Posts Tagged ‘indústria’

::As chances da crise e a economia alemã::

03/09/2009

Acho que a palavra do ano de 2009 aqui na Alemanha vai ser “Abwrackprämie” (o prêmio que o governo alemão ofereceu até ontem, no valor de € 2.500,00, para que os consumidores se despedissem de carros mais velhos do que 9 anos e comprassem carros novos). Até eu entrei nesta dança, apesar de saber que vou ficar com os olhos pelo menos úmidos no dia em que entregar meu Brasileirinho. Sério. Eu acho que vou sentir falta dele pra sempre… E inventaram pra tal palavra até um verbo: “abwracken, das Auto wurde abgewrackt” (o carro foi destruído). Eu prefiro dizer que o meu está morrendo, é mais gentil com ele e dói menos. Mas a iniciativa dos incentivos governamentais para fomentar a indústria automobilística chegou a fazer muito sucesso: ela foi copiada por 12 outros países no mundo.

Pois ontem o tal prêmio acabou e a indústria automobilística na Alemanha está esperando pelo pior: muito desemprego, fechamento de empresas… Afirmaram que o ano de 2010 vai ser um horror para esta indústria. O grande problema é que por causa do prêmio bastante gente comprou um carro muito antes do que teria comprado sem o empurrãozinho do governo. Assim, muitas vendas futuras desapareceram na onda da ajuda governamental. 90.000 empregos (ou pelo menos 10% do total de 750.000 empregos na area) estarão a partir de agora na corda bamba, o que atingirá não só as montadoras de carro, como também toda a indústria fornecedora por trás delas.

Para ilustrar como a crise tem afetado as pessoas dentro da Alemanha, li hoje um outro artigo na “Der Spiegel” (“O espelho”, a revista seminal que mais gosto de ler aqui na Alemanha) sobre um ex-banqueiro que foi mandado embora no começo da crise e que agora está vendendo pão com salsicha e batata frita (Wurst und Pommes) para seus ex-colegas, na região dos bancos em Frankfurt. O artigo é muito interessante, primeiro porque ninguém imaginaria que um alemão que antes negociava milhões no seu escritório no 20° andar de um arranha-céu em Frankfurt pudesse virar dono de um quiosque. Segundo, porque esta virada mostra que ele seguiu seus instintos e aquilo que realmente gosta (e não tem vergonha) de fazer, pois ele mesmo disse ter estudado aquilo que sua mãe queria, ter passado por vários empregos dos quais não gostava de verdade e afirmou nunca ter gostado de vestir os ternos que o emprego exigia, sendo que prefiria ir trabalhar de jeans, para o horror do seu chefe, tendo sempre um terno para “situações de emergência”. Ao ser despedido, levou do seu escritório somente o telefone da pessoa de quem alugou o local para seu ônibus-quiosque com lugares relativamente confortáveis para sua clientela chique e exigente. O que ele vinha querendo fazer como 2a. fonte de renda solucionou seu problema e acabou com seu desemprego, pois ele não tinha grandes expectativas de voltar a trabalhar no ramo financeiro. Agora falemos a verdade: quem imaginaria que um episódio desses fosse ser possível aqui na Alemanha?

Os institutos especialistas de mercado esperam que a economia se recupere na Alemanha no ano de 2013. Até lá, muita água vai passar debaixo da ponte.


%d blogueiros gostam disto: