Posts Tagged ‘transporte’

::Visitas do Brasil na Alemanha::

20/09/2017

O verão está chegando ao fim e com ele as visitas do Brasil já foram embora. Agora no finalzinho desse período, no meio de setembro, nos divertíamos com minha mãe afirmando que “aqui é frio demais, que ela não sabe como alguém pode conseguir viver aqui e que sente muita pena de levantarmos cedo e termos que sair pra trabalhar nessa friagem…” Detalhe: o “muito frio” dela é quase verão para os patamares alemães, próximo ou pouco abaixo dos 20 graus. Mal sabe ela quando o frio aperta mesmo!…

Pra receber bem minhas visitas, já deixei um cartão SIM em cima da cama deles, como outrora deixávamos só toalhas de mão e de banho. Começamos tentando fazer o cartão do meu irmão funcionar. Estava indo tudo tão fácil que ele comentou que pra um terrorista seria simples demais comprar um cartão e colocar dados falsos a torto e direito no sistema… No final de todos os dados, tínhamos que nos comunicar com a operadora e ele mostraria seu rosto e seu passaporte para liberar o uso do número dele. Daí descobrimos que pelo menos o nome para o uso do celular alemão tinha que ser real. Mas mal sabíamos nós que a burocracia estava para começar… pois o Brasil não faz parte dos países onde se pode fazer o reconhecimento online, e isso significava que iríamos ter que fazer o reconhecimento pelos Correios, o que aqui se chama PostIdent. Passamos por uma maratona indo aos Correios e voltando, depois tentando descobrir onde ficava o formulário necessário, depois preenchendo e imprimindo o formulário, e por último indo a uma agência dos Correios com tradução simultânea a postos, munidos de toda a documentação e concordando que tirassem cópia do passaporte, assinando a documentação perante a funcionária dos Correios… para finalmente o meu irmão ser detentor de um número de celular alemão. No final, sua conclusão foi categórica: esse processo todo, que é novo e foi implementado desde o último 1. de agosto de 2017, é muito complicado para estrangeiros e tem grandes chances de manter os terroristas longe daqui, pelo menos os que pretendem usar um número dentro da Alemanha!

Mais uma coisa que organizamos foram os seguros de saúde e contra danos pessoais (Krankenversicherung & Haftpflichtversicherung), o que fizemos, mas graças a Deus não precisamos usar.

Descobrimos que algumas regras de trânsito são diferentes entre o Brasil e a Alemanha, por exemplo aqui vale a máxima do “rechts vor links” (o carro vindo da direita tem preferência quanto ao da esquerda), o que no Brasil nem sempre é válido, pelo que meu irmão estava me explicando. Eu queria oferecer, mas ele preferiu não dirigir nosso carro por aqui, precavido que ele, como um bom mineiro, é!

E descobrimos algo também curioso. Fizemos uma viagem com nossas visitas para fora da Europa e no final não queriam nos deixar embarcar porque o voo de volta não ia direto até o Brasil, somente até a Europa. Acho que estavam até com a suspeita de que eles estavam tentando emigrar para a Europa quase dando a volta ao mundo! Nem o fato de eu ter falado que brasileiros têm permissão para ficar na Europa durante três meses sem a necessidade de um visto não foi suficiente. No final, só mesmo a apresentação do voo de volta para o Brasil, que ocorreria uma semana mais tarde, foi suficiente para que nos deixassem embarcar…

Minhas visitas observaram como é fácil aqui na Alemanha trocar dinheiro estrangeiro, rapidinho, sem burocracia e papelada. Adoraram andar de trem, carro rápido na rodovia, ônibus e usar tíquetes que valem para toda uma região, tanto para trem quanto para ônibus (por exemplo o Hessen-Ticket quando fomos a Marburg, que valia para o trem e para ônibus dentro da cidade também). Observaram que os horários de trens e ônibus geralmente são ajustados para que o usuário não fique muito tempo esperando entre um trajeto e outro, mas também tiveram o “prazer” de experimentar os atrasos da nossa querida Deutsche Bahn (companhia alemã de linhas férreas).

Vi que estavam com muita saudade de arroz com feijão quando tirei um feijão da despensa para cozinhar. Eu que sou eu, que já moro aqui há tanto tempo e quando morava no Brasil não entendia como se pode comer arroz e feijão todo dia, confesso que também sinto falta e sempre me alegro quando posso comer comida da Terrinha com gosto de “comida da minha mãe”!

E quanto a você, quais foram suas experiências com visitas do Brasil na Alemanha nesse verão? Todo comentário é bem-vindo e pode facilitar a vinda de outros familiares também! Obrigada!

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: