Posts Tagged ‘vida’

::Opinião de uma brasileira sobre a Alemanha::

11/12/2013

Se você tem curiosidade em saber COMO REALMENTE É MORAR na Alemanha, então tenha paciência de ler o texto abaixo, de autoria de Amabile Weidler. Uma das melhores descrições sobre como é a vida aqui no país do salsichão. :)))

“Muita coisa é aqui diferente … a maioria dos aptos não tem tanque, nem ralo; é comum os interruptores de luz ficarem do lado de fora nos banheiros; quase nenhum prédio tem elevador; Arranha céu, é motivo de visitação e mesmo na Capital, é possível conta-los nos dedos de uma só mão; a pipoca no cinema é doce; o purê-de-batata é em pó; água se bebe direto da pia … ou da banheira; fogões são quase todos elétricos;

Tudo fecha aos domingos. TUDO FECHA AOS DOMINGOS (tô repetindo, porque pra mim que sou paulista, ver tudo fechado aos domingos, foi traumatizante!);

Por falar em “domingo”, fez bagunça e barulho nos domingos, pagou multa. Alta; pedestre toma xingo quando atravessa fora da faixa; A GEMA não vai te deixar assistir ao video novo do seu artista favorito; Não existe camelô; Diarista é coisa de gente rica; o povo não sabe o que é desodorante – principalmente no verão;

É normal ver gente nua ou semi-nua fazendo yoga em praça pública (no verão, claro); Não tem pedreiro mexendo contigo; Não tem ninguém mexendo contigo;

Se vier antes do Natal, traga panetone porque aqui não tem (pelo menos não igual ao Bauducco);

O povo faz festa em funeral pra celebrar a vida que a pessoa viveu, ao invés de chorar porque morreu;

Inquilino não escolhe propriedade, é a imobiliaria + o proprietário que escolhem os inquilinos;

A comida mais típica alemã, não é alemã, é turca; A numeração de sapato e roupas são completamente diferentes; Aliás, traga calcinha, biquini e calça jeans – as daqui são absurdamente inutilizáveis pra quem não gosta de calcinha/biquinhi que parece shorts e calça jeans acima do umbigo;

Alemão faz tudo sozinho, aqui não tem aquele tiozinho-quebra-galho, aliás, eletricista, chaveiro, engraxate, costureiro, cobram o-olho-da-cara. Da sua cara e de toda a sua família;

O serviço prestado ao público também é meio tosquinho para quem tá acostumado com os padrões brasileiros. Aqui você vai na Ikea, compra seus móveis, se vira pra levar pra casa e monta tudo sozinha. É isso, ou pagar 50 conto para que eles entreguem + 50 pra eles montarem um sofá que custou 19 euros;

Eletrônicos são bem mais baratos aqui, mas você tem que pagar GEZ pra utilizar tv, internet, rádio …;

Carteiros são o ápice da preguiça e se você morar no 5. andar, esquece, nenhum entregador vai subir tudo isso de escadas, você vai ter que descer pra pegar ou buscar no posto do correio. Tem carteiro que quando vê que você mora no 5. andar, nem toca sua campainha, já levam a caixa enoooorme que seus parentes te mandaram do Brasil diretão pro posto do correio, e colam um aviso na porta do seu prédio pra você ir buscar a caixa lá nos cafundós do Judas;

Traga 2 alicates de cutícula (porque aqui não tem onde amolar/afiar) e seus esmaltes favoritos até se habituar com os esmaltes daqui, que são fracos em química e raramente duram mais do que 3 dias nas unhas de uma dona de casa esforçada;

Nos estabelecimentos, na hora de pagar, procure por uma bandejinha em cima do balcão, mesas e afins, porque dar dinheiro nas mãos de um funcionário não é costume, e às vezes é até ofensivo; Aliás, gorjeta menor que 10% do valor total da conta, significa descontentamento com o atendimento;

E por falar em “gorjeta”, traga um porta-moedas, porque aqui se seu troco é 0,28, você vai receber exatamente 28 centavos, em moedas contadas, tipo 1 modinha de 5, 1 de 2 centavos e 1 de 1. No “troco-de-bala” na Alemanha;

Escola pública tem qualidade de ensino; Aliás, aqui das maioria das faculdades são públicas;

O governo alemão é cheio de dar ajuda-de-custo. Eles ajudam todo mundo, em tudo, é só pedir. O povo alemão é que te olha meio torto porque “depender” (mesmo que você não dependa, só prefira utilizar) do governo é “feio”;

Não leve para o lado pessoal se ninguém puxar conversa contigo no buzão – ninguém conversa do nada com quem não conhece;

Deixe aí sabonetes em barra e seus shampoos preferidos e prepare-se para a mudança que pode ser tanto para super-seco como para completamente oleoso, na sua pele e nos seus cabelos;

Policiais costumam ser tudo gente finíssima e TODOS falam 2 idiomas além do alemão (é obrigatório para o exame da academia – aparentemente);

Deixe no BR o “jeitinho brasileiro” e faça tudo de modo absurdamente regrado, dentro das regras oficiais, providas pelos órgãos oficiais, porque é o único jeito de se dar bem por aqui;

Faça amizades com brasileiras e mantenha-as. No início elas vão te ajudar a não passar perreio, durante elas vão te ajudar a não aperrear os outros e depois elas vão te ajudar na hora de você aperriar a Alemanha, já que a Alemanha te aperriou o saco até ele ficar cheio;

Morar aqui tem seus prós-e-cons, mas se você vier, se engajar e não desistir depois das primeiras bolsadas (andando nas ruas, você vai levar umas três ou quatro bolsadas, sem ninguém parar pra te pedir “desculpa”, normal, nada pessoal …), você aprende a ver como é delicioso morar aqui.

As estações são lindas, o transporte público funciona, as empresas raramente diferenciam gênero ou opção sexual, quem se dedica, prospera; Quem se esforça, tem.

Eu moro na Alemanha há 4 anos, recebi duas propostas para morar em outros países europeus durante esses 4 anos, e nunca – nunquinha – deixei a Kartoffeland. Vem segura, vem com fé, com paciência, com vontade de vencer … vai dar tudo certo! ” By Amabile Weidler (Tirado do Facebook, do mural da Lorena Bärschneider).

::A vida e Einstein::

07/12/2013

“A vida não dá nem empresta, não se comove nem se apieda. Tudo quanto ela faz é retribuir e transferir aquilo que nós lhe oferecemos”.

“A vida é como jogar uma bola na parede. Se for jogada uma bola azul, ela voltará azul, se for jogada uma bola verde, ela voltará verde, se a bola for jogada fraca, ela voltará fraca, se a bola for jogada com força, ela voltará com força. Por isso, nunca jogue uma bola na vida de forma que você não esteja pronto a recebê-la”.

“O ser humano vivencia a si mesmo, seus pensamentos, como algo separado do resto do universo – numa espécie de ilusão de ótica de sua consciência. E essa ilusão é um tipo de prisão que nos restringe a nossos desejos pessoais, conceitos e ao afeto apenas pelas pessoas mais próximas. Nossa principal tarefa é a de nos livrarmos dessa prisão, ampliando o nosso círculo de compaixão, para que ele abranja todos os seres vivos e toda a natureza em sua beleza. Ninguém conseguirá atingir completamente este objetivo, mas lutar pela sua realização já é por si só parte de nossa liberação e o alicerce de nossa segurança interior”.
Albert Einstein

::Legado – Alessandro Uccello::

20/10/2013

Qual é o sentido de nossas finitas vidas
senão tornar outras vidas mais bonitas?

Deixar filhos, deixar versos, deixar quadros
deixar filmes, deixar livros, deixar flores
deixar fotos, deixar músicas, deixar pratos
deixar obras, deixar marcos, deixar cores

E então, deixar a vida
deixando na vida mais vida
deixando a vida de quem fica
mais rica e mais bonita

Autoria: Alessandro Uccello – Tirado do mural do Facebook da minha amiga Flavia Migray – 20.10.13

°°°

Sfida la vita con la migliore arma, sfidala avendo un sogno.
“Termine a vida com a melhor arma, termine-a tendo um sonho.”
— Alessandro Uccello da PensieriParole

::Wir sind am Leben – Rosenstolz::

11/11/2011

Há algumas semanas estava com vontade de colocar esta música linda aqui no blog. Agora acabo de achá-la no blog da minha querida Neusa, autora do livro “O Paraíso sem Bananas”. Adaptei a traduςão, assim como a entendo, e divido com vocês uma das músicas mais bonitas dos últimos tempos aqui na Alemanha. Em termos musicais sou da opinião de que a Alemanha está passando por uma época ótima, com textos profundos e muita banda legal. Sinto-me como na minha adolescência no Brasil, naqueles bons tempos da Legião Urbana, Kid Abelha, Paralamas do Sucesso e todas as bandas e cantores de Minas que tanto amo. Com vocês, a banda alemã Rosenstolz! Depois da traduςão da música tomei a liberdade de repitir o resumo que a Neusa fez sobre o autor da mesma e os motivos que os levaram a escrever este texto profundo e inquietante. Espero que gostem!

Wir Sind Am Leben – Nós estamos vivendo
Hast du alles probiert? Você já deu tudo o que tinha pra dar?
Hast du alles versucht? Você já tentou tudo o que tinha pra tentar?
Hast du alles getan? Você já fez tudo o que tinha pra fazer?
Wenn nicht, fang an! Se não, a hora é agora!
Hast du wirklich gelebt? Você viveu de verdade?
Hat deine Welt sich wirklich gedreht? A sua vida foi realmente como você gostaria que tivesse sido?
Hast du alles getan? Você já fez tudo o que tinha pra fazer?
Wenn nicht, fang an! Se não, a hora é agora!
Was willst du sagen? O que você quer dizer?
Wen willst du fragen? O que você quer perguntar?
Was willst du erleben. O que você quer experimentar?
Und was willst du geben? E o que você quer doar/dar?
Wer gibt dir den Frieden. Quem te oferece paz?
Und was ist liegengeblieben? E o que ficou por fazer?
Ich kann deinen Herzschlag hören. Eu posso ouvir as batidas do seu coraςão.
Keiner wird dich zerstören. Ninguém vai destruir você.
Du bist am Leben. Você está vivendo.
Du bist am Leben. Você está vivendo.
Weil dein Herz noch Feuer fängt. Porque o seu coraςão ainda é capaz de pegar fogo.
Weil dein Herz die Liebe kennt. Porque o seu coraςão conhece o amor.
Du bist am Leben. Você está vivendo.
Du bist am Leben. Você está vivendo.
An was willst du glauben. No que você quer acreditar?
Oder glaubst du an dich? Ou você acredita em você?
Wie oft wirst du betrogen? Quantas vezes você foi enganado?
Wie oft belügst du dich? Quantas vezes você mente para você mesmo?
Wieviel Türen wirst du öffnen? Quantas portas você vai abrir para você mesmo?
Welches Schloss knackst du nie? Qual é a dificuldade que você não consegue ultrapassar?
Wie oft kannst du widerstehen. Quantas vezes você pode consegue resistir?
und wann gehst du in die Knie? E quando você cai de joelhos?
Warum wirst du weinen? Por que você vai chorar?
Und wie oft bleibst du stumm? E qauntas vezes você fica calado?
Und für wen wirst du beten? E por quem você vai rezar?
Weisst du wirklich warum? Você sabe realmente por quê?
Und bei wem wirst du schlafen? E na companhia de quem você quer dormir?
Und vor wem rennst du weg? E quem é que você evita?
Ich kann deinen Herzschlag hören. Eu posso ouvir as batidas do seu coraςão,
Keiner wird dich zerstören. Ninguém vai destruir você.
Du bist am Leben. Você está vivendo.
Du bist am Leben. Você está vivendo.
Weil dein Herz noch Feuer fängt. Porque o seu coraςão ainda é capaz de pegar fogo.
Weil dein Herz die Liebe kennt. Porque o seu coraςão conhece o amor.
Du bist am Leben
Du bist am Leben
oh oh oh…
Und hast du dich verlaufen, E você se perdeu.
ich bin da, bring dich nach haus’. Estou estou aqui, levo você para casa.
Ich kann deinen Herzschlag hören. Eu posso ouvir as batidas do seu coraςão.
Keiner wird dich zerstören. Ninguém vai perturbar você.
Du bist am Leben. Você está vivendo.
Du bist am Leben. Você está vivendo.
oh oh oh…
Wir sind am Leben. Nós estamos vivendo.
Wir sind am Leben. Nós estamos vivendo.
Ich kann deinen Herzschlag hören. Eu posso ouvir as batidas do seu coraςão.
Keiner wird uns zerstören. Ninguém vai nos destruir.
Wir sind am Leben. Nós estamos vivendo.
Wir sind am Leben. Nós estamos vivendo.
Weil unser Herz Feuer fängt. Porque o seu coraςão ainda é capaz de pegar fogo.
Weil unser Herz Liebe kennt. Porque o nossocoraςão conhece o amor.
Wir sind am Leben. Nós estamos vivendo.
Wir sind am Leben. Nós estamos vivendo.
oh oh oh…

Composiςão: Peter Plate – 44, neto de um diplomata alemão. Nasceu em Nova-Delhi. Ficou conhecido no país em 1991 como integrante do dueto pop Rosenstolz (AnNa und Peter). Ficou por dois anos (2009-11) afastado do trabalho – vítima de Burn-out. Perdeu os sentidos em uma de suas últimas apresentaςões ao vivo, totalmente desgastado por crises de depressão e ataques de pânicos, os quais há muito tempo tentava driblar para não se afastar dos palcos. Há poucas semanas tivemos o prazer de conhecer o novo trabalho do dueto – “Wir sind am Leben”, o qual festeja a vontade de viver e a superaςão dos medos. Medos que nos impregnam mais frequentemente do que gostaríamos…

Autoria do parágrafo acima: Neusa Cortez, blog “O Paraíso sem Bananas“.

::Porta entreaberta::

13/10/2011

Uma porta
Pela qual passei
Em diferentes momentos
Da minha vida

Uma separação
O fruto de uma união
A esperanca de expansão
A busca pela luz, pelo pão

Alma dilacerada
Alma alimentada
Alma inspirada
Alma cantada
pelo destino da vida

Diferentes momentos
Uns bons, uns ruins
Partes diferentes
de uma vida qualquer:
A minha vida

P.S.-Este poeminha foi reescrito às pressas depois que o perdi prontinho porque meu laptop resolveu fazer um update sem me avisar… 😦 Não ficou a mesma coisa do primeiro, mas quebrou o galho pra guardar o pensamento em forma de palavras.

::Qualidade de Vida: Três cidades alemãs no top 10 dos melhores lugares do mundo para se viver::

22/05/2011

Escrito por Glaucimara Silva
Ter, 17 de Maio de 2011 12:06

Em busca de qualidade de vida? Todos os anos, a empresa de consultoria Mercer divulga seu ranking das cidades com melhor qualidade de vida no mundo. A pesquisa colocou três cidades da Alemanha no top 10, levando-se em conta 39 fatores agrupados em dez categorias diferentes, como ambientes social, político, econômico e cultural, saúde e saneamento básico, escolas e educação, serviços públicos e transporte, recreação e meio ambiente.

Düsseldorf, Frankfurt e Munique aparecem nas sexta, sétima e oitava colocações do ranking, que é dominado basicamente por cidades europeias. Das 25 melhores cidades do mundo para se viver, 16 estão no Velho Continente. Berlim, Hamburgo, Nurnburg e Stuttgart completam a lista de cidades alemãs presentes entre as 50 melhores. Viena, na Áustria, foi escolhida o melhor lugar do mundo para se viver.

No entanto, quando se analisa o ranking das cidades mais ecológicas do mundo, o resultado é bastante diferente. Considerando a disponibilidade de água potável, a remoção de lixo e resíduos, qualidade do ar e congestionamentos de veículos, cidades da América do Norte e da Oceania dominam as primeiras colocações da lista.

Na 13a colocação, Nuremberg foi a cidade alemã mais bem avaliada. Düsseldorf (28), Munique (28), Hamburgo (34), Stuttgart (34), Leipzig (41) e Frankfurt (50) completam a participação da Alemanha no top 50 do eco-ranking, que elegeu Calgary, no Canadá, a cidade mais ecológica do mundo.

Matéria da página Alemanja de 17.05.2011 – link aqui.

::Série de vídeos sobre a geração de 30 anos na Alemanha::

15/01/2011

Achei também na página da “Der Spiegel” uma série de vídeos que mostra vários alemães na faixa de 30 anos e mostra como eles são, o que pensam, o que os diferencia da vida dos pais, quais são seus medos com relação ao futuro.

Dentre os entrevistados, as mulheres entrevistadas sao bastante diversificadas e dão uma boa orientação quanto a como vive uma mulher jovem na Alemanha atual. Em geral, hoje em dia, elas querem ter sucesso na profissão e construir uma família, mas sentem-se divididas entre tantas responsabilidades, muitas vezes conflitantes. Os filhos acabam chegando bem mais tarde, muito depois dos 30, principalmente porque elas querem alcançar muito antes de se tornarem mães e porque nem toda cidade tem um apoio bom para as famílias, por exemplo com creches e escolas de período integral.

Os jovens vivem bem mais livres, sao mais abertos, aceitam melhor as mudanças e sabem que a vida nao será como a dos pais, que aprenderam uma profissão e ficaram nela, muitas vezes até na mesma empresa, até a aposentadoria. A vida globalizada de hoje exige muita capacidade de adaptação, flexibilidade para acompanhar as mudanças rasantes, nao só tecnológicas, e uma abertura para o futuro, que muitas vezes não vai ser tal como planejado.

::Da nossa eterna mania de achar que a vida do outro é melhor::

04/01/2011

Pronto. Hoje ouvi no rádio uma entrevista que me fez pensar. Era de um cara que tinha se proposto a não propor nada para o ano de 2011. Você reagiria talvez com a indagação: “Que cara estranho!”, mas eu, cá comigo, achei o cara o máximo. Ele disse que as pessoas têm mania de se olhar em fotos de outros tempos e de se sentir estranhas em si próprias, não sabendo mais quem são, quem eram, quem foram todas aquelas “outras” pessoas, e que há uma tendência generalizada pela insatisfação, daí a idealização e no próximo passo vem o desejo de alcançar isso ou aquilo, mudar “tudo”, querer “xyz” no ano novo (e só mudar o botãozinho para “sou feliz” se isso for alcançado), achar que só é possível ser feliz morando em tal lugar, etc.

A verdade é que toda vida é, por muitas horas, sem graça, muita gente se sente só, inútil, igual aos demais, num “trote” do dia-a-dia, afundado na areia movediça da tecnologia, domado pela rapidez dos tempos modernos, e pouca gente pára pra pensar que quase todo mundo se sente assim. A idealização nos leva a pensar que “lá” seria melhor do que aqui, que com “fulano” seria melhor do que com “ciclano”, que a vida do outro é muito melhor, e o muro das lamentações vai crescendo a cada dia um pouco mais.

As grandes mudanças acontecem devagarzinho, lá no nosso íntimo, cá conosco, são (em sua grande maioria) fruto de trabalho anterior árduo, as alegrias são tão rápidas que às vezes as reconhecemos como tais e já se foram, e (quase) todo mundo tem que dar duro pra ter o que tem/ser o que é, não importa onde quer que esteja neste mundão de Deus. Uma grande parte da vida é bastidor, uns pedaços imperdíveis são partes integrantes da minha vida, da sua, da dele(a). Tem neguinho ralando pra tudo quanto é lado. O sofrimento existe. O amor também. Temos mais é que aproveitar o calor humano pertinho da gente. Não há sentido na vida sem o tal calorzinho. E temos que ter paciência entre um momento e o outro. Que pensemos nisso.

Ainda assim, tomei até agora algumas resoluções firmes pra 2011: trabalhar mais devagar, ao mesmo tempo prestar atenção aos sinais do meu corpo, e continuar sorrindo pra vida.

Texto também inspirado neste daqui do blog “Cartas à Filo-Sofia”.

::Ah, sim…::

19/07/2010

Só queria deixar registrado que alguns dias depois da vitória da Espanha na Copa, a vizinha do térreo, que mora aqui no prédio há uns 2 anos, veio cumprimentar o Matthias, meu marido. A conversa se desenrolou mais ou menos da seguinte forma:
– Ah, oi, tudo bem? Queria lhe cumprimentar.
E ele:
– Cumprimentar pelo quê?
Ao que ela retrucou:
– Pela vitória da Espanha. Vocês não são espanhóis?
O curioso é que a pergunta vinha de uma alemã, feita para um alemão, dentro da Alemanha, meio que querendo excluí-lo também de alguma forma, apesar dos parabéns. Tirando que uma bandeira nossa do Brasil ficou semanas dependurada na janela do outro vizinho português e que os nossos nomes, tanto o brasileiro, quanto o alemão, constam da caixa de Correios daqui de casa…
Meu marido respondeu:
– Não. minha esposa é que é brasileira. Eu sou alemão de “raça pura”.
Ele deu a resposta sorrindo de maneira irônica pra ela, pois cresceu na Espanha e já se mudou muitíssimas vezes dentro e fora da Alemanha. Na realidade nem ele mesmo sabe de quantas partes são feitas sua origem/identidade, ainda mais porque ele diz que queria ter passaporte brasileiro. Mas o que ele respondeu pra ela é verdadeiro: ele nasceu aqui. Antes que ela pudesse responder qualquer outra coisa, ele virou as costas e continuou andando pelo corredor do prédio.

::Pensamento do dia::

10/04/2010

Wir dürfen uns von Gott her immer wieder neu verstehen.
Da, wo wir mit unserem Leben an Grenzen stoßen,
will Gott uns auf einen neuen Weg bringen,
um uns zu denen zu machen, die wir in seinen Augen schon lange sind.
(unbekannter Autor)

Temos sempre a oportunidade de nos reinterpretar perante Deus.
Toda vez que enfrentamos situações extremas em nossa vidas
é porque Deus quer nos levar para um novo caminho,
para fazer de nós a pessoa que já é vista há muito tempo através de Seus olhos.
(autor desconhecido)


%d blogueiros gostam disto: