Posts Tagged ‘hospital’

::Caso de emergência em tempos de corona::

09/04/2020

Ficar doente em tempos de corona não é nada agradável… Menos agradável ainda é nossa tendência de nos deixarmos dominar pelo medo. Explico: se o assunto atual do momento é tomar conta da nossa saúde, é desagradável pensar que enquanto eu estiver visitando médicos ou hospitais, tenho também uma provável grande probabilidade de contrair o coronavírus. E isso acaba sendo contraprodutivo, porque sem saúde, como vamos nos preparara para a chegada do “bichinho”? No meu caso, para já ir me familiarizando com um vírus que provavelmente vai me pegar, mais cedo ou mais tarde, ele já ganhou até apelido e o chamo de bichinho…

Antes de ontem percebi que tinha uma bola se formando na minha bochecha, que começou a incomodar e doer se apertava nela. Era perto da boca, por dentro da gengiva eu podia ver a beiradinha dela. Como não poderia deixar de ser, fiz pesquisa na internet e comecei a achar que poderia ser um cisto ou coisa parecida. Tinha tido sinusite diagnosticada pela minha médica há quatro semanas atrás e poderia ter alguma ligação com isso.

Liguei pra minha médica, já que já conhecia os novos procedimentos adotados desde a chegada do bichinho: ligar, marcar horário, chegar no horário, avisar no interfone, fazer fila do lado de fora e esperar até ser chamado, lavar as mãos ao chegar, manter distância de pelo menos dois metros de outras pessoas dentro do consultório e ir para a sala de atendimento quando for chamada. Já que a sala fica aberta, eu não encosto em nada enquanto estou lá. Pois bem, liguei pra minha médica ontem, expliquei do que se tratava e me deram um horário para hoje, 08:20 h da manhã. De lá, depois de chamar sua colega médica para dar uma olhada naquela estranha coisa na minha bochecha, ela me mandou ir em um otorrinolaringologista. Disse pra eu ir imediatamente e para insistir que fosse atendida imediatamente. Pensei cá comigo: „ela não me conhece, eu vou pra lá e não saio enquanto não for atendida!“… A dor e a urgência falaram por mim, ainda mais porque a partir de amanhã temos o feriado de Páscoa! Só não gostei quando ela comentou que o médico ficava no hospital da cidade…. e o medo do bichinho?!? Ela me acalmou, explicando que o consultoria ficava do lado do hospital, com uma entrada lateral, e que não precisaria entrar dentro do hospital (o que no momento seria até difícil no momento porque visitas desnecessárias estão proibidas a qualquer instituição de saúde). A novidade na minha médica, que da última vez já andava com todo o material de proteção prescrito, é que ela mandou colocar um plexiglas (placa de acrílico) separando a assistente dos pacientes. Boa medida!

Peguei o carro, cheguei lá no otorrinolaringologista com a transferência em mãos, me desculpei por estar chegando sem horário e disse que precisava ser atendida com urgência por causa de um cisto que me doía na bochecha. O médico me atendeu em seguida, fez uma ultrassonografia, disse que o cisto não tinha ligação com o sinus mas estava por cima dele, na pele, e me deu uma transferência para um cirurgião-dentista. A minha dentista fechou até julho, o cirurgião-dentista que conheço está de férias, ir em um outro substituto eu não iria sem saber quem é, e por ficar na cidade do lado da minha fiz a famosa pesquisa na internet para achar outra opção. Achei uma cirurgiã-dentista na minha cidade, peguei o carro e fui direto pra lá.

Chegando lá, repeti o procedimento descrito acima e disseram que eu poderia ficar, que seria atendida em seguida.  Também me pediram para lavar as mãos, eu quis escovar os dentes, me ofereceram uma escova de dentes descartável e um copinho de plástico para poder fazer a escovação sem usar as mãos para pegar a água do bochecho. Fizeram uma tomografia de feixe cônico da minha boca toda e em seguida, depois de esperar um pouquinho, a dentista chegou. Ela anunciou que o cisto tinha se formado por causa de uma infecção dentro da raiz do dente e disse que teria que fazer um tratamento de canal. Perguntei se ela não ia tirar o cisto, e ela disse que geralmente ele poderia desaparecer depois do tratamento de canal. Disse que faríamos isso primeiro e depois eu voltaria para ela olhar o cisto novamente. Ela me deu uma anestesia que milagrosamente funcionou imediatamente, começou o trabalho e terminou em praticamente uns 15 minutos… Depois de abrir o dente, o pus saiu praticamente todo pelo canal, que foi tratado. Ela pôs um antibiótico local, fechou o dente de novo e me pediu para voltar lá no final do mês.

Saí aliviada do terceiro médico em série que tinha visitado hoje de manhã em praticamente duas horas e meia! Essa agilidade também se deve ao momento atual, mas tenho que dizer que estou extremamente satisfeita com o resultado, e muito aliviada! Saindo do consultório, é que fui ter tempo de ler um pouco sobre a experiência da dentista que tinha sido tão eficiente e tão rápida no tratamento daquilo que estava extremamente me incomodando… Por intuição, constatei que tinha feito uma excelente decisão! Antes dela me tratar, tinha fechado os olhos tentando me acalmar, comecei a respirar fundo e vi um labirinto preto com uma linha de neon verde. Pensei cá comigo que se estivesse com meu marido, ele saberia achar o caminho para fora daquele lugar bem mais rápido do que eu. Depois de algumas tentativas, cheguei em uma saída que era como um escorregador imenso, que dava para um clube de lazer feito o que conheço da cidade onde meus pais moram no Brasil, cheio de palmeiras, mas vazio. Fui para a praia e vi que estava em uma baia. Tive tempo de andar primeiro para o lado esquerdo, e depois para o lado direito da praia, ouvindo o mar e alguns pássaros que sobrevoavam o lugar. Senti que estava no lugar certo na hora certa. Sabia que tinha feito uma boa escolha por pura intuição. Abri os olhos novamente e a dentista chegou…

Saindo de lá, fui visitar uma farmácia, uma das poucas lojas abertas na Alemanha no momento, mesmo assim com o famoso plexiglas separando o cliente do funcionário. Minha intenção era comprar um remédio para meus olhos e para meu nariz por causa da minha alergia a feno que vem em diferentes níveis no começo da primavera. Saí de lá com uma bolsa de papel com dois remédios, uma meia de compressão para viagens (muito bonita por sinal!), um creme para as mãos, pastilhas de eucalipto e lencinhos desinfetantes (excelente pedida para desinfetar a parte do carrinho onde pomos as mãos nas compras de supermercado). Ganhei ainda um pacote de lencinhos descartáveis de papel. Disse para a funcionária da farmácia que estava me sentindo como no supermercado e ela riu, comentando que quase não há lugares abertos (com contato humano) onde as pessoas possam fazer compras no momento..

Fiquei pensando sobre isso, em como será a vida pós-corona. O que você acha? Teremos a capacidade de depositar nossa confiança em alguém que nunca vimos hoje, como fui obrigada a fazer hoje, ou teremos a tendência de desconfiar de tudo e de todos?

Logo depois de escrever este texto, me levantei para ir ao banheiro e de lá, diretamente em frente à minha janela, vi duas borboletas amarelas voando juntas, o que é sempre o significado de um bom sinal para mim. E olha que moro no terceiro andar! Tudo acabou bem. Gratidão!

::Uma história de vida e de morte::

30/03/2020

Desde que entrei de quarentena, e já estou começando agora na minha quarta semana, algo que entrou na minha vida foi o uso constante de tecnologias para me conectar com pessoas, dentre elas o WhatsApp e o Zoom. Uso ambas na maioria das vezes com vídeo, e assim falo e vejo pessoas espalhadas por todo o mundo. Tenho que dizer que desde então estou tendo mais contatos, e com um número bem maior de pessoas do que antes. Nem quero imaginar como seria uma quarentena sem meios de comunicação como os atuais.

“Por acaso”, através de um convite em uma newsletter, me conectei com pessoas desconhecidas espalhadas por toda a Europa, que trocam entre si a solidão de estarem confinadas às suas quatro paredes, muitas delas realmente sozinhas. Alguma delas não vêem seres humanos durante 10 dias, até terem de ir ao supermercado para comprar alguns alimentos e voltar ao seu confinamento. Algumas delas só têm a permissão de fazer compras no máximo a 1.000 metros de suas casas e disseram se sentirem felizes ao ouvir que o supermercado da esquina estava fechado e que assim puderam ir a um supermercado maior e um pouco mais longe de suas casas. Esse tipo de limitação de só poder sair a 1 km da minha casa não existe aqui na Alemanha.

Neste grupo, temos encontros recorrentes por Zoom. No encontro de hoje, uma mulher contou que seu irmão esteve internado em um hospital por ter sido infectado com o coronavírus. Ele dividia seu quarto com um senhor de 80 anos que estava em situação muito pior do que a dele e que não conseguia passar uma noite sem a ajuda constante de enfermeiras, que tinham que visitá-lo a cada 1-2 horas.

Em algum momento, uma enfermeira disse que sua esposa tinha ligado para o hospital e mandado um recado para ele. O senhor de 80 anos pronunciou o nome de sua esposa e esta única palavra mudou por completo os sentimentos do irmão da minha nova conhecida. O nome da esposa transmitia todo o amor, todo o companheirismo e todas as experiências e anos vividos juntos, toda uma vida passada a dois. O companheiro de quarto passou a não ficar mais incomodado com o fato daquele senhor precisar de tantos cuidados, pois ele lhe tinha ensinado com uma única palavra muito mais do que ele podia imaginar. Ele era um professor universitário, que vivia viajando para muitos países, que não tinha tempo para parar e refletir muito sobre a vida, até que a doença o obrigou a parar.

Naquela noite, a enfermeira entrou no quarto e o avisou que o senhor de 80 anos talvez não fosse suportar as próximas horas. Deu-lhe um sedativo ou algum remédio paliativo e ambos dormiram. No outro dia, ele acordou e notou que o senhor não respirava mais. Ele tinha ido em paz. O irmão da minha nova conhecida, com 63 anos, recebeu alta em seguida e foi para casa, tendo aprendido qual era realmente o sentido da vida.  

::Médicos acreditam ter curado Aids com transplante de medula::

14/11/2008

Achei a reportagem abaixo na BBC Brasil. Esta notícia pode significar a cura para a AIDS!

Médicos na Alemanha afirmam que um paciente de Aids parece ter sido curado após um transplante de medula óssea de um doador que tinha resistência genética ao HIV.

Os pesquisadores de Berlim disseram na quarta-feira que o paciente, um homem que sofria de leucemia e Aids, não apresenta nenhum sinal de ambas as doenças desde o transplante, que aconteceu há dois anos.

O resultado pode ser um sinal positivo nas pesquisas de terapia gênica para tratamento de Aids.

Um comunicado do hospital Charité, de Berlim, afirma que o homem de 42 anos – um americano que mora na Alemanha, cujo nome não foi identificado – foi infectado pelo HIV há mais de uma década.

Receio

“Mais de 20 meses depois do transplante bem-sucedido, nenhum HIV foi detectado no paciente”, afirma o comunicado.

Os médicos temem que o vírus ainda possa voltar, mesmo apesar dos testes.

“Nós fizemos todos os testes, não apenas de sangue, mas também de outros tipos. Mas não podemos excluir a possibilidade de que (o vírus) ainda esteja lá”, disse o médico Thomas Schneider à imprensa.

Estudos na Europa e nos Estados Unidos mostram que aproximadamente uma em cada mil pessoas possui uma resistência genética ao HIV, que impede que o vírus atinja as suas células.

O caso do paciente de Berlim ainda não foi publicado cientificamente.

Dois milhões de pessoas morrem de Aids por ano. Estima-se que 33 milhões de pessoas estejam infectadas no mundo.


%d blogueiros gostam disto: