::Elogios da revista alemã Der Spiegel sobre a Copa no Brasil::

17/07/2014

A reportagem original, de autoria de Sara Peschke, está aqui. Em seguida um resumo da mesma (tradução livre minha):

Quando se pergunta pra um brasileiro onde estão as praias e as pessoas mais bonitas ou as cidades mais interessantes, invariavelmente ele responde que é no Brasil. O que não deixa de ser verdade em um país com dimensões continentais com oito milhões de metros quadrados, que pode deixar um europeu um tanto quanto perdido. Antes da viagem, a autora teve muito respeito deste fato.
A repórter diz que viajou melhor de avião durante a Copa no Brasil do que com os trens alemães da Deutsche Bahn. Ela esperou pouco, não houve atrasos, se ela chegava mais cedo nos aeroportos e havia vaga em um voo mais cedo, ela podia voar sem ter que pagar nada pela troca do horário. Ela também viajou bem de ônibus, taxi e metrô e conclui que os meios de transporte públicos no Brasil são bons.

Ela se surpreendeu com o jeitinho brasileiro e conclui que no fim, tudo acaba dando certo, mesmo que ela não entenda como. Como por exemplo no caso da internet antes da final no Maracanã, que acabou voltando a funcionar 15 minutos antes do início do jogo.

A organização da Copa surpreendeu também positivamente, apesar de tantas críticas antes do início da competição. Mesmo quando a seleção brasileira perdeu, tanto foi dito que tudo poderia acontecer, e quase nada aconteceu de verdade. Depois da Copa, o Brasil pode mostrar ao mundo que pode realmente ser grande. Agora é hora de mostrar isso para cada um dos brasileiros, de todos os cantos do país, que precisam urgentemente desta força.

Fonte: Artigo “WM-Bilanz: Wahre Größe” de 15.07.14 da revista Der Spiegel.

::“Gaúchos andam assim”: o mimimi em torno da comemoração da seleção alemã em Berlim::

17/07/2014

Ia escrever um artigo a este respeito, mas acabo de achar este e como concordo com o conteúdo, o divido com vocês.

Fonte: Diário do Centro do Mundo, autor Kiko Nogueira.

::Seleção alemã: entre jogada de marketing e autenticidade::

13/07/2014

Tenho lido desde os últimos dias alguns comentários na internet sobre os presentes do time alemão à região onde esteve e sobre a suposta jogada de marketing bem pensada da seleção alemã durante a Copa no Brasil, que, muitos afirmam, está sendo feita para polir a má imagem no exterior da Alemanha de nazismo, frieza e calculismo. Os jogadores alemães, muitos deles de origem estrangeira (Turquia, Polônia, Gana), foram ao Brasil como representantes da Alemanha e demonstraram ser capazes de se comportar bem, interagindo positivamente com a população local.

Eu moro há 21 anos na Alemanha e posso afirmar que os jogadores não alteraram sua maneira de ser desde que estão no Brasil. Eles sabem que cada jogo é um jogo e que tem que ser vencido, não importando, naquele momento, os resultados do passado. A química entre muitos brasileiros e alemães sempre tendeu a ser boa, como já comentei em vários posts e também no meu livro, o que faz com que o alemão se sinta bem no Brasil, pois em muitos pontos somos antagônicos e em outros muito parecidos, mas a boa mistura é sempre a que prevalece. Tenho visto muitos brasileiros na Alemanha que são esforçados, buscam crescer profissionalmente e demonstram capacidade de integração, mesmo honrando sua pátria e nunca deixando suas raízes de lado, e isso contribui para o fato de que muitos alemães não tenham problemas com brasileiros, pensando muitas vezes em atributos positivos do nosso Brasil, como nossa beleza natural, nosso crescimento econômico dos últimos anos, nossas praias e nosso povo alegre, o Carnaval, mas também vendo coisas negativas que são retratadas sobre nosso país, como a desigualdade social, a corrupção, a pobreza. No final das contas acho que estamos aqui como embaixadores de nosso país e também de nossa cultura, e continuo acreditando que a mistura faz bem a ambos os lados.

Acho também que temos que tomar cuidado com nosso próprio preconceito. Ninguém gosta de ser comparado com opiniões preconceituosas voltadas a seu país. O alemão com certeza também não, o brasileiro muito menos. Aqui, como em qualquer lugar no mundo, existem pessoas frias e calculistas, mas também existem pessoas boas e amorosas. Quando um estrangeiro visita a Alemanha, com certeza ele percebe que não é carregado nas mãos nas lojas e muito dificilmente recebe tratamento diferenciado, além de perceber que muitas vezes é tratado de forma ríspida e/ou impaciente. No princípio, quando isso acontecia comigo, achava que era porque eu era estrangeira. Depois aprendi que o tratamento dos alemães independe da pessoa com quem estão falando, pois, e quem acreditaria nisso, em geral todos são tratados da mesma maneira. E quando o tratamento não condiz com o que eu espero, em geral eu coloco a boca no mundo e lido com minha insatisfação na hora do ocorrido. Com relação a tratamento em lojas, eu já me sinto até meio sem graça quando estou no Brasil, pois não gosto de que todo o estoque de uma loja seja retirado do lugar só pra mim. E, se começo a já ir guardando as roupas depois de desaprová-las, se estiver por exemplo numa loja de vestiário, recebo um comentário da vendedora de que não devo fazer isso, pois este é o serviço dela. Nos EUA, por outro lado, o negócio é ainda mais complicado pro lado do consumidor, pois a vendedora chega a mentir, dizendo que se pudesse, se tivesse dinheiro para comprar, usaria este produto, que aquilo que estamos experimentando está perfeito, lindo, impecável em nós. Assim fica difícil acreditar no que estão dizendo… Nem tanto ao mar, nem tanto à Terra. Eu prefiro entrar numa loja e olhar tudo por mim mesma, e se precisar da ajuda de um vendedor, espero encontrar algum que tenha competência para me orientar, sem usar de meios indevidos para me vender alguma coisa. Aqui na Alemanha, em grandes lojas de departamento, o que faltam, porém, são vendedores disponíveis. Isso é verdade verdadeira. Mas quando achamos um, temos a atenção que precisamos. Acima de tudo,eu tenho a dizer que o respeito à privacidade na Alemanha é muito grande. Cada espaço individual é sempre muito respeitado. Como há poucos vendedores em grandes lojas, interpretamos logo como se não tivéssemos atenção alguma deles.

Bom, mas tem a parte boa do alemão também. Quando algo acontece, quer seja dentro ou fora do país, como uma catástrofe natural, eles estão lá pra ajudar, pois são conhecidos por participar de vários projetos sociais, dentro e fora da Alemanha. O que não gostam muito, é de ajudar aparecendo, nem o que está sendo ajudado gosta de aparecer. Ambos precisam de uma instituição no meio, que os torne invisíveis. Quando são convidados para visitar alguém, levam em geral um presentinho para o anfitrião. No final do ano então, os alemães são campeões de doações. Portanto, os presentes que a seleção alemã deixou para os anfitriões brasileiros combinam com sua cultura e sua maneira de ser. E não foram poucos, segundo um relato tirado do Facebook (autor desconhecido):

Os alemães vieram ao Brasil e…

- Compraram um terreno,
- Construíram um condomínio,
- Incentivaram a reforma de um centro de saúde,
- Construíram um campo de futebol,
- Doaram uma ambulância,
- Incentivaram a criação de um programa de escola em tempo integral,
- Contrataram as pessoas da cidade, gerando dezenas de empregos,

Mais tarde a seleção alemã chegou e…

- Quando não estavam treinando, estavam socializando com as pessoas na cidade e na praia,
- Participaram de festas com a população,
- Interagiram com os moradores locais e ouviram suas demandas,
- Vestiram a camisa de um time local,

Quando ganharam da nossa seleção…

- Nunca desrespeitaram os brasileiros,
- Supostamente combinaram no intervalo do jogo diminuir o ritmo para não desrespeitar a seleção anfitriã,
- Mostraram que seus ídolos são os nossos jogadores do passado,
- Foram humildes após a goleada e tiveram classe para ganhar,
- Postam nas redes sociais mensagens de incentivo ao povo brasileiro e agradecimento pela hospitalidade,

E vão deixar tudo que construíram no Brasil.

°°°

Complemento meu:

- Um cheque de 10 mil euros (30 mil reais) para os índios da tribo Pataxó de Coroa Vermelha, que será investido na compra de um carro que será usado no transporte de pessoas que precisem de assistência médica;
- Deram de presente as 25 bicicletas que trouxeram da Alemanha e não puderam usar por motive de segurança, cada uma no valor de 1.000 euros
- Parece que vão deixar o Campo Bahia para ser transformado em uma escola.

Realmente, parece que fizeram tudo certo em termos de marketing. Leia aqui o que podemos aprender com eles em termos de técnicas de marketing.
Mas o que seriam as técnicas se eles tivessem sido arrogantes, tivessem se transformado logo após chegar no Brasil, perdendo sua autenticidade, tivessem trazido só profissionais da Alemanha para trabalhar no Campo Bahia para servi-los, tivessem usado de técnicas de marketing sem acreditar nas mensagens que estavam transmitindo, sem nenhum comprometimento com aquilo que estavam fazendo? A Alemanha está mudando muito e as gerações mais jovens não carregam consigo o peso do passado. Houve uma mudança substancial marcada durante a Copa aqui na Alemanha em 2006. Se quiser ler mais sobre este tema, clique aqui.

A última acusação que li foi que por trás do time alemão estão grandes empresas alemãs que patrocinam o time, tais como Adidas e Mercedes Benz, e que elas estão ganhando com o sucesso da seleção alemã, como não poderia deixar de ser. Esta é, afinal, a razão pela qual uma empresa aposta em patrocínio. Apesar de eu não ser fã do capitalismo e reconhecer nele muitas injustiças, acho que não vamos mudar o sistema de um dia pro outro. Então, se todos os times tivessem vindo ao Brasil, se comportado bem e tivessem feito algo pela região onde estiveram, acredito que a Alemanha não teria se sobressaido tanto assim como no momento.

Pessoalmente fiquei muito impressionada com a reação dos alemães logo depois de termos perdido de 7×1 pra eles. Eles perguntaram como eu estava, se já tinha me recuperado do jogo, como eu tinha me sentido, como tinha sido em casa com o marido e os filhos… Ninguém chegou rindo da minha cara nem fazendo brincadeiras de mau gosto. Ganharam meu respeito também com relação a este episódio. E foram muitos brasileiros que moram aqui que dividiram experiências semelhantes.

Por ultimo, por mais que me doa no coração, acho que o time alemão se sobressaiu tanto no Brasil devido à nossa decepção com o time brasileiro. Se nosso time tivesse convencido na competição, não teria deixado muito espaço para os demais. Mas no Brasil se joga bola em cada esquina, e devido à nossa natureza e nossa garra acredito que nos relevantaremos e em breve mostraremos um futebol, que no momento, muitos dos que entendem de futebol afirmam que está sendo jogado pelo time alemão…

Bom, esta é minha opinião, ainda acreditando que presentes são presentes e não se deve ficar analisando o tamanho de cada um, como já dizia um bom ditado alemão. Ainda assim fico curiosa com o que você pensa a respeito de tudo isso. Agora é sua vez de deixar sua opinião nos comentários. Se eu tiver esquecido algo ou deixado algo de fora, tanto com relação aos presentes quanto sobre as argumentaçõoes, agradeço por correções e acréscimos. Um bom domingo e um bom jogo para todos hoje à noite!

::Em tempo – livro da Mineirinha temporariamente esgotado na Europa::

06/07/2014

O livro Mineirinha n’Alemanha está, no momento, esgotado na Europa. Até o meio de setembro continuarei recebendo pedidos, mas somente a versão eletrônica do livro estará disponível. A partir de 13/09/14 o livro voltará a estar sendo vendido normalmente aqui na Europa.

As vendas no Brasil não estão afetadas e o livro continua sendo oferecido normalmente dentro do território nacional.

::Divisor de águas::

06/07/2014

brasil

Ai Jesus, morar na Alemanha e passar por uma Copa onde a Alemanha está prestes a jogar contra o Brasil é algo bastante complicado! Eu levo comigo um amor condicional à minha pátria, acompanhado de um profundo respeito pelo país onde vivo já há quase metade de minha vida. Portanto, fica difícil puxar sardinha pra um lado só. Aqui em casa vamos, eu e meu marido, vestir cada um a camisa de seu time, levando também um acessório do outro país. Paz total dentro das quarto paredes. Mas… desde que o Neymar se machucou, e que perdemos nosso capitão, eu tive um instinto muito parecido com o que depois andei lendo na mídia brasileira: tive vontade de que ganhemos este título pelo Neymar, que não pode mais jogar na Copa tão sonhada por ele… Mesmo declarando abertamente de que ficaria feliz também se a Alemanha levasse o título, porque são uma seleção idônea, fazem um bom trabalho, não são arrogantes e querem muito levar o título desta vez, fugindo do padrão mostrado nos últimos anos de chegar sempre tão pertinho do título e sair de mãos abanando…

Mas pra dizer a verdade verdadeira, eu queria que o Brasil ganhasse na Copa e também nas urnas… Que saiba separar uma coisa da outra e não se deixe ser levado pelo Sistema de pão e circo institucionalizado no nosso país, de dar entretenimento ao povo e esperar que ele fique caladinho, agüentando todas as mazelas. Quando me dizem que acham que a Dilma vai ganhar nas próximas eleições, quase tenho um troço. Achava que o Aécio seria um bom candidato, mas desde que fiquei sabendo que ele bateu na namorada e parece ser dependente de drogas, pensei comigo que este não pode ser o neto de um homem que me impressionou como o seu avô, o Tancredo Neves. Não vou votar, porque moro longe do consulado brasileiro, mas há muitos milhões de pessoas que vão ter esta oportunidade dentro e for a do Brasil, e eu espero que eles usem o seu poder para alavancar mudanças altamente necessárias. E depois que fiquei sabendo que o ministro Joaquim Barbosa deixou seu cargo para se “aposentar”…

E é como naquela música do Zé do Caroço: e na hora que a televisão brasileira destrói toda a gente com sua novela… É que o Zé bota a boca no mundo, ele faz um discurso profundo, ele quer ver o bem da favela… Está nascendo um novo lider!…
Eu creio fortemente que o nosso país tem gente de todo tipo, inclusive correta e que realmente quer fazer algo pela população, mesmo que no momento eu não saiba direito quem é (ou são) esse(s) político(s). Nego-me a concordar com a opinião do escritor Luiz Ruffato de que no Brasil todo mundo é corrupto… Veja o texto dele aqui. Dar boas gorjetas é sinônimo de agradecimento por um serviço bem feito, o que é prática normal aqui na Alemanha. Acho necessário saber distinguir entre atos explícitos de corrupção e atos de gentileza e/ou agradecimento. E olha que a Alemanha é minimamente corrupta! E negócios sempre foram e são feitos entre pessoas – e não entre órgãos e/ou empresas. Se duas pessoas se entendem, a sintonia gera negócios. O que não está diretamente ligado a um ato de corrupção. Acho importante aniquilar aquilo que entendo por corrupção: o uso indevido do dinheiro público para suprir interesses próprios. O uso indevido de vantagens individuais para atingir objetivos egoístas… Temos muitos exemplos disso. Aquele viaduto em Beagá onde duas pessoas morreram, e que foi exemplo de dinheiro público mal investido, da falta de atenção com o trabalhador, o não seguimento explícito de medidas de segurança básica – e por aí vai…

E, voltando a falar de futebol (sem o mínimo conhecimento de causa), acredito que, mesmo que todos afirmem que não há substituto para o Neymar, que o Scolari ainda há de tirar um coelho da cartola. O alemão geralmente gosta de se preparar para o desconhecido, e agora temos a vantagem do desconhecido, temos que dar o famoso “jeitinho”. E é exatamente daí que temos que tirar nossa vantagem, mostrando nosso jogo de cintura – e gols vindos de outras pernas, inspiradas pelo Neymar.

Pessoalmente falando, é uma coincidência muito grande que o Brasil esteja jogando contra a Alemanha na minha cidade natal, perto do meu aniversário de 21 anos de Alemanha, quase a metadde da minha idade atual. É como o fechamento de um ciclo pessoal pra mim, um divisor de águas. Espero que o resultado seja favorável pra nós. Se não for, é porque não tinha que ser mesmo – sairemos de todo jeito de cabeça erguida, porque eu tenho certeza que nosso time vai dar tudo o que tiver pra dar. Será que vão colocar o mineirinho Bernard pra jogar? E, mais importante que futebol, espero atentamente que o resultado das urnas mostre que o brasileiro está apostando naquele que tem capacidade de fazer o bem pelo nosso país, tão carente de mudanças substanciais.

Brasil mostra a tua cara, quero ver quem paga, pra gente ficar assim! Brasil, qual é o teu negócio, o nome do teu sócio? Confie em mim, Brasil! Já dizia o bom Cazuza!…

P.S. em 09/07/14: Este foi o jogo em que o Brasil perdeu de 7×1 para a Alemanha… Este jogo vai entrar pra história!… Mas fui surpreendida pelo carinho e/ou respeito do povo daqui, perguntando como eu estava no dia seguinte ao jogo e dizendo que sente muito pelo resultado, que não precisava de tanto! Bom, mas venhamos e convenhamos, eles jogaram muito bem e, além do apagão dos brasileiros entre os 11 e os 35 min. do 1° tempo, não soubemos mostrar nem jogo nem defesa. Será que a Alemanha vai levar o título? Será que vamos jogar pelo 3° lugar contra a Argentina? Ah, que venham as urnas!…

::O Brasil já ganhou com a Copa::

01/07/2014

A contar pelas inúmeras reportagens que aparecem o tempo todo na tevê alemã, o Brasil já ganhou com a Copa. Mostram um país tão diverso, tão alegre e tão apaixonante, com paisagens tão lindas, exploram cada canto do nosso Brasil e colocam tanto mel na boca dos telespectadores, que fica difícil deixar de associar o país a um destino dos sonhos. A cada reportagem, fico feliz pelo rumo que a Copa tomou e um tiquinho mais orgulhosa do meu país.

Sim, temos agora a oportunidade de festejar a diversidade junto de metade do planeta que assiste esta festa. Apostando no(s) nosso(s) time(s) do coração, podemos comemorar com o outro e conosco mesmos toda a beleza do mundo, a começar, claro, pela beleza de alguns jogadores, porque ninguém é de ferro. :-) Continuando com o rumo inesperado que esta Copa tomou, dando chances a times nunca antes respeitados ou conhecidos internacionalmente, asssentando o futebol como um esporte popular para o povo americano, que hoje se concentra em 20 mil pessoas na cidade de Salvador para acompanhar de perto a disputa contra a Bélgica.

A cada vez que ouço nosso hino, luto comigo mesma pra não cair nas lágrimas, tamanha a beleza de seu texto, gigante pela própria natureza, és belo, és forte, impávido colosso. E se o teu futuro espelha esta grandeza. Terra adorada, entre outras mil és tu, Brasil, ó patria amada. Dos filhos deste solo és mãe gentil, pátria amada, Brasil.

Sim, nascemos neste canto do mundo, resultado da peregrinação e miscigenação de muitas outras nacionalidades pelo mundo. Temos uma ascendência tão diversa e ao mesmo tempo tão desconhecida. Temos a oportunidade de nos reconhecer como brasileiros, e, ao mesmo tempo, também como cidadãos do mundo. Respeitando a nós próprios, e valorizando aquilo que temos de melhor, valorizamos o outro e nos reconhecemos em conjunto, pois somos todos UM. O ar que eu expiro é aquele que você inspira, e vice-versa.

Hoje estou escrevendo no comecinho da partida Bélgica x USA, usando o laptop do meu marido porque o meu, infelizmente, pifou de uma hora pra outra. Agora ele vai ter que ir para o conserto para tentar salvar muita coisa importante que está no momento entre bits e bytes do disco rígido dessa maquininha louca e mágica, que nos permite produzir, ganhar e correr o risco de perder tanta coisa neste mundo digital… Posso tomar como base de comparação o exemplo da Alemanha depois da Copa que aconteceu aqui em 2006, depois do qual o país se tornou um dos mais cobiçados destinos turísticos no mundo – e com razão. Acabo de terminar uma sessão de coaching de carreira bem sucedida, e volto a afirmar, com grande certeza do significado econômico, social e cultural de minhas palavras: o Brasil já ganhou – e muito – com esta Copa! O mundo também! :-)

P.S.-Se tiver curiosidade, leia o texto que escrevi sobre a Copa na Alemanha em 2006 aqui. Aqui outra visão de fora da Eve, do blog “Rindo de Mim Comigo”, também sobre a Copa vista de Berlim.

::Aprendendo com um pé de pera…::

01/07/2014

Sandra Santos:

Lindo! Vale super a pena se inspirar com este texto! :-)

Postado originalmente em O Mundo de Gaya:

Imagem

Um homem tinha quatro filhos.
Ele queria que seus filhos aprendessem a não ter pressa quando fizessem seus julgamentos.
Por isso, convidou cada um deles para fazer uma viagem e observar uma pereira plantada num local distante.
O primeiro filho chegou lá no INVERNO, o segundo na PRIMAVERA, o terceiro no VERÃO e o quarto, o caçula, no OUTONO.
Quando eles retornaram, o pai os reuniu e pediu que contassem o que tinham visto.

O primeiro que chegou lá no INVERNO.

Disse que a árvore era feia e acrescentou: 
“- Além de feia, ela é seca e retorcida!”

O segundo que chegou lá na PRIMAVERA.
Disse que aquilo não era verdade.
Contou que encontrou uma árvore cheia de botões, e carregada de promessas.

O terceiro que chegou no VERÃO.
Disse que ela estava coberta de flores, que tinham um cheiro tão doce e eram tão bonitas, que ele arriscaria dizer…

Ver original 185 mais palavras

::Pixel-Arte de Belo Horizonte::

30/06/2014

Acaba de passar aqui na Alemanha uma reportagem sobre um belohorizontino que adora retratar cenas do futebol e da Copa em pixels bem grandes. Se nao me engano, o nome dele era Matheos Toscano. Alguém pode confirmar? Nao tenho certeza se achei o site dele… Mas olhem só que original! :-) Diretamente de Belo Horizonte, uai!

A mordida do Suarez:

A cambalhota do Klose:

O Pepe dando uma cabecada no Müller:

E agora no jogo Alemanha x Algéria, quem vai ser o vencedor?
Deutschland_Algerien

::Seja feliz::

30/06/2014

Sandra Santos:

É por isso que adoro esta página. Seja feliz! :-D

Postado originalmente em O Mundo de Gaya:

Imagem

Durante um seminário para casais, perguntaram a uma das esposas:

- “Seu marido lhe faz feliz?

Ele lhe faz feliz de verdade?”

Neste momento, o marido levantou seu pescoço, demonstrando total segurança.Ele sabia que a sua esposa diria que sim, pois ela jamais havia reclamado de algo durante o casamento. Todavia, sua esposa respondeu a pergunta com um sonoro “NÃO”, daqueles bem redondos!

“Não, o meu marido não me faz feliz”! (Neste momento o marido já procurava a porta de saída mais próxima).

- “Meu marido nunca me fez feliz e não me faz feliz! Eu sou feliz”. E continuou:

“O fato de eu ser feliz ou não, não depende dele; e sim de mim. Eu sou a única pessoa da qual depende a minha felicidade. Eu determino ser feliz em cada situação e em cada momento da minha vida, pois se a minha felicidade dependesse de alguma pessoa, coisa…

Ver original 398 mais palavras

::190 anos de imigração alemã no Brasil::

27/06/2014

Leia o artigo sobre o tema aqui. :-)


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 516 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: