Posts Tagged ‘policial’

::Admiração é pouco pra expressar o que sinto!::

28/06/2019

media

Se tem algo que eu admiro MUITO na Alemanha, e que eu adoraria que fosse replicado no mundo todo, é o trabalho da Polícia alemã.

Explico: há dois dias atrás, no dia 26 de junho, uma menina de 11 anos foi estuprada em plena luz do dia em Munique, no bairro de Obergiesing. Ele estava usando uma máscara de lobo no rosto e luvas de látex nas mãos. A menina voltava pra casa de trem da escola, algo comum em todas as cidades alemãs. Mesmo os policiais mais experientes ficaram aterrorizados com o acontecido, que foi levado à Polícia assim que a menina chegou em casa e contou o ocorrido para sua mãe, que por sua vez denunciou o caso.

O homem com a máscara de lobo atacou a menina no caminho pra casa, quando ela passava por um parque da cidade, arrancou a mochila de suas costas, a levou para um canto, a jogou no chão, tampou seu rosto com a jaqueta dela e a estuprou. Depois, pediu que ela ficasse cinco minutos quieta e deitada e que não contasse nada do ocorrido para ninguém, senão ele a mataria, além dos pais dela. Ele disse que sabia onde ela morava. Algumas pessoas noticiaram à Polícia que viram uma pessoa usando uma máscara naquele parque, mas não perceberam o estupro.

Foi criada uma comissão denominada „Lobo”, que contava com 10 policiais com experiência em delitos dessa natureza. O curioso era que nos dias anteriores dois filmes tinham aparecido na TV alemã com pessoas usando máscaras, o que poderia estar relacionado ao ocorrido. A Polícia se voltou para a população e pediu que a informasse sobre todo e qualquer detalhe relacionado ao caso. 60 pistas surgiram daí também, além do local do crime, onde foram coletadas outras pistas relacionadas ao caso. A Polícia trabalhou incansavelmente para encontrar o culpado.

Hoje, 28 de junho, o criminoso Christoph K. já foi detido! Ele foi identificado com 100% de certeza através de seu DNA, que por sua vez foi retirado das partes íntimas da menina. Ele é um pedófilo alemão, tem 43 anos e foi capturado dentro de seu trabalho. Ele é um estuprador que tinha saído de uma prisão psiquiátrica no final de 2018 e tinha sido condenado em 2010.

A questão principal é que se pode confiar na Polícia alemã. Policiais alemães são respeitados por sua simples presença, mesmo sem estar portando armas, só por causa do uniforme e de ser quem são. A população acredita que o policial está lá para mediar, servir, ajudar, proteger, cuidar, enfim acredita em todos os verbos que deveriam imediatamente surgir na mente de todo o ser humano quando se pensa em „Polícia”. Claro que a Alemanha tem poucos crimes, tem uma boa quantidade de policiais, que por sua vez têm tempo e recursos para se envolver com os acontecimentos, mas sem o apoio da população, a coisa seria totalmente diferente. Talvez a menina não tivesse tido coragem de confidenciar o acontecido para a sua mãe. Talvez a mãe, mesmo sabendo do que aconteceu, tivesse decidido não levar o caso à Polícia. Talvez 60 pessoas não tivessem ligado para a Polícia, passando as 60 pistas. Talvez esse caso não tivesse sido esclarecido e essa pessoa teria agredido muitas outras crianças, além das que ele já agrediu no passado… Agora, só espero que essa menina consiga transpor esse trauma, e que as crianças continuem a ir e vir no seu caminho para a escola como sempre!

Fontes: vários jornais e noticiários da Alemanha e da Suíça de 26 a 28 de junho de 2019. Foto: reportagem de 26 de junho de 2019 da Focus Online.

P.S.-Se gostou desse post, me siga por aqui ou pelo Facebook e fique por dentro de temas atuais sobre viver e trabalhar na Alemanha!

::Caso Eloá mostra “nossa monstruosidade”::

25/10/2008

Sobre o caso da morte da menina Eloá, uma análise do terapeuta familiar Paulo Fernando Pereira de Souza, de uma reportagem da UOL que resume tudo o que penso sobre o lamentável ocorrido:

“Para que alguém se exiba, é preciso platéia. E eles se sentem como personagens de um espetáculo. Do mesmo modo, me espanta que ninguém tenha vergonha de ver Lindemberg sair sem ferimentos aparentes da cena e depois aparecer com sinais de ter sido espancado, já sob custódia do Estado. E ninguém fala nada. A polícia pode até achar que fez o melhor que pode, mas não dá para se sentir orgulhosa do resultado. Foi um fracasso. Também não imagino que uma emissora saia comemorando o furo jornalístico de entrevistar Lindemberg durante o seqüestro, porque é a história de uma tragédia.

A única parte meritória é a doação de órgãos, de resto também explorada como espetáculo pela mídia. Desse “monte de merda” brota uma humanidade, um ponto de luz, um momento em que a ação não é voltada para o próprio umbigo, e a gente percebe quantas pessoas, tão distantes umas das outras, são tocadas pela história”.

Todas as vezes que a ação do ser humano é dominada por seu ego, o resultado é desastroso. A mídia alemã passou uma única vez por uma situação parecida, há 20 anos atrás, quando dois desempregados resolveram roubar um banco, pediram um carro e levaram junto deles duas funcionárias com reféns. A mídia cobriu tudo de perto, a polícia não deu trela para os bandidos despreparados. Eles foram entrevistados enquanto apontavam o revólver para uma das reféns, foram perseguidos por estradas, meios de transporte, etc. durante 54 horas. O resultado foi uma tragédia: eles foram presos, mas uma das reféns conseguiu pular do carro e se salvou, a outra foi morta pelos bandidos. Pelo menos a mídia alemã não tem vergonha de apontar com um grande dedo de “mea culpa” para si mesma e também para os policiais envolvidos. Como aqui nada importante costuma cair em esquecimento, este caso foi mostrado este ano, quando completou 20 anos de “aniversário”, para que todos vejam os erros que foram cometidos na época.

Por coincidência e como paralelo ao caso brasileiro, erros advindos do ego dos policiais e dos jornalistas envolvidos, além da platéia formada frente ao apartamento da menina e frente às TV’s brasileiras.


%d blogueiros gostam disto: