Posts Tagged ‘História’

::Sugestão de vídeo sobre a Alemanha!::

30/09/2021

Tem um vídeo super interessante sobre a História alemã e como os alemães a vêem aqui (em inglês com subtítulo em alemão)! Depois me contem o que acharam dele!

::A metade do mundo é nossa::

29/09/2021

Se tem coisa que me deixa intrigada é o fato das ideias andarem voando por aí e conseguirem habitar as mesmas cabeças num mesmo momento, em diferentes partes do mundo e em diferentes idiomas. Foi assim que o avião foi inventado quase que na mesma época por Santos Dumont e os irmãos Wright.

Qual não foi a minha agradável surpresa ao descobrir uma série de documentários sobre a história das mulheres, feita aqui na Alemanha para a tevê e recém lançada, que foi intitulada…. HERstory!

E a descrição do seriado lembra muito a intenção que tive quando lancei meu último livro:

“Durante séculos, os homens contaram e interpretaram a história, escreveram a HISTÓRIA, foram a medida e o padrão para a ciência, jurisprudência e engenharia. A HERstory defende: chegou a hora de finalmente pintar o quadro inteiro.”

São quatro capítulos que tratam de medicina, queda do Muro e a vida na Alemanha Oriental, guerras e a vida na Alemanha depois da 2a. Guerra, tudo mostrado sob a perspectiva das mulheres. Imperdível! Eu diria que aprendi muito com essa série, mesmo morando aqui há tantos anos. Nunca é tarde para aprender, cada dia um pouco mais! Para assisti-los, clique aqui. Estão disponíveis por tempo limitado!

E por falar em aprender, vi um outro documentário também, na minha opinião, imperdível. Conta a história dos movimentos femininos na Europa até que fosse alcançado o direito ao voto feminino. O nome já diz tudo: “A metade do mundo é nossa – quando as mulheres conquistaram o direito ao voto”. Para assistir a recapitulação desta parte importante da HERstory, clique aqui.

Já estou curiosa para saber sua opinião sobre os documentários e aguardo outras dicas!

::Sempre aprendendo!::

15/06/2021

Aprendendo com a Chimamanda, agora através da entrevista dela no Roda Viva.
“Quando os direitos forem iguais para ambos os gêneros, não precisaremos mais do feminismo. “

Aprenda, como eu aprendi, mais sobre História, justiça social, o perigo das histórias únicas, a importância de símbolos/modelos/exemplos e por que todos deveríamos ser feministas. Uma mulher (homem/pessoa) pode se interessar pelo que ela quiser! E também ser o que ela quiser!
Bem notado pela autora: “Quando mulheres atacam mulheres, quem acaba tendo vantagens são os homens.”

E… ao final da entrevista, se quiser continuar refletindo sobre o tema, leia livros dela e também o meu novo livro HERstory – escreva a sua história!

::Dica de série na Netflix::

28/10/2020

Sabem qual é o maior concorrente da Netflix? Ontem uma conhecida minha disse que é o sono!

Tirando a brincadeira (que pode parecer séria para algumas pessoas), parece que a Netflix ganhou muito com esta pandemia. Quer coisa melhor para uma empresa do que ter seus clientes SEMPRE acessíveis?!?

Mas tem séries e séries, não é mesmo? Eu decido como invisto o meu tempo, e com o quê. Um exemplo de uma boa série, na minha opinião, é uma série de produção alemã, que conta uma parte super importante da história em solo alemão, isso porque quando ela aconteceu (ano IX depois de Cristo), a Alemanha, como se conhece hoje, ainda não existia! É a história misturada com ficção do Arminius, que venceu uma importante batalha contra os romanos. Nesta batalha, que é conhecida como “A Batalha de Varus”, que ajudou a formar a alma alemã e faz parte dos mitos alemães, foram dizimados 15.000 romanos de três legiões no meio da floresta de Teutoburg, com o importante apoio de uma figura feminina tão carismática e importante para o desfecho do plano quanto o próprio Arminius, sua esposa Thusnelda. Entretanto, isso é mais ficção do que realidade, pois a participação feminina parece não ter sido parte da realidade daquela batalha, mas vale a intenção de tentar ilustrar como era a vida das mulheres que viveram naquela época em solo alemão.

Quem tiver ficado curioso e não quiser ir direto daqui para a telinha da Netflix, deixo aqui uma reportagem da Süddeutsche Zeitung sobre a série.

E quem quiser, pode visitar a floresta onde tudo aconteceu e ver uma imagem enorme e imponente do Arminius. Aqui você acha tudo sobre esse passeio, que não pode ser feito no momento por causa da pandemia, mas, espero, dentro em breve novamente!

::Tem novo livro vindo por aí!…::

20/07/2020
Não percam o lançamento! No livro, conto a história de superação do meu marido, Matthias. 🥰
Invitation for the launch of the new anthology where I tell my husband’s overcoming story. ❤️

Clique aqui para acessar o link do lançamento no Zoom.

::Encontro do Mulherio das Letras Paraná – Dia 1::

18/07/2020

O primeiro dia do encontro do Mulherio das Letras organizado pelo Mulherio das Letras Paraná já deixou marcas e boas lembranças.

Tivemos a Samantha Abreu falando sobre O Lugar do Poeta. Ela nos deu uma ideia de quantas escritoras, prosistas e poetisas brasileiras foram esquecidas e atacadas durante a História, que permitiu que poucas delas se sobressaíssem no cenário literário nacional, pois houve muitas vezes a tentativa de calar suas vozes, atacá-las diretamente ou sua família.

A Samantha nos ensinou que houveram até agora cinco ondas da literatura brasileira, a saber:

  • 1a. onda: 1830-1870 – educação básica, alfabetização da mulher, direito a ler e escrever;
  • 2a. onda: 1870-1920 – direito ao voto (sufragistas, jornalistas, militantes)
  • 3a. onda: 1920-1970 – sexualidade, desejo, literatura com temas femininos
  • 4a. onda: 1970-2020 – resistência e questionamento ao Golpe Militar e à Ditadura. Foi quando o movimento Mulherio que deu origem ao atual Mulherio das Letras foi fundado, em 1981 através da Fundação Carlos Chagas;
  • 5a. onda: começando em 2020, o período atual mostra um repuxe na História, onde a repressão impera de novo e tenta-se mais uma vez calar a voz da mulher e, muitas vezes, lhe negar o lugar de fala. A consequência tende a ser um tsunami ainda maior e mais forte, influenciando a produção feminina e feminista atual. Continuemos escrevendo e nos comunicando, apoiando umas às outras, em plena sororidade e reconhecimento de que nós temos e devemos falar sobre temas que estão diretamente ligados a nós.

A Samantha falou sobre várias escritoras brasileiras desconhecidas e perguntou, acertadamente, por que elas desapareceram da História e dos livros escolares.

A minha Roda de Conversa (disponível a partir de amanhã no YouTube) que tive o prazer de moderar a convite da Marilia Kubota, com a participação de Leida Reis (MG), Jeovânia Pinheiro (RN) e Vanessa Ratton (SP) tocou nos temas da expressão conjunta de coletâneas femininas. Falamos sobre com o encontro, a troca e a diversidade da expressão feminina é importante, discutimos o preconceito contra este tipo de literatura e por que ele não é (ainda) considerado para prêmios literários. Constatamos que desde 2017, o selo Mulherio das Letras já lançou várias coletâneas, algumas das quais tive o prazer de participar tanto como escritora e poetisa quando como curadora. Nós, como curadoras de coletâneas, levantamos a importância desse meio de expressão, lembrando que as trocas ficam ainda mais fortes quando saem do virtual para o real e que juntas, somos sempre mais fortes! Falamos sobre a literatura infantil, a literatura que dá visibilidade a mulheres (também negras) e da importância de incentivar a produção literária desde a tenra infância. Fomos unânimes em coro quando afirmamos que devemos apoiar as lideranças femininas e, através de nossos projetos, apoiar a arte e o trabalho feminino também no campo da correção, diagramação, produção, edição, impressão e distribuição de nossos livros, em um grande campo de sororidade que reverbera para todas e para o mundo. Comentamos também que o Mulherio das Letras tem conseguido se expressar também no exterior, já tendo contado por exemplo com coletâneas já produzidas na Alemanha e em Portugal. Falei bem rapidinho do meu projeto atual de livro, o HERstory – escreva a sua história!, informando que busco também a sugestão de temas e do que a mulher quer ler em um livro que quer empoderar mulheres para que elas vivam as vidas que elas queiram viver.

O terceiro bloco que assisti foi sobre a Violência Doméstica e Felinicídio, tema apresentado por Daniella Rech e um grupo de peso que vive e atua no Paraná. Ficou claro que o feminicídio tem aumentado e que temos que, juntas, combatê-lo pela raiz, que (ainda) faz parte da cultura machista brasileira. Até então eu não tinha noção do quão agressivos os atos de feminicídio no Brasil são, pois geralmente a mulher é atacada no pescoço, rosto e coração, em regra por parceiros e ex-parceiros que desfiguram a mulher, destroem seus rostos na ideia de posse, ódio e no entendimento de que se não podem tê-las como seus objetos de uso pessoal, irão destruí-las também para outros… Ficou claro que ainda há muitas mulheres que têm medo de denunciar a violência que lhes acomete, que não é claramente só física, mas também psicológica, e acontece de várias formas tais como p.ex. coerção, manipulação, retirada de participação e de expressão, desconsideração no ambiente familiar e na educação dos filhos, assédio, etc., culminando com a violência visível física e, muitas vezes, com a morte.

O código penal brasileiro, através do artigo 139, que foi escrito em 1940, ainda limita muito a definição do que é a violência contra a mulher e temos que ficar constantemente alertas, denunciar casos e fazer valer a nossa voz através do voto e da participação política para ir, aos poucos, mudando esse quadro alarmante onde o Brasil aparece como líder em mortes por feminicídio e também de pessoas trans. Portanto, as punições deveriam ser ainda mais severas para ajudar a cortar o mal pela raiz e a nos tirar desta triste liderança mundial…

Mas por que a violência, muitas vezes, não é denunciada? Foram levantadas tantas razões pelas participantes! Vamos ver se eu consigo reunir algumas delas:

  • Desconhecimento pessoal da definição do que é um ato de violência;
  • Falta de recursos e/ou dependência financeira do parceiro;
  • Crença de que o ato foi isolado e de que se trata de um acontecimento pontual, de que o parceiro vai mudar;
  • Desconhecimento de seus direitos e de onde buscar ajuda contra a violência;
  • Medo de perder o emprego (quando a agressão acontece dentro da empresa onde trabalham);
  • Medo de que o companheiro ou marido perca seu emprego;
  • Medo de buscar ajuda e de não receber apoio p.ex. na delegacia, de ser ridicularizada;
  • Vergonha, medo de se expor, medo de mostrar a honra denegrida;
  • Medo de denunciar e ter que rever o agressor;
  • Opinião de que não adianta denunciar, porque nada irá ser feito efetivamente contra o agressor;
  • Sentimento de culpa da própria mulher que sofreu a agressão, tomando o lugar do agressor;
  • E muitos outros medos e receios, conscientes ou não.

Como uma pessoa que também já foi alvo de agressão, incentivo mulheres a terem consciência dos tipos de violência e de denunciar SIM, quer seja sozinhas, quer seja de forma coletiva. E a mostrar limites desde o início dos relacionamentos, não esperando que os sinais aumentem para agir, quando muitas vezes já pode ser tarde demais. O problema entre homem e mulher não é um problema dentro das quatro paredes, mas sim um problema da sociedade. A mulher retratada pelo olhar e fala do outro já é uma forma de violência! Quando nós mulheres nos expressamos na arte, muitas vezes falamos daquilo que povoa a nossa mente, como nossos medos (do machismo, de nos expressarmos, de usarem nosso corpo, medo de homem e medo de morrer, também por feminicídio, medo de opressão, estupro, apagamento, falta de lugar, perda ou ausência da conquista do lugar da fala)…

Falemos! Escrevamos! Busquemos nos expressar com sororidade e apoio mútuo! Hoje tem mais discussão no encontro do Mulherio das Letras Paraná! Todas acessíveis através do canal do YouTube. E a partir de amanhã as discussões de ontem também estarão disponíveis no YouTube. Continuemos as trocas! Já somos quase 7.000 escritoras brasileiras e provavelmente o maior encontro feminino brasileiro da atualidade. Temos que ter consciência da nossa força que não está limitada ao Brasil, mas ecoa no mundo.

::HERstory: calendário de Mulheres que fizeram/fazem História::

25/03/2018

IMG_0410

Voltei de Augsburgo com um exemplar da coletânea da qual participei, onde 50 escritoras brasileiras espalhadas pelo mundo escreveram poemas e contos sobre a paz. O livro foi editado de forma bilíngue, em português e em inglês. Ficou lindo e está sendo emocionante participar desse movimento de mulheres pensantes em prol do direito de expressão através da palavra escrita!

Em Augsburgo, revi amigas, tais como Alexandra Magalhães Zeiner, da associação Mulheres pela Paz, e Angélica Dias Müller, da Imbradiva, além de ter tido o imenso prazer de conhecer a representante do Mulherio das Letras vinda do Brasil para o lançamento da I Coletânea Internacional Mulherio das Letras, Vanessa Ratton. Durante os dias de 10 e 11 de março de 2018, participei de dois eventos, uma noite de comunhão de culturas no Café Neruda, e um brunch multicultural na biblioteca de Göttingen, onde apresentamos fotos, poemas, livros e ideias em português e em alemão. Tive a imensa honra e oportunidade de apresentar e ler um conto da minha querida tia, Aracy Miranda Costa, uma de minhas musas inspiradoras, também escritora, que deixou este mundo muito inesperadamente em agosto de 2016. Li um conto do livro “Causos” para Rir e Casos para Refletir, que ela lançou em 2014 junto da minha mãe. Vendi livros dela, meus, conheci muita gente legal, troquei, inspirei, fui inspirada. Voltei pra casa com uma mala e uma alma mais leves! Com um calorzinho bom no coração!

No dia do brunch plantei a sementinha de um novo projeto. Aqui no blog sempre comentei de mulheres fortes, e que como sempre tive a impressão de que mulheres fortes são facilmente esquecidas ao longo da História, como se ela fosse mesmo só HIStory, a História dos homens. Comentei sobre isso com a Vanessa, e como um calendário que tenho lido todo dia no trabalho, que comprei e me presenteei e me mostra a cada dia a trajetória de uma mulher de fibra no mundo, ainda viva ou não, tem me deixado constantemente inspirada e pensativa sobre o lugar da mulher no mundo.

Daí surgiu a ideia de fazermos um calendário assim em português, pra homenagear mais mulheres, vivas ou não, que fizeram e fazem História. Isso aconteceu poucos dias antes do assassinato da Marielle Franco no dia 14 de março de 2018, e ela certamente fará parte do nosso calendário! Assistindo videos e conhecendo um pouquinho da grande mulher, socióloga, política e agente de mudança na luta pelos Direitos Humanos que foi Marielle, cheguei à trajetória de outra mulher incrível: Audre Lorde.

Ficaria imensamente grata se deixassem no comentário mais nomes para serem homenageados em nosso calendário, que será um projeto conjunto, meu e da Vanessa. Uma homenagem puxa a outra e a certeza de que:

“Eu não serei livre enquanto houver mulheres que não são, mesmo que suas algemas sejam diferentes das minhas.”

Audre Lorde

P.S.-Lendo e me informando sobre Audre Lorde, me deparei com outra mulher inspiradora, a Joseanair Hermes que atua na Cáritas do Paraná, Brasil. Leiam o que ela tem a dizer! Tudo a ver com o que acabo de escrever agora, na mesma linha de pensamento e empoderamento feminino!

::Catarina de Bora / Catarina Lutero::

05/11/2017

Katharina-v-Bora-1526-1

Em alemão, o nome da esposa de Martinho Lutero (Martin Luther) era Katharina von Bora ou, depois do casamento, Katharina Luther. Ela foi freira católica, mais tarde esposa, mãe de seis filhos, mulher de negócios, dona de uma pensão e de uma cervejaria, de campos que usava para plantar os legumes e criar os animais que usaria para oferecer refeições aos clientes da pensão, entendia de ervas medicinais, tinha tempo para jardinagem, cuidado de animais, compra e venda de imóveis, administração dos negócios e propriedades… Era uma mulher com voz e pensante, que nasceu em 29 de janeiro de 1499 e viveu até 20 de dezembro de 1552, a mulher por trás de Martinho Lutero, o líder da Reforma Protestante. Ela entrou para a história como uma das poucas mulheres de sua época que vivia a vida que pensava ser certa para si, dentro das possibilidades da época, com pleno apoio de seu marido.

Pelo fato de ter sido freira, Catarina tinha tido a sorte de receber educação formal, algo impensado para mulheres de sua época, tendo aprendido a ler e escrever, também em latim, além de ter tido aulas de matemática, canto, cozinha, jardinagem, de cuidados com doentes e de ter aprendido as propriedades das ervas medicinais que plantava nos jardins do convento.

Dr. Martinho Lutero, ex-monge e professor de teologia da universidade de Wittenberg, líder da Reforma Protestante, via homens e mulheres como seres iguais perante a Deus, mas talvez por influência da época nem sempre ele achava, em geral, que mulheres e homens tinham o mesmo valor, apesar de ver em sua esposa a presença de Deus em sua vida e de frequentemente convidá-la para sentar-se ao lado dele nas reuniões que mantinha com outros reformistas do sexo masculino. Ele sugeriu que também meninas, além dos meninos, pudessem ir à escola para terem a capacidade de ler e formar sua própria opinião a respeito das coisas, mas chegou a afirmar que o homem era como o sol, com luz própria, e a mulher como a lua, iluminada pela luz do sol. Mesmo assim, ele primeiro a influenciou com seus escritos, afirmando que mulheres não precisavam viver como freiras para honrar a Deus, e que seriam salvas por meio da fé, quando ela decidiu fugir do convento junto de 11 outras freiras em 1523, e mais tarde, depois do casamento em 1525, proporcionou à Catarina, a partir de seus 26 anos, uma vida em liberdade, lhe dando os meios para que ela transformasse o local onde viviam em uma pensão e se ocupasse diariamente da criação dos muitos filhos, da administração de suas propriedades, da impressão e venda das ideias de seu marido Lutero e dos clientes da pensão, que chegavam a formar um grupo de 40 pessoas, para quem tinha que oferecer diariamente hospedagem e comida. O que tinha começado como um casamento arranjado e com grande diferença de idade (16 anos) entre um ex-monge e uma ex-freira, plenamente criticado pela sociedade em que viviam, acabou resultando em uma união estável com pontos positivos para ambos.

Entretanto, sua vida mudou completamente quando Martinho Lutero morreu, em 1546. Apesar dele ter deixado um testamento reconhecendo sua esposa como sua única herdeira e declarado que ela tinha plenos direitos sobre os filhos, fato que não era comum na época e contra o que ela enfrentou muitas dificuldades. Além do mais, teve que fugir de representantes da igreja católica e de ondas de doenças como a peste, tendo perdido suas propriedades e sido forçada a viver da ajuda de outras pessoas. Em uma dessas fugas, se envolveu em um acidente de charrete, que ela mesma guiava e que a levou à morte, seis anos depois de seu marido ter falecido. Ela morreu no ano de 1552, doente e praticamente empobrecida, em Torgau, na Alemanha.

Fontes: diversos artigos na Wikipedia do Brasil e da Alemanha, MDR, assim como diversos vídeos e documentários assistidos durante as comemorações de 500 Anos da Reforma.

::Viva Hipátia::

28/03/2014

Desde que assisti o filme Ágora virei fã incondicional dela. Leia mais aqui sobre a história da vida da matemática, astrônoma, professora e filósofa Hipátia.

Leia aqui sobre o filme Agora ou Ágora, que conta a história da vida dela com o papel principal ocupado por Rachel Weisz. Vale muito a pena vê-lo!

::Visita ao museu de arqueologia de Constança::

24/03/2014

Taí. Precisei de 16 anos para ir ao museu de arqueologia de Constança e tenho que dizer que adorei a visita! Depois dos primeiros dias lindos de primavera deste ano, este final de semana foi chuvoso e bem frio. Parece que a primavera resolveu dar uma folga e a chuva decidiu cuidar das flores, que já enfeitam toda a região em todas as suas esplêndidas cores e formas. Dada a mudança de temperatura, busquei algo pra fazer com crianças que não dependesse de tempo bom.

Fomos eu, Daniel e dois amiguinhos dele. As crianças foram atraídas por uma exposição toda feita de Playmobil, já que o museu tem sempre uma preocupação de construir cenas históricas e fazê-las visíveis aos olhos dos pequenos. As cenas que vimos hoje foi sobre o Concílio que aconteceu em Constança há 600 anos atrás (1414-18), do qual participaram 70.000 pessoas. Durante o Concílio de Constança, foi escolhido no ano de 1417 o novo Papa Martin V, portanto um acontecimento de repercussão mundial. Do lado da exposição a criançada tinha muito Playmobil e um quebra-cabeça gigante pra brincar. Aqui um link para um vídeo sobre esta exposição.

O museu tem ao todo 4 andares de história. Vimos o que a região onde moramos significou nos séculos passados, quando o Lago de Constança foi importante para as trocas comerciais dos alemães com o resto do mundo, dadas as dificuldades logísticas de antigamente. Nos outros andares vimos também muito da história do povo alemão (Alemannen), que é originário do norte da Alemanha e que povoou o que hoje é conhecido como o estado de Baden-Württemberg aqui na Alemanha. Em Württemberg fica parte do povo alemão conhecido como suebis, aliás na minha opinião os mais parecidos com os mineiros aqui na Alemanha, por serem altamente econômicos como nós. Abaixo um mapa da Europa no século V:

Aprendi que os romanos tinham também tentado ocupar a região do povo alemão (Alemannen ou Alamannen em latim), mas depois de terem tentado entrar no sul da Alemanha e ter até ocupado algumas cidades, eles tiveram que recuar e se limitaram às cidades ao longo do Reno (fronteira da Alemanha com a Suíça e a França). Aprendi também que os arqueólogos conseguiram recuperar grande parte da história do povo alemão através do estudo arqueológico da região, mais intensivo desde os anos 80, e também das descobertas derivadas dos túmulos daquela época, pelo fato distinto de que os cristãos não levavam presentes para o além e do contrário os alemães acreditavam que havia vida após a morte, levando consigo coisas representativas da sua vida terrena (jóias, armas, instrumentos musicais, etc.). Fiquei sabendo que o homens que faziam parte do povo alemão tinha em média 1,72 cm de altura, e as mulheres tinham 1,62 cm de altura, portanto nem tão mais baixos do que a média atual. As casas eram feitas de madeira, barro e tinham que ser refeitas a cada 20 anos em média. Pelo fato do povo alemão ter conseguido expulsar os romanos de suas terras e ter chegado até a tentar conquistar mais território, eles puderam manter seu idioma e sua identidade cultural. Este idioma é a origem dos dialetos alemães de hoje em dia, que vão de um território que abrange o norte da Suíça, norte da Áustria, Lichtenstein, sudoeste da Baviera até grande parte do estado de Baden-Württemberg e mostram que apesar de serem vistos como vários países, trata-se do mesmo povo. A partir do século XIII os romanos passaram a chamar o território teutônico de território alemão, o que deu origem ao nome Alemanha e à denominação do povo alemão no caso das línguas derivadas do latim, como por exemplo no caso do português, espanhol, catalão e francês, mas também para o idioma turco, árabe, curdo e persa.

Tanta coisa para descobrir! Sou super interessada por história, pelos ceutas e pela história de como se formou o povo alemão (reunião dos povos Alemannen, Franken, Friesen, Sachsen, Angeln e Thüringer do mapa acima). Agora fiquei com vontade de aprender mais ainda sobre os temas! E voltar ao museu, quando entender um pouco mais do assunto. Portanto recomendo, pra quem estiver de passagem por Constança, que não cometa o mesmo erro que eu e vá visitar o museu assim que tiver a oportunidade!

Fontes: Museu de Arqueologia de Constança (Archäologisches Landesmuseum) e Wikipedia (Allamanen).


%d blogueiros gostam disto: