Posts Tagged ‘internet’

::Dropbox: dica pra guardar fotos e arquivos na internet::

09/08/2014

Quem vive neste mundo virtual de hoje em dia enfrenta um paradoxo: tem tudo às mãos, enquanto pode perder tudo em um piscar de olhos. A ideia do Dropbox está baseada exatamente em cima deste contraponto: tendo um backup de suas fotos e arquivos, o medo de perder tudo, como quase aconteceu comigo há umas semanas atrás, diminui bastante. Eu tenho este aplicativo como uma app no meu celular e através dela, todas as fotos que tiro são copiadas pra minha conta na internet. Garanta seu espaço (gratis) aqui.

Anúncios

::Dica de cursos online e gratuitos na FGV::

06/05/2014

A dica da noite fica com esta página da FGV que oferece cursos online e, alguns deles, gratuitos sobre os mais variados temas. Achei a dica na página de uma leitora minha, a Renata do Dicas Green, e repasso agora pra vocês. Obrigada Renata!

A Fundação Getulio Vargas é a primeira instituição brasileira a ser membro do OpenCourseWare Consortium – OCWC –, um consórcio de instituições de ensino de diversos países que oferecem conteúdos e materiais didáticos sem custo, pela internet. Os cursos não têm pré-requisitos e podem ser feitos por qualquer pessoa.

Lá vocês vão achar vários cursos grátis, dentre eles:

– cursos na área de finanças pessoais (como organizar seu orçamento familiar, como gastar conscientemente)
– cursos na área de sustentabilidade (nos negócios e no dia-a-dia)
– dentre outros temas.

Nos vemos por lá! Boa noite! 🙂

::Rádio de Minas n’Alemanha: Malaveia Webradio::

31/01/2012

Olhem só o que eu estou ouvindo no momento:

Isso mesmo, rádio de Beagá através de um app do iPhone. Se quiser experimentá-lo também, pode se informar sobre ele aqui. Também dá pra ouvir a rádio pela internet clicando aqui.

No momento toca o seguinte “por isso eu vou na casa dela, ai, ai, falar do meu amor pra ela, ai, ai…” Na verdade cantada pelo Gilberto Gil, mas o grupo abaixo também é legal! 🙂 Viva a MPB e nossa música deslumbrantemente brasileira! Mas olha que lá na Malaveia toca tudo quanto é tipo de música das últimas 2 décadas, também em outros idiomas, ok? Quer dar outras dicas? Sempre bem-vindas, é só comentar abaixo!

::Dicas para aprender e/ou aperfeiçoar alemão::

12/11/2011

Quando eu era estudante o mais difícil pra mim era atender minha sede do saber. Eu tive a sorte de crescer com uma “senhora” biblioteca dentro de casa, mas mesmo assim era difícil achar respostas para minhas perguntas. As escolas não distribuíam livros e na universidade tinha que estudar lendo cópias horríveis de xerox. As aulas de idiomas tinham pouco material, tudo muito caro, e na realidade até hoje livros são muito caros no Brasil.

Hoje em dia eu fico boba e maravilhada com a facilidade de conseguir chegar a uma resposta. A internet nos trouxe uma imensa biblioteca pra dentro de todas as casas, democratizou mesmo o saber. Os livros de escola aqui na Alemanha são de alta qualidade, a tecnologia está aí e muitas crianças têm smartphones, mas o que “pega” é a diferença de idade do professor para o aluno. O aluno é multimedial, o professor é do “arco da velha”. Outro dia minha filha chegou em casa admirada da professora não saber o que é um chat e eu expliquei pra ela que quando ela nasceu, em 1995, a internet estava chegando por aqui. As aulas de hoje já poderiam utilizar os recursos que estão à mostra, mas os alunos passam a maior parte do tempo tendo aula com o professor na frente usando recursos de outrora: cartonagens, flipcharts, cassetes, etc. Alguns colegas de sala da Taísa, minha filha, acabam de voltar dos EUA e viram que lá todos os alunos, pelo menos na escola que visitaram, um ginásio, tinham um iPad. Pra mim pelo menos os smartphones deveriam fazer parte da sala de aula, o professor deveria se interessar pelas possibilidades da tecnologia atual e integrar isso na sala de aula.

Quando tinha aula no Goethe em Beagá ficava louca com os materiais que eles tinham, a biblioteca era linda e os livros também. Eu adorava os brindes que eles distribuíam pra quem acertasse p.ex. o maior número de preposições ou gêneros de substantivos, e foi numa dessas que ganhei uma agenda em alemão que para mim ficou sendo meu supra-sumo por um tempo. Quando mostravam pra gente um filme em alemão então, eu achava o máximo. Hoje em dia está tudo aí na internet pra quem quiser pesquisar. Com certeza vocês já pesquisaram muito, eu estou, pra falar a verdade, meio por fora do que é visto como um material muito bom na internet, à disposição de todos. Recebi uma dica do meu leitor Breno, ver documentários em alemão da medioteca da Bayerisches Fernsehen (televisão da Baviera). Obrigada, Breno! Clique aqui e contribua também com outros leitores deixando suas próprias dicas, as melhores fontes do saber pra aprender ou aperfeiçoar o alemão por conta própria. A comunidade agradece! Ah, sim, a minha dica, do comecinho e de hoje em dia continua sendo a leitura constante da revista “Der Spiegel“, que agora com um smartphone pode ser lida todo dia na cama, antes de dormir. Os artigos são muito bem escritos e eu adoro o tipo de jornalismo deles. Ah claro, e ir ao cinema aqui na Alemanha, pois os filmes são sempre dublados e sem legenda. E qual é a sua dica? Bom domingo!

::Campus Party #1: Sobre Luz e Liberdade::

20/01/2011

“Apenas 20% da população mundial está online, 80% não usam a internet. Vocês precisam pensar no que podem fazer para transformar também a vida dessas pessoas”.
Tim Berners-Lee

“Defendam a internet. Ela não pode ser controlada por empresas ou governos.”
Al Gore

Garanta que onde quer que você vá, a internet esteja livre. A internet aumenta o seu poder de fazer qualquer coisa”.
Al Gore

“Já passou da hora da civilização inventar um modelo educacional baseado na pesquisa, onde o aluno é movido pela curiosidade e o professor atua como um guia.”
Al Gore

Leia mais sobre a Campus Party no Brasil aqui no relato feito por Ana Carolina Moreno no blog Pensar Enloquece, Pense Nisso!

::Até que enfim posso ser eu::

17/05/2010

Vi no último final de semana o documentário “Até que enfim posso ser eu – o longo caminho até chegar a mim mesmo” que me ensinou muito em termos de sexualidade feminina e masculina. Existem no mínimo 50.0000 transexuais (em alemão: transexuelle / transgender) na Alemanha. A transexualidade caracteriza pessoas que nasceram biologicamente com um sexo, mas se sentem e querem viver no sexo oposto. Este número pode ser ainda maior, pois o fato não é tratado de forma aberta pela sociedade e várias pessoas afetadas temem a reação de suas famílias e amigos.

Eu não sabia que isso era possível. Da mesma forma não sabia que os travestis só querem se vestir como uma mulher, mas não querem passar a viver como uma mulher, do contrário dos transexuais, que se tiverem o desejo íntimo e o ímpeto de viver como uma mulher, farão de tudo para ser aquilo que consideram ser. Vi no documentário vários homens que se transformaram em mulheres e o contrário, sendo que a transformação de mulher para homem é a que mais envolve cirurgias. Uma moça teve que passar por 14 operações para deixar de ter seios, vagina e útero, e no lugar deles recebeu um órgão masculino capaz até de ereção mecânica, usando para tanto parte da pele/tecido dos seios e do braço.

Do contrário, apresentaram três casos de homens casados com desejos femininos. Um deles vivia uma vida de sucesso, era casado e tinha uma filha. Ele(a) fez todas as operações necessárias para se tornar uma mulher, recebeu apoio da mãe, mas perdeu o contato físico com a ex-esposa e a filha, que só querem manter contato por telefone e só a tratam pelo nome masculino. Ela se tornou uma mulher, encontrou um namorado e se casou alguns anos mais tarde, realizando seu sonho, de ser princesa por um dia. O outro também era casado e tinha uma filha, trabalhava como elétrico e um belo dia também resolveu dizer a verdade para sua esposa. Para ela o mundo caiu a princípio, mas com o tempo a esposa passou a aceitar o lado feminino do marido, que foi se transformando em mulher, e foi aceito também pela filha. Hoje eles continuam juntos, casaram-se novamente há alguns anos atrás como prova de seu amor, consideram que o amor ficou até mais forte e a elétrica, agora em corpo feminino, conseguiu manter seu emprego e sua vida intactos. Mostraram ainda um terceiro caso, o de um homem casado que um dia contou para sua esposa que adorava andar vestido como mulher. Esta resolveu aceitá-lo como ele era e hoje ele vive feliz, homem no dia-a-dia, e mulher durante parte de suas horas de lazer.


A transformação de mulher para homem não é menos fantástica. Quem aí ousaria dizer que este homem lindo acima, Bastian Buschbaum (mais fotos aqui), um dia já foi mulher e se chamava Yvonne?!? Ele escreveu um livro contando como foi o processo de deixar de ser uma atleta famosa e passar a ser um homem, intitulado Blaue Augen bleiben blau: Mein Leben (Olhos azuis continuam azuis: minha vida). No documentário foram mostrados vários outros casos, até o de um garoto de 13 anos, que desde há pouco tempo está podendo viver como menino apesar de ter nascido como uma menina, recebendo o apoio dos pais depois de um longo caminho de desencontros e desentendimentos e muita agressão para consigo próprio e para com a sociedade.

Por último, o documentário mostrou uma combinação que eu não sabia que existia: a de pessoas que vem ao mundo literalmente com ambos os sexos. No passado a família ou os médicos definiam qual seria o sexo da pessoa, na esperança de que ela se identificasse com a escolha. Mostraram alguns casos de pessoas que não puderam se identificar com a decisão feita por ocasião de seu nascimento, tendo passado a viver como homens ou mulheres, literalmente renascendo para o mundo no sexo oposto. O documentário procurou mostrar como a sociedade e a medicina estão mudando com o passar das décadas, se abrindo, aceitando casos diferentes e que a medicina vem se especializando para proporcionar a essas pessoas a possiblidade de viver com o corpo que consideram ser seus, tal como desejam.

Um caso chocante é mostrado no final: um homem hoje com 48 anos, Thomas, que nasceu com os dois sexos mas os pais nunca lhe contaram do acontecido. Ele foi obrigado a tomar hormônios sem saber o que estava tomando, e aos 19 anos fez uma operação para retirar seu útero, e só foi descobrir isso anos depois. Agora ele está movendo um processo contra o médico que fez a operação na época, entrou com um outro processo para poder alterar seu nome para Christiane, toma hormônios femininos mas mesmo assim não se sente feliz com seu corpo, por parecer um homem, resultado do tratamento de hormônios masculinos do passado. Ele disse não saber o que é um relacionamento, não tem amigos e se sente sozinho, mas finalmente descobriu quem é: uma mulher.

O documentário mostrou que a onda de pessoas que passaram a viver como gostariam aumentou com a advinda da internet. Foi através da internet que várias destas pessoas buscaram ajuda para se encontrarem com outros que passavam pela mesma situação e poderem entender melhor o que se passava com elas próprias. O documentário mostra que há mais verdades na Terra do que aquilo que conseguimos enxergar com nossos próprios olhos, que o Universo é mais complexo e diversificado do que imaginamos. Todos os exemplos apresentados servem para esclarecer, ensinar e apelar pela compreensão da sociedade, contribuindo para a diminuição do preconceito e da discriminação, pois a pessoa que nasce em outro corpo quer afinal aquilo que todos nós queremos: ser felizes e sentir que chegaram onde queriam ter chegado.

Para ver um pequeno resumo do documentário, clique aqui. Para ler mais sobre o documentário em alemão, clique aqui.

Fonte: documentário de 15/05/10 “Endlich ich – der richtige Körper für mein Leben” (Até que enfim posso ser eu – o corpo certo para minha vida), produção da Vox/Spiegel TV.

::Diversidade, amizade e outros “ades”::

21/02/2010

Eu tenho uma amiga que me achou na internet. Já não é a primeira vez que isso me acontece. Uma vez fiz uma boa amizade com alguém que entrou na internet no Brasil e colocou uma só palavra no Google: Alemanha. Não é doido? Pois a Zahira Herter me achou no site de relacionamentos Xing e nós nos vimos duas vezes em Munique. Ela é uma flor, muito linda mesmo, por dentro e por fora. Semana passada eu ganhei dela o seguinte poema, de sua autoria, que fala de diversidade e aceitação. Adorei e gostaria de dividir com vocês (Nota: meu francês está bastante enferrujado, quem quiser sugerir uma tradução mais apropriada para algum ponto do poema, eu agradeço!):

Cores…. além das cores…

Eu amo o amarelo e a cor turquesa
Às vezes eu me movimento
No meu vestido vermelho
Quando estou com este rei
Que se chama Flamenco
E me parece estar em branco
Então…o Flamenco
Acabou de se diminuir um pouco
A chama que sabe bem seduzir
No negro, onde eu me quedo acordada
E acima de tudo…
Fortemente maravilhada
Por estas cores douradas
Por estas florestas belas
De todo o universo
Onde eu também amo o verde 🙂
Quanto às outras cores
É suficiente misturá-las
Com fineza, com ternura,
Com doçura
E cada nova cor
É uma generosidade
Para toda a humanidade
Ela está aí
Nem cedo, nem tarde
Somente… na hora certa

Eu te mando um abraço e fico feliz
sempre que te vejo no Xing
você já mergulhou há muito no meu coração
e quando você chega à superfície, o sol brilha, simplesmente o sol 😉
E quando o sol brilha, todos os rostos se iluminam e as outras
flores sorriem também…
E quando as outras flores ficam felizes, a Terra onde moramos
também fica feliz
E enquanto vivermos, iremos doar, e enquanto estivermos doando,
Receberemos de volta da natureza…

Como você vê, Sandra querida, meu coração fala e conversa
com seu espírito, quer você esteja aqui, quer esteja viajando,
Meu coração está conversando constantemente comigo e eu, eu o ouço com atenção 😉
Beijos para sua família, amigos, conhecidos e
desconhecidos, para todos juntos.
Zahira Herter

***

Couleurs….au delà des couleurs…

J’aime le jaune et le turquoise
Quelque fois, je bouge
Dans ma robe rouge
Quand je suis avec ce roi
Qui s’apelle Flamenco
Et s’il m’arrive d’être en blanco
Après…….le Flamenco
C’est juste pour un peu réduire
La flamme qui sait bien séduire
Dans le noir où je reste éveillée
Et surtout….
Fort emerveillée
Par ces couleurs dorées
Par ces belles forêts
De tout l’univers
Où j’aime aussi le vert 🙂
Quant aux autres couleurs
Il suffit de mélanger
Avec finesse, avec tendresse
Avec douceur
Et chaque nouvelle couleur
Est une générosité
Pour toute l’humanité
Elle est là
ni tôt ni tard
Juste……à l’heure

Ich umarme Dich und freue mich,
immer wenn Du in Xing auftauchst,
in meinem Herzen bist du schon längst tief eingetaucht
und wenn Du hoch kommst, scheint die Sonne, einfach die Sonne 😉
Und wenn die Sonne scheint, scheinen alle Gesichter und die anderen
Blumen freuen sich….
Und wenn die anderen Blumen sich freuen, freut sich die Erde auf der
wir leben
Und so lange wir leben, werden wir geben und solange wie geben,
gibt uns die Natur immer zurück….

Du siehst, liebe Sandra, mein Herz spricht und bespricht Deinen
Geist, ob Du hier bist oder vereist,
Mein Herz spricht immer und ich höre, höre ihm aufmerksam zu 😉
Meine lieben Grüße an Deine Familie, Freunde und Bekannte und
Unbekannte, alle zusammen.
Zahira Herter

::Visita à Liza::

09/01/2010

Ontem eu e o Daniel fomos fazer uma pequena visita à Liza, que mora aqui no sul da Alemanha numa cidade no meio da Floresta Negra. Ela ganhou um livro na promoção de Natal da Mineirinha, e com a visita pude entregar o livro pessoalmente a ela. Apesar de geralmente adorar viajar de trem, resolvi ir de carro pois não passa trem na cidade dela e ficar no frio esperando pela conexão não dá pé, quer dizer, dá pé gelado, hehehehe…

Chegamos na casa dela pouco depois de uma hora de viagem, apesar das estradas estarem lotadas de neve e de ter nevado durante todo o percurso. O “Tudo Azul” (meu novo carro agora ganhou um nome), devidamente equipado de pneus de inverno, e o Tom Tom (o sistema de navegação) nos guiaram direitinho. Minha amizade com meu carrinho novo está crescendo!

A Liza é uma fofa. Ela tinha deixado a mesa pronta para o café-da-manhã, cozinhou um almoço super gostoso, não me deixou ajudar em nada na preparação do almoço e ainda me passou uma receita para pão de queijo que, segundo ela, faz com que nós brasileiros exilados consigamos fazer um pão de queijo que não perde em nada para o do Brasil. Estou doida para testar! Observe-se que a Liza também é mineira, portanto ela sabe do que está falando!

A tarde passou rapidinho, sendo que ainda fomos com os meninos, o Daniel e o Miguelzinho, visitar o marido Alberto na universidade, e durante a visita descobri que a “danada” da Liza é famosa e nunca tinha nos contado. Quando você entra na universidade, só da Liza por todo lado, o rosto dela saiu nas propagandas da universidade e está espalhado nos cartazes pelos corredores e nos panfletos da universidade! Confiram comigo:

Liza Mineirinha n'Alemanha

Eu e a Liza passamos a tarde toda tagarelando, enquanto os meninos brincavam. Conversamos de tudo um pouco, e também sobre amizades feitas através da internet. Eu, da minha parte, tive a felicidade de ter feito várias amizades através do meu blog, e tenho a agradecer que essa aproximação entre as pessoas seja possível, pois sem a internet estaríamos talvez morando próximos uns dos outros e não saberíamos da existência um do outro. Até hoje todas as amizades que fiz pela internet foram super legais e foi um barato conhecer as pessoas ao vivo. No meu caso já passaram de muito mais de 20 pessoas as que conheci ao vivo através da internet, e outras estão por vir, certamente!

Eu e o Dani voltamos pra casa de tardinha e meus bons companheiros, o Tudo Azul e o Tom Tom, nos guiaram novamente muito bem de volta pra casa. O carro só derrapou uma vez, e naquela hora passei a ouvir os batidos do meu coração… Apesar de morarmos relativamente perto uma da outra, a cidade da Liza é muito mais no alto, muito mais gelada e tem muito mais neve do que aqui onde moro. A neve era realmente muita por lá, o frio também (mais de 5°C de diferença) e só as rodovias estavam livres da neve, enquanto que todas as estradas secundárias estavam bastante perigosas…

O Tom Tom (meu GPS) merece um parágrafo à parte. Temos um sistema desses há poucos meses, desde que fomos a Munique no último verão e a Rê, minha irmã, tinha emprestado o dela para o Matthias ir sozinho de madrugada a uma cidade ao lado de Munique. Ele foi e voltou, adorou o sistema e assim que chegamos da viagem ele comprou um pra nós. Antes dele, a “Sandra Sandra” era o GPS daqui de casa, e ela até que funcionava direitinho, tendo guiado a família direto para a casa da irmã em Munique sem muitos problemas. Mas ter um sistema desses é muito bom. Claro que ele não enxerga desvios na pista, engarrafamentos e não é 100% correto em todas as informações que passa, e como boa mineira diria até que você “deve confiar nele desconfiando”, com um olho nele e outro na pista/nas placas, mas é super bom ter um “homem” (sim, o meu tem voz masculina!) te guiando por aí, dizendo direitinho o que fazer para chegar ao destino desejado. Engraçado é quando você tem que sair da rota, por exemplo quando a pista está em obras e é sugerido um desvio, e o sistema fica querendo te fazer voltar para a rota anteriormente sugerida. Ele sugere umas três vezes para que você faça um retorno, desiste, revoltado (deve até te xingar no seu íntimo porque você, aliás “como toda mulher”, não o ouve e só faz o que pensa), e por fim desiste de te pedir pra voltar e recalcula a rota a partir do ponto onde você está no momento. Com esta maquininha eu realmente conquistei minha independência como motorista, e passei a me sentir mil vezes mais segura na direção! 🙂

Agora que aprendi o caminho, quero voltar na Liza mais vezes, para os meninos poderem brincar mais juntos, para escalar com ela, Alberto e Miguelzinho uma das inúmeras montanhas da Floresta Negra, para aprender a fazer coxinha, para visitar o Museu do Relógio, etc.

Querida Liza: obrigada pela hospitalidade e seja sempre muito super bem-vinda aqui no lago de Constança também! Tive até a ideia de fazermos um encontro de blogueiros brasileiros aqui no lago no verão, que tal? Boa viagem pra você e sua família ao Brasil e aproveite cada segundo, recarregue suas baterias e curta a festa de aniversário do Miguelzinho, que está sendo preparada com tanto carinho! Até a volta!!!

::Web Trend Map::

25/04/2009

Vocês já ouviram falar desse mapa de tendências do mundo virtual, lançado anualmente pela empresa japonesa iA (Information Architects), que retrata as 333 maiores empresas e as 111 pessoas mais influentes da net? Eles tomaram por base o sistema de metrô de Tóquio e fizeram um trabalho incrível e muito interessante, que pode ser copiado gratuitamente do Flickr.

::Antes e depois da internet::

14/01/2008

omo era a vida do imigrante antes da era da internet? Como era o mundo antes da internet? A aldeia global era a mesma, as “coincidências da vida” eram as mesmas, os mesmos encontros, mas não há como negar que a internet alterou, em muito e substancialmente a vida de todos os seres humanos, e especialmente daqueles que são praticamente “dependentes” da máquina para efeito de informação, de matar saudade, de estar perto da terrinha apesar da distância física.

Eu não me canso de comparar essas duas épocas da minha vida e não me canso de continuar achando esse “instrumento de viagem” fantástico. Nossa, quando eu estudava havia um livro só pra sala toda, um aluno pegava o livro emprestado na biblioteca da FACE-UFMG e o restante da sala copiava as páginas em questão… Lembro-me de ter juntado uma pilha de mais de 30 cm de cópias xerox! E quando cheguei aqui na Alemanha, corajosa como fui e sem saber que logo em seguida existiria a internet, lembro-me de um dia ter recebido uma “Folha de São Paulo” pelos Correios e de a ter devorado da 1a. à última página, apesar das notícias já estarem desatualizadas, simplesmente pelo prazer de ler no meu idioma e da avidez por informações… Hoje o nosso problema é outro: limitar e selecionar as informações, que chegam como uma avalanche…

E você, como compara o “antes” e o “depois” da internet na sua vida?


%d blogueiros gostam disto: