Posts Tagged ‘coronavírus’

::Bem isso!::

23/01/2021

::O que uma pessoa viajando do Brasil para a Alemanha tem que observar durante a pandemia?::

23/01/2021

As coisas andam meio doidas e as listas não param. Estatísticas dominam nosso dia a dia, números que tentam explicar a realidade mas na realidade são só miragem dela. Como garantir que os dados retratam a realidade de cada país? E mesmo que isso aconteça, será só um retrato de duas semanas atrás. O que acontece hoje só é retratado daqui a duas semanas, ou a miragem do que aconteceu hoje.

Pois bem, e como é comum que um vírus mute, mesmo se não viajássemos, ele sofreria mutações mesmo assim. Incrivelmente poderia ser possível (e já foi provado que realmente é possível) encontrar a mesma mutação do vírus em vários locais do mundo, pois o vírus pode se alterar da mesma forma, de forma independente e em diferentes partes do mundo. Mas mesmo assim, quanto menos as pessoas viajarem, e mais pessoas se vacinarem, maior será o combate à pandemia sob o ponto de vista global.

No momento fala-se principalmente das mutações identificadas na Inglaterra, na África do Sul e por último no Brasil, sendo que a mutação do Brasil é a vinda de Manaus, e todos nós sabemos o que anda acontecendo por lá. Não se tem dados ainda do que essas mutações realmente significam, e por via das dúvidas os países procuram se proteger do que poderia significar o colapso do seu sistema de saúde. Depois da Itália e da Inglaterra já terem proibido a entrada de brasileiros em seu território desde o meio de janeiro deste ano, a Alemanha decide tomar novas medidas também, menos drásticas, mas mesmo assim considerando o risco da entrada de mutações no país. A partir de amanhã, 24/01/21, a Alemanha passa a determinar medidas para contenção de contaminação classificando vários países dentro de três grupos, e é em um deles que se encontra o Brasil.

As três categorias são as seguintes:

– Áreas de risco “normais”: São países ou regiões acima de um limiar (também chamado de valor de incidência) de 50 novas infecções por 100.000 habitantes nos últimos sete dias. Isto se aplica atualmente a quase toda a Europa, com exceção de áreas individuais na Grécia, Finlândia, Noruega, Áustria e Dinamarca. No mundo inteiro, mais de 100 países são áreas de risco.

– Áreas de alta incidência: Estes são países com taxas de infecção significativamente mais elevadas do que na Alemanha. Como regra, estes incluem países com um valor de incidência acima de 200 (incidência atual na Alemanha: 115). Entretanto, outros países abaixo desta marca também podem ser declarados “áreas de alta incidência” sob certas condições. A partir de domingo, além dos países já mencionados, os seguintes países correm um risco particularmente alto: Albânia, Andorra, Bolívia, Bósnia e Herzegovina, Estônia, Irã, Israel e os Territórios Palestinos, Colômbia, Kosovo, Letônia, Líbano, Lituânia, México, Montenegro, Macedônia do Norte, Panamá, Portugal, Sérvia, Eslovênia e os Emirados Árabes Unidos.

– Áreas de variantes de vírus: Estas são áreas onde surgiram variantes mais contagiosas do coronavírus. Até o momento, o Reino Unido, a Irlanda, a África do Sul e o Brasil se enquadram nesta categoria.

Viajantes de áreas de risco “normais” devem ser testados para corona o mais tardar 48 horas após a entrada na Alemanha. Além disso, eles devem permanecer em quarentena por dez dias, embora possam ser liberados da quarentena prematuramente, fazendo um segundo teste negativo a partir do quinto dia. A diferença nas áreas de alta incidência e variante de vírus: O teste já deve ser feito no máximo 48 horas antes da entrada. Além disso, as regras de isenção para quarentena podem ser restritas. Entretanto, este é um assunto para os estados federais alemães definirem de forma individual.

Fonte: matéria da revista alemã Der Spiegel de 22/01/21

::Exercício::

23/12/2020

Ano de 2020

Coronavirus

COVID-19

Mortes

Pandemia

Lockdown

Quarentena

Tanta coisa pra digerir!

Ano de 2020

Tenho um trabalho

Tenho saúde

Minha família está sã

Tenho amigos

A vacina foi anunciada

Tenho fé

Tanta coisa para agradecer!

Sandra Santos – 23/12/20

::Para os negacionistas de plantão:

22/12/2020

Perguntas para os negacionistas de plantão:

– Por que a Alemanha teria tomado a decisão de vacinar todos os habitantes acima de 80 anos e toda a classe médica em uma primeira fase de vacinação se não tivesse a expectativa de que a vacina é o melhor meio de combate contra o coronavírus?

– Se já existissem remédios ou vitaminas de fácil acesso e baratos no combate contra o COVID, por que a Alemanha e todos os países da Comunidade Européia teriam tomado a decisão de instalar um lockdown que os estão levando a enfrentar a maior crise econômica desde a Segunda Guerra Mundial?

– Por que a Ivermectina continua sendo indicada no Brasil como remédio paliativo contra o coronavírus, sendo que foi proibida para tal uso no meio de 2020 na Europa e não tem mais patente? Que laboratório teria sido louco de colocar a fórmula de sua suposta galinha dos ovos de ouro acessível na internet para qualquer um?

– Uma vacina não é só um ato de cuidado para com você, mas para a comunidade onde está inserido. Quantas doenças você já deixou de ter na sua vida graças às vacinas desenvolvidas ao longo de várias décadas de pesquisa, como p.ex. difteria, poliomielite, coqueluche, varíola, etc.?

– Todos os insumos farmacêuticos usados na produção de remédios e vacinas na atualidade vêm ou da Índia ou da China. Você vai deixar de se medicar por causa disso?

– Se você ficar doente irá querer ser tratado por um médico ou por um político? A prevenção é melhor do que a cura! Isso porque o coronavírus é visto por alguns médicos como muitíssimo mais agressivo do que o vírus da gripe, pelo fato dele conseguir atacar vários órgãos no corpo como o coração e o cérebro, por exemplo. As sequelas podem ser terríveis, mesmo no caso de pessoas jovens e saudáveis.

Tem mais argumentos? Escreva nos comentários!

::23 semanas::

12/12/2020

Do lockdown light pro hard

Válido a partir de hoje

Só podemos deixar nossas quatro paredes

Por razões de justa causa

O que é uma justa causa?

Ir trabalhar, fazer compras, esporte

Ir ao médico ou veterinário, sair com os bichos de estimação

Acompanhar crianças ou idosos, levar crianças à escola…

Temos tantas razões pra sair de casa!

Mas uma enorme para ficar

No quentinho do nosso lar:

Em pura paz respirar

Mesmo assim

O lago me chamou e eu fui sob chuva

Depois de comprar pães

Pra ouvir uns barulhos da natureza

Reparar nos pássaros de visita

Rever meu bom amigo

Majestoso, nem deve se dar conta

do bichinho que avassala o mundo!

Pra manter minha saúde mental

Com os olhos embaçados

Devido à combinação óculos e máscara (agradecendo que ela mantém o rosto quentinho)

Fechei os olhos: a natureza e eu somos um só

Em paz, todos voltaremos ao pó

Por uma justa causa

Volto ao meu lar

Grata pelas quatro paredes

Pela proteção do frio e da chuva

E daquilo que paira no ar

Na esperança de dias melhores

Com vacina para usar

E ar para respirar

Sem desviar

Daquele que vem me encontrar

Só querendo ver gente

E amar, e abraçar, e beijar

12/12/20 – Sandra Santos – 23. semana em casa em 2020

P.S.-Com sentimento de passarinho engaiolado, ouvi essa música do Emicida e da Vanessa da Matta e claro, gostei de cara. No clip, muitos livros!

::Enquanto isso…::

01/10/2020

Li hoje no newsletter da revista alemã Der Spiegel que enquanto o mundo se põe louco tentando sobreviver a Trumps, Bolsonaros ou Orbáns, muita gente se distrai assistindo a discursos da Angela Merkel, mesmo não entendendo nenhum alemão. Dizem que assistir programas onde ela discorre sobre temas de maneira lógica e ponderada faz com que as pessoas fiquem mais calmas!

O artigo dizia o seguinte de uma alemã que mora nos EUA: “Eu assisto as falas da Angela Merkel para pelo menos me dar um sentimento de normalidade. O meu terapeuta faz o mesmo – e ele nem entende alemão.”

Acima, a chanceler Angela Merkel explica um modelo de cálculo de por que é tão necessário controlar o crescimento dos casos de coronavírus.

::Tempo de corona, tempo de renascimento::

02/08/2020

Toda crise traz dois lados pra gente. Um lado que faz nosso corpo tremer e sair do eixo, e o outro que nos faz olhar pra dentro, entrar em questionamento profundo e de preferência conseguimos sair dali mais fortes, mais perto de nós mesmos e assim podemos contribuir mais, tanto para nós mesmos, quanto para o mundo à nossa volta.

Como tem sido a atual crise do coronavirus no seu caso pessoal? Acabo de ler este texto e me veio à mente fazer essa pergunta pros meus leitores. Sinta-se à vontade de deixar seu comentário – ou não.

A minha resposta vai estar na próxima coletânea da qual participarei, que é mais uma produção da Liberty Books e está criando uma coletânea sobre Histórias da Pandemia. Aguarde as cenas dos próximos capítulos e tenha um bom domingo!

::Loucuras do corona::

02/08/2020

Sinceramente eu achava que esse tipo de manifestação aqui na Alemanha não pudesse existir, mas ontem em Berlim e em outras cidades por aqui ela aconteceu: 20.000 pessoas protestando contra o governo e contra as medidas tomadas com respeito ao combate contra o coronavírus…

A jornalista alemã Dunja Hayali da rede ZDF teve que parar de filmar o que acontecia em Berlim por terem começado a atacar tudo e qualquer coisa: ela mesma, a imprensa, a polícia e qualquer instituição que pudesse parecer oficial… Está na página dela do Instagram pra qualquer um ver…

Um velhinho em especial me chamou a atenção: na boca ele carregava um tampão (se protegendo por via das dúvidas?!?) com os dizeres: parem com essa loucura. E nas mãos ele carregava o seguinte panfleto, dizendo que o coronavírus é melhor do que veneno e barulho de carros, mortos e feridos por acidentes de carros, e, e, e….

Panfleto durante o protesto de 01/08 em Berlim

Alguém entendeu o que ele quer dizer exatamente? Está incentivando o genocídio mas protege a própria boca e o nariz, por via das dúvidas! Vivo em uma democracia social onde todos podem e devem manifestar sua opinião, mas como a Dunja Hayali comentou, as pessoas parecem ficarem felizes quando SUAS verdades (e só elas!) são noticiadas…

E assim constatei que a Alemanha não está um milímetro além dos EUA no momento quanto a tantas questões (racismo, desinformação, disposição ao genocídio coletivo e tantas outras…). Quero acreditar que ali estavam „só“ pessoas dos movimentos de extrema-direita como a PEGIDA e a AfD…

É na discussão aberta entre várias posições que aprendemos e crescemos juntos. Todos os que se agarram a uma versão dos fatos e passam a defendê-la fervorosamente perderam a capacidade de trocar ideias e aprender. Isso pra mim é fanatismo.

::Balanço de fim de quarentena::

06/06/2020

Chegando ao fim da minha quarentena de 14 semanas, penso que é um bom momento para fazer uma avaliação de como foi viver praticamente só em casa durante 3 meses. Semana que vem volto a trabalhar no escritório, ainda que de forma reduzida e dentro do “novo normal”.

Partes boas da quarentena do coronavírus:

– Aprendi mais sobre mim, sobre o mundo, História, Geografia, Psicoterapia, Consultoria, etc.;

– Tive contato constante com amigos e familiares, me importei com muitos e muitos se importaram comigo. Mesmo distante, estive relativamente perto de entes queridos;

– Tive a oportunidade de fazer 3 cursos de desenvolvimento pessoal e espiritual com algumas experiências inesquecíveis!

– Fiz novas (ou fortaleci) amizades através desses cursos;

– Ganhei um quadro maravilhoso de uma das participantes!

– Dei o pontapé inicial ao meu projeto de uma plataforma de empregos na Europa, a CONNEXX (página em inglês);

– Dei 2 entrevistas (Celso da Batatolandia e Silvia Regina Angerami) e participei de 3 workshops e 2 encontros como facilitadora no mundo virtual (Carlotas, D.L. e Caravana Cloud) – com a repetição estou me acostumando com a câmera e aceitando que não tenho que ser perfeita para aparecer online;

– Participei de alguns eventos online que em tempos normais teriam sido presenciais. Em alguns deles eu não teria podido estar presente pela distância física, mas a distância virtual é mínima!

– Aprendi a mexer com novos sistemas como o Zoom, que agora uso diariamente;

– Atendi 7 coachees – um deles já conseguiu um emprego no meio da quarentena!;

– Comecei e avancei bem no meu novo projeto de livro (HERstory – escreva a sua história);

– Meu livro Mineirinha n’Alemanha foi escolhido pelo Celso do Batatolândia como um dos 6 livros mais importantes para entender a Alemanha e os alemães (fui colocada ao lado de João Ubaldo Ribeiro!);

– Escrevi uns 5 poemas, participei de um grupo lindo de poetas publicando poemas maravilhosos no Facebook;

– Escrevi para uma poeta americana e ganhei um poema de presente com as perguntas que tinha colocado pra ela;

– Entrei para 2 coletâneas (poesias, turismo no Brasil);

– Estou participando de um concurso de contos com um conto sobre a pandemia;

– Ganhei um novo local de trabalho com direito a vista e a ouvir e ver os passarinhos cantando lá fora;

– Voltei a fazer crochê (e estou amando!);

– Por incrível que pareça, eu emagreci uns 3 quilos!

– Fiz bons passeios pelas redondezas, voltei ao lago com maior admiração ainda, continuo admirando cada flor que passa por mim (ou eu por ela) e fiz algumas aulas de ioga pela internet (queria ter feito mais);

–  Tive alguns sonhos (dormindo e acordada) fantásticos!

– Ouvi muita música e dancei sozinha principalmente na cozinha;

– Participei pela 1ª vez de uma festa de aniversário pelo Zoom (em setembro tem mais! A minha própria!);

– Vi muitos nasceres do sol e tirei fotos lindas deles, fiz vídeos que vão ficar na memória porque, mesmo sem entender, dormia pouco e acordava várias vezes às 5h da manhã, às vezes com um poema inteiro na cabeça;

– Li alguns livros ótimos;

– Troquei 4 livros com autores brasileiros na Alemanha;

– Ganhei alguns livros do universo de estandes de livros para doação espalhadas pelo meu bairro!

– Constatei que os valores da empresa onde eu trabalho realmente batem com os meus! E fiquei muito feliz por isso!

– Contribuí da maneira que pude com as mazelas do mundo;

– Plantei algumas coisinhas na horta suspensa (Hochbeet) da minha varanda, iniciei um projeto de hidroponia;

– Tomei muito sol lá fora, protegida pela altura do meu apê;

– Arrumamos uma nova estante de livro em casa, com a grande ajuda da minha filha – ficou linda!

– Fiz várias boas comidas em casa;

– Passamos um ótimo tempo juntos em casa;

– A minha filha conseguiu seu primeiro emprego na sua área de estudos!

– A muito custo, mantive minha sanidade mental durante esse período… nunca senti tanta felicidade em rever pessoas como agora! Se eu pudesse, as encheria de beijos e abraços agora mesmo!

Partes ruins da quarentena do coronavírus:

– Sofrer triplicado: pelo mundo, pela Alemanha, pelo Brasil. Meu sofrimento começou já em janeiro na China, chegou ao nível máximo na época da Espanha e da Itália (porque inventei de ler um jornal em italiano e ver o sofrimento nu e cru de gente morrendo por lá por falta de leitos) e se abrandou com o tempo, tendo piorado de novo agora com os novos acontecimentos (morte do George Floyd nos EUA e aumento do número de mortos além da ocupação máxima em leitos no Brasil). Com o tempo, entendi que um certo controle no nível de notícias (e no formato delas, mais auditivo por rádio e menos televisivo por visão) me fazia bem.

– Temer por meus familiares e amigos principalmente no Brasil… Nossas mãos estão atadas!

– Voltei a consumir como há muito não consumia (provavelmente de ansiedade)…

– Não ter plena liberdade de ir e vir. Sinto falta de mar, do barulho do mar, da liberdade de poder viajar para onde quiser, mas sei que continuo com 100% de liberdade de pensar o que quiser.

– Perdemos uma viagem de férias à Espanha e deixamos de ver familiares por causa da pandemia;

– Principalmente quando a quarentena estava chegando ao fim notei em mim um certo nível de ansiedade ao ver estranhos vindo andando na minha direção (troquei de lado da rua várias vezes ao ver pessoas se aproximando);

– Acho que nunca vou me acostumar ao “novo normal”;

– Algumas vezes dormia mal, muitas vezes esquecia os sonhos ao acordar, mas a recompensa dos nasceres do sol foi algo que me acrescentou muito;

– Como toda pessoa normal nesse mundo, fiquei estarrecida ao ver fotos de uma morte de um negro nos EUA de maneira tão desumana (não tive coragem de ver o vídeo) e de certa maneira acho que o mundo está indo ladeira abaixo a passos larguíssimos em alguns pontos…

– Lamento que, por muitas vezes, os países tenham cooperado tão pouco entre si e que as linhas imaginárias entre eles estejam tão claras nas cabeças de tantos seres humanos…

– Lamento que muitos países não tenham uma liderança como a da Angela Merkel, que foi exemplar durante este tempo de crise!

Para ser sincera, tenho um pouco de medo do futuro mas ao mesmo tempo vejo essa experiência global como uma grande oportunidade de crescimento individual e coletivo. Pelo menos para mim, ela foi, ou ainda está sendo, sem sombra de dúvida, fonte de bastante crescimento em vários sentidos! Apesar de tudo, tenho uma premonição positiva para o mundo depois da crise do coronavírus! Na realidade sinto as duas frentes se debatendo, o bem e o mal, e espero, com imensa esperança, que o bem vença, e que saiamos desta crise mais fortes do que entramos.

::Por que o número de infectados na Alemanha continua a cair, apesar das medidas estarem menos rígidas?::

29/05/2020

Algumas razões pelas quais o número de infectados está caindo na Alemanha, apesar das medidas estarem cada vez menos rígidas:

1 – Os alemães mantêm a distância social;

2 – A obrigatoriedade de usar máscaras está fazendo efeito;

3 – As secretarias de saúde seguem com afinco os focos de ocorrência da doença e procuram identificar doentes, isolá-los e minimizar o quadro da melhor maneira possível;

4 – O verão desacelera o vírus. O calor e o sol são conhecidos por dificultarem a propagação de gripes e resfriados.

5 – O declínio dos números de infecção também pode estar indicando o início do fim da pandemia.

Que assim seja!

Não há fonte mais fiável na Alemanha do que os dados do Robert Koch Institut. Há casos isolados sim, não há dúvida, mas no geral, creio que pode-se afirmar que as medidas têm sido um sucesso na Alemanha e o número de infectados está caindo. O que logicamente não significa que devamos deixar nossa responsabilidade de lado. Aqui os dados do RKI de 28.05.20, descrevendo a situação atual da pandemia na Alemanha, em alemão e em inglês.

Fonte: Reportagem da GMX no dia 29/05/20 e relatório do RKI de 28.05.20.


%d blogueiros gostam disto: