Posts Tagged ‘viagem’

::Dica de viagem – pesquisa de acomodações::

14/10/2017

Depois de tanto planejar viagens pra mim e pra outras pessoas, tanto na vida privada como na profissional, estou virando uma expert com quase 25 anos de experiência, ehehehe… E pensei em dividir dicas com vocês, leitores, que com certeza gostam tanto de viajar quanto eu!

Dica número 1: sempre fazer pesquisa de acomodações, principalmente aqui na Europa, através da página Booking.com. A página pode ser acessada em mais de 40 idiomas, também em português! Ela dá uma boa ideia das opções e tipos de acomodações, oferece a possibilidade de você fazer uma avaliação de custo-benefício através da opinião de outros viajantes quanto a inúmeros quesitos e, claro, quanto ao que você considera importante. Com o tempo você começa até a receber descontos, caso se registrar! Clicando no link acima, tanto você quanto eu ganhamos 15 euros de desconto na próxima reserva. Outra super vantagem: uma boa parte das reservas podem ser canceladas até uma determinada data antes da viagem, o que traz um pouco mais de segurança ao planejar o seu passeio!

Vamos viajar? Se quiserem sugerir a próxima dica, fiquem à vontade!

Anúncios

::Saiu um novo livro da Mineirinha! Ou o inverso de: como se diz “enrolação” em alemão?::

10/10/2017

Para falar a verdade, eu tinha o projeto de escrever um novo livro já há muito tempo, mas fui – quase – vencida pela famosa enrolação, a em alemão tão famosa, conhecida e respeitada “Aufschieberitis” (vem do verbo “aufschieben”, que significa adiar, diferir, enfim para os mais entendidos e numa boa gíria brasileira: enrolar).

Nós, mulheres, temos 1.001 coisas na cabeça e para nós é muuuuuito fácil fazer de “b” a “z” quando na realidade sabemos claramente que deveríamos estar investindo naquele sonho importante, o “a”. Dizem que se algo nos dá muito medo, é exatamente naquilo que temos que investir, pois medos costumam esconder nossos maiores sonhos! E olha que tem bastante verdade nisso, viu?

Enfrentando meus medos de inúmeras coisas como escritora, mulher, mãe, profissional e expatriada, virava e mexia eu pensava de novo no projeto engavetado, que estava quase pronto… Comentei sobre ele com uma amiga escritora, a Isa Magalhães, e ela foi bem categórica: “lançe-o”. Mas eu sabia que não iria ser tão fácil assim…

Deixando de lado no momento algumas razões centrais da inércia temporária que explico no finalzinho do livro, e falando agora um pouco mais a nível geral, o ato de escrever para mim tem muita ligação com sentimentos. Tem muito de “timing“, de você um dia levantar da cama e afirmar: “hoje é o dia! ” E para mim, para minha satisfação pessoal e, espero, também dos meus leitores, foi no último domingo, 08/10/17, que consegui mesmo colocar a mão na massa de manhã até à noite e o novo livro saiu do forno!

°°°

Sobre o livro:

Este livro é para mulheres, principalmente aquelas em busca delas mesmas e de uma ocupação profissional que faça a diferença em suas vidas.

Simples, concisa, de leitura rápida, mas intensa, o objetivo da obra é que a leitora faça um mergulho profundo dentro de si mesma, voltando à superfície com reflexões importantes para sua vida.

A ideia do livro surgiu da experiência de expatriada da autora, que já acompanhou vários casos de mulheres que tiveram que se reinventar profissionalmente no exterior. A autora espera que possa contribuir na caminhada dessas mulheres para se tornarem quem são de verdade.

°°°

Talvez alguém possa estar se perguntando por que estou sendo tão sincera ao anunciar que meu novo livro demorou pra sair,  muito mais do que eu esperava… É bem simples: minha intenção é motivacional, uma mensagem direta para todos aquel@s que, como eu, já tinham se acostumado com o projeto inacabado.

Uma pergunta direta: você tem um sonho que está bem pertinho do seu coração, que você sabe exatamente qual é, mas tem até certo receio de pensar nele? Já chegou a se acostumar à ideia de deixá-lo inacabado?

Outra pergunta: como você se sente quando pensa nele?

Última pergunta (juro!): como você vai se sentir quando realizar o seu sonho?

Esses pensamentos não me davam paz quando meu projeto me vinha à cabeça…. Ficava decepcionada comigo mesma, depois ia procurar outra coisa para “tapar o buraco”, se é que você entende o que estou querendo dizer.

Dizem que há dois dias importantíssimos na sua vida: o dia em que você nasceu e o dia em que descobriu qual é sua missão nesse mundo. A minha está descrita no livro, e uma dica bem grande da direção que me guia fica no topo da minha página de consultoria Connex Consulting: sharing knowledge to help others to grow – dividindo conhecimento para ajudar outros a crescer. É isso aí, quando aqui não mais estiver, quero ter deixado uma marca no mundo de agregação, solidariedade, persistência, fé, ação, amor… e muito mais. E dei mais um passo em todas essas direções com esse novo projeto! Eu prefiro ser… essa borboleta-metamorfose ambulante!..

Espero que encontre no livro pensamentos e frases, além de muitas perguntas, que lhe levem firmemente a pensar em você mesmo, pois nesse mundo louco e interconectado estamos perdendo a capacidade de nos refletir enquanto seres humanos e nos traduzir para o mundo externo. E por aí passam as pequenas e grandes alegrias do dia a dia!

O livro está disponível na Amazon no mundo inteiro, mas em diferentes canais dependendo do país. Nota IMPORTANTE: como a ideia do livro é de reflexão constante, ele recebeu o título “(Re)descubra Quem é Você”. Através da possibilidade da descoberta e da redescoberta, inventei de novo uma palavra dentro de uma palavra, como já tinha feito no primeiro lançamento, o “Mineirinha n’Alemanha”. Portanto,  ao procurar pelo livro na Amazon, lembre-se de adicionar os PARÊNTESIS na sua busca, ok?

Pra facilitar um pouco, abaixo alguns links:

E-book no Brasil * sem fotos pessoais, que aparentemente não puderam ser lidas pelo sistema

E-book na Alemanha * também sem fotos pessoais

Livro na Alemanha * com 9 fotos coloridas e pessoais, capa mais colorida ainda!

Ainda não tenho um canal de distribuição para a versão do livro no Brasil. Quando ele existir, aviso aqui.

Dependendo de onde você estiver no mundo, é mais fácil procurar pelo livro através do seu título, no campo de busca da Amazon, e assim você vai achar a oferta local, certo? Ele está disponível em 13 websites diferentes da Amazon, espalhados como vários canais de venda do Brasil ao Japão.

Estou bastante curiosa para receber comentários, ler e ouvir o que outras pessoas acharam depois da leitura do RQEV (isso, inventei também uma sigla para ele!). Vai lá e depois me conta, vai?!? Minha prima Lílian, que carinhosamente escreveu o prefácio do livro, já começa afirmando: “certamente, se este livro chegou até suas mãos, é porque você precisa dele! “

::Viajando e pensando sobre a vida::

25/05/2017

Se você for notar em todo país que chegar, mesmo não entendendo o idioma local, vai ver que as pessoas agem e sentem da mesma forma que você e podem até estar grupadas da mesma forma do seu país de origem. Há os que servem e os que são servidos. Os que venceram na vida e os que vivem à margem da vida. Há as famílias, atarefadas no seu mundo de crianças, fraldas, correrias, parquinhos, balões, sorvetes, sujeiras e afins. Há os homens e mulheres de negócio, vendo o mundo sob seus óculos do luxo à la Louis Vuitton. Há os vendedores de rua e sua interpretação do que é típico de seu país, do que é vendível para os olhos do consumidor. Há velhinhos em seu passo manso, com tempo pra tudo. Há os jovens, impulsionando as cidades com seu vigor, cor e sabor, visualmente lindos com pouca história e rugas pra carregar. Há gente de todas as idades e crenças buscando o sol.

Todos esses grupinhos coexistem no mesmo local, mas muitas vezes nem se notam, cada um segue sua rota. Cada um interpreta a vida da sua maneira, carrega suas dúvidas e crenças, mas a verdade é que todos buscam as mesmas coisas: alguém que goste deles como são, um teto sobre suas cabeças, um trabalho que lhes dê o pão de cada dia, um sentido para suas existências. Daí entendemos rápido que somos todos irmãos, passageiros do mesmo barco chamado Terra, perdidos num pontinho do universo, enxergando a realidade sob nossa perspectiva individual e chamando-a de verdade. Existem muitos bilhões de verdades andando por aí!…

::Recomendação de leitura::

18/04/2016

produkt-12467

Quando um bom livro chega ao fim,

é como se tivéssemos que nos despedir

de um bom amigo recém-feito

 

Por isso, ao contrário de um filme,

Que não tenho como evitar que acabe

Evitei com a dor do fim

Que o livro (e a viagem) dos gêmeos acabasse…

 

Os doidos dos alemães, num bom sentido,

Andaram mais de 13 mil km de bicicleta

De Berlim a Shanghai

Quando fizeram 30 anos,

(O que eles contam em outro livro)

 

E aos 33, idade de Cristo,

Resolveram dar a volta ao mundo

Sem dinheiro

 

Ficaram os três primeiros dias da viagem

Em Berlim

Pois no começo encontraram muitos

Que deles duvidaram

 

Mas depois….

Descubra você mesmo!

E deixe que eles conquistem a sua amizade

Como aconteceu comigo

 

(Dica: os vídeos das viagens

são muito legais!

Com muitas descobertas,

também musicais!)

::Reise (Ich war hier) – Viagem (Eu estive aqui) – Da série “aprenda alemão cantando”::

12/10/2015

Tradução minha em português abaixo da letra em alemão

Reise (ich war hier) – Miss Platnum

Die Wände beben,
vom donnern der Gleise
Ich spring auf den Zug
lass’ die Weichen entscheiden

Land und Himmel
verschwimmen zu einem
an mir zieh’n Vögel
ich an ihnen vorbei

Ich brauch nichts mehr
in Worte zu fassen
ich streck’ die Arme aus, ich bin…

REFRAIN
Ich bin auf der Reise
um zu beweisen,
dass es stimmt
Dass nach dem Schließen der Kreise
etwas Neues beginnt
Schreib’ mit Kreide auf Steine und Beton
Ich war hier, ich war hier
Ich bin auf der Reise
bis mein Name verschwimmt

Mein altes Ich beginnt zu verblassen
Kein Plan, bin auf dem Weg loszulassen
Das Chaos ist einfach perfekt
Hab’ wie Kolumbus eine Welt neu entdeckt
Verlier’ die Angst, wie einen alten Schlüssel
ich streck’ die Arme aus, ich bin…

REFRAIN

Es ist an der Zeit, die Zeit loszulassen
Den Schlaf loszulassen
auf dem Weg nach Haus’
An der Zeit sich mit Neuem zu befassen
alles zuzulassen auf dem Weg

REFRAIN

°°

Viagem (Eu estive aqui) – Miss Platnum

As paredes estão tremendo
Por causa do trovejar dos trilhos
Eu pulo no trem
Deixo as vias tomarem as decisões

Terra e céu
Se misturam
Pássaros passam por mim
E eu por eles

Eu não preciso de
Explicar nada mais em palavras
Eu abro os braços, eu…

REFRÃO
Eu estou viajando
Pra provar
Que é verdade
Que depois que o círculo se fecha
Algo novo começa
Eu escrevo com giz na pedra e no concreto
Eu estive aqui, eu estive aqui
Eu estou viajando
Até que meu nome desapareça

O meu velho „eu” está deixando de existir
Estou sem planos, estou no caminho de deixar coisas pra trás
O caos está perfeito
Descobri como Colombo um novo mundo
Estou perdendo o medo, como uma chave velha
Eu abro os braços, eu…

REFRÃO

Chegou a hora, de deixar o tempo pra trás
Deixar o sono pra trás
No caminho pra casa
Chegou a hora de se ocupar com o novo
Aceitar tudo durante o caminho

REFRÃO

::Ensinamento do dia::

05/09/2014

Estou no momento em um dos paraísos na Terra: na praia de Mutá, em Santa Cruz Cabrália. Aqui tem uma baía natural que faz com que a praia fique em forma de “U”, com ondas suaves, águas verde-azuladas e uma areia branca e fina. Em quase toda praia que vou no mundo, levo dela algumas conchas. No momento estou com um projeto de montar um jardim zen em cima da minha mesa de trabalho, com as conchas colhidas nesta viagem.

Vi uma concha bem grande na areia, do alto ela parecia inteira, e pensei que aquela poderia ser perfeita pra participar do meu jardim. Abaixei pra colher a concha escolhida daqui deste paraíso e ao tê-la em mãos, vi que ela não era perfeita. Já ia jogá-la fora quando pensei que não deveria fazer isso. Pensei cá comigo: por que temos mania de querer que tudo seja perfeito? Por que queremos ser rodeados de pessoas perfeitas, por que não temos paciência com os defeitos e peculiaridades de cada pessoa, enquanto de perfeitos não temos nada? A natureza nos dá uma lição tendo tudo fora de ordem e disforme, mas ao mesmo tempo perfeitamente uniforme e harmônico. Desisti de jogar a concha fora. Ela é grande, bege, tem uns enrugadinhos na superfície e uns quebradinhos nos cantos. No meu jardim zen, ela vai ocupar um lugar de destaque e vai me lembrar deste ensinamento do dia.

::Impressões durante minha visita ao Brasil::

31/08/2014

2014-08-04 12.27.29Estar de volta ao Brasil é sempre um exercício interessante… Tantas cores conhecidas! Tantas pessoas amadas, a uma distância mínima de um simples abraço! A magia do momento se instala sobre mim.

Como me sinto no Brasil? São sempre um turbilhão de emoções. Sinto-me muito grata por ter minha família por perto, por receber tanto carinho que nem sei se me é de direito, por poder rever meus amigos, por poder dar tantas gargalhadas e bater tantos papos legais. Estar um pouco menos online por causa do Wi-Fi nem sempre acessível faz, no final das contas, muito bem.

Vejo o verde da natureza e o vermelho da terra de Minas e me sinto em casa, do outro lado do mundo, mesmo tendo um canto onde também chamo de minha casa. Falo e canto o português e constato que este é o idioma onde sempre vou me sentir melhor, mais solta, mais segura, mesmo que morre até o fim da minha vida do outro lado do mundo. Posso mostrar para os meus filhos de onde vim, e relembrar tantas passagens de minha vida ao lado de minha família. Olhar fotos, relembar momentos especias. Temos um novo escritor na família! Meu tio Miranda lançou suas memórias, que são uma delícia de ler e nos acompanharam durante nossa viagem de Minas ao Espírito Santo.

Agora mesmo está um pouco frio e anda chovendo também, mas a temperatura não me importa, na realidade. Quero ver tudo o que posso ver, provar todos os sabores que posso provar, registrar o máximo de memórias que meu coração deixar. Estou aqui e agora e gosto muito disso.

As notícias do Brasil atual, infelizmente, são um tanto quanto preocupantes. O custo de vida bate, em muito, o da Alemanha. Continuo não entendendo como é possível viver com uma família por aqui. A população está muito endividada. Os imóveis se valorizaram tanto nos últimos anos, que tudo parece uma bolha imobiliária, feito a que estourou nos EUA em 2009. Os carros entupiram as cidades e as montadoras já têm problemas para se desvencilhar dos carros novos, que não têm muita saída no momento. Não chove na região sudeste e já começam a falar do racionamento da água. O país está prestes a escolher seu novo presidente, sendo que Marina ganhou 13 pontos nas pesquisas nos últimos 11 dias e poderia hoje ganhar de Dilma, e o Brasil se encontra numa recessão técnica, já que o PIB teve crescimento negativo nos primeiros dois trimestres do ano. Todos afirmam que assim que as eleições se passarem tanto a gasolina quanto a energia vão subir, levando consigo todos os outros preços para o alto e contribuindo para o aumento da inflação.

A Marina, ambientalista, afirma ser a favor das usinas nucleares. Não consigo entender como um país dotado de sol o ano inteiro e muitas praias continua não apostando em investir em energias limpas tais como a solar, eólica e a retirada das ondas do mar. Hoje aprendi que um empregador paga, em média, 2,1 salários brutos mensais para honrar todas as contribuições sociais, enquanto o valor pago na Alemanha é de 1,2 salários brutos. O desconto do empregado, por outro lado, é bem menor aqui, mas o cidadão vê somente os descontos e não enxerga onde os mesmos foram investidos em prol da comunidade.

Eu, da minha parte, continuo acreditando firmemente no futuro do Brasil. Em 20 anos fomos capazes de tirar 40 milhões do nível de pobreza, enquanto a Europa perdia a mesma quantidade de cidadãos para este patamar. Pagamos nossa dívida externa. Passamos a ser a 7ª. maior economia mundial. Temos cabeças pensantes, temos investido em bons programas como o Ciência sem Fronteiras, aumentando nossa troca de conhecimento em vários campos importantes para o desenvolvimento do país.

Vejo que é importante parar com este pensamento de curto prazo, de achar que a ganância justifica qualquer decisão. Vejo a importância de não desistir de alavancar este país, da contribuição pessoal de cada cidadão, da parcela de importância que cada um leva consigo, mesmo estando prestes à escolha do novo líder do país.

Continuo amando meu país e minhas raízes e desejando, da próxima vez que eu esteja aqui, que a moeda tenha se valorizado mais e que 2 reais possam comprar um euro como na época do lançamento do meu livro, no final de 2008. Por isso não altero o valor do mesmo. Ele continua custando 15,50 euros na Alemanha e 30 reais no Brasil. Aliás, já posso reabrir as vendas na Europa, pois em duas semanas estarei de volta e poderei enviar os livros pedidos até lá.

Estou inspirada! Estou com o projeto de dois novos livros, acabo de escrever algumas linhas em um deles. Assim, levo os ares do Brasil e da Alemanha neles, fecho o ciclo e tiro desta experiência algo para mim e para meus leitores.

::Dropbox: dica pra guardar fotos e arquivos na internet::

09/08/2014

Quem vive neste mundo virtual de hoje em dia enfrenta um paradoxo: tem tudo às mãos, enquanto pode perder tudo em um piscar de olhos. A ideia do Dropbox está baseada exatamente em cima deste contraponto: tendo um backup de suas fotos e arquivos, o medo de perder tudo, como quase aconteceu comigo há umas semanas atrás, diminui bastante. Eu tenho este aplicativo como uma app no meu celular e através dela, todas as fotos que tiro são copiadas pra minha conta na internet. Garanta seu espaço (gratis) aqui.

::Nem um pouquinho cansada de viajar::

17/06/2014

Saí há quase duas semanas atrás do lago, passei por Heidelberg, ao longo do Reno, vistei amigos em Gütersloh, vi a parte histórica de Rheda-Wiedenbrück, visitei amigos em Hildesheim, desci para Fulda, Würzburg, estou visitando minha irmã e família em Munique e o caminho de volta vai ser por Allgäu, Lindau e Friedrichshafen. Passei porNem um pouquinho cansada de viajar. Saí do lago, passei por Heidelberg, ao longo do Reno, vistei amigos em Gütersloh, vi a parte histórica de Rheda-Wiedenbrück, visitei amigos em Hildesheim, desci para Fulda, Würzburg, visitei minha irmã e família em Munique e o caminho de volta foi por Allgäu, Lindau e Friedrichshafen. Visitei quase todos os estados alemães! Fiquei pensando na vida na minha viagem de trem pra Munique e cheguei a algumas conclusões:
-parece haver mais área verde do que área construída na Alemanha;
-tudo é tão organizadinho, parece mesmo uma casinha de boneca, principalmente as cidades históricas;
-parece não haver um lugar sequer desconhecido ou não explorado. Tudo está documentado e cuidado;
-este país é um país que deu certo. As ruas são bem construídas, os meios de transporte públicos são eficientes, tudo limpinho e em funcionamento;
-andar de trem continua uma delícia! Ainda mais de ICE com assento marcado;
-Independentemente de onde as pessoas morem, elas têm um bom nível de conforto e infra-estrutura, mesmo em cidades menores;
-o alemão sabe aquilo que lhe faz bem e repete sua fórmula pelo país inteiro: piscinas em aberto, muita natureza e muito respeito por ela, lindos parques e jardins bem cuidados, parquinhos super legais e bem equipados para as crianças…;
-agora na Copa, a Alemanha se enfeitou de cabo a rabo com as bandeiras do Brasil e da Alemanha. A animação aqui, depois da Copa bem sucedida de 2006, parece ser bem maior do que no Brasil. quase todos os estados alemães! Cheguei a algumas conclusões:
-parece haver mais área verde do que área construída na Alemanha;
-tudo é tão organizadinho, parece mesmo uma casinha de boneca, principalmente as cidades históricas;
-parece não haver um lugar sequer desconhecido ou não explorado. Tudo está documentado e cuidado;
-este país é um país que deu certo. As ruas são bem construídas, os meios de transporte públicos são eficientes, tudo limpinho e em funcionamento;
-andar de trem continua uma delícia! Ainda mais de ICE com assento marcado. Dica: no momento pode-se comprar um Bahncard 25 de 4 meses (que dá 25% de desconto nas passagens) apostando-se em quem vai ganhar a Copa. Se este país ganhar a competição, ganha-se uma Bahncard válida para o ano todo;
-Independentemente de onde as pessoas morem, elas têm um bom nível de conforto e infra-estrutura, mesmo em cidades menores;
-o alemão sabe aquilo que lhe faz bem e repete sua fórmula pelo país inteiro: piscinas em aberto, muita natureza e muito respeito por ela, lindos parques e jardins bem cuidados, parquinhos super legais e bem equipados para as crianças…;
-agora na Copa, a Alemanha se enfeitou de cabo a rabo com as bandeiras do Brasil e da Alemanha. A animação aqui, depois da Copa bem sucedida de 2006, parece ser bem maior do que no Brasil.

Agora, e como venho de uma família com “formiga na bunda”, já estou buscando os destinos das próximas viagens! 🙂

20140617-182846-66526738.jpg

::Exercício da falta::

13/02/2014

Comecei o dia hoje bem, a tarde foi ótima, super produtiva, e no finalzinho do expediente estava completamente irada por causa de um só acontecimento. Saí do trabalho, busquei o Daniel, jantamos, olhei um pouco as mensagens no celular. Depois veio a ioga.

Fizemos exercícios para esquentar e estender os músculos, exercícios de respiração e de meditação. Os exercícios iam passando e íamos entrando dentro de nós mesmos, ou desviávamos nossa atenção para um sol imaginário, enquanto os pensamentos na cabeça teimavam em tomar nossa atenção, pelo menos a minha. Respirava novamente, me concentrava na respiração. Acho que devo ter dormido no último exercício, quando nos deitamos, cobrimos com o cobertor e fizemos a última rodada de meditação.

A ioga é mesmo fantástica! Primeiro, porque faz com que prestemos atenção no nosso corpo por inteiro, percebendo onde dói, por que dói, quando dói, por quanto tempo dói. Segundo, porque esvazia nossa mente, fazendo com que possamos descansar. Terceiro, porque é como uma conversa com o universo, de onde você se sai renovada, um pouco mais elevada. Aprendo muito a cada aula!

Hoje minha conversa comigo mesma durante a ioga foi sobre a falta, pra entender minha ira. A falta que eu sinto, que outros têm, ou não. Tinha ouvido no rádio que o Schumacher estava, depois de um mês e meio do acidente que teve, “acordando”. Será que ele vai sair dessa? Como devem estar seus familiares e amigos? Pensei no meu querido gatinho, o Tiggi, que desde o acidente no nervo perto do final de sua coluna há 2 semanas anda como se estivesse ajoelhado nas patas traseiras e desde então não se move muito, mantendo-se quase o tempo todo debaixo da cama do Daniel. Pensei em como me senti vazia e triste quando estava desempregada, em como é ruim não ter objetivos fora de casa. Pensei em todas as dores que já tive por aguentar pressões profissionais, e agradeci por agora ter alguém que pode me ajudar um pouco e dividir comigo um pouco do fardo do trabalho. Pensei que não se atinge os objetivos de uma vez só, tenho que ver tudo como a subida de uma escada, longa e árdua subida. Pensei em como é bom ter um canto onde sou necessária e respeitada, onde tenho meu espaço, ainda levando em consideração que moro perto da fronteira da Suíça, país que acabou de votar a favor da limitação da mão-de-obra estrangeira. Pensei e agradeci pela saúde dos meus familiares, meus irmãos e suas famílias, e pela saúde dos meus queridos pais.

Saí da ioga renovada.


%d blogueiros gostam disto: