Archive for the ‘Pensamentos & Ditados’ Category

::10 Confissões de Terça-Feira::

25/10/2016

corazonseco_1

Já saí em matéria de jornal no Japão

Tenho vários amigos virtuais (e reais!) pelo mundo

Tinha um gato sábio e terapeuta (ele me tinha em seu reino)

Conheço gente que vê aura (de várias cores e tamanhos)

Às vezes, penso numa pessoa e ela aparece

Já encontrei por acaso uma chinesa que conhecia, totalmente sem planejar, num parque em São Diego nos EUA (logo depois de ter pedido pra escrever os nomes do povo daqui de casa em chinês pra uma outra chinesa desconhecida…)

Vejo sinais em borboletas, borboletas como sinais

Abro livros no meio, procuro e leio “recados”

Leio vários livros ao mesmo tempo

Minha multiplicidade me faz ser voada (e aceitar que sou um simples ser humano cheio de pontos enigmáticos e erros diários)

 

::Morre uma estrela::

21/06/2016

Quando me separei do meu ex-marido, finalmente me vi livre e voltei a ser dona da minha própria vida novamente, recuperando aos poucos minha auto-estima, meu nome, minha identidade… Foi, dentre outros, no livro desta grande escritora que descansei minha alma e juntei forças para continuar acreditando no amor, apesar de tudo. Por acaso fiquei sabendo que ela morreu ontem. E gostaria de prestar uma singela homenagem, apesar de não concordar com parte do que ela defendia. Não sou adepta nem do aborto e muito menos da eutanásia. Mas quem disse que tenho que concordar com tudo para considerar uma outra pessoa digna de respeito e admiração?

Fazendo uma pequena pesquisa na internet, descobri que há um filme baseado em um de seus maiores sucessos: Sal sobre a nossa pele, que tenho que ver! Alguém o conhece? Parece que quando esse livro foi lançado, em alemão Salz auf unserer Haut, em 1988, ele foi um escândalo e tanto!…

Que ela, Benoîte Groult, possa descansar em paz. Alguns de seus pensamentos, que devem servir para nós de lembrança de que a vida de muitas mulheres já foi muito, muito mais desigual que a nossa, mas estamos longe de atingir a sociedade egualitária que nos é de direito:

I was a Latin teacher, but being born a woman, I was considered incapable. Of course, I lived most of my married life before contraception and experienced the dark ages of illegal abortion. I had to ask my husband’s authorization to open a bank account to put in the money I had earned by my own work. And many other incapacities.

Eu era uma professora de latim, mas por ser mulher, era considerada incapaz. Claro que me casei antes da pílula anticoncepcional e experimentei a era negra do aborto ilegal. Tive que pedir licença ao meu marido para abrir uma conta de banco para guardar o dinheiro que eu recebia com o esforço do meu próprio trabalho. Além de muitas outras incapacidades.

Letzten Endes kommt es einzig darauf an, dass man seine Kinder liebt. Doch wenn man zu Hause eingesperrt ist, fängt man irgendwann an, die Kinder zu hassen. Ich hätte jeden Job angenommen, um nicht 24 Stunden am Tag auf mein Muttersein beschränkt zu sein.

No final das contas o mais importante é que amemos nossos filhos. Pois quando estamos presas às nossas casas, podemos começar a odiar nossas crianças. Eu teria aceitado qualquer tipo de trabalho para não ficar presa às atividades maternais durante 24 horas por dia.

Als ich 25 war und als Journalistin arbeitete, hatte ich immer noch kein Wahlrecht! In Deutschland konnten Frauen schon in den zwanziger Jahren wählen, das Wahlrecht für Frauen wurde in Frankreich erst 1944 eingeführt. 

Quando eu tinha 25 anos de idade e trabalhava como jornalista, não tinha o direito de voto! Na Alemanha as mulheres já tinham conquistado esse direito nos anos vinte, enquanto o direito ao voto feminino na França só foi institucionalizado em 1944.

Vermutlich muss man geraume Zeit in der Haut eines Menschen verbringen, der einem nicht ähnelt, ehe man zu dem wird, der man ist. Oder vielleicht hat man auch all diese vielfältigen Figuren in sich und muss von einer befreien, ehe man zur nächsten werden kann.

Talvez seja necessário viver a vida de outra pessoa por determinado tempo, para que possamos nos tornar quem somos. Ou talvez todas essas figuras vivam dentro de nós e temos que nos libertar de uma, para que a outra se torne realidade.

 

Groult era uma das feministas mais conhecidas da França. Enquanto François Mitterand estava no poder, ela liderou uma comissão que buscava denominações femininas para profissões até então só masculinas. Ela lutou pelo direito do aborto, da pílula anticoncepcional e mais tarde pelo direito à eutanásia.

Segundo ela mesma, Groult se tornou feminista contra sua própria vontade, porque teve muita dificuldade de ser feminina. Ela continuou como feminista, porque as mulheres alcançaram muitos avanços no âmbito privado, mas muito poucos no campo político. No começo dos anos 90 ela reconheceu que o movimento feminino estava perdendo forças. Em 1992, em Paris, ela declarou ao jornal “Stuttgarter Nachrichten” (Notícias de Estugarda), que o “feminismo estava fora de moda e o poder tinha voltado às mãos dos homens como há 20 anos atrás”.

A autora foi casada três vezes, teve um amante durante cinco décadas e no anel de seu último casamento tinha gravado, a pedido do marido que propôs um relacionamento aberto, “liberdade, igualdade e fidelidade”. Eles consideravam ser possível ter uma vida independente, inclusive sexualmente, enquanto demonstravam fidelidade em outros níveis e respeito um ao outro.

Groult morreu aos 96 anos na noite de terça-feira, 20 de junho de 2016, enquanto dormia. Como desejou, segundo informações de sua filha, sem dores. Do contrário, ela teria optado pela eutanásia, pois achava que a vida só valia a pena se pudesse ser vivida de maneira digna.

Que ela sirva de exemplo e inspiração para nós, para que não constatemos como ela, daqui a 20 anos, que não houve avanço nenhum para as mulheres. Pois, se não prestarmos atenção ao andar da carruagem, até corremos o risco de perder o que já alcançamos. Que saibamos agir nesse mundo de mídia social, onde é tão fácil aprender, elogiar e ofender, evitando toda e qualquer oportunidade onde a mulher é vendida como um produto de decoração, um ornamento bonito, um ser impensante mas bonitinho que esta ali, parado, sem voz, quieto no seu lugar, ou, no máximo, dançando como nas tardes de domingo da tevê brasileira. No dia a dia, temos que nos unir evitando piadinhas de mau gosto que denigrem a loira, logicamente burra, a dona de casa, com mãos pequenas para alcançar todo e qualquer cantinho, e tantas outras funções femininas. Dou graças a Deus por não ter vindo ao mundo na época em que uma mulher não tinha direitos que hoje são considerados óbvios, tampouco queria ter visto uma sociedade como a de Muhammad Ali, onde um negro não tinha o direito de pedir um café num bar da cidade, mas se olharmos bem para a nossa atualidade, veremos que ainda há muitas, insuportáveis aberrações, o mundo anda louco, e o machismo impera, calado e senhor de si, certo de seu poder.

P.S.: Se alguém quiser usar esta plataforma para homenagear alguma mulher, favor deixar um comentário abaixo. Eu e muitas outras leitoras, com certeza também leitores, agradecemos!

P.S.2-Por acaso, hoje, depois de 2.769 anos, uma mulher tomou o poder de Roma e será prefeita da cidade. Os nossos parabéns pra ela!

Fontes: página da autora no Facebook, reportagem da revista Spiegel e Brigitte Woman, página da Wikipedia.

::Re-nasce uma ativista – pelos direitos das mulheres, e pelo fim da cultura mundial do estupro::

14/06/2016

Desde meus tempos de universitária e aieseca não reconhecia um chamado tão claro quanto o de agora. Quanto mais leio e me informo, mais vejo que a situação da mulher no mundo ainda deixa muito a desejar. Ainda somos vítima de MUITA discriminação! Estamos ainda muitíssimo longe de existir de forma igualitária e de dividir a Terra de igual pra igual com os homens. Uma constatação triste, mas 100% verdadeira nos dias atuais, onde há casos de estupro sendo discutidos aos quatro ventos: a cultura do estupro é universal. No Brasil uma moça de 16 anos é estuprada por mais de 30 homens e estes só estão sendo julgados depois que uma delegada assumiu o caso; nos EUA uma moça foi estuprada dentro da universidade de Stanford, inconsciente, e o rapaz, reconhecido como estudante daquela universidade, bom nadador, leva pena leve de apenas seis meses (que poderia ter chegado a seis anos, por lei), porque, segundo o juiz, uma pena pior poderia ter consequências ruins para sua vida futura. Na Alemanha, a modelo Gina-Lisa Lohfink vai à Justiça contra dois estupradores, e de vítima passa a acusada, lutando no momento para não pagar uma multa de 24 mil euros por ter descrito que supõe ter sido dopada antes do estupro. O que aconteceu com ela foi em 2012, e há quatro (!) anos a fio um vídeo que os dois rapazes fizeram do estupro roda a internet e já foi clicado milhões de vezes, destruindo uma pessoa por dentro… E no Qatar uma holandesa foi estuprada, foi à Polícia e está presa no momento, pois no país o sexo é proibido antes do matrimônio… Quantas vezes mais veremos exemplos absurdos como estes???

GC

Portanto, estou buscando formas de agir em nome de minhas convicções. Re-nasce uma ativista, em idade adulta. Achei um grupo com o qual me identifiquei: Global Citizen. Se tiverem mais ideias de como podemos investir em causas atuais, agradeço pela sugestão.

Aqui o manifesto da Global Citizen traduzido agora para o português por mim:

Eu juro atuar contra leis que descriminem meninas e mulheres.

Muito poucas delas podem ir à escola ou têm acesso a um sistema de saúde, encontram um emprego que pague adequadamente ou têm direito a ser donas de terra. Eu me nego a aceitar esta desigualdade.

Uma em cada três mulheres sofrem violência durante suas vidas e milhões de meninas são casadas contra sua vontade. Mas isso não tem que ser assim.

Eu acredito em um mundo, no qual a metade da população não está submetida a leis sexistas e meninas têm a possibilidade de crescerem de forma saudável, podendo estudar e se tornar mulheres fortes.

Descriminação perante a lei é um dos maiores danos contra mulheres e meninas, pois o Estado não lhes oferece a proteção necessária. Em nome de uma igualdade de verdade não pode haver diferença entre homens e mulheres.

Mas leis não mudam sozinhas. Portanto temos que apoiar aqueles que lutam sem cessar por um mundo igualitário entre homens e mulheres, e temos que construir um movimento global. Eu declaro minha participação global ao Global Citizens e me coloco contra as leis que discriminam mulheres.

Vamos participar? Clique aqui.

::Saudade::

20/04/2016

Saudade é uma palavra densa

Profunda no significado

Quanto menos a gente pensa

Se vê por ela fisgado

 

Uma noite, tudo em paz

Tudo por mim conhecido

Em menos de um segundo

Vejo-me pego e vencido

 

Um sentimento de perda

Um vão, um adeus

Invariavelmente aquela cerca

Dita o que é de Deus

 

Uma lágrima no olho

Doces lembranças

Parte do meu miolo

Muitas esperanças

 

Inspirada por Rainer Maria Rilke

::Sons do coração::

19/04/2016

Escrever é uma forma de eternizar aquilo que se acha bonito, doce e até mesmo alguns desalentos que nos fazem relembrar do quanto tudo na vida é superável. É dar vazão a um eu diferente ou talvez i…

Fonte: Sons do coração

::Despedida – Rainer Maria Rilke::

19/04/2016

 

Rilke

Tradução livre para o português abaixo

Abschied – Rainer Maria Rilke

Wie hab ich das gefühlt was Abschied heißt.
Wie weiß ich’s noch: ein dunkles unverwundnes
grausames Etwas, das ein Schönverbundnes
noch einmal zeigt und hinhält und zerreißt.

Wie war ich ohne Wehr dem zuzuschauen
das, da es mich, mich rufend, gehen ließ,
zurückblieb, so als wären’s alle Frauen
und dennoch klein und weiß und nichts als dies:

Ein Winken, schon nicht mehr auf mich bezogen,

ein leise Weiterwinkendes —, schon kaum
erklärbar mehr: vielleicht ein Pflaumenbaum,
von dem ein Kuckuck hastig abgeflogen.

 

Despedida – Rainer Maria Rilke

Como tenho o sentimento do que significa a despedida

Como eu sei ainda: algo escuro e puro

Cinza, que o que estava unido e era bonito

Desnuda, põe a prova e desata

 

Como foi que eu não reagi quando vi

Quem, me chamando, me deixou ir

Ficou pra trás, como se fossem todas as mulheres

E ainda assim pequena, e não muito menos que isso:

 

Um aceno, não mais dirigido a mim,

Outro aceno mais breve – menos ainda

Outra explicação: talvez um pé de ameixa

De onde um pássaro voa, às pressas

 

Tradução livre de Sandra Santos

::Eterna dor de expatriado::

16/04/2016

Achei esse poema na internet, cujo título na realidade é “Me perdoem por estar tão longe”, mas tomei a liberdade de intitular este post como “Eterna dor de expatriado”, pois foi esse sentimento, nu e cru, que o poema me passou. E que acho que muitos vão sentir o mesmo…

Poema de Ruth Manus

saudade1-1024x1024

Me perdoem por estar tão longe

E por tentar estar presente com tão pouco. 

Venho pedir que me desculpem

Por todos os dias em que eu não estou

Por todos aniversário aos quais eu não vou

Pelas tantas vezes em que a ligação falhou

Por ter que ser tão menos do que realmente sou

 

Venho dizer o quanto sinto

Por todos os almoços em que meu lugar sobra

Por ainda não ter visitado a casa nova

Por não ter ajudado com as coisas da obra

Por tantas vezes colocar o amor de vocês à prova

 

Eu juro que queria

Queria ter ajudado a sarar todas as doenças

Queria poder ser verdadeira presença

Queria segurar aquelas sacolas imensas

Queria fazer massagem nas suas costas tão tensas

 

Venho me desculpar

Por todos os copos de água que eu não busquei

Por toda louça suja que eu não lavei

Por todas as piadas que eu não contei

Por todas as dores que eu não abracei

 

Eu juro que queria

Segurar os cabelos de quem vomitava

Segurar o elevador para quem demorava

Segurar a onda de quem tanto chorava

Segurar as mãos sem precisar dizer nada

 

Me perdoem

Por ser uma imagem na tela do celular

Por ser um áudio que eu nunca termino de gravar

Por ser uma história que nunca dá tempo de contar

Por ser uma ausência com a qual vocês aprenderam a lidar

 

Me desculpem

Pelos tropeços dos quais não ri

Pelos pensamentos que eu não li

Me desculpem

Por saber o quanto minha falta dói por aí

E por não saber fingir

Que ela não dói

Igualmente

Sempre

E tanto

Aqui.

 

::Mundo louco x mundo lindo::

29/03/2016

Num dia louco feito o de hoje onde, fica difícil acompanhar (e acreditar) nas atualidades.

Mulher passa 4 horas nadando atrás de navio

Uma mulher de 65 anos pula no mar atrás de um navio, achando que vai encontrar o marido com quem tinha brigado. Ela é resgatada 4 horas depois, passando muito frio nas águas de 18 graus da costa da ilha de Madeira, agarrada a uma malinha. O marido não se encontrava mais no navio; ele tinha ido, logo depois da briga, para o aeroporto, e voltado pra Bristol, na Inglaterra, onde morava.

Leis severas

Um homem rico na Suíça ultrapassa com seu carro esporte duas vezes a velocidade permitida (100 km/h ao invés de 60 km/h e 154 km/h ao invés de 120 km/h) e paga primeiro uma multa de 600 francos suíços, depois outra de 9.000 francos suíços e por último tem que entregar sua carteira de motorista por dois anos para as autoridades. Ele afirma não se importar com esse fato, pois o transporte público no país é muito bom e quando não está andando de trem ou de ônibus, tem seu chauffeur próprio. Lá as leis valem para todo ser mortal, não importando o poder aquisitivo ou a classe social da pessoa…

Tay – Inteligência Artificial espelha o extremismo dos dias de hoje

Tay

A Microsoft resolve fazer um experimento de Inteligência Artificial e coloca o robô Tay no Twitter, para bater papo, se divertir e aprender com os internautas. Tinham anunciado que ele poderia receber e comentar fotos, contar piadas e entreter a comunidade. Tay começa o dia saudando os internautas e dizendo o quanto os preza. Em menos de 24 horas, a exemplo do extremismo que assola a internet, ele se torna sexista e nazista, afirma que o Holocausto nunca aconteceu, elogia Hitler, fala mal do feminismo e incita o extermínio do México. A Microsoft tem que tirar Tay às pressas do ar, pedindo desculpas e afirmando que as ideias dele não são as mesmas da empresa. Tay aprendeu, em pouquíssimo tempo, a se deixar influenciar como uma criança sem opinião própria e provou o que a grande massa tem de pior…

Bélgica & Lahore – terrorismo e capitalismo

Em menos de uma semana, vimos dois atentados terroristas acontecerem, dentro do aeroporto e do metrô de Bruxelas, na Bélgica, matando mais de 30 e deixando mais de 300 feridos, e no feriado da Páscoa num parquinho com crianças cristãs em Lahore, no Paquistão, matando 70 pessoas, dentro elas 35 crianças e ferindo 340 outras… Como se a loucura dos dias atuais já não tivesse chegado ao limite máximo, trocamos o medo antigo da Guerra Fria, de uma Super Potência com um provável botão para acionar a bomba atômica, por todo e qualquer ser humano desacreditado e desiludido, que não conseguiu se integrar onde está, é ou está doente, psicopata, e não vê perspectiva para sua vida a não ser a de se explodir ou meter um avião na rocha, levando consigo centenas de inocentes… Um único ser humano se tornou uma arma eficaz e barata, a consciência (o a falta dela) está no comando.

Nem em uma hora dessas pára-se de tentar encontrar meios de fazer dinheiro. Por escolha própria, porque não quero virar produto pro Facebook, me nego a informar pro sistema onde moro. Por isso, eu e muitas outras pessoas bem longe de Lahore, espalhadas por todo o mundo, recebemos uma mensagem perguntando se estávamos passando bem, nos convidando a visitar o programa para assinalar que estamos vivos. Vai ver que a intenção era a de fazer com que os que não tinham determinado onde moram, o façam nesta ocasião, consequentemente aumentando o valor da empresa. Por via das dúvidas, o que pode ser interpretado como uma brincadeira de mau gosto e também como um ato solidário, virou uma pane declarada e o Facebook a anunciou, pedindo desculpas pelo ocorrido…

Enquanto isso, na Turquia…

O Erdogan acha que pode limitar a liberdade da imprensa, não só dentro da Turquia, mas também fora dela. Naquele país, quem tem opinião própria vai parar atrás das grades, e o embaixador alemão acaba de ser intimado para visitar Erdogan depois de uma sátira lançada pelo canal de tevê alemão NDR. Nela, afirma-se a verdade (falta de liberdade de expressão, prisão de repórteres, regalias do governo, pessos maltradas pela polícia, dentre tantas outras aberrações) e espera-se que, se ninguém pode ter opinião própria dentro da Turquia, que não venham com essa de propagar a verdade fora de lá… E o pior é que o governo alemão não comentou nada oficialmente depois do ocorrido, pois depende da Turquia nas negociações ligadas aos refugiados…

60 milhões de pessoas estão se movimentando pelo mundo no momento, em busca de um lugar melhor, mais calmo e mais digno pra viver. Muitas delas vieram desde o ano passado aqui para a Alemanha, pelo que eu tenho que tirar o chapéu para a chanceler Angela Merkel, que não mudou de opinião nem depois de ter sido criticada praticamente pelo país inteiro e de ter corrido o risco de perder seu posto de chanceler. A consciência foi posta acima do poder. Palmas para ela.

Tiro o chapéu e não saberia nem o que fazer mais, além de manter uma admiração profunda pelo Papa Francisco, que busca a linguagem do amor, acima de todas as religiões, e lava os pés de 12 refugiados de várias nacionalidades na Páscoa, contribuindo para o entendimento entre os povos e dando um exemplo de humildade e amor ao próximo. Mesmo que a igreja tenha sido reformada 30 anos em 3 anos, desde que ele ocupa o cargo, dentre tantas outras reformas necessárias falta ainda ele liberar os postos de liderança dentro da Igreja Católica para as mulheres. Por que não há (ainda) mulher padre, mulher bispo e mulher papa? Por quanto tempo?

Num mundo conturbado como o de hoje, tempos que voltar a atenção para as pequenas coisas e tentar nos concentrar no bem, quer seja ele conhecido ou desconhecido. Fecho esse post agradecendo a um desconhecido que achou a carteira do meu marido, perdida há algumas semanas na Baviera, e dela tirou somente o dinheiro, devolvendo o restante do conteúdo para a prefeitura da cidade onde a mesma tinha sido perdida, que por sua vez a enviou para a nossa cidade. Tudo o que foi deixado dentro da carteira vale uns 500 euros, inclusive um cartão anual para andar de trem, mais de 60 euros de tíquetes restaurante, documentos, fotos, sem falar na carteira em si, novinha, de couro. Existem muitas pessoas de bem. E nós, a cada segundo, temos a opção de ver o mundo sob o ângulo negativo ou positivo, de tentar sermos pessimistas ou positivistas, de incitar o mau ou de fazer o bem.  O livre arbítrio é todo nosso.

Fontes: praticamente todos os meios de comunicação da atualidade, dentre eles Twitter, Facebook, YouTube, revista Spiegel, jornal FAZ (Frankfurter Allgemeine Zeitung), website da Telekom, programa Extra 3 da NDR.

::Flores para Danielle #DesFleurspourDanielle::

19/11/2015

No meio de tantos dias tristes, um raio de luz. Uma senhora francesa foi entrevistada logo depois do atentado de Paris da última sexta-feira, 13 de novembro de 2015, e falou o que muitos pensam:

“É muito importante trazer flores para os nossos mortos. É muito importante ler várias vezes o livro de Hemingway intitulado ‘Paris é uma Festa’. Porque nós somos uma civilização bastante antiga. E damos muita importância aos nossos valores. Nós nos unimos aos 5 milhões de muçulmanos que praticam sua religião de forma livre e pacífica. E vamos lutar contra os 10 mil bárbaros, que dizem matar em nome de Alá.

Em alemão:

Es ist sehr wichtig, unseren Toten Blumen zu bringen. Es ist sehr wichtig, mehrfach das Buch von Hemingway ‘Paris est une fête’ (Paris – Ein Fest fürs Leben) zu lesen. Denn wir sind eine sehr alte Zivilisation. Und wir tragen unsere Werte hoch. Wir verbrüdern uns mit den fünf Millionen Muslimen, die ihre Religion frei und friedlich ausüben. Und wir werden kämpfen gegen die 10.000 Barbaren, die angeblich im Namen von Allah töten.

Em francês (só achei um pedaço):

Nous fraterniserons avec 5 millions de musulmans qui exercent leur religion librement et gentiment et nous nous battrons contre les 10 000 barbares qui tuent soi-disant au nom d’Allah”.

Danielle 

Um escritor francês, Karim Boukercha, gostou tanto do que a senhora disse, que resolveu iniciar uma busca na internet para encontrá-la e dar-lhe flores de presente. Ele resolveu colocar um pedido no Twitter para que ela fosse encontrada, ao mesmo tempo que iniciou uma “vaquinha virtual” aqui (agora em 4 idiomas) para ela. Em pouco tempo descobriu seu nome, que é advogada aposentada, nascida em Paris, tem 77 anos e se ocupa com muitos projetos sociais, é defensora dos Direitos das Mulheres e, como ela mesma diz, “revoltada com a estupidez”. A entrevista de Danielle rapidamente viralizou na web. Uma floricultura ficou sabendo do caso e mandou entregar flores para Danielle. Remetente: “A Internet”. E o mais legal é que a vaquinha fez muito sucesso, ela já atingiu mais de 14 mil euros hoje, 19 de novembro à noite, com contribuições de mais de 1.500 pessoas. Todas elas estão fazendo uma doação à Danielle, por terem se simpatizado com o que ela disse de forma firme, correta e convicta e como meio de contribuir de forma direta para seus projetos sociais, dentre eles uma recém-criada associação para ajudar as famílias das vítimas do último dia 13. Flores para Danielle. Asssinado: As pessoas de bem da internet. Muito comovente o que ela disse, ao ser entrevistada depois de ter ficado famosa na internet: J’ai été très heureuse de voir que beaucoup de musulmans m’ont dit “merci madame”. (Fiquei muito feliz pelo fato de que muitos muçulmanos disseram para mim “muito obrigado, madame”. )

Linda história, não é mesmo? Flores para todos! #DesFleursPourDanielle

Fontes reportagens das revistas Der Spiegel de 18.11.15 e Tribune de Genève de 17.11.15.

::#WelcomeChallenge – Onda de Solidariedade para com Refugiados na Alemanha::

07/09/2015


Ainda estou processando os fatos dos últimos dias. Já chorei algumas vezes, ao ver os vídeos dos alemães dando boas-vindas aos refugiados que têm chegado aos montes na Alemanha.

Sim, o preconceito racial continua existindo na Alemanha. Sim, o mundo continua sendo da opinião de que existem pessoas melhores e piores, dependendo de seu passaporte e da língua que falam. Sim, os nazistam continuam por aí. Mas há esperanças, há grandes esperanças. Enquanto nos noticiários surgem reportagens de casas (de refugiados ou de pessoas que apóiam os refugiados) que foram incendiadas propositalmente, nos últimos dias os noticiários e as manchetes que predominam na Alemanha são os da solidariedade do povo alemão direcionados aos refugiados, recebendo-os nas estações de trem, dando-lhes comida, bebida, bichinhos de pelúcia para as crianças, aplaudindo sua chegada… É muito emocionante! Ainda mais para mim, que cheguei aqui em 1993, exatamente na época em praticamente não se via (mas certamente existia) solidariedade direcionada aos que chegavam e na realidade era bem mais comum ouvir notícias de incêndio das moradias de asilados… O incêndio de Solingen, por exemplo, marcou a história do país, e tornou-se símbolo daquela época, quando um pequeno grupo de alemães, bêbados, depois de terem sido expulsos de uma festa, foram para a frente da casa de uma família turca, colocaram fogo nela e mataram, ao todo, cinco pessoas, deixando 17 pessoas feridas. Lembro-me que os membros da AIESEC, com quem eu convivia, usava naquela época, como sinal de protesto, camisetas com o nome de todas as cidades onde incêndios daquele tipo tinham acontecido naqueles anos fatídicos… Meu marido disse que naquela época a Alemanha era tão preconceituosa que até ele, que tinha morado no exterior e voltou a morar em seu país natal, sentia o preconceito com relação a ele mesmo, por não ter crescido aqui, não ter nascido na região onde morava. Alguns amigos me contaram que os jovens dos bairros da região onde moro tinham muita rixa uns com os outros naquela época, muitos não se misturavam e não se aceitavam. E vejam bem, isso tudo aconteceu há pouco mais de 20 anos atrás!…

Desde então a Alemanha mudou de cara – e de alma. O país se internacionalizou. O inglês virou o segundo idioma mais falado. Em 1993 já andei quilômetros e quilômetros em Frankfurt procurando UMA pessoa que falasse inglês!… Os jovens crescem agora em grupos multiculturais e acham que o multiculturalismo é algo natural. O termo “pessoas de origem migratória”, mesmo que possa ser usado de forma pejorativa, surgiu para tentar entender e quantificar o processo migratório que se instalava, cada vez mais, no país. Hoje uma em cada cinco pessoas que moram na Alemanha, ou seja, 20% da população, é estrangeira ou filha de estrangeiros.

Está claro que a situação atual não está clara para ninguém. Nenhum país ou líder tem todas as repostas para a onda migratória que está afetando o mundo todo, e alterando o quotidiano da Europa, mudando sua cara mesmo. Os empresários alemães vêm a chegada de jovens como uma mão de obra potencialmente propícia para ocupar os postos de trabalho que estão em aberto na Alemanha e para garantir o crescimento econômico do país. O governo vai ter que alterar as leis relativas a refugiados para que eles tenham o direito de trabalhar mais rapidamente, facilitando sua integração. Escolas e universidades preparam-se para receber também os refugiados e aumentar os cursos para o aprendizado do idioma. Voluntários de todas as cores e sabores atuam de várias formas ajudando os refugiados e aqueles que já foram declarados oficialmente como asilados. Pessoas comuns participam de doações, dentre e fora da internet, e no Facebook vários grupos, como por exemplo o #WelcomeChallenge (no mesmo estilo do #IceBucketChallenge do ano passado), faz ações e doações para ajudar os que estão chegando no país e depois nomeiam colegas e amigos para que a boa ação seja seguida por outros. Muitas pessoas que exercem influência e têm um papel de destaque no país, como o ator e diretor de cinema Til Schweiger, estão se engajando em prol dos refugiados e influenciando positivamente a sociedade.

Óbvio que enquanto a população ajuda, ela também tem medo. Metade da população preocupa-se com a integração e a manutenção de tantos asilados no país. Enquanto os membros da Comunidade Europeia discutem como dividir os refugiados entre si, a Hungria constrói um muro de 175 km na fronteira com a Sérvia… Enquanto turistam se deitam para merecidamente curtir suas férias nas praias, como por exemplo na ilha de Kos, refugiados chegam nessa ilha da Grécia e em muitas outras com necessidades básicas a serem atendidas… O governo alemão vai ter que contratar mais de 1000 pessoas e disponibilizar mais dinheiro para poder receber e processar os pedidos de asilo, de forma a ajudar a quem realmente precisa. Discute-se a diferença entre o refugiado, que está fugindo de uma situação insustentável de guerra e condições inexistentes de vida digna em seu país natal, e o imigrante, que busca melhor qualidade de vida, mas não está necessariamente passando por dificuldades tremendas para manter sua dignidade. Pretende-se concentrar os esforços e ajudar a quem realmente está precisando de ajuda.

A ideia de que moramos em um só planeta e de que somos todos um, somos todos seres humanos com as mesmas necessidades e desejos, urge ainda mais na situação atual. A foto do menininho morto na praia da Turquia rodou o mundo e colocou muita gente pra pensar. O Papa Francisco pediu para que cada igreja, cada mosteiro, a começar por ele no Vaticano, cuide de pelo menos uma família refugiada. Muitos aqui lembram que os alemães tiveram que fugir durante as Guerras até dentro de seu próprio país e que tiveram a sorte de serem recebidos e terem podido reerguer suas vidas em outras partes da Alemanha, outros por sua vez em muitas outras partes do mundo, também como emigrantes. Ontem foram eles, hoje são outros. Ontem foram alvo de solidariedade, hoje são solidários. Não há resposta para todas as perguntas atuais. Não há resposta para quase nenhuma pergunta atual. Mas há muita solidariedade de pessoas comuns como eu e você. Esta já é uma grande resposta.

Quer ajudar e não sabe ainda como? Veja aqui um Portal de Informações sobre Projetos de Ajuda a Refugiados na Alemanha.

°°°

Encheram a terra de fronteiras, carregaram o céu de bandeiras, mas só há duas nações – a dos vivos e dos mortos.”
Mia Couto


%d blogueiros gostam disto: