Anúncios

Posts Tagged ‘infra-estrutura’

::Transmimento de pensação – notas pessoais sobre o Brasil atual::

21/09/2010

Dentre as mil e uma “pensações” durante minha viagem ao Brasil, rascunhei umas indagações que me vinham à cabeça aqui e ali durante a permanência na terrinha:
– O Brasil está inundado de notícias negativas, que formam a opinião do povo e os comandam mentalmente, certamente atormentando-os dia e noite sem nenhuma pausa;
– O Brasil continua com mania de “ser pequeno”, com uma tendência à inferioridade que eu sinceramente não consigo entender. Li várias vezes que “estamos atrasados”, “precisamos melhorar muito”, “lá fora tudo é melhor”, etc., até em quesitos onde o Brasil vai super bem. O Brasil já avançou tanto em tantas áreas, faz parte hoje dos países BRIC e do G20, mas continua achando que muitíssimos outros são melhores do que ele. A não ser nos horários de propaganda gratuita dos partidos (que coisa estranha são aqueles preciosos horários não usados sem programação, com a tela estática!), não vi, ouvi ou li nada sobre tudo de bom que vem acontecendo no país nos últimos anos;
– A noção de cidadania vem chegando a passos pequeninos, mas vem. Ouvi repetidamente os pedidos principais da população: melhoria nos setores da saúde, educação, segurança e infra-estrutura;
– Finalmente uma campanha política sem aquele mar de santinhos de antigamente! No lugar delas, gingles e pessoas pagas segurando bandeiras sem nenhuma emoção, invariavelmente clicando em seus celulares;
– Os conceitos de “meu espaço” e “seu espaço” são quase inexistentes (p.ex. eu na cama tentando dormir e um povo na rua fazendo barulho, gritando, falando altíssimo, etc.);
– O nosso povo é maravilhosamente solidário! Isso é um diferencial e algo característico nosso que não tem preço!
– O nosso país verde tropical está quase sem árvores em perímetro urbano, como se o homem se visse superior à natureza;
– O Brasil está (pelo menos no momento) mais caro do que a Alemanha! E bastante mais caro do que em 2008, mesmo descontando a diferença cambial. Ao perguntar sobre este ponto, fui informada de que os salários aumentaram e a diferença foi repassada para o consumidor final. Menos mal.
– Fabricamos carros capazes de rodar com três combustíveis diferentes! 🙂
– E a música brasileira continua linda, linda, linda!
– A cada vez que vou ao Brasil, poderia engordar e voltar rolando pra Alemanha. Viva nossa cozinha maravilhosamente deliciosa!
– Vi poucos bichos no Brasil (bichos não conhecem fronteiras como nós humanos!);
– Dirigir no Brasil continua sendo uma aventura mortal. Vi até um carro da Polícia Federal ultrapassando em faixa contínua!!!
– Vou morrer sem entender as queimadas destruindo nossas matas. Viajei de Beagá a Porto Seguro (ida e volta) e cansei de ver queimadas por todas as estradas que passei;
– Como sempre contei inúmeros postos desnecessários de trabalho, na maioria das vezes criados para que um funcionário controle o outro e engorde o bolso do patrão ou pra passar uma suposta segurança pro cliente;
– Quem será o presidente que receberá o mundo na Copa de 2014??? Pelo andar da carruagem, será a Dilma, não é mesmo? O que vocês acham dela?
– Há muito mais carros no Brasil atualmente, ônibus e caminhões velhos poluem o ar e espalham mal cheiro por todas as partes. Disseram que em 2009, ao contrário da Alemanha, o governo brasileiro incentivou a compra de um novo carro sem pedir de volta os carros antigos. Perderam uma boa oportunidade pra diminuir a emissão de CO2!
– Há tanto carro rodando nas ruas que não via há séculos (Kombi, Caravan, Brasília, etc.);
– Por que será que apesar de termos espaço e da Copa 2014 estar chegando, só temos rodovias quase que só com uma via? A construção de mais rodovias com 2 vias de cada lado desafogaria o trânsito e tornaria as viagens bem menos perigosas. A limitação do tráfego de caminhões para um determinado horário e/ou dias também poderia ajudar neste quesito;
– A corrupção continua institucionalizada, na base do “rouba, mas faz”;
– Campanhas lindas na tevê, p.ex. “não venda seu voto”, “não vote em candidatos que sujem sua cidade”, “o normal é ser diferente”, etc.
– Será que teremos tempo para expandir a infra-estrutura do país até 2014?
– O Faustão magro já não é mais o mesmo, agora ele virou um “Faustinho”, o Jô também está bem mais magro, o Sílvio Santos (como sempre) não mudou uma palha. O microfone dele continua exatamente no mesmo lugar, hehehe… E que horror aquelas meninas rebolando pra lá e pra cá durante tantos programas na tevê. Isso é coisa do tempo do Chacrinha e deveriam existir atividades muito mais interessantes para essas mulheres (muito bonitas por sinal) do que ficar rebolando na telinha!
– Os pivetinhos sumiram há muito da paisagem urbana, no lugar deles dizem que o tráfico de drogas impera no país;
– O nosso povo é maravilhosamente solidário! Isso é um diferencial e algo característico nosso que não tem preço!
– Rever bons velhos amigos é tudo de bom 🙂
– Como Caetano, às vezes eu me sinto uma estrangeira no Brasil, mas sinto ao mesmo tempo uma falta “danada” de lá também!
Se você leu até aqui, certamente vai ter muito para comentar. Mãos à obra! 🙂

::Uma brasileira em Berlim::

10/04/2010

Parafraseando o escritor João Ubaldo Ribeiro fui uma das muitas brasileiras em Berlim durante esta semana. A viagem foi jóia!

Eu continuo achando que não há meio de locomoção melhor dentro da Alemanha do que o trem, ainda mais se tratando do ICE, o trem de altíssima velocidade que vai p.ex. de Frankfurt até Berlim em 3 horas. Porém, ao chegarmos em Berlim, levamos um susto com a informação de que teríamos que desviar do trajeto até o hotel porque uma bomba havia sido encontrada em uma das estações centrais da cidade. Na volta pra casa, li um artigo comentando que durante as Guerras foram jogadas 550.000 (!) bombas sobre Berlim e que considera-se que 15% delas não explodiram. Por isso, vira e mexe acham uma bomba por lá e parte da cidade pára por causa disso.

Tivemos a sorte de encontrar um excelente hotel com uma ótima promoção, onde crianças até 14 anos não pagam. Quem quiser que eu repasse a dica, é só avisar. Pra conferir se o hotel era bom mesmo além de ser bastante central (Berlin Mitte), dei uma checada no site www.booking.com, onde pessoas deixam comentários e fotos sobre os hotéis onde elas já se hospedaram, dando uma avaliação detalhada sobre os mesmos e não deixando dúvidas quanto a se um hotel é bom mesmo ou se é só propaganda. Aliás, eu amo este poder da internet! Um poder nosso, de consumidor, que eu adoro usar.

Em Berlim visitamos muitos dos pontos principais da cidade, e nos locomovemos na cidade com o tíquete Welcome Card, que pode ser adquirido para 48h ou 72 h de transporte público inclusive descontos em várias atrações de Berlim. Uma dica para quem viaja com crianças e vai ficar 3 dias na cidade: vale a pena comprar a versão 72h do tipo ABC, que cobre 1 adulto e 3 crianças de até 14 anos e fica mais barato do que se os tíquetes forem comprados de forma separada. Só dentro de Berlim há quase 600 quilômetros de linhas de trem (a maioria delas subterrânea) e portanto a infra-estrutura da cidade é invejável.

Como estávamos viajando em família, visitamos o Museu da Madame Tussauds, o Sealife einclusive a visita a um aquário gigante de 360° em volta de um elevador, chamado AquaDom (veja foto abaixo), e o Legoland Discovery Center, que é legalzinho mas nem se compara ao Legoland perto de Ulm, que é imenso e é ao ar livre. Uma dica, para quem tiver interesse de visitar 2 ou até 3 destas atrações, é comprá-las todas de uma vez em um desses 3 pontos, já que o desconto é bastante atrativo. Ah, no Reichstag (o prédio do parlamento alemão), onde há uma vista linda para a cidade, poderá ir no elevador que leva à cúpula do poder por uma entrada lateral, que só pode aliás ser usada por deficientes e famílias com crianças abaixo de 7 anos.

Duas atrações (gratuitas) que não aparecem nos guias mas das quais gostei muito foi uma “Sala do Silêncio” (Raum der Stille) que fica bem ao lado do Brandenburger Tor (Portão Torre de Brandenburgo). Ela serve para lembrar a todos os povos sobre nossas origens comuns e o respeito mútuo que devemos uns aos outros. Também gostei de ter feito uma visita curta a uma exposição dentro da Willy Brandt Stiftung (Fundação Willy Brandt) ao lado do museu da Madame Tussauds, que foi sobre os 60 anos das leis básicas alemãs (Einmischung erwünscht! 60 Jahre Grundgesetz) e faz uma cobertura bem grande da história da Alemanha e dos direitos de homens, mulheres e imigrantes na Alemanha, incentivando a discussão sobre temas atuais no país.

Deixando a logística de lado, me emocionei novamente com a história da Alemanha, e fiquei abobada pensando mais uma vez em quanto já se passou naquele pedaço de chão, ainda mais durante todos os anos da separação causada pelo Muro. Esta foi minha terceira viagem à capital e foi a primeira vez que meu marido visitou a capital de seu país. Acho que todo alemão deveria visitar esta cidade! Além da parte histórica, ainda tiramos uma tarde só para a Taísa bater pernas e poder visitar muitas lojas da cidade, o que pra ela, sob a perspectiva de uma adolescente, foi uma das melhores partes da viagem, claro.

A parte melhor da viagem na minha opinião ficou com os (re)encontros. Conhecemos um casal super hiper simpático que eu já conhecia virtualmente pela internet, o Paulo e a Evelyne. Ambos leram meu livro e nos receberam super bem na casa deles para um café com bolo e um bate-papo gostoso. Logo em seguida fomos para “A Livraria” para a apresentação do meu livro, sendo que o Matthias carregou no ombro 30 livros meus por alguns quilômetros do leste ao oeste da cidade, passando por restos do Muro de Berlim. Só o amor mesmo pode fazer com que um homem faça isso! 🙂 Lá revi p.ex. minha amiga Otília, a primeira brasileira que conheci aqui na Alemanha em 1993, depois de passados quase 20 anos…

A apresentação em si n“A Livraria” foi super legal, apesar de que tenho que confessar que estava super nervosa!… Fico agradecida pela ótima recepção por lá! O Paulo também teve o carinho de falar um pouco sobre sua opinião pessoal como leitor do “Mineirinha n’Alemanha” e sobre sua motivação de me ajudar na tradução do livro e de querer que ele seja publicado também em alemão. Eu contei um pouco da história do livro e li algumas partes do mesmo. No final, autografei alguns livros e voltamos pra casa satisfeitos, ainda mais porque vendi todos os livros que tinha levado para Berlim! A parte mais inusitada da apresentação ficou com o Daniel, que estava inesperadamente quietinho enquanto eu lia partes do livro e por fim cochilou, bem na primeira fileira, hehehehe… O Matthias comentou que isso aconteceu porque ele já conhece bem as histórias da mãe, o que não deixa de ser verdade!

Mas como Berlim é muito grande e tem muitas atrações, no final da semana ainda sobrou muita Berlim pra ser vista em outra oportunidade!


%d blogueiros gostam disto: