Serviço de utilidade pública: violência contra a mulher na Alemanha

Há estudos representativos e detalhados do Ministério da Família sobre o tema da violência contra as mulheres (de qualquer nacionalidade) na Alemanha, com os seguintes resultados:

  • 40% das mulheres acima de 16 anos já foram vítimas de violência sexual ou corpórea
  • 25% das mulheres já sofreram violência praticada a partir de seus parceiros atuais ou anteriores
  • 13% das mulheres acima de 16 anos já sofreram violência sexual que poderia ser motivo para uma ação judicial
  • 42% das mulheres na Alemanha já foram vítimas de violência psíquica, p.ex. ameaças, terror psíquico, intimidação, difamação, etc.
  • A violência contra a mulher costuma ser mais praticada dentro dos seus próprios lares, e parte com mais frequência de seus parceiros ou ex-parceiros
  • Mulheres que estãoo em processo de separação costumam ser as que se encontram em maior perigo de se tornarem vítimas de violência praticada a partir de seus parceiros ou ex-parceiros
  • Mais da metade das mulheres que sofreram violência corpórea levam marcas em seus corpos como resultado do que lhes aconteceu, destas 1/3 procura a assistência médica
  • Dependendo do tipo de violência, entre 56-80% das mulheres atacadas sofrem de problemas psíquicos após o acontecido (dificuldade para dormir, depressão, crises de medo, etc.)
  • Muitas crianças são envolvidas nos ataques praticados contra mulheres. 20% das mulheres que sofreram violência causada por seus parceiros citam que o nascimento do filho pode ser ligado ao início dos ataques contra elas, 10% delas citam a gestação como fator iniciante do processo de violência
  • A violência deixa marcas na vida das mulheres, significando mudancas marcantes em suas vidas (separação, mudança domiciliar, perda do emprego, etc.)
  • 37% das mulheres que sofreram violência corpórea e 47% das mulheres que sofreram violência sexual nao falam com ninguém sobre o ocorrido. As taxas são ainda maiores se o causador da violência for o parceiro atual ou anterior.
  • Se as mulheres falam sobre o ocorrido, entao geralmente isso acontecerá com pessoas próximas à elas naquele determinado momento de suas vidas.

Há várias maneiras de buscar ajuda na Alemanha, aqui algumas delas:

  • Se abrir para amigas e buscar ajuda perto de você
  • Buscar ajuda de pessoas que já passaram por situação semelhante e que têm um bom domínio do alemão
  • Ir à polícia e dar queixa sobre o ocorrido
  • Buscar auxílio da Imbradiva
  • Buscar auxílio do Hilfetelefon, que atende em 17 idiomas
  • Buscar o auxílio de igrejas e seus órgãos locais, p.ex. Caritas (igreja católica), Diakonie (igreja protestante)
  • Pedir auxílio e moradia em uma Frauenhaus (casa de mulheres, que acolhem mulheres e crianças desamparadas e estão espalhadas pela Alemanha)
  • Entrar em contato com o consulado brasileiro mais próximo de você e buscar auxílio legal
  • Entrar em contato com um advogado na Alemanha, mesmo sem ter como arcar com os custos de um processo, pedindo ajuda para que os custos sejam cobertos pelo governo alemao, o que é previsto por lei através do que se chama ajuda de processo (Prozesskostenhilfe)

Você não tem culpa do que lhe aconteceu, você é uma vítima! Acredite: se algo de concreto (e de ruim) aconteceu com você, infelizmente não foi a primeira nem será a última, mas se não buscar ajuda, pode ser que sua situação não se altere por muito tempo e você acabe prolongando sua dor e facilitando a ação do seu agressor. Cada homem, uma sentença: há muita gente de bom coração neste mundo! Tenha fé: não há bem que sempre dure nem mal que nunca acabe!

Fonte: página Gewalt gegen Frauen.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: