mais severas para ajudar a cortar o mal pela raiz e a nos tirar desta triste liderança mundial…

Mas por que a violência, muitas vezes, não é denunciada? Foram levantadas tantas razões pelas participantes! Vamos ver se eu consigo reunir algumas delas:

  • Desconhecimento pessoal da definição do que é um ato de violência;
  • Falta de recursos e/ou dependência financeira do parceiro;
  • Crença de que o ato foi isolado e de que se trata de um acontecimento pontual, de que o parceiro vai mudar;
  • Desconhecimento de seus direitos e de onde buscar ajuda contra a violência;
  • Medo de perder o emprego (quando a agressão acontece dentro da empresa onde trabalham);
  • Medo de que o companheiro ou marido perca seu emprego;
  • Medo de buscar ajuda e de não receber apoio p.ex. na delegacia, de ser ridicularizada;
  • Vergonha, medo de se expor, medo de mostrar a honra denegrida;
  • Medo de denunciar e ter que rever o agressor;
  • Opinião de que não adianta denunciar, porque nada irá ser feito efetivamente contra o agressor;
  • Sentimento de culpa da própria mulher que sofreu a agressão, tomando o lugar do agressor;
  • E muitos outros medos e receios, conscientes ou não.

Como uma pessoa que também já foi alvo de agressão, incentivo mulheres a terem consciência dos tipos de violência e de denunciar SIM, quer seja sozinhas, quer seja de forma coletiva. E a mostrar limites desde o início dos relacionamentos, não esperando que os sinais aumentem para agir, quando muitas vezes já pode ser tarde demais. O problema entre homem e mulher não é um problema dentro das quatro paredes, mas sim um problema da sociedade. A mulher retratada pelo olhar e fala do outro já é uma forma de violência! Quando nós mulheres nos expressamos na arte, muitas vezes falamos daquilo que povoa a nossa mente, como nossos medos (do machismo, de nos expressarmos, de usarem nosso corpo, medo de homem e medo de morrer, também por feminicídio, medo de opressão, estupro, apagamento, falta de lugar, perda ou ausência da conquista do lugar da fala)…

Falemos! Escrevamos! Busquemos nos expressar com sororidade e apoio mútuo! Hoje tem mais discussão no encontro do Mulherio das Letras Paraná! Todas acessíveis através do canal do YouTube. E a partir de amanhã as discussões de ontem também estarão disponíveis no YouTube. Continuemos as trocas! Já somos quase 7.000 escritoras brasileiras e provavelmente o maior encontro feminino brasileiro da atualidade. Temos que ter consciência da nossa força que não está limitada ao Brasil, mas ecoa no mundo.

::Mineirinha n’Alemanha::

03/07/2020

Há alguns meses atrás o meu primeiro livro, o Mineirinha n’Alemanha, foi escolhido pelo Celso da Batatolândia com um dos 6 livros mais importantes para entender os alemães e a Alemanha. Como escritora, foi uma grande honra ser colocada ao lado de João Ubaldo Ribeiro!

Hoje recebi um retorno de uma leitora sobre o livro, o que demonstra sua atemporalidade e me deixou de novo muito feliz com mais um feedback positivo sobre ele:

“Terminei seu livro e gostei muito! Pena que não li antes de vir pra Alemanha; teria me poupado muitos perrengues! 😊

Seu livro é muito interessante e muito informativo também! Compartilhamos muitas experiências, mas com pontos de vista diferentes! Muitos legal ver isso!

Realmente o seu é um livro necessário, de utilidade pública!”

::Balanço de fim de quarentena::

06/06/2020

Chegando ao fim da minha quarentena de 14 semanas, penso que é um bom momento para fazer uma avaliação de como foi viver praticamente só em casa durante 3 meses. Semana que vem volto a trabalhar no escritório, ainda que de forma reduzida e dentro do “novo normal”.

Partes boas da quarentena do coronavírus:

– Aprendi mais sobre mim, sobre o mundo, História, Geografia, Psicoterapia, Consultoria, etc.;

– Tive contato constante com amigos e familiares, me importei com muitos e muitos se importaram comigo. Mesmo distante, estive relativamente perto de entes queridos;

– Tive a oportunidade de fazer 3 cursos de desenvolvimento pessoal e espiritual com algumas experiências inesquecíveis!

– Fiz novas (ou fortaleci) amizades através desses cursos;

– Ganhei um quadro maravilhoso de uma das participantes!

– Dei o pontapé inicial ao meu projeto de uma plataforma de empregos na Europa, a CONNEXX (página em inglês);

– Dei 2 entrevistas (Celso da Batatolandia e Silvia Regina Angerami) e participei de 3 workshops e 2 encontros como facilitadora no mundo virtual (Carlotas, D.L. e Caravana Cloud) – com a repetição estou me acostumando com a câmera e aceitando que não tenho que ser perfeita para aparecer online;

– Participei de alguns eventos online que em tempos normais teriam sido presenciais. Em alguns deles eu não teria podido estar presente pela distância física, mas a distância virtual é mínima!

– Aprendi a mexer com novos sistemas como o Zoom, que agora uso diariamente;

– Atendi 7 coachees – um deles já conseguiu um emprego no meio da quarentena!;

– Comecei e avancei bem no meu novo projeto de livro (HERstory – escreva a sua história);

– Meu livro Mineirinha n’Alemanha foi escolhido pelo Celso do Batatolândia como um dos 6 livros mais importantes para entender a Alemanha e os alemães (fui colocada ao lado de João Ubaldo Ribeiro!);

– Escrevi uns 5 poemas, participei de um grupo lindo de poetas publicando poemas maravilhosos no Facebook;

– Escrevi para uma poeta americana e ganhei um poema de presente com as perguntas que tinha colocado pra ela;

– Entrei para 2 coletâneas (poesias, turismo no Brasil);

– Estou participando de um concurso de contos com um conto sobre a pandemia;

– Ganhei um novo local de trabalho com direito a vista e a ouvir e ver os passarinhos cantando lá fora;

– Voltei a fazer crochê (e estou amando!);

– Por incrível que pareça, eu emagreci uns 3 quilos!

– Fiz bons passeios pelas redondezas, voltei ao lago com maior admiração ainda, continuo admirando cada flor que passa por mim (ou eu por ela) e fiz algumas aulas de ioga pela internet (queria ter feito mais);

–  Tive alguns sonhos (dormindo e acordada) fantásticos!

– Ouvi muita música e dancei sozinha principalmente na cozinha;

– Participei pela 1ª vez de uma festa de aniversário pelo Zoom (em setembro tem mais! A minha própria!);

– Vi muitos nasceres do sol e tirei fotos lindas deles, fiz vídeos que vão ficar na memória porque, mesmo sem entender, dormia pouco e acordava várias vezes às 5h da manhã, às vezes com um poema inteiro na cabeça;

– Li alguns livros ótimos;

– Troquei 4 livros com autores brasileiros na Alemanha;

– Ganhei alguns livros do universo de estandes de livros para doação espalhadas pelo meu bairro!

– Constatei que os valores da empresa onde eu trabalho realmente batem com os meus! E fiquei muito feliz por isso!

– Contribuí da maneira que pude com as mazelas do mundo;

– Plantei algumas coisinhas na horta suspensa (Hochbeet) da minha varanda, iniciei um projeto de hidroponia;

– Tomei muito sol lá fora, protegida pela altura do meu apê;

– Arrumamos uma nova estante de livro em casa, com a grande ajuda da minha filha – ficou linda!

– Fiz várias boas comidas em casa;

– Passamos um ótimo tempo juntos em casa;

– A minha filha conseguiu seu primeiro emprego na sua área de estudos!

– A muito custo, mantive minha sanidade mental durante esse período… nunca senti tanta felicidade em rever pessoas como agora! Se eu pudesse, as encheria de beijos e abraços agora mesmo!

Partes ruins da quarentena do coronavírus:

– Sofrer triplicado: pelo mundo, pela Alemanha, pelo Brasil. Meu sofrimento começou já em janeiro na China, chegou ao nível máximo na época da Espanha e da Itália (porque inventei de ler um jornal em italiano e ver o sofrimento nu e cru de gente morrendo por lá por falta de leitos) e se abrandou com o tempo, tendo piorado de novo agora com os novos acontecimentos (morte do George Floyd nos EUA e aumento do número de mortos além da ocupação máxima em leitos no Brasil). Com o tempo, entendi que um certo controle no nível de notícias (e no formato delas, mais auditivo por rádio e menos televisivo por visão) me fazia bem.

– Temer por meus familiares e amigos principalmente no Brasil… Nossas mãos estão atadas!

– Voltei a consumir como há muito não consumia (provavelmente de ansiedade)…

– Não ter plena liberdade de ir e vir. Sinto falta de mar, do barulho do mar, da liberdade de poder viajar para onde quiser, mas sei que continuo com 100% de liberdade de pensar o que quiser.

– Perdemos uma viagem de férias à Espanha e deixamos de ver familiares por causa da pandemia;

– Principalmente quando a quarentena estava chegando ao fim notei em mim um certo nível de ansiedade ao ver estranhos vindo andando na minha direção (troquei de lado da rua várias vezes ao ver pessoas se aproximando);

– Acho que nunca vou me acostumar ao “novo normal”;

– Algumas vezes dormia mal, muitas vezes esquecia os sonhos ao acordar, mas a recompensa dos nasceres do sol foi algo que me acrescentou muito;

– Como toda pessoa normal nesse mundo, fiquei estarrecida ao ver fotos de uma morte de um negro nos EUA de maneira tão desumana (não tive coragem de ver o vídeo) e de certa maneira acho que o mundo está indo ladeira abaixo a passos larguíssimos em alguns pontos…

– Lamento que, por muitas vezes, os países tenham cooperado tão pouco entre si e que as linhas imaginárias entre eles estejam tão claras nas cabeças de tantos seres humanos…

– Lamento que muitos países não tenham uma liderança como a da Angela Merkel, que foi exemplar durante este tempo de crise!

Para ser sincera, tenho um pouco de medo do futuro mas ao mesmo tempo vejo essa experiência global como uma grande oportunidade de crescimento individual e coletivo. Pelo menos para mim, ela foi, ou ainda está sendo, sem sombra de dúvida, fonte de bastante crescimento em vários sentidos! Apesar de tudo, tenho uma premonição positiva para o mundo depois da crise do coronavírus! Na realidade sinto as duas frentes se debatendo, o bem e o mal, e espero, com imensa esperança, que o bem vença, e que saiamos desta crise mais fortes do que entramos.

::Por que o número de infectados na Alemanha continua a cair, apesar das medidas estarem menos rígidas?::

29/05/2020

Algumas razões pelas quais o número de infectados está caindo na Alemanha, apesar das medidas estarem cada vez menos rígidas:

1 – Os alemães mantêm a distância social;

2 – A obrigatoriedade de usar máscaras está fazendo efeito;

3 – As secretarias de saúde seguem com afinco os focos de ocorrência da doença e procuram identificar doentes, isolá-los e minimizar o quadro da melhor maneira possível;

4 – O verão desacelera o vírus. O calor e o sol são conhecidos por dificultarem a propagação de gripes e resfriados.

5 – O declínio dos números de infecção também pode estar indicando o início do fim da pandemia.

Que assim seja!

Não há fonte mais fiável na Alemanha do que os dados do Robert Koch Institut. Há casos isolados sim, não há dúvida, mas no geral, creio que pode-se afirmar que as medidas têm sido um sucesso na Alemanha e o número de infectados está caindo. O que logicamente não significa que devamos deixar nossa responsabilidade de lado. Aqui os dados do RKI de 28.05.20, descrevendo a situação atual da pandemia na Alemanha, em alemão e em inglês.

Fonte: Reportagem da GMX no dia 29/05/20 e relatório do RKI de 28.05.20.

::O livro “Mineirinha n’Alemanha” também é grátis na Amazon!::

20/05/2020

Pra quem tem Kindle Unlimited, o meu livro “Mineirinha n’Alemanha” (além dos meus dois outros livros) está (e sempre foi) de graça na Amazon, em todas as plataformas ao redor do mundo! Na minha opinião ele continua atualíssimo, porque muitas questões do expatriado são atemporais, e resolvê-las (o que começa pelo entendimento) é crucial para viver bem no exterior. Fica a dica!

Link para a oferta da Amazon na Alemanha

Link para a oferta da Amazon no Brasil

Detalhe: se clicar no meu nome, verá todos os meus livros. TODOS são de graça pelo Kindle Unlimited!!!

Já tava bão? E tem mais!…

Em virtude da quarentena a AMAZON disponibilizou vários livros DE GRAÇA por um período limitado. Totalizando quase 400 mil reais em desconto. Quem baixar vai ter o livro PRA SEMPRE e ler quando desejar.

Por favor, ajude a compartilhar este post para o maior número de pessoas.

🤓 50.000 eBooks grátis – Amazon
Acesse a Coleção completa:
➡️ https://amzn.to/2JOb68I

Acesse por área:

🏠 Home Office
350 ebooks https://amzn.to/2R8p1ut

👩🏻‍💼 Administração, Negócios e Economia
1250 ebooks https://amzn.to/2UNXgtb

🤝 Autoajuda
238 ebooks https://amzn.to/2UO6WUG

🖥 Computação, Informática e Mídias Digitais
42 ebooks https://amzn.to/3e2qZpM

🙏 Religião e Espiritualidade
130 ebooks https://amzn.to/2UQMouE

🍽 Gastronomia e Culinária
760 ebooks https://amzn.to/2Rj1Yge

🧟‍♀ Fantasia, Horror e Ficção Científica
181 ebooks https://amzn.to/2xb256W

🦸🏻‍♀ HQs, Mangás e Graphic Novels
32 ebooks https://amzn.to/3aSjdNo

👶🏻 Infantil
109 ebooks https://amzn.to/2wrpP6w

👔 Política
213 ebooks https://amzn.to/34nhE7B

👩🏼‍⚕ Medicina
180 ebooks https://amzn.to/39QoJi7

👮🏻‍♀Policial, Suspense
52 ebooks https://amzn.to/3ecTjpM

::Mineirinha n’Alemanha em entrevista::

20/05/2020

Fui entrevistada neste último final de semana. Veja o resultado abaixo e deixe o seu comentário no YouTube!

::Pensativa::

17/05/2020

Tenho estado muito pensativa. Desde que vi o Brasil subindo a indesejável ladeira da pole position do número de casos e mortes de COVID, tenho sentido que estamos indo pro caminho oposto que eu tanto desejaria para o meu amado e sofrido país de origem.

Ontem fiquei sabendo de um amigo da época de universidade que provavelmente está com a doença. Ele relatou que a sensação é de como se ele estivesse se afogando no seco. Já conhecia outra pessoa que passou pela doença, mas ela já está curada. Quando as estatísticas saem do papel e começam a povoar nossos pensamentos com nomes concretos, a coisa muda completamente de figura.

Desde ontem algumas lágrimas teimam em escorrer pelo meu rosto, espero eu, em vão. Eu quero muito que as minhas lágrimas não tenham o menor sentido e que tudo acabe logo e que não tenhamos mais tantas razões para sofrer, calados, aqui do outro lado do mundo. Eu procuro ver o mínimo de notícias possível, e pessoalmente faço o que está ao meu alcance e procuro me manter psicologicamente forte, vendo e usando todas as oportunidades para enxergar um sentido positivo na pandemia. Mas vira e mexe algo cai nas minhas mãos, ou eu vou em busca de alguma notícia, e aí caio naquele redemoinho de pensamentos e sentimentos que é difícil controlar.

Em especial, queria chamar a atenção para este e este artigo. Ficam as dicas e a esperança de dias melhores. Obrigada Tassi e Dago por dividirem esse olhar comigo! Sigamos em frente com fé e foco. Oremos pelo Brasil e pelo mundo! Um bom domingo de paz e saúde para todos!

::Qual é a ligação de abatedouros de animais com o coronavírus?::

13/05/2020

Até há poucas horas atrás eu responderia esta pergunta como se não houvesse nenhuma ligação entre uma coisa e a outra mas… o mundo gira em poucos segundos na atualidade, não é mesmo?

Foi divulgado que 260 de 1.200 funcionários da empresa abatedoura (matadouro ou açougue) Westfleisch em Coesfeld na Alemanha testaram positivo quanto ao coronavírus. Mas o que tem uma coisa a ver com a outra?

O chefe do sindicato do setor alimentício na Alemanha, Mohamed Boudih explica direitinho onde está a razão de tal associação: segundo ele, o problema não é novo. Esse tipo de contrato (na Alemanha conhecido como Werkvertrag) é uma forma de contratar mão de obra barata vinda p.ex. do Leste Europeu. Essas empresas têm tido, desde os anos 90, o costume de se apoiar nesse tipo de contrato para alcançar bons preços de venda dentro do mercado alimentício alemão, que é bastante concorrido. Mas isso ocorre às custas do trabalhador do Leste Europeu, que nem sempre tem os direitos mínimos protegidos (salário mínimo, férias, etc.) e vira um verdadeiro escravo moderno desse sistema, se submetendo a condições de trabalho e de vida péssimas. E quem contribui para esse sistema todo, venhamos e convenhamos, somos nós que compramos carne baratinha no supermercado…

Eu não tinha a mínima noção de que isso tudo acontece, mas o chefe do sindicato disse que o problema é muito conhecido. A empresa acima tem entre 70-80% de seus funcionários contratados através desse tipo de contrato, os abriga em dormitórios de 5-6 pessoas, que dividem um só banheiro. Se recebem o salário mínimo estipulado por lei, têm que assinar papéis em branco onde serão anotadas as horas trabalhadas, e não há controle de quantas horas eles verdadeiramente trabalham para manter seu trabalho… Para piorar a situação, os donos dos dormitórios são, em geral, os próprios empregadores, o que faz com que os funcionários que se submetem a esse tipo de contrato sejam duas vezes mais dependentes deles.

Sinceramente? Fiquei triste ao ler essa notícia! Eu, que já como super pouca carne, não pretendo voltar a comprar carne em supermercado tão cedo!… Não posso contribuir para este sistema de exploração! Por outro lado, tenho consciência de que a riqueza de um país se faz em cima da exploração de outros… Bom, deixa pra lá. Não serei eu quem alterarei os rumos da humanidade. Mas onde eu posso fazer a minha parte, apoiando p.ex. o açougue local que vende carne de origem conhecida, eu farei.

Em tempos de pandemia há poucas coisas que podemos fazer hoje em dia que estão em nossas mãos. Concentremo-nos nelas!

P.S.1-Para quem quiser entender a teoria do que significa um Werkvertrag na Alemanha, é só clicar aqui.

P.S.2-Para quem quiser ler como esse sistema é vendido para o empregador alemão, quais são as “vantagens” sob a perspectiva do empregador, clique aqui.

P.S.3-Para quem quiser entender a diferença entre um contrato de trabalho normal e um Werkvertrag dentro da Alemanha, clique aqui.

Fonte: reportagem de 13/05/20 do jornal alemão Süddeutsche Zeitung.


%d blogueiros gostam disto: