::Frio no Brasil e inundações na Alemanha::

16/07/2021

Para quem ainda continua achando que não há mudanças climáticas acontecendo por aí, temos no momento dois bons exemplos aqui na Alemanha e também no Brasil.

No momento temos visita de parentes da Espanha que disseram nunca terem presenciado tanta chuva em toda a sua vida! E devido às mudanças climáticas as frentes frias não têm se movimentado como antes, com isso se chove muito, a precipitação é maior no mesmo local.

Ontem vi as cenas de inundações que aconteceram nos últimos dias em diversas cidades do centro-oeste da Alemanha. Casas literalmente desapareceram ou foram bastante danificadas, carros foram levados pela água como se fossem de papel, estradas e pontes foram destruídas. E o pior: até agora mais de 80 pessoas (!) morreram, muitas outras estão desabrigadas, além de centenas desaparecidas. Estas cenas foram ainda mais impactantes porque para mim isso era impossível, pois as casas aqui têm uma construção muito forte. Essa coisa de casa destruída por ação de mudanças climáticas para mim era algo que acontecia nos EUA onde as casas são muito mais frágeis. Erro meu.

O número de mortos ainda pode aumentar muito, pois muitos não são localizados no momento porque a comunicação por celulares está interrompida. Em algumas regiões afetadas não há energia, a água potável foi contaminada e/ou está sendo racionada. Um cenário que levará bastante tempo para voltar ao normal. Mais um trauma coletivo no meio da pandemia, mas onde muitos estão presenciando solidariedade em um momento de dor. Que essas pessoas tenham muita força e fé!

E no Brasil a questão é a do frio. Minha mãe me contou que nunca passou tanto frio como no inverno atual. Menos de 10 graus sem calefação e sem roupas apropriadas, por um grande espaço de tempo, não é brincadeira!…

Pra ajudar vocês quanto ao frio: vistam muitas camadas finas de roupa. Protejam principalmente as extremidades: pés, orelha, cabeça, mão (no meu caso pescoço tbém). Não deixem o frio “pegar” em nenhuma parte do corpo. Uma vez fui numa feira e o frio pegou atrás do meu joelho. Essa era a primeira parte do corpo que doía quando esfriava nos outros anos.

Ah sim, sapatos: quando cheguei aqui não acreditava nisso, mas bons sapatos no inverno são imprescindíveis. Tive que perder o ônibus e ter quase os dedos do pé congelando e sentir muita dor para aprender. A gente costuma aprender ou por experiência dos outros ou por dor própria. Naquela época escolhi o caminho mais difícil.

E como está o tempo aí onde você mora? Tem mais uma dica quanto ao frio?

::Alguém conhece alguém?::

12/07/2021

PROCURO HISTÓRIAS DE MULHERES QUE FORAM AS PRIMEIRAS DA FAMÍLIA A FAZER FACULDADE A PARTIR DAS POLÍTICAS DE ESTADO CRIADAS NA ÚLTIMA DÉCADA.

A cineasta Ana Muylaert, diretora do filme Que horas ela volta? busca histórias reais de meninas que acessaram o ensino superior através dos programas de acesso que transformaram as universidades brasileiras na última década para a realização do documentário JÉSSICAS.

Aconteceu com você?
Conhece alguma amiga que conseguiu romper o ciclo histórico de poucas oportunidades de estudo e ingressou no ensino superior pelo PROUNI, COTAS ou FIES ?

Valem histórias de profissionais já formadas que estão no mercado nacional ou já ganharam o mundo e priorizo mulheres fora do eixo RJ-SP

OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: Por já ter encontrado muitas profissionais de humanas, priorizamos também histórias de profissionais de Ciências Exatas e Biológicas (medicina, tecnologia, engenharias, pessoal do mundo digital, da aeronáutica, computação… etc).

Envie um inbox contando sua história para a repórter Flávia Martinrlli ttps://www.facebook.com/flavia.martinelli.10
ou
na página:
https://www.facebook.com/jessicasofilme

OBRIGADA!!!!

::Sempre aprendendo!::

15/06/2021

Aprendendo com a Chimamanda, agora através da entrevista dela no Roda Viva.
“Quando os direitos forem iguais para ambos os gêneros, não precisaremos mais do feminismo. “

Aprenda, como eu aprendi, mais sobre História, justiça social, o perigo das histórias únicas, a importância de símbolos/modelos/exemplos e por que todos deveríamos ser feministas. Uma mulher (homem/pessoa) pode se interessar pelo que ela quiser! E também ser o que ela quiser!
Bem notado pela autora: “Quando mulheres atacam mulheres, quem acaba tendo vantagens são os homens.”

E… ao final da entrevista, se quiser continuar refletindo sobre o tema, leia livros dela e também o meu novo livro HERstory – escreva a sua história!

::Mineirinha goes international::

02/06/2021

Amanhã farei pela primeira vez uma apresentação em inglês do meu novo livro, o HERstory – escreva a sua história! Ela será através da plataforma Internations e acontecerá junto de duas outras escritoras, Amanda dos EUA e a arte-psicoterapeuta Isa, que aliás enfeita a capa do meu livro com uma de suas pinturas, intitulada “Women’s Resurrection” (Ressureição Feminina).

Uma nova experiência, já antecipando a tradução do livro para a língua inglesa!

::Mais uma resenha do meu novo livro HERstory – escreva a sua história!::

07/05/2021

Receber retornos de leitores é o fechamento do ciclo para o escritor. Abaixo uma resenha que acabo de receber da também escritora Bel Araújo. Muito obrigada pelo retorno e pelo carinho, Bel!

“Neste livro que acabei de ler, a autora, Sandra Santos percorre um pouco a história de vida de muitas mulheres inspiradoras e narra um pouco da sua história pessoal e profissional até o momento da pandemia e apresenta resultados de pesquisas procurando valorizar as mulheres a terem coragem para delinear o próprio caminho, com voz ativa para fazer o melhor do presente que a vida nos dá todos os dias. Através de uma narrativa bem costurada ela espalha muita luz que ilumina nós, leitores e nos inspira a querer aprender sempre mais para evoluir e viver mais feliz. Parabéns, Sandra!”

Humildade x autoconfiança::

19/04/2021

Lendo por aí um artigo sobre a síndrome da impostora, comentei o seguinte e queria deixar registrado aqui:

Reconheço minha pequenez perante o universo mas por acreditar que todos somos UM, aprendi vivendo no exterior que sou diferente, mas não tenho menos valor do que outras pessoas. Consegui ressignificar isso e creio que seria muito bom se muitas outras pessoas, principalmente mulheres, conseguissem fazer o mesmo. Na realidade todos os meus livros giram em torno desta e muitas outras questões que me tocam como mulher, mãe, vivendo em solo estrangeiro.

::O Brasil como não quero ver::

07/04/2021

Mais de 4 mil mortos

Ligo pra minha mãe

Que tenta me acalmar

Nunca irá cair uma palha

Sem o desejo de Deus

O povo colhe o que planta

Não vamos nos enlouquecer

Há tanta coisa para agradecer

E muita gente pra ajudar

Solidariedade

Focar no bom e no positivo

Sentir gratidão e ir em frente

Um dia a curva chega na estrada

Numa manhã o sol há de nascer

E a chuva (de mortes) vai parar de descer

Sandra Santos – 08/04/21 – mais de um ano de pandemia aqui e lá

::Saiu mais uma coletânea! Baixa grátis o seu e-book!::

03/04/2021

Desta vez do Projeto Enluaradas, onde participei com mais de outras 167 Enluaradas de todo o Brasil e do mundo, sonhando um mundo possível em forma de poesia.

“A Coletânea Enluaradas I: Se Essa Lua Fosse Nossa é a metáfora perfeita para este ambiente de liberdade há tanto desejado, uma lua toda nossa, além de ser também um ato de resistência, ao longo da nossa existência, na luta para reduzir a invisibilidade e apagamento da arte e literatura produzidas por mulheres. (…) sem mirabolantes pretensões, que não as fundamentalmente humanas e lítero-culturais. Eis nossa poção mágica: “outrar-se” para poetizar a vida.”

Marta Cortezão / Patricia Cacau

Nós, as enluaradas, estamos “construindo a chamada Arte Contemporânea. Não basta uma escrita definir-se como feminina, é preciso designar a fala das mulheres. Colocar-se no lugar do feminino, requer uma posição que implica ver-se no outro. E esse “ver-se no outro” vai construir esse projeto de contemporaneidade, uma contemporaneidade ocidental, racional, evolutiva e disjuntiva.”

Vania Alvarez, “A Poética Contemporânea das Enluaradas”

Venha voar neste foguete conosco, sonhar um mundo possível e apaziguar os dias cruéis de hoje, tendo fé na beleza do amanhã, que logo há de surgir. Baixe o seu e-book grátis aqui.

Depois deste passeio poético, se quiser refletir sobre sua vida e a vida em sociedade nos dias atuais, recomendo meu último livro, o HERstory – escreva a sua história! Você o encontra nos sites pelo mundo da Amazon, Buobooks ou na website da Páginas Editora.

::Entrevista para o Mulherio das Letras Portugal::

31/03/2021

Pode ler a entrevista que dei para o Mulherio das Letras Portugal aqui.

E para que serve a escrita? Alívio da alma, nos agarramos ao belo e ao amanhã, que mais cedo ou mais tarde há de chegar!

::COVID e lembranças de infância::

22/03/2021

Quando eu era pequena, não era difícil acontecer com a minha mãe o que costuma acontecer com o meu marido ou comigo hoje em dia: chegava na sala no final do dia e ela estava dormindo de frente pra tevê.

Enquanto ele durma por cansaço do trabalho ou por causa de alguma noite mal dormida, eu não sei definir direito se o motivo de eu estar dormindo durante o dia é um misto de idade, menopausa ou principalmente por causa da pandemia. Sejamos honestos: ela cansa! Você pára de assistir notícias, fica se perguntando o que está acontecendo aqui e lá (sim, expatriado sofre dobrado, com as notícias do país onde vive e do país de origem). Quando assiste as notícias dá uma misto de pensar que a) já ouvi isso antes b) será que vou ouvir isso amanhã de novo? c) que notícias terríveis, quando isso vai acabar? d) tenho vontade de hibernar e só voltar do sono profundo quando tudo isso acabar! Tem hora que a única pessoa acordada aqui em casa é o Daniel, que ainda não está na idade nem de dormir de dia e nem de ficar sofrendo demais com as atualidades.

Outra coisa que a mamãe costumava fazer e eu achava estranho, mas super engraçado, era colocar coisas no lugar errado, simplesmente porque o braço dela fazia o movimento e a cabeça dela estava em outro lugar naquele momento. Já aconteceu de eu abrir o armário da cozinha lá de casa e achar o controle remoto da tevê lá dentro, deixado por ela. Hoje, na hora do almoço, abri a gaveta das panelas e lá dentro achei uma caixinha de leite. Aqui em casa compramos leite na caixinha, que quando aberto vai para a geladeira. Achei aquilo inusitado e fiquei me perguntando quem tinha colocado aquela caixinha ali, se era o Daniel ou o Matthias. Quando almoçamos perguntei e logo em seguida, pela reação deles, acreditei rapidamente que tinha sido eu mesma, que além de não ter visto o que fiz, tampouco me lembrava do feito! Tenho a quem puxar!…

Outra coisa que tenho a quem puxar é, segundo o Matthias, a força “gavetacional” (e não gravitacional) que as coisas da casa exercem sobre mim, porque elas tendem a ir para dentro de alguma gaveta antes mesmo de eu raciocinar se preciso daquilo ou não. Mamãe também me ensinou esse feito! Filha de peixe!…

Pelo menos tenho a declarar que essas mazelas não se repetem ad infinitum: tanto a minha irmã Rê quanto a minha filha Taísa sairam uma versão bem mais organizada do que eu ou a vovó Eny. Vai ver que mais tarde a Taísa não vai dormir de frente pra tevê, nem colocar coisas sem nem notar em lugares inusitados.

E por falar em mais tarde, no último final de semana achei um conto em uma revista alemã que me deixou bastante pensativa: ele se referia a um COVID-39, tipo o COVID-19 na versão de 20 anos mais tarde!… No conto, espero eu fictício, o autor comentava como era a vida antes do coronavírus e como ela tinha se transformado – e ficado para sempre?!? Espero que não! Assim como nós, seres humanos, temos direito à evolução, espero firmemente que esse bichinho evolua, se transforme em algo domável ou melhor, desapareça por completo do nosso planeta. Será que é desejar demais? Só o futuro dirá!…


%d blogueiros gostam disto: