Posts Tagged ‘palavra’

::Segurança – Anne Morrow Lindbergh::

17/03/2021

Procurando o nome em português de um dos meus livros prediletos, O Presente do Mar, da autora Anne Morrow Lindbergh, acabei tendo a agradável surpresa de descobrir que ela também foi poetisa! Escrevo poetisa e não poeta como tantas gostam no Brasil, pois enquanto lá muitas querem ser chamadas como os homens, eu prefiro ser quem sou, mulher, e como tal ser chamada de poetisa. Outro dia inclusive estava lendo sobre a editora dos dicionários de alemão Duden que comentou que antigamente se escrevia como explicação da palavra médica simplesmente “palavra feminina do masculino médico” e hoje em dia se escreve “mulher que pratica a Medicina”. O poder das palavras! O dia que descobrirmos o poder que elas têm, avançaremos mais e mais!…

Mas voltando à razão primária deste post, achei aqui alguns lindos poemas dela, e abaixo deixo um dos que mais gostei:

SEGURANÇA
Encontramos refúgio numa concha –
ou numa estrela;
mas entre as duas,
não há.

Encontramos paz na imensidão –
ou nas pequenas coisas;
mas entre as duas,
não há.

O planeta nos céus,
a concha na areia:
e embora os céus e a terra
estejam entre eles,
não encontramos paz
em nenhum outro lugar.

Tu que procuras
um refúgio, aprende
com as mulheres que sempre souberam
os caminhos seguros da vida.
o caminho
seguro de uma agulha – ou de uma estrela;
uma próxima – outra distante.
A que poderíamos comparar
a luz refletida num dedal,
senão ao alto brilho
de Arturo?

Uma próxima – outra distante:
mas entre as duas,
onde
encontrar conforto?

Encontramos refúgio numa concha –
ou em uma estrela:
mas, entre as duas,
em lugar nenhum.
.

SECURITY
There is refuge in a sea-shell –
Or a star;
But in between,
Nowhere.

There is peace in the immense –
Or the small;
Between the two,
Not at all.

The planet in the sky,
The sea-shell on the ground:
And though all heaven and earth
between them lie,
No peace is to be found
Elsewhere.

Oh you who turn
For refuge, learn
From women, who have always known
The only roads that life has shown
To be secure.
How sure
The path a needle follows – or a star;
The near – the far.
With what compare
The light reflected from a thimble’s stare,
Unless, on high,
Arcturus’s eye?

The near – the far:
But in between,
Oh where
Is comfort to be seen?

There is refuge in a sea-shell –
Or a star;
But in between,
Nowhere.
– Anne Morrow Lindbergh, no livro “O Unicórnio e outros poemas” (Ibis Libris, a sair).. [tradução e apresentação de Thereza Christina Rocque da Motta]. Rio de Janeiro: Editora Ibis Libris, 2015.

::Será::

26/02/2018

pexels-photo-459600.jpeg

Será
Que uma palavra escrita
Perde sua validade
Depois de apagada?

Uma afirmação
Perde a ação
Depois de negada?

Quantas vezes
Quantos fios
Quantos anos
Quantos filhos

Espada que corta
Sem ninguém ver
Coração rasgado
No entardecer


%d blogueiros gostam disto: