Anúncios

Posts Tagged ‘estrangeiros’

::O movimento PEGIDA não é a Alemanha!::

23/12/2014

O movimento PEGIDA (europeus patriotas contra a islamização do país), através do qual estão sendo organizadas no momento passeatas com quase 20.000 pessoas em Dresden, me assusta e me preocupa muito. Detalhe: no Estado de Sachsen moram pouquíssimos estrangeiros! Um alemão com passado dubioso resolveu criar um grupo que luta contra a islamização da Alemanha, contra estrangeiros criminosos e contra asilados politicos no país. Acontece que todo e qualquer cidadão que está insatisfeito com relação a toda e qualquer coisa está indo às ruas no momento em Dresden. Nazistas, gente que não gosta de estrangeiros, alemães insatisfeitos com o número de asilados politicos na Alemanha, aposentados insatisfeitos com sua aposentadoria, gente que vive de ajuda do governo e está insatisfeito com o que recebe, desempregados, insatisfeitos por isso e por aquilo. Os politicos estão assistindo a este movimento e não sabem ainda como reagir a ele, ao mesmo tempo que os partidos de extrema-direita tentam se aproveitar do mesmo para tentar conseguir mais aliados, participando de todas as passeatas à paisana…

Enquanto casas que estavam prontas para receber refugiados foram queimadas na Baviera, o partido CSU afirma que todo mundo tem que falar alemão por aqui mesmo se estiver entre suas quarto paredes, muitos alemães criam associações para ajudar os asilados, para ensinar alemão, ajudar a procurar casa e emprego depois dos primeiros meses na Alemanha. Há uma grande movimentação na sociedade contra e a favor dos asilados, que lida com a atual transformação da sociedade alemã. O país está ficando cada vez mais internacional e a sociedade reage, responde a este fato, tanto do lado negativo, quanto do positivo. Em quase toda grande cidade alemã moram, atualmente, mais de 100 nacionalidades. Espero que o movimento PEGIDA desapareça do mapa da mesma maneira que surgiu, e que o extremismo não encontre razão real para se expandir.

Eure Feindbilder sind so real wie der Weihnachtsmann und nichts anderes als schlecht versteckter Rassismus. Und wenn man das Land verteidigt, dadurch dass rassistische Gedanken verteilt werden, was gibt es noch zu verteidigen.

“Os seus inimigos são tão reais quanto o Papai Noel e nada além do que racismo mal escondido. E se o país é defendido através da propagação de racismo, o que mais pode ser defendido.”

Claus von Wegner, comediante alemão

Veja o que ele diz sobre o movimento PEGIDA:

Fonte: Blog Campact

::FAQ – reconhecimento de diplomas estrangeiros na Alemanha::

26/07/2014

Encontrei este documento com informações valiosas sobre o tema. Aqui e aqui tem mais.

Aqui algumas histórias de estrangeiros na Alemanha na luta pelo reconhecimento de sua qualificação. Chamo a atenção para os casos a partir das páginas 16 e 20.

Boa leitura!

::AIESEC: estágios remunerados no exterior / hospedar intercambista é ótima maneira de expandir culturas::

16/03/2012

A AIESEC de Porto Alegre, através da Priscila Daniel, me pediu pra divulgar o texto a seguir, o que atendo com o maior prazer na condição de ex-estagiária da AIESEC aqui na Alemanha:



ONG jovem abre processo seletivo para novos participantes

A AIESEC, maior organização de jovens do mundo, está com o processo seletivo aberto. Universitários e recém-formados de 18 a 30 anos podem se inscrever até dia 12/04. Através da campanha “Quando você muda, você muda o mundo”, a AIESEC oferece a oportunidade de viver experiências de gestão de equipes dentro da organização e realizar intercâmbios sociais
e profissionais no exterior.

O escritório da organização em Porto Alegre fica localizado na Escola de Administração da UFRGS e conta com o apoio de empresas como Gerdau e AMCHAM, além de universidades como a UFRGS, PUCRS, ESPM, Unirritter e UCS.

A AIESEC foi criada em 1948. Hoje, ela está presente em mais de 110 países e territórios e é formada por mais de 32.000 jovens universitários. No Brasil, são mais de 2 mil membros em 33 escritórios. A organização segue crescendo e há mais de 60 anos mantém o objetivo de formar jovens líderes socialmente responsáveis, empreendedores e com visão global, incluindo respeito à diversidade cultural e étnica como promoção da paz mundial.

Para mais informações sobre o processo seletivo acesse o site da AIESEC em Porto Alegre http://www.aiesec.org.br/porto-alegre/ ou ligue para (51) 3308-3684.

Hospedar intercambista é ótima maneira de expandir culturas

Ser um host é hospedar um estrangeiro durante um intercâmbio. Através dessa experiência, é possível conviver com outra cultura, aprender uma nova língua e enriquecer o repertório de conhecimentos sem sair de casa. Buscando difundir essa experiência, a AIESEC, a maior organização de jovens do mundo, lança uma campanha que motiva os jovens a receberem colegas em casa por um curto período de tempo.

Hospedar alguém de outro país é uma experiência semelhante a um intercâmbio. Para Lucas Silva, estudante de 24 anos, que hospedou Irina Maryina, da Rússia, a vivência trouxe pontos positivos. “Sempre
que eu chegava em casa, ela estava me esperando para jantar e querendo contar tudo que havia passado no dia e com outro tanto de perguntas”, lembra. Irina trabalhou no projeto EduAction, da AIESEC, dando aulas
de empreendedorismo, sustentabilidade e visão global em escolas públicas da capital por três meses.

O exercício de um outro idioma também incentiva abrir as portas de sua casa: “Nunca pratiquei tanto o inglês quanto naquele período”, conta Lucas, que se comunicava em inglês com a colega russa.

A AIESEC foi criada em 1948. Hoje, ela está presente em mais de 100 países e é formada por mais de 32.000 jovens universitários. No Brasil, são mais de 2 mil membros em 33 escritórios. A organização
segue crescendo e há mais de 60 anos mantém o objetivo de formar jovens líderes socialmente responsáveis, empreendedores e com visão global, incluindo respeito à diversidade cultural e étnica como
promoção da paz mundial.

Para se inscrever, basta entrar em contato com a AIESEC Porto Alegre, através do email: portoalegre@aiesec.org.br, ou pelo telefone 3308 3684.

::Migração na Alemanha e Preconceito contra Estrangeiros::

17/10/2010

As últimas afirmativas do Sarrazin, Seehofer e até da Angela Merkel têm me deixado preocupada. Resolveram colocar a grande ovelha negra da nação, os estrangeiros, novamente em debate, depois do lançamento do livro Deutschland schafft sich ab: Wie wir unser Land aufs Spiel setzen(A Alemanha está acabando consigo própria: como estamos colocando nosso país em risco) e visivelmente pra voltar a atenção da população pra um assunto comum, incomodante, e tirá-la de outros assuntos que significariam uma crítica direta ao governo (p.ex. Stuttgart 21, insatisfação com relação às decisões tomadas pelo governo, etc.). Enquanto o Sarrazin defende que as diferentes “raças” têm, segundo ele, um nível diferente de inteligência e mete o pau nos muçulmanos por seu QI, em sua opinião, inferior, o Seehofer e a Merkel afirmam que a multiculturalidade na Alemanha está falida. Que decepção! Enquanto muitas pessoas participam da discussão sem conhecer fatos, separei aqui e aqui dois grupos de informação importantes e atuais reunidos pela revista “Der Spiegel” pra quem quiser opinar com base na realidade atual: dados sobre o estudo do “Friedrich-Ebert-Stiftung” (que mostra, dentre outros resultados assustadores, que 1/4 da população é contra estrangeiros no país e uma a cada 10 pessoas queria novamente um “Führer” que colocasse a casa em ordem), além de dados sobre a migração na Alemanha, que comprova que atualmente o país está perdendo mais pessoas para o exterior do que recebendo estrangeiros aqui, considerando-se os valores totais de emigração e imigração, o que é um fato alarmante para as empresas daqui em busca de pessoal qualificado… Aguardo seus comentários!

::Integração que faz gols::

03/07/2010

No futebol o esforço vale a pena – uma vantagem para imigrantes – por Bernd Ulrich, jornal “Die Zeit” (O Tempo), edição de 24.06.10

Muitos reclamam na Alemanha que os imigrantes têm pouca vontade de se integrar no país e que têm pouca ambição. Com certeza com razão, talvez com muita frequência.

No momento os jovens imigrantes são o tema número 1 do país. Eles se chamam Sami, Mesur, Miroslav, Marco ou Mario. Vamos fazer uma pergunta bem simples: por que a metade da seleção alemã (11 de 23 jogadores) têm origem estrangeira, apesar de que o número de estrangeiros ou descendentes de estrangeiros é cerca de três vezes menor (mais exatamente: 1,125 milhões contra 3,754 milhões de alemães)?

Digamos que pode ser encontrada uma resposta socio-racista para a pergunta: futebol é um esporte para burros, os imigrantes têm em média um nível mais baixo de educação e por consequência têm sucesso nos campos de futebol. Aqui há um erro de interpretação – na verdade esportivo. O futebol só se tornou um esporte capaz de encantar os quatro cantos do mundo porque ele é ao mesmo tempo individual e coletivo, super simples e incrivelmente complexo. Ele sempre foi assim, mas muitos intelectuais e pessoas com alto nível de educação precisaram de muito tempo para aceitar este fato. Uma variante nova é o fato de que as exigências da sistemática de jogo de hoje em dia, além dos negócios relacionados ao esporte, exige jogadores cada vez mais inteligentes. Inteligência e inteligência de jogo se tornaram, cada vez mais, algo bem similar.

A segunda resposta é mais simpática, vamos chamá-la de patriarcal-condescendente: uma vez que os imigrantes têm poucas chances de sucesso na sociedade, eles se concentram no futebol. Isto com certeza é verdade, apesar de que o argumento não condiz com os dos imigrantes que têm pouca ambição e que não querem se integrar. Principalmente quando se considera o que significa tornar-se jogador profissional de futebol. Se tudo dá certo, isto acontece aos 18 ou 19 anos. Até este ponto estes jovens já sentiram mais pressão de desempenho ou devido à concorrência do que a maioria das pessoas no final de suas carreiras. E isto vale mesmo para os jogadores que não chegam à seleção. Os 11 imigrantes, que agora estão jogando pela Alemanha na África do Sul, representam portanto o ápice de uma grande disposição pelo desempenho.

A resposta correta para a pergunta do começo do texto é portanto: o futebol é um negócio que gera bilhões de lucros. Os clubes e treinadores, que se deixam dominar pela discriminação ou que ainda não desenvolveram suficientemente suas habilidades de integração perante imigrantes talentosos, acabam saindo perdendo. (Só para citar um exemplo: até há pouco tempo os treinadores alemães não aceitavam que jovens muçulmanos tomassem banho de shorts depois dos treinos por questões religiosas. Neste meio tempo os treinadores já mudaram sua opinião, e os jovens são deixados em paz).

Para encurtar a história: no futebol o desempenho é analisado de maneira relativamente objetiva e a alta capacidade de integração dos imigrantes é compensada com muito dinheiro.

Por que há 11 imigrantes na seleção alemã de futebol? Porque eles são bons.

Fonte: jornal “Die Zeit” (O Tempo), edição de 24.06.10, tradução: Sandra Santos.

::Governo alemão quer facilitar reconhecimento de diplomas estrangeiros::

28/12/2009

Alemanha deverá lucrar com novas regras

A ministra alemã da Educação e Pesquisa, Annette Schavan, anunciou plano do governo de facilitar o reconhecimento de diplomas estrangeiros, destacando a relevância econômica do projeto.

Segundo a ministra alemã da Educação e Pesquisa, Annette Schavan, as qualificações profissionais de cerca de 2,87 milhões de pessoas residentes na Alemanha foram obtidas no exterior. Dessas, cerca de 500 mil poderão se beneficiar com o novo projeto do governo alemão, que procura melhorar o processo de reconhecimento de títulos e diplomas estrangeiros.

O novo plano de 13 pontos para equiparação de graus e diplomas estrangeiros a níveis correspondentes na Alemanha foi apresentado pela ministra Schavan, juntamente com a encarregada do governo alemão para questões de Integração, Maria Böhmer, nesta quarta-feira (09/12), em Berlim.

“Teremos enormes problemas para encontrar trabalhadores qualificados nos próximos 10 anos”, afirmou Schavan, “a não ser que nossa economia sofra uma estagnação na próxima década – o que ninguém espera que aconteça”. Tudo o que fazemos visa a um maior crescimento, e por esse motivo está mais do que na hora de tomarmos tais providências”,
explicou.

Processo único

A principal medida do novo plano é a criação de um processo único de reconhecimento – uma agência central na qual os cidadãos formados no exterior poderão pedir a avaliação e o reconhecimento de seus títulos, levando também em consideração a experiência profissional acumulada. Atualmente, a disparidade entre os padrões de avaliação dos diferentes estados alemães complicam ainda mais esse processo.

Schavan quer que as novas regras passem a vigorar a partir de 1° de janeiro de 2011. O novo projeto de lei aprovado pelo gabinete de governo alemão nesta semana já fazia parte do tratado da coalizão de governo entre conservadores e liberais.

As novas regras preveem que cada estrangeiro terá direito à avaliação de suas qualificações num período máximo de seis meses. Após esse período, ele deverá ser informado se seu diploma será reconhecido total ou parcialmente na Alemanha.

Urgência econômica

Segundo Maria Böhmer, a planejada legislação se adéqua principalmente a estrangeiros que vivem no máximo há dez anos na Alemanha. A encarregada governamental afirmou que o projeto de lei sinaliza uma nova cultura de reconhecimento do potencial de migrantes.

Os alemães também lucram, acresceu Böhmer, porque podem absorver melhor pessoas com qualificação profissional. A ministra Schavan, por sua vez, considera isso uma necessidade econômica, diante da crescente demanda de pessoal qualificado e para o desenvolvimento demográfico.

Com cautela, organizações de imigrantes saudaram o projeto do governo. Hilmi Kaya Turan, membro do Conselho de Imigrantes de Berlim e Brandemburgo, considera-o uma resposta a uma preocupação de longa data.

Mas trata-se somente de uma declaração de intenções a ser avaliada neste período parlamentar. De qualquer forma, Turan considera positivo o governo alemão estar finalmente tomando providências para resolver um problema que, entre outras coisas, levou à existência de uma grande quantidade de taxistas superqualificados.

Fonte: Deutsche Welle, artigo de 10.12.2009

::Reconhecimento de diplomas estrangeiros na Alemanha::

13/11/2009

Aqui neste site há informação sobre reconhecimento de diplomas estrangeiros na Alemanha. No FAQ da página dá pra conseguir resposta para as primeiras perguntas básicas relacionadas ao assunto.

::Migrantas::

01/04/2009

Recebi hoje da Hilda Lucci a dica de uma página/um projeto fantástico aqui na Alemanha!

Trata-se da página Migrantas, que busca criar uma linguagem visual para os sentimentos e percepções das imigrantes de vários países. Ele envolve as questões da imigração, identidade e diálogo cultural.

Vale a pena visitar!


%d blogueiros gostam disto: