Posts Tagged ‘Brasil’

::Lugares Apaixonantes pelo Brasil::

29/08/2020

Um mês de campanha, 1.150 e-books adquiridos, mais de R$ 42 mil arrecadados e cinco projetos beneficiados. Um em cada região brasileira.

Pra gente, os números representam mais do que doações. Representam união, solidariedade, amor multiplicado exponencialmente e confiança em nosso trabalho. Aos que já doaram, obrigada de coração ❤️

Iniciamos a segunda rodada solidária entre as regiões do Brasil. Chegou a vez de apoiar os índios do Norte de nosso país. Mais de duas mil pessoas que moram em comunidades indígenas na região já pegaram Covid.

Sua doação será integralmente destinada ao Conselho Indígena de Roraima (CIR), que representa 246 comunidades no estado. Com o lote de R$ 10 mil, a instituição comprará kits de higiene, álcool em gel, máscaras e cestas básicas.

Ajude a ajudar: faça parte dessa corrente com sua contribuição e receba em troca nosso ebook solidário “Lugares Apaixonantes pelo Brasil” para se inspirar a percorrer pelo nosso país quando for seguro viajar!

Para contribuir, acesse: https://combatecovid.org/guiasolidario

Projetos já beneficiados: Turiarte – Pará, Favela Orgânica – Rio de Janeiro, “Os Pimenteira” – Piauí, Mães da Favela, CUFA – Goiás, Associação de Artesãos da Costa Doce – Rio Grande do Sul).

Contribua você tbém! 👍🤗❤️🇧🇷

::Duas mulheres e dois livros::

09/08/2020

Resenha escrita por Cris Berta e publicada no Facebook em 08/08/20:

Duas mulheres e dois livros.

Mineirinha n’Alemanha de Sandra Santos.
Publicado originalmente em 2008, o livro de Sandra Santos é mais atual do que nunca. A autora fala de temas importantes como, por exemplo, igualdade de gênero, feminismo, consumismo, limites do capitalismo e racismo. As temáticas escolhidas pela autora são tão atuais que por duas vezes me peguei checando a data de publicação do livro que parece ter sido impresso ontem. Tudo sobre a ótica perspicaz de um mineira de Belo Horizonte que vive na Alemanha desde 1993. Atual e bem humorado, o livro é recheado de informações úteis e curiosidades sobre a vida na Alemanha, sempre sob o olhar crítico e observador da autora. Mãe de dois filhos, Sandra é formada em administração de empresas e comércio exterior e é também autora de coletâneas sobre mulheres.

30 horas. Uma proposta revolucionária para equilíbrio vida-trabalho e equidade de gênero de Nadiane Smaha Kruk.
Um livro de vanguarda e com uma proposta inusitada. Através de extensa pesquisa, a autora demonstra que o equilíbrio vida-trabalho é uma ilusão, especialmente para as mulheres que têm uma jornada de trabalho dupla e ainda são responsáveis pela maior parte das tarefas domésticas e com o cuidado dos filhos. Nadiane conclui que essa conta não fecha e que o modelo de trabalho baseado em 40 horas semanais precisa ser repensado. Com uma proposta a primeira vista audaciosa, a autora argumenta que uma jornada de 30 horas semanais (sem redução de salário) traria benefícios para toda sociedade através de um modelo mais justo, saudável e com mais equidade de gênero. Ao compartilhar sua trajetória como mãe e profissional, a curitibana descreve bem um desafio familiar para muitas de nós: conciliar maternidade responsável com carreira profissional. Nadiane foi professora de recursos hídricos do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e atualmente reside na Alemanha com sua família.

Os livros de Sandra e Nadiane me servem como uma inspiração de mulheres fortes que não abrem mão de uma vida plena apesar de todos os desafios que nossa sociedade estruturalmente patriarcal nos apresenta. Leituras altamente recomendadas.

::Solidariedade gera solidariedade::

03/08/2020

Feliz porque tem muita gente apoiando o nosso projeto! 🙏❤️🤗😍

A revista Viagem e Turismo da Editora Abril também contribuiu com uma reportagem de capa sobre o nosso projeto de e-book divulgando mais de 130 atrações turísticas no Brasil. Contribua você também adquirindo o e-book, que ficou lindo de ver e ler!

Caso alguém conheça mais meios de comunicação e possa sugerir a divulgação do projeto, agradecemos tbém!

::Lugares Apaixonantes pelo Brasil::

01/08/2020

Mais um projeto 100% voluntário e solidário do qual participei, junto de 70 produtores de conteúdo espalhados pelo Brasil e pelo mundo! Vem pra mostrar como é LINDO o nosso Brasil e apoiar pessoas em situação de vulnerabilidade. Já atingimos 35% da meta! Contribua você também e conheça 135 destinos no Brasil! 🇧🇷❤️

Onde acessar: por meio do link https://combatecovid.org/guiasolidario 

Como contribuir: o e-book será distribuído como recompensa para quem fizer uma doação a partir de R$ 10 para a iniciativa, valor mínimo para cobrir os custos da plataforma. Qualquer valor acima disso será muito bem-vindo! 🙏🥰🇧🇷🦋🌈

Produtores de conteúdo participantes do projeto.

Leia aqui o release completo e mais detalhes do projeto. Contribua! Vc vai amar, garanto! ❤️

::Tem novo livro vindo por aí!…::

20/07/2020
Não percam o lançamento! No livro, conto a história de superação do meu marido, Matthias. 🥰
Invitation for the launch of the new anthology where I tell my husband’s overcoming story. ❤️

Clique aqui para acessar o link do lançamento no Zoom.

::Encontro do Mulherio das Letras Paraná – Dia 1::

18/07/2020

O primeiro dia do encontro do Mulherio das Letras organizado pelo Mulherio das Letras Paraná já deixou marcas e boas lembranças.

Tivemos a Samantha Abreu falando sobre O Lugar do Poeta. Ela nos deu uma ideia de quantas escritoras, prosistas e poetisas brasileiras foram esquecidas e atacadas durante a História, que permitiu que poucas delas se sobressaíssem no cenário literário nacional, pois houve muitas vezes a tentativa de calar suas vozes, atacá-las diretamente ou sua família.

A Samantha nos ensinou que houveram até agora cinco ondas da literatura brasileira, a saber:

  • 1a. onda: 1830-1870 – educação básica, alfabetização da mulher, direito a ler e escrever;
  • 2a. onda: 1870-1920 – direito ao voto (sufragistas, jornalistas, militantes)
  • 3a. onda: 1920-1970 – sexualidade, desejo, literatura com temas femininos
  • 4a. onda: 1970-2020 – resistência e questionamento ao Golpe Militar e à Ditadura. Foi quando o movimento Mulherio que deu origem ao atual Mulherio das Letras foi fundado, em 1981 através da Fundação Carlos Chagas;
  • 5a. onda: começando em 2020, o período atual mostra um repuxe na História, onde a repressão impera de novo e tenta-se mais uma vez calar a voz da mulher e, muitas vezes, lhe negar o lugar de fala. A consequência tende a ser um tsunami ainda maior e mais forte, influenciando a produção feminina e feminista atual. Continuemos escrevendo e nos comunicando, apoiando umas às outras, em plena sororidade e reconhecimento de que nós temos e devemos falar sobre temas que estão diretamente ligados a nós.

A Samantha falou sobre várias escritoras brasileiras desconhecidas e perguntou, acertadamente, por que elas desapareceram da História e dos livros escolares.

A minha Roda de Conversa (disponível a partir de amanhã no YouTube) que tive o prazer de moderar a convite da Marilia Kubota, com a participação de Leida Reis (MG), Jeovânia Pinheiro (RN) e Vanessa Ratton (SP) tocou nos temas da expressão conjunta de coletâneas femininas. Falamos sobre com o encontro, a troca e a diversidade da expressão feminina é importante, discutimos o preconceito contra este tipo de literatura e por que ele não é (ainda) considerado para prêmios literários. Constatamos que desde 2017, o selo Mulherio das Letras já lançou várias coletâneas, algumas das quais tive o prazer de participar tanto como escritora e poetisa quando como curadora. Nós, como curadoras de coletâneas, levantamos a importância desse meio de expressão, lembrando que as trocas ficam ainda mais fortes quando saem do virtual para o real e que juntas, somos sempre mais fortes! Falamos sobre a literatura infantil, a literatura que dá visibilidade a mulheres (também negras) e da importância de incentivar a produção literária desde a tenra infância. Fomos unânimes em coro quando afirmamos que devemos apoiar as lideranças femininas e, através de nossos projetos, apoiar a arte e o trabalho feminino também no campo da correção, diagramação, produção, edição, impressão e distribuição de nossos livros, em um grande campo de sororidade que reverbera para todas e para o mundo. Comentamos também que o Mulherio das Letras tem conseguido se expressar também no exterior, já tendo contado por exemplo com coletâneas já produzidas na Alemanha e em Portugal. Falei bem rapidinho do meu projeto atual de livro, o HERstory – escreva a sua história!, informando que busco também a sugestão de temas e do que a mulher quer ler em um livro que quer empoderar mulheres para que elas vivam as vidas que elas queiram viver.

O terceiro bloco que assisti foi sobre a Violência Doméstica e Felinicídio, tema apresentado por Daniella Rech e um grupo de peso que vive e atua no Paraná. Ficou claro que o feminicídio tem aumentado e que temos que, juntas, combatê-lo pela raiz, que (ainda) faz parte da cultura machista brasileira. Até então eu não tinha noção do quão agressivos os atos de feminicídio no Brasil são, pois geralmente a mulher é atacada no pescoço, rosto e coração, em regra por parceiros e ex-parceiros que desfiguram a mulher, destroem seus rostos na ideia de posse, ódio e no entendimento de que se não podem tê-las como seus objetos de uso pessoal, irão destruí-las também para outros… Ficou claro que ainda há muitas mulheres que têm medo de denunciar a violência que lhes acomete, que não é claramente só física, mas também psicológica, e acontece de várias formas tais como p.ex. coerção, manipulação, retirada de participação e de expressão, desconsideração no ambiente familiar e na educação dos filhos, assédio, etc., culminando com a violência visível física e, muitas vezes, com a morte.

O código penal brasileiro, através do artigo 139, que foi escrito em 1940, ainda limita muito a definição do que é a violência contra a mulher e temos que ficar constantemente alertas, denunciar casos e fazer valer a nossa voz através do voto e da participação política para ir, aos poucos, mudando esse quadro alarmante onde o Brasil aparece como líder em mortes por feminicídio e também de pessoas trans. Portanto, as punições deveriam ser ainda mais severas para ajudar a cortar o mal pela raiz e a nos tirar desta triste liderança mundial…

Mas por que a violência, muitas vezes, não é denunciada? Foram levantadas tantas razões pelas participantes! Vamos ver se eu consigo reunir algumas delas:

  • Desconhecimento pessoal da definição do que é um ato de violência;
  • Falta de recursos e/ou dependência financeira do parceiro;
  • Crença de que o ato foi isolado e de que se trata de um acontecimento pontual, de que o parceiro vai mudar;
  • Desconhecimento de seus direitos e de onde buscar ajuda contra a violência;
  • Medo de perder o emprego (quando a agressão acontece dentro da empresa onde trabalham);
  • Medo de que o companheiro ou marido perca seu emprego;
  • Medo de buscar ajuda e de não receber apoio p.ex. na delegacia, de ser ridicularizada;
  • Vergonha, medo de se expor, medo de mostrar a honra denegrida;
  • Medo de denunciar e ter que rever o agressor;
  • Opinião de que não adianta denunciar, porque nada irá ser feito efetivamente contra o agressor;
  • Sentimento de culpa da própria mulher que sofreu a agressão, tomando o lugar do agressor;
  • E muitos outros medos e receios, conscientes ou não.

Como uma pessoa que também já foi alvo de agressão, incentivo mulheres a terem consciência dos tipos de violência e de denunciar SIM, quer seja sozinhas, quer seja de forma coletiva. E a mostrar limites desde o início dos relacionamentos, não esperando que os sinais aumentem para agir, quando muitas vezes já pode ser tarde demais. O problema entre homem e mulher não é um problema dentro das quatro paredes, mas sim um problema da sociedade. A mulher retratada pelo olhar e fala do outro já é uma forma de violência! Quando nós mulheres nos expressamos na arte, muitas vezes falamos daquilo que povoa a nossa mente, como nossos medos (do machismo, de nos expressarmos, de usarem nosso corpo, medo de homem e medo de morrer, também por feminicídio, medo de opressão, estupro, apagamento, falta de lugar, perda ou ausência da conquista do lugar da fala)…

Falemos! Escrevamos! Busquemos nos expressar com sororidade e apoio mútuo! Hoje tem mais discussão no encontro do Mulherio das Letras Paraná! Todas acessíveis através do canal do YouTube. E a partir de amanhã as discussões de ontem também estarão disponíveis no YouTube. Continuemos as trocas! Já somos quase 7.000 escritoras brasileiras e provavelmente o maior encontro feminino brasileiro da atualidade. Temos que ter consciência da nossa força que não está limitada ao Brasil, mas ecoa no mundo.

::Mineirinha n’Alemanha::

03/07/2020

Há alguns meses atrás o meu primeiro livro, o Mineirinha n’Alemanha, foi escolhido pelo Celso da Batatolândia com um dos 6 livros mais importantes para entender os alemães e a Alemanha. Como escritora, foi uma grande honra ser colocada ao lado de João Ubaldo Ribeiro!

Hoje recebi um retorno de uma leitora sobre o livro, o que demonstra sua atemporalidade e me deixou de novo muito feliz com mais um feedback positivo sobre ele:

“Terminei seu livro e gostei muito! Pena que não li antes de vir pra Alemanha; teria me poupado muitos perrengues! 😊

Seu livro é muito interessante e muito informativo também! Compartilhamos muitas experiências, mas com pontos de vista diferentes! Muitos legal ver isso!

Realmente o seu é um livro necessário, de utilidade pública!”

::Entrevista entre amigas no Brasil e na Austrália::

24/05/2020

Que delícia assistir duas amigas batendo papo na internet! Parece que eu estou bem pertinho delas! Ainda tenho que desvirtualizar a Mirella, heim?!? A-D-O-R-E-I a entrevista, principalmente a parte das dicas, com as quais eu só posso concordar! 🙂

::O livro “Mineirinha n’Alemanha” também é grátis na Amazon!::

20/05/2020

Pra quem tem Kindle Unlimited, o meu livro “Mineirinha n’Alemanha” (além dos meus dois outros livros) está (e sempre foi) de graça na Amazon, em todas as plataformas ao redor do mundo! Na minha opinião ele continua atualíssimo, porque muitas questões do expatriado são atemporais, e resolvê-las (o que começa pelo entendimento) é crucial para viver bem no exterior. Fica a dica!

Link para a oferta da Amazon na Alemanha

Link para a oferta da Amazon no Brasil

Detalhe: se clicar no meu nome, verá todos os meus livros. TODOS são de graça pelo Kindle Unlimited!!!

Já tava bão? E tem mais!…

Em virtude da quarentena a AMAZON disponibilizou vários livros DE GRAÇA por um período limitado. Totalizando quase 400 mil reais em desconto. Quem baixar vai ter o livro PRA SEMPRE e ler quando desejar.

Por favor, ajude a compartilhar este post para o maior número de pessoas.

🤓 50.000 eBooks grátis – Amazon
Acesse a Coleção completa:
➡️ https://amzn.to/2JOb68I

Acesse por área:

🏠 Home Office
350 ebooks https://amzn.to/2R8p1ut

👩🏻‍💼 Administração, Negócios e Economia
1250 ebooks https://amzn.to/2UNXgtb

🤝 Autoajuda
238 ebooks https://amzn.to/2UO6WUG

🖥 Computação, Informática e Mídias Digitais
42 ebooks https://amzn.to/3e2qZpM

🙏 Religião e Espiritualidade
130 ebooks https://amzn.to/2UQMouE

🍽 Gastronomia e Culinária
760 ebooks https://amzn.to/2Rj1Yge

🧟‍♀ Fantasia, Horror e Ficção Científica
181 ebooks https://amzn.to/2xb256W

🦸🏻‍♀ HQs, Mangás e Graphic Novels
32 ebooks https://amzn.to/3aSjdNo

👶🏻 Infantil
109 ebooks https://amzn.to/2wrpP6w

👔 Política
213 ebooks https://amzn.to/34nhE7B

👩🏼‍⚕ Medicina
180 ebooks https://amzn.to/39QoJi7

👮🏻‍♀Policial, Suspense
52 ebooks https://amzn.to/3ecTjpM

::Pensativa::

17/05/2020

Tenho estado muito pensativa. Desde que vi o Brasil subindo a indesejável ladeira da pole position do número de casos e mortes de COVID, tenho sentido que estamos indo pro caminho oposto que eu tanto desejaria para o meu amado e sofrido país de origem.

Ontem fiquei sabendo de um amigo da época de universidade que provavelmente está com a doença. Ele relatou que a sensação é de como se ele estivesse se afogando no seco. Já conhecia outra pessoa que passou pela doença, mas ela já está curada. Quando as estatísticas saem do papel e começam a povoar nossos pensamentos com nomes concretos, a coisa muda completamente de figura.

Desde ontem algumas lágrimas teimam em escorrer pelo meu rosto, espero eu, em vão. Eu quero muito que as minhas lágrimas não tenham o menor sentido e que tudo acabe logo e que não tenhamos mais tantas razões para sofrer, calados, aqui do outro lado do mundo. Eu procuro ver o mínimo de notícias possível, e pessoalmente faço o que está ao meu alcance e procuro me manter psicologicamente forte, vendo e usando todas as oportunidades para enxergar um sentido positivo na pandemia. Mas vira e mexe algo cai nas minhas mãos, ou eu vou em busca de alguma notícia, e aí caio naquele redemoinho de pensamentos e sentimentos que é difícil controlar.

Em especial, queria chamar a atenção para este e este artigo. Ficam as dicas e a esperança de dias melhores. Obrigada Tassi e Dago por dividirem esse olhar comigo! Sigamos em frente com fé e foco. Oremos pelo Brasil e pelo mundo! Um bom domingo de paz e saúde para todos!


%d blogueiros gostam disto: