Posts Tagged ‘estrangeiro’

::Saudade::

20/04/2016

Saudade é uma palavra densa

Profunda no significado

Quanto menos a gente pensa

Se vê por ela fisgado

 

Uma noite, tudo em paz

Tudo por mim conhecido

Em menos de um segundo

Vejo-me pego e vencido

 

Um sentimento de perda

Um vão, um adeus

Invariavelmente aquela cerca

Dita o que é de Deus

 

Uma lágrima no olho

Doces lembranças

Parte do meu miolo

Muitas esperanças

 

Inspirada por Rainer Maria Rilke

::Eterna dor de expatriado::

16/04/2016

Achei esse poema na internet, cujo título na realidade é “Me perdoem por estar tão longe”, mas tomei a liberdade de intitular este post como “Eterna dor de expatriado”, pois foi esse sentimento, nu e cru, que o poema me passou. E que acho que muitos vão sentir o mesmo…

Poema de Ruth Manus

saudade1-1024x1024

Me perdoem por estar tão longe

E por tentar estar presente com tão pouco. 

Venho pedir que me desculpem

Por todos os dias em que eu não estou

Por todos aniversário aos quais eu não vou

Pelas tantas vezes em que a ligação falhou

Por ter que ser tão menos do que realmente sou

 

Venho dizer o quanto sinto

Por todos os almoços em que meu lugar sobra

Por ainda não ter visitado a casa nova

Por não ter ajudado com as coisas da obra

Por tantas vezes colocar o amor de vocês à prova

 

Eu juro que queria

Queria ter ajudado a sarar todas as doenças

Queria poder ser verdadeira presença

Queria segurar aquelas sacolas imensas

Queria fazer massagem nas suas costas tão tensas

 

Venho me desculpar

Por todos os copos de água que eu não busquei

Por toda louça suja que eu não lavei

Por todas as piadas que eu não contei

Por todas as dores que eu não abracei

 

Eu juro que queria

Segurar os cabelos de quem vomitava

Segurar o elevador para quem demorava

Segurar a onda de quem tanto chorava

Segurar as mãos sem precisar dizer nada

 

Me perdoem

Por ser uma imagem na tela do celular

Por ser um áudio que eu nunca termino de gravar

Por ser uma história que nunca dá tempo de contar

Por ser uma ausência com a qual vocês aprenderam a lidar

 

Me desculpem

Pelos tropeços dos quais não ri

Pelos pensamentos que eu não li

Me desculpem

Por saber o quanto minha falta dói por aí

E por não saber fingir

Que ela não dói

Igualmente

Sempre

E tanto

Aqui.

 

::Sistema educacional na Alemanha::

22/07/2015

O sistema educacional alemão é pra lá de complicado. Basicamente, em termos de 1° e 2° graus, há três tipos de escola, a Hauptschule, a Realschule e o Gymnasium. Falando de forma bem simplória, na 4ª. série as crianças são avaliadas e recebem uma sugestão de que escola deveriam cursar a partir dali, o que de certa forma já define o caminho de sua vida, a princípio. Aqui no estado de Baden-Württemberg há poucos anos atrás a decisão era unilateral por parte da escola e se os pais eram contra essa decisão, a criança teria que fazer uma prova para poder estudar em outro tipo de escola que não o recomendado pelos educadores. Mas isso felizmente mudou e a decisão foi colocada nas mãos dos pais.

Crianças com notas mais baixas, principalmente em matemática e alemão, são indicadas para cursar a Hauptschule, crianças com notas médias irão para a Realschule, podendo depois se candidatar para cursos profissionalizantes, e as crianças no Gymnasium serão, em regra, aquelas que farão um curso universitário. Isso falando de forma bem generalizada, porque na prática pode acontecer, ainda que seja uma exceção, que uma criança acabe a Hauptschule, passe pra Realschule e chegue até o nível do Gymnasium, podendo então cursar uma universidade. A ideia básica deste tipo de ensino é dividir as turmas em grupos mais ou menos homogêneos e assim, também as expectativas do que essas crianças tenderão a ter mais tarde na vida adulta. O sistema está também apoiado nos pais, o que já foi comprovado através de várias pesquisas, mesmo sendo uma forma de preconceito, pois filhos de pais que cursaram uma universidade têm bem mais probabilidade de receber uma indicação para o ginásio do que um filho de operários.

As notas na Alemanha vão de 1 a 6, sendo que 1 é a melhor é 6 a pior. O engraçado é que não é necessário acertar a prova inteira para tirar uma nota 1. A partir de 93% das respostas corretas, a nota será 1. Às vezes o professor pode também oferecer testes extras que poderiam melhorar a nota final, e se a criança acertar tudo, as questões básicas e as extras, ela recebe um 1***,  portanto ultrapassa os 100%.  Pra complicar mais um pouquinho, a partir da Oberstufe do Gymnasium (que são os dois últimos anos do ginásio, anos 11/12) as notas vão de 15 a 0, sendo 15 a melhor nota e 0 a pior, claro. Aqui tem umas tabelinhas tentando explicar as notas na Alemanha.

Cada estado alemão decide independentemente sobre as notas dadas nas escolas, sendo que o que substitui o vestibular na Alemanha, a nota do Abitur de Baden-Württemberg e de Bayern (Baviera) são os mais respeitados no país. Existem também vários tipos de ginásio, humanistisches Gymnasium, Sport- und Skigymnasium, Musikgymnasium, Technisches Gymnasium und Wirtschaftsgymnasium (Oberstufe anos 11/13, ginásios especializados em ciências humanas, exatas, esporte, música, etc.), enquanto que o ginásio normal vai até os anos 11/12. Isso significa que quem chega ao nível do ginásio vindo de outro tipo de escola vai precisar de um ano a mais para chegar ao Abitur.  Também existe um Abendgymnasium, um ginásio à noite, geralmente para quem está  terminando o 2° grau para mais tarde poder estudar na universidade, geralmente adultos que trabalham durante o dia e estudam à noite.

Bem nova é a idéia da Gesamtschule ou Gemeinschaftsschule, que reúne os três tipos de escola em um só grupo, como no Brasil, até a classe 10. As aulas são o dia inteiro e as crianças não têm aula frontal o tempo todo, se acostumam a trabalhar em grupo, ajudar outros colegas e podem receber tratamento individual para se desenvolverem de acordo com suas habilidades. As notas são mais inteligíveis, pois o máximo é 100, e no fim do ano 10 as crianças podem continuar em um ginásio até atingirem o Abitur, se quiserem estudar em uma universidade na Alemanha.

Há dois tipos de universidade, a universidade normal, chamada Universität, e a Fachhochschule, uma universidade de ciências aplicadas, sendo mais prática do que o curso mais teórico de uma universidade normal. Quem tem o Abitur, pode estudar tanto em um tipo como no outro de universidade, mas quem só tem Fachhoschulreife só pode estudar na Fachhochschule.

A parte mais interessante desses mil e um caminhos é que as escolas alemãs são gratuitas desde a 1ª. série até o final do segundo grau. Na universidade se paga apenas um pequeno valor (tipo 60 euros) para efetuar a matrícula semestral. No estado onde moro, Baden-Württemberg, as crianças recebem todos os livros no início do ano letivo, tendo só que encapar os que forem novos e colocar o nome do aluno em uma listinha logo na contracapa de cada livro. Geralmente depois de alguns anos de uso consecutivo os livros são doados para os alunos daquele ano e livros novinhos em folha serão postos em circulação.

Na prática, claro, a vida não é tão simples como no papel. Já vi jovens deixando a universidade para tentar uma vaga em um curso profissionalizante, já vi muitos jovens terminando o Abitur e fazendo de tudo, menos universidade. No caso da turma da minha filha, que terminou o ginásio há um ano atrás e era um grupo de 130 pessoas, somente 10 foram estudar em seguida e a grande maioria foi viajar, fazer algum trabalho voluntário ou estágios que pudessem contribuir para eventualmente melhorar a nota do Abitur no processo seletivo para a universidade. Paradoxalmente, a Alemanha carece de profissionais de saúde, mas somente jovens cujo Abitur chega perto da nota 1 conseguem um lugar em uma universidade de Medicina, provavelmente a mais concorrida do país. Tem muito alemão indo estudar em países da Europa Oriental devido às dificuldades de conseguir um lugar em uma universidade alemã, o que não se aplica para todos os cursos.

O estado alemão tem soberania de definir os pilares da educação, as universidades têm soberania individual. O engraçado é que não há nada parecido como um ENEM ou um vestibular na Alemanha, e se o jovem tem interesse em estudar em 15 universidades diferentes, ele tem que se candidatar 15 vezes, e pode ser que cada universidade tenha pré-requisitos bem diferentes umas das outras. Como eu expliquei, a nota do Abitur vai decidir quem consegue uma vaga na universidade, mas há cursos, p.ex. na área criativia, que avaliam a aptidão do candidato além da nota através de trabalhos práticos, criativos, etc. Para cada caso, um caso, uma nova forma de tentar um lugar na universidade, novas regras.

Outros fatos curiosos: não existem uniformes. As crianças e jovens vão para escola como bem entenderem. Em geral celulares são proibidos dentro das escolas, que não têm nenhum muro ou tipo de controle na entrada. Durante o horário de funcionamento da escola entra e sai quem quiser. Se alguma criança é pega usando o celular, ela tem que entregá-lo ao professor e depois ir buscá-lo na secretaria… Não há chamada ou lista de presença, só na hora de entrega das notas de provas. O ano letivo começa em setembro e termina em julho (pode ser um pouco diferente de estado para estado, mas o ano letivo é sempre do meio de um ano até antes do final das férias do verão do ano seguinte).

Fui perguntada se acho que uma criança brasileira pode vir para a Alemanha e continuar os estudos aqui em uma escola alemã. Conheço crianças brasileiras e de várias outras nacionalidades que se mudaram pra cá e foram matriculadas em escolas normais da Alemanha, depois de um curso intensivo de alemão e de uma avaliação de que tipo de escola seria o mais adequado para elas. O mais importante mesmo é que a criança consiga receber uma boa base da língua alemã, para poder ter condições de acompanhar bem as aulas e de se enturmar na classe. As notas de alemão e de matemática são as mais importantes no currículo e ajudarão a decidir qual é o tipo de escola adequado para cada criança, mas se uma criança tem dificuldades de grafia e gramática, perderá notas em todas as outras matérias ao  fazer provas e cometer erros de alemão. Um fato interessante que li aqui e queria incluir neste post é que hoje em dia um terço dos estudantes na Alemanha tem pelo menos um pai de outro país, mas o número de estudantes filhos de imigrantes em ginásios é bem baixo. Na época da minha filha, praticamente só 5% tinham sobrenomes estrangeiros. Filhos de russos, judeus, chineses, coreanos ou vietnameses são matriculados com mais frequência no ginásio na Alemanha do que crianças alemãs, em termos percentuais.

A grande crítica ao sistema de ensino alemão é que na quarta série a vida de uma criança é definida em grande parte, e por outro lado o meio social dos pais influencia de forma considerável nesta decisão. A cultura alemã analisa o que falta, portanto uma criança tende a ser analisada pelo que lhe falta, não pelo que ela traz em abundância. Fico pensando o que é decidido no caso de crianças cujos pais não entendem bem o sistema ou mesmo o idioma alemão. Fico pensando o que teria sido de mim se tivesse crescido na Alemanha, se teria seguido a mesma trajetória que segui no Brasil. Todo ser humano deveria poder conseguir crescer tanto quanto sua potencialidade lhe permita e tentar transpor seus próprios limites.

E quanto a você, qual é a sua experiência com o sistema educacional alemão? Tem filhos que vão à escola aqui? Do que gosta, do que não gosta? Deixe seu comentário abaixo! Eu e os demais leitores agradecemos por sua contribuição!

::Einwanderung – Imigração::

24/06/2015

“Deutschland braucht Einwanderung, denn die Eltern der Kinder von Morgen sind gestern schon nicht mehr geboren worden.”

“A Alemanha precisa de imigrantes, pois os pais dos filhos de amanhã não vieram ao mundo ontem.”

“German Kulturangst” steht der Vielfalt im Weg”.

“O medo cultural alemão é um empecilho para a diversidade.”

Fonte: Artigo da Wirtschaftswoche de 11/06/15.

::Por que saí do Brasil::

22/06/2015

Um resumo à queima roupa: eu saí do Brasil porque era meu sonho de longas datas viver uma experiência internacional, mas fiquei aqui porque me casei, consegui emprego e porque vi que teria mais condições de conseguir uma vida de qualidade, da maneira que eu interpretava essa qualidade, do outro lado do mundo. Vim pra ficar um ano e já tenho 22 na bagagem!

Na época tinha acabado duas universidades e lutava para conseguir um empreguinho no Brasil, enquanto os filhinhos de papai, que sentavam no fundo da sala, não tinham aprendido nada naqueles quatro anos e colavam tudo o que podiam nas provas, estavam conseguindo ótimos empregos, indicados por seus pais para belas posições. Hoje, apesar de eu sentir muuuuuita falta da família e dos amigos, eu prezo o ar puro, a liberdade de ir e vir, o contato com a natureza, além da bem menor desigualdade social e da boa qualidade de vida para grande parte da população.

No momento muitos textos estão circulando na internet sobre “porque deixei o Brasil” e “porque vou voltar ao Brasil”. Acho que a consciência coletiva está fervendo pois o momento atual brasileiro está bastante explosivo, os nervos estão à flor da pele.

Aqui um dos textos que li sobre o tema nos últimos dias, gentilmente repassado pelo leitor Wagner. Esse artigo dá muito a pensar. Opiniões? Críticas? Sugestões? Quem quiser deixar a dica de outros textos nesta linha, fique à vontade logo aqui abaixo nos comentários.

::Trabalho na Alemanha – Reconhecimento de Diplomas Estrangeiros::

13/03/2015

A Priscila, brasileira sem passaporte europeu, para quem prestei consultoria através da Connex Consulting e que conseguiu um emprego aqui na Alemanha, teve a bondade de escrever um texto com várias dicas para os que estão buscando a oportunidade de trabalhar por aqui. Tenho certeza de que muitos ficarão bastante gratos pelas dicas! Muito obrigada, Priscila!!!

°°°

Quando nos aventuramos a mudar de país e procurar trabalho uma série e pessoas querem contribuir com opiniões e experiências e isso é bem normal. O problema que na maioria das vezes essas contribuições vêm carregadas de pessimismo e achismo. Então o primeiro passo para quem busca trabalho fora do país é se organizar, estudar o mercado, insistir muito e não dar ouvidos aos pessimistas de plantão. O ser humano tem uma capacidade infinita de conseguir o que deseja, mesmo quando o sonho parece impossível e quando outras pessoas já tentaram e não conseguiram, pense nisso!

Para quem quer conseguir trabalho aqui na Alemanha existem uma série de questões que precisam ser tratadas antes mesmo de sair do Brasil. Se você tem alguma possibilidade de conseguir uma cidadania de algum país da zona do euro, recomendo ir atrás. Isso facilita muito a vida aqui para conseguir trabalho, evita um monte de burocracia para você e para o seu empregador. E se você já possui cidadania de algum país da Comunidade Européia (EU) evidencie isso no seu CV, você pode incluir ao lado das suas nacionalidades algo como “EU Pass” (significa Passaporte da Comunidade Européia) . Eu não tinha essa opção então fui pelo caminho mais longo mesmo, no final também deu certo.
Existem duas trilhas para fazer quem quer trabalhar na Alemanha. A primeira é o reconhecimento acadêmico, esse é destinado a pessoas que possuem nível superior de ensino.

A segunda é o para pessoas que não possuem nível superior de ensino porém possuem demais cursos e experiência na área de atuação. Nesse caso você deve verificar a lista de documentos exigidos e demais informações na Câmara da Industria e Comércio através do site http://www.ihk-fosa.de/ (o site está traduzido para várias línguas inclusive para o espanhol e o inglês).

Para fazer o reconhecimento acadêmico (nível superior de ensino) ainda no Brasil, você precisa preparar a sua documentação escolar para ser reconhecida na Alemanha (Zeugnisbewertung ou Zeugnisannerkennung). O processo de Reconhecimento do diploma tem o objetivo de verificar a instituição de ensino cursada, a carga horária e matérias e assegurar que elas são equivalentes a de uma instituição de ensino alemã. Quando você consegue o reconhecimento de um diploma, isso significa que você pode exercer a profissão ou atividade que o diploma lhe confere em todo território alemão. Esse processo é feito na Alemanha e tem demorado de 3 a 6 meses, então assim que você chegar na Alemanha já preencha os formulários e envie os documentos para não perder tempo, ok?

Para verificar se a sua instituição de ensino é passível de ser reconhecida faça a pesquisa no site do Kultusministerkonferenz/ANABIN através do seguinte link http://anabin.kmk.org/no_cache/filter/institutionen.html
Se sua instituição de ensino está na lista ANABIN ótimo! Agora você precisa preparar a sua documentação, isto é, autenticar, traduzir e legalizar o seus documentos. Calma calma, vou te explicar o que significa cada coisa e como fazer.
A autenticação é o processo feito no cartório que a sua instituição de ensino tem firmas abertas, cada asinatura do seu diploma deve ser autenticada, gerealmente são os pró-reitores de graduação e secretárias do curso que assinam o diploma, informe-se a sua universidade eles vão lhe informar aonde os funcionários que representam a universidade tem firma aberta. Se seu diploma foi emito no Brasil esse processo deve ser feito obrigatoriamente no Brasil.
Primeiramente é necessário autenticar no cartório todas as assinaturas do diploma e do histórico escolar (aquele que tem as matérias cursadas, carga horária e notas). Não se trata de cópia autenticada, as autenticações das assinaturas devem estar no verso dos documentos originais.

Daí você me pergunta, eu preciso preparar (autenticar, traduzir e legalizar) os meus diplomas e históricos desde o Ensino Fundamental (antigo 1° Grau)? Depende, você precisa preparar a documentação do grau que você deseja convalidar e do grau anterior. Por exemplo, se você quer convalidar o seu grau de pós-graduação é necessário que você prepare a documentação da pós-graduação e da graduação.

As vezes o ZAB* dentro do Kultusministerkonferenz pede adionalmente uma cópia simples (sem autenticação e sem tradução) do diploma e do histórico do grau que antecede o grau que você já enviou. Isso aconteceu comigo, eu entreguei a documentação da pós-graduação e da graduação e depois recebi um email do ZAB* pedindo uma cópia simples do diploma e histórico do Ensino Médio (antigo 2° Grau). Meu processo ficou parado até eu enviar essa cópia simples pelo correio, então como dica já mande essa cópia simples junto com os demais documentos.
Depois de fazer a autenticação das assinaturas você deve solicitar a tradução juramentada desses documentos. Os profissionais que podem fazer tradução juramenta são os tradutores públicos e interpretes comerciais matriculados nos órgãos competentes. É bom pesquisar, pois os preços podem variar consideravelmente. A lista de tradutores juramentados do seu estado você encontra geralmente nos sites das juntas comerciais (por exemplo no estado de São Paulo o site é o da JUCESP).

De posse da tradução juramentada e dos documentos originais com assinaturas autenticadas em cartório você já pode fazer a legalização desses documentos. Quem faz a legalização dos documentos são os consulados da República Federal da Alemanha no Brasil. Você pode pesquisar o Consulado mais próximo de você através do site: http://www.brasil.diplo.de/

As instituições na Alemanha, tanto as que fazem reconhecimento do diploma quanto as Universidades, não aceitam receber documentos originais, por isso você deve fazer cópia dos documentos originais e das traduções juramentadas e pedir a autenticação dessas cópias no Consulado da Alemanha no Brasil. Normalmente a legalização tem um custo mas se você comprovar no consulado alemão que você está indo fazer um curso na Alemanha eles fazem esse processo de graça, não é ótimo? Você pode também autenticar as cópias aqui mesmo na Alemanha nas prefeituras das cidades, você pagaá em torno de € 2,50 por documento. Ufa, a parte da preparação ds documentos no Brasil está finalizada!!!
É importante que você leve contigo para a Alemanha os documentos originais. Eu fui orientada pelo consulado da Alemanha no Brasil a não levar os dcuments originais. Mas quando cheguei na Alemanha me entrei no processo de convalidação de diploma para trabalhar e me candidatei à várias universidades e para cada uma tive que enviar um conjunto de cópias autenticadas, mas eu não tiha cópias suficientes, foi uma super correira. Tive que pedir pro meu procurador no Brasil copiar novamente os documentos ir até o consulado com os originais e cópias para autenticar e me enviar tudo pelo correio. Se eu tivesse os origias em mãos eu mesma teria resolvido, muio mais rápido.
Bom agora que você já está na Alemanha está de posse de todos os documentos necessários para poder trabalhar na sua profissão você deve entrar no site da ZAB. A ZAB (Zentralstelle für ausländisches Bildungswesen) é o órgão que faz o reconhecimento acadêmico dentro do Kultusministerkonferenz. Acesse o site a seguir para se informar da documentação, formulários, valores e endereços:
http://www.kmk.org/
http://www.kmk.org/zab/zeugnisbewertungen-fuer-auslaendische-hochschulqualifikationen.html
Os custos são em torno de € 200,00 para autenticação de um grau (exemplo grau de graduação) e graus adicionais custam cada € 100,00. Geralmente apenas a convalidação da graduação é suficiente, mas se você como eu não trabalha na área da sua graduação e sim a área da sua pós-graduação então peça a convalidação da pós-graduação. Só pra exemplificar eu fiz graduação em física, mas sempre trabalhei na área de adminstração de empresas e depois de algum tempo de formada fiz uma pós-graduação em Administração de Negócios (Certificate in Business Administration – pós-graduação lato sensu ou especialização).
Eu tive alguns problemas para convalidar os meus diplomas, depois de mês e meio que eu tinha enviado toda a documentação a ZAB me devolveu um email falando que não poderiam convalidar o meu grau de pós-graduação mas não falaram o porquê. Então pedi pra um amigo alemão ligar lá e entender o porquê da recusa. E na verdade ele descobriu que haviam várias razões………………..rs

Primeiramente a minha instituição de ensino (pós-graduação) não estava na lista do site do Kultusministerkonferenz/ANABIN. Na verdade a instituição tinha mudado de nome, o nome antigo estava mas o nome novo não constava na lista (http://anabin.kmk.org/no_cache/filter/institutionen.html).
Além disso pela análise que eles fizeram nos meus documentos eles concluíram que o nível de Certificado era equivalente a uma graduação e não equivalente a uma pós-graduação.
O terceiro ponto foi que o grau de Certificado (pós-graduação especialização) não é muito conhecido pelos alemães. Pós-graduação pra eles é o mestrado (Master) e o doutorado (Promotion) e só!
Então meu amigo e eu fizemos uma defesa pautada em três pontos, eu só contribui com as idéias ele que redigiu tudo:
1- Explicamos a alteração do nome da Instituição, pedi uma declaração da instituição em inglês, anexamos um link do Wikipedia e um link do site da própria instituição que explicava a mudança de nome (site versão em inglês);
2- Detalhamos o que é o grau Certificado, explicamos que um dos prés-requisitos para cursar a especiazilação é ter o diploma de graduação (anexamos link da instituição de ensino com os pré-requisitos em inglês). Adicionalmente detalhamos a diferença entre pós-graduação Lato Sensu (especialização) e Stricto Sensu (mestrado, doutorado e pós-doc), anexamos o link a seguir: http://portal.mec.gov.br/index.php?id=13072:qual-a-diferenca-entre-pos-graduacao-lato-sensu-e-stricto-sensu&option=com_content
3- Olha a sorte: Encontramos uma faculdade aqui da Alemanha que oferecia o curso de Certificate in Business Administration, tudo bem que carga horária era maior que o curso que eu havia feito no Brasil mas mesmo assim eles não poderiam legar desconhecimento da pós-graduação Lato Sensu dado que aqui mesmo na Alemanha o curso é oferecido. Se interessar a faculdade que ofere o Certificado em Business Adm é a FH Lübeck.

Dados todas essas explicações e comprovações através dos sites depois de um mês de muitas cobranças por e-mail e por telefone recebi um e-mail avisando que a convalidação estava pronta e que eu só precisa efetuar o pagamento para que a documentação me fosse enviada, uhuuuuu consegui!!!!

Ta vendo, deu bastante trabalho, cheguei a pensar que não conseguiria, mas é isso aí, temos que insistir, persistir e não desesperar para alcançar!!! Na próxima oportunidade vou conversar sobre como foi a procura por trabalho aqui na Alemanha até a obtenção do tão sonhado visto de trabalho, mas isso é outra história…………………….rs.
Espero que tenham gostado e até mais! Priscila Furtado

*ZAB – Zentralstelle für ausländisches Bildungswesen (ZAB) dentro do Kultusministerkonferenz. Acesse o site a seguir para se informar da documentação, formulários, valores e endereços:
http://www.kmk.org/
http://www.kmk.org/zab/zeugnisbewertungen-fuer-auslaendische-hochschulqualifikationen.html
Para profissões regulamentadas como médicos, professores e advogados o processo de convalidação é específico e por tanto a ZAB pode pedir informações adicionais.

Instituições de auxílio
1-Consulado Geral do Brasil – Existem 3 Consulados do Brasil na Alemanha (Berlim, Frankfurt e Munique). Eles possuem uma área de coordenação acadêmica que auxilia bastante com respeito aos trâmites de convalidação de diplomas e questões acadêmicas de forma geral. Tive um retorno por email muito rápido e consegui tirar muitas dúvidas.

Abaixo segue o contato da coordenação acadêmica de Munique:

Consulado Geral do Brasil em Munique
Sonnenstr. 31
80331 München
+49 (0)89 210376-39
csf.munique@itamaraty.gov.br

2-AWO (Arbeiterwohlfahrt)- http://www.awo.org – É uma instituição que possui escritórios por toda Alemanha e que entre muitos serviços a estrangeiros auxilia no processo de convalidação de diplomas e reconhecimento profissional. Rocomento fortemente você marcar um agendamento e conversar com os profissionais e expor o seu caso (não se emporte com o seu domínio da língua alemã) com certeza vou vai ter ótimo auxílio, ahhh é de graça!!!

::Os países mais procurados por imigrantes::

03/01/2015

Veja aqui um infográfico onde a Alemanha parece como o segundo país mais procurado mundialmente por imigrantes:

Pra contrabalancear, aqui um infográfico com os maiores medos dos europeus:

Fonte: infográficos do jornal Die Welt (fontes OECD e Comissão Européia).

::12 coisas que aprendi sendo mãe fora do Brasil::

06/04/2014

Acabo de achar a dica deste texto do blog “Tudo sobre minha mãe” no mural do Facebook da minha amiga Chris.

O texto é de autoria de Camila Furtado, uma mãe brasileira que também mora aqui na Alemanha. Li, gostei e compartilho com vocês. A frase da qual mais gostei foi a seguinte: “É necessário fazer muito ajuste mental para rodar a maternidade em um software gringo.” Isso é pura verdade. A Camila, como eu, vamos constatando isso cada vez mais, enquanto nossos filhos vão crescendo em território estrangeiro. Eu que o diga com filha adolescente! 😉

::Situação dos estrangeiros em Munique::

22/02/2014

25% das pessoas que vivem em Munique são estrangeiras. Somadas às naturalizadas (estrangeiras com passaporte alemão), este número passa dos 38%. E este grande grupo está, em geral, satisfeito com a vida por lá. Leia mais sobre a situação do estrangeiro na cidade de Munique aqui.

::Ohne dich / Sem você::

22/02/2014

Mario & Daniela
OHNEDICH.CH

“Ohne dich… hätte ich nicht so viel Spass. Du bringst mich immer zu Lachen.”
Mario – Deutscher und Daniela – Schweizerin

“Sem você… eu não teria tanto divertimento. Você sempre me faz sorrir.”
Mario – alemão e Daniela – suíça

Depois que a Suíça votou por plebiscito a vontade de reduzir a entrada de estrangeiros como mão-de-obra no país, o projeto “Ohne Dich” foi lançado pra mostrar que nem todos são contra estrangeiros por lá. Uma iniciativa bonita cheia de declarações de amor, a favor do multiculturismo. Confira aqui. Bom findi! 🙂


%d blogueiros gostam disto: